CT - ENGENHARIA CARTOGRÁFICA E DE AGRIMENSURA - Presencial - Teresina

 

Curso  Nível  Graduação

CENTRO DE TECNOLOGIA - CT

Notícias

CONVITE: Defesas de TCC’s 2018.2


A coordenação do Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura tem a honra e a digna satisfação de convidá-lo(a) para as defesas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do ano/semestre 2018.2, dos seguintes discentes:

 

1)      DISCENTES:

FABSON LEAL DE ANDRADE; e

GABRIEL DE SOUSA MOURA ARAÚJO.

TÍTULO:

“LEVANTAMENTOS DE DETALHES COM OBSTRUÇÃO DO SINAL DOS SISTEMAS GLOBAIS DE POSICIONAMENTO: ESTUDO COMPARATIVO UTILIZANDO RECEPTOR GNSS E ESTAÇÃO TOTAL.”.

BANCA EXAMINADORA:

Prof. Esp. Rogério de Carvalho Véras (Orientador, CT/UFPI);

Prof. MSc. Francisco Soares Barbosa (Examinador Interno, CT/UFPI); e

Prof. Dr. Antônio Aderson, dos Reis Filho (Examinador Interno, CT/UFPI).

DATA: 28/11/2018, às 15:00 h.

SALA: Laboratório de Fotogrametria.

RESUMO: A crescente evolução tecnológica dos receptores que utilizam sinais do sistema GNSS levaram muitos profissionais a substituírem os equipamentos topográficos convencionais, como Estação Total, por este tipo de equipamento, em razão da maior praticidade, melhor precisão e a não necessidade de intervisibilidade entre estações, em trabalhos que envolvem mensuração e posicionamento, como o levantamento de detalhes. No entanto, a presença de obstruções (edificações, árvores, rede de alta tensão), próximo ao local onde se encontra tais detalhes, pode causar interferências significativas nas precisões das coordenadas, comprometendo a forma e orientação dos detalhes. O presente trabalho tem por objetivo uma análise comparativa entre valores de coordenadas, obtidos via GNSS e transportados com o auxílio da Estação Total, de pontos de detalhes situados em locais com obstruções de sinais de satélites de Sistemas Globais de Posicionamento, avaliando as possíveis discrepâncias nos resultados, em relação à orientação, a acurácia e a forma do polígono. Inicialmente, foi realizado testes comparativos de valores de coordenadas, adquiridos via rastreamento com receptor GNSS e transportados com o auxílio da Estação Total, de pontos de controles, livres de obstruções de sinais, materializados no Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Piauí com a finalidade de mostrar a confiabilidade do procedimento utilizado no cálculo das coordenadas transportadas. Em seguida, foram levantados pontos de detalhes de duas edificações, cuja estrutura oferece possível obstrução aos sinais GNSS, localizadas no campus universitário, para fins comparativo.  O sistema de referência utilizado foi o Sistema Geodésico Local – SGL.

Palavras-chave: Pontos de Detalhes. Obstruções de sinais. Sistema Geodésico Local.

 

2)      DISCENTE:

VITOR ROMANO DE SOUSA OLIVEIRA.

TÍTULO:

“UTILIZAÇÃO DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PARA ESTIMAR A COBERTURA DE AGUAPÉS NO TRECHO DO RIO POTI COMPREENDIDO ENTRE AS PONTES DA PRIMAVERA E ESTAIADA.”.

BANCA EXAMINADORA:

Prof. Dr. Antônio Aderson, dos Reis Filho (Orientador, CT/UFPI);

Profa. Dra. Dinameres Aparecida Anturnes (Examinadora Interna, CT/UFPI); e

Prof. MSc. José Ozildo de Moura (Examinador Interno, CT/UFPI).

DATA: 29/11/2018, às 15:30 h.

SALA: Laboratório de Fotogrametria.

RESUMO: Sensoriamento remoto permite tirar fotos da superfície terrestre de forma continua e por longos períodos de tempo. Um exemplo disso são as imagens de alta resolução disponíveis na plataforma Google Earth Pro para a comunidade em geral. Assim, a utilização dessas imagens na extração de informações se mostra muito útil no processo de fotointerpretação e tomada de decisão. Com base ambiental e dentre os recursos hídricos, os corpos d’agua compõem esse conjunto de informações que necessitam de monitoramento continuo. Portanto, a extração de informações em imagens orbitais se mostra como uma alternativa para a compreensão da dinâmica e dos eventos que ocorrem nos corpos d’agua. Este trabalho apresenta um método de segmentação com a finalidade de extração de informações sobre eventos que ocorrem em um trecho do rio Poti, na capital piauiense: Teresina. Por meio de técnicas de processamento digital de imagens, foi possível identificar e estimar a presença de aguapés, resultado do fenômeno da eutrofização. A percepção e a quantificação desse evento com a utilização das imagens adquiridas, será objeto desse trabalho, realçando a estruturação, implementação e avaliação da metodologia de segmentação.

Palavras-chave: Eutrofização. Imagens orbitais. Processamento digital de imagens, Segmentação.

 

3)      DISCENTES:

LAÍS ALEXANDRA ROCHA VIEIRA;  e

WILLIAM DE AREIA LEÃO SOUSA.

TÍTULO:

“GEORREFERENCIAMENTO COMO AUXÍLIO PARA A CRIAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO PARA O EXTRATIVISMO DO BABAÇU – PROJETO.”.

BANCA EXAMINADORA:

Prof. MSc. Emanoel Gomes de Sousa Silva (Orientador, CT/UFPI);

Prof. Dr. Antônio Aderson, dos Reis Filho (Examinador Interno, CT/UFPI); e

Adm. Tiago Ribeiro Patrício (Examinador Externo – Coord. Projeto BABCOALL).

DATA: 29/11/2018, às 17:00 h.

SALA: 565.

RESUMO: O babaçu (Attalea Speciosa) é uma das mais representativas palmeiras brasileiras, se utilizado sustentavelmente, e no seu total potencial, com o uso de tecnologias variadas na produção de diversos itens, para fins de uso químico, energético e alimentício pode conduzir a um cenário favorável à geração de emprego e renda, especialmente em regiões ricas nesta palmeira, porém pouco desenvolvidas economicamente. O projeto BABCOALL tem como objetivo, potencializar a cadeia produtiva do babaçu no estado do Piauí com parcerias sócias participativas entre associações rurais e unidade familiar com o setor industrial e governo em diferentes níveis, além de desenvolver e consolidar economicamente novos produtos derivados do babaçu. Oferece maior dinamismo ao processo de desenvolvimento, com aumento de produtividade, e aproveitamento de partes do fruto anteriormente inutilizadas. O projeto necessita de uma estrutura logística de coleta que pode vir da utilização de informações espaciais georreferenciadas, ou seja, a utilização de técnicas de georreferenciamento para localização das áreas densas de babaçual, o que pode proporcionar uma coleta mais objetiva, contribuindo para o aumento da produção e renda. Neste trabalho o método utilizado para o levantamento das áreas de babaçual da UFPI foi o PPP (Posicionamento por Ponto Preciso) e com dados processados utilizando o serviço PPP Online disponibilizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A pesquisa investiga o georreferenciamento das áreas de babaçual com a aplicação do posicionamento GNSS buscando avaliar os resultados em termos da aplicação dos resultados nas etapas iniciais da implantação de um modelo de gestão para desenvolvimento da cadeia produtiva do babaçu. Os resultados indicaram que mesmo utilizando dados processados com apenas a portadora L1, com tempo de coleta de 8 minutos em cada ponto, e ainda precisões das coordenadas na ordem de poucos metros, as áreas foram bem definidas e georreferenciadas podendo ser utilizadas de forma satisfatória no contexto dos objetivos a que se propõe o projeto BABCOALL.

Palavras-chave: Babaçu; BABCOALL; Georreferenciamento

 

4)      DISCENTES:

GEORGE RAFAEL DE ALMEIDA NUNES;

JUCILENE LOPES DE OLIVEIRA; e

LYANNA BEATRIZ DA ROCHA PEREIRA.

TÍTULO:

“ACURÁCIA POSICIONAL ALTIMÉTRICA DOS MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO ALOS PALSAR, ASTER, SRTM 30m E SRTM 90m.”.

BANCA EXAMINADORA:

Prof. MSc. José Ozildo de Moura (Orientador, CT/UFPI);

Prof. Dr. Antônio Aderson, dos Reis Filho (Examinador Interno, CT/UFPI); e

Profa. Dra. Dinameres Aparecida Anturnes (Examinadora Interna, CT/UFPI).

DATA: 03/12/2018, às 15:00 h.

SALA: NES.

RESUMO: Atualmente dados provenientes de sensores orbitais tem se tornado uma fonte de dados cada vez mais incindíveis no mapeamento topográfico e na geração de produtos oriundos a partir da cartografia. Tendo em vista esse fator o presente trabalho tem o objetivo de comparar a acurácia posicional altimétrica de dados obtidos através dos sensores orbitais do ALOS palsar, ASTER e de duas versões provenientes do SRTM (Shuttle Radar Topographic Mission), sendo elas SRTM 30 e SRTM90. Para tal comparação foram adotados como dados de referência oitenta e seis pontos coletados de forma direta com GPS geodésico, sendo esses situados nos bairros Vermelha, Macaúba, São Pedro, Pio XII e Tabuleta no município de Teresina-PI. Com os dados orbitais, já adquiridos de forma gratuita e homogeneizados em um mesmo sistema de projeção cartográfica, foram extraídas as altitudes de todos os pontos com a auxilio do software QGIS versão 2.18.24 e posteriormente calculada a acurácia altimétrica de cada um dos quatro modelos sensoriais a serem comparados no estudo. Para o cálculo foi o software GeoPEC versão 3.5, que leva em consideração a NBR 13.133/94, o decreto nº 89.817/84, que define os parâmetros para a exatidão cartográfica e ainda parâmetros definidos pelo INCRA/ georreferenciamento. Por fim foram produzidos curvas de nível e modelos digitais de elevação (MDE) e um modelo digital de terreno (MDT), para a melhor visualização da comparação de acurácia de cada um dos sensores. Com base nos resultados obtidos pode-se perceber que a acurácia das altitudes dos pontos dos sensores testados possuem semelhança quanto equidistância entre as curvas de linhas testadas positivas para classe A e B, ou seja de excelente ou boa qualidade comparando-se com altitudes consideradas verdadeiras do terreno. Porém foi contatado que somente para curvas de nível acima de 40 metros a acurácias foi de classe A e 20 metros de classe B. Quanto a comparação por pontos alguns sensores se mostraram mais eficientes para áreas onde há cobertura vegetal e outros para onde há área e desmatada ou construída, de todo modo os fatores negativos que foram se apresentando ao longo do trabalho não diminuem o valor agregado para esses sensores gratuitos, que em escala compatível se tornam ferramentas poderosas tanto na relação de precisão como de economia.

Palavras-Chave: acurácia altimétrica, sensores orbitais, altitudes.

 

5)      DISCENTE:

JARLIANDERSON DA SILVA PEREIRA.

TÍTULO:

“APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA BIM NO PROCESSO DE VIABILIDADE TÉCNICA NA IMPLANTAÇÃO DE UM LOTEAMENTO URBANO.”.

BANCA EXAMINADORA:

Profª. Esp. Larisse Pinheiro Fontinele (Orientadora, CT/UFPI);

Prof. Esp. Ronildo Brandão da Silva (Examinador Externo, Engenheiro Agrimensor e Civil, Especialista em Geografia e Engenharia de Segurança do Trabalho, Professor do IFPI); e

Eng. Cleomenilson Silva Damasceno (Examinador Externo, Engenheiro Agrimensor, trabalha na Superintendência de Desenvolvimento Rural-SDR/PMT).

DATA: 03/12/2018, às 16:00 h.

SALA: NES.

RESUMO: A forma que eram confeccionados os projetos principalmente relacionados ao parcelamento urbano eram feitos manualmente, e toda a informação era limitada apenas ao que estava contido no papel. Com o advento dos computadores a área da engenharia teve um grande avanço com a implementação das ferramentas CAD (Computer Aided Design) para a confecção dos projetos, assim os desenhos passaram a ser realizados de forma virtual, transformando o processo de confecção mais ágil e eficiente. Desta forma os desenhos são organizados digitalmente de acordo com cada etapa especifica do processo construtivo. Mas muita das vezes por falta de comunicação e integração da equipe de projeto com a de execução, ocorre a necessidade de quase sempre fazer alguma alteração no que já foi projetado, independentemente do tamanho dessa modificação, acaba acontecendo uma grande quantidade de retrabalho junto ao projeto, levando assim a necessidade de adaptar e redesenhar todo o jogo de planta e alteração nos orçamentos, tendo assim uma grande perda de tempo para refazer tudo. Pensando em automatizar e tornar mais eficiente a forma de planejar, projetar e executar uma obra, é que as empresas vêm com a ajuda da tecnologia da informação empregando a metodologia BIM (Building Information Modeling) para solucionar e organizar o ciclo de vida de um empreendimento. Portanto o presente trabalho tem como objetivo definir tecnologia BIM e mostrar como o uso dessa ferramenta vem a facilitar a forma eficiente de planejar, projetar e executar as obras, principalmente as de infraestrutura, onde quase sempre se tem o maior índice de gastos além do que foi planejado. Desta forma será realizado um estudo de viabilidade técnica com a criação de um projeto de loteamento urbano no município de Teresina-PI, tomando como base referencial o conceito de BIM e as leis que regem a implantação de um loteamento e para esse estudo será criado um modelo tridimensional de um loteamento urbano utilizando softwares que usam a metodologia BIM (Modelagem da Informação da Construção).

Palavras-Chave: BIM; Planejamento; Projeto; Loteamento

 

Contamos com a participação de todos

 

Atenciosamente,

 

Prof. MSc. Lineardo Ferreira de Sampaio Melo

Coordenador da disciplina de TCC II

Coordenador do Curso de Eng. Cartográfica e de Agrimensura


Notícia cadastrada em 14/11/2018 18:28  

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | sigjb06.ufpi.br.instancia1 vSIGAA_3.12.501 27/01/2021 20:39