CPPGCFAR/CCS - ONCOLOGIA EXPERIMENTAL E CLÍNICA - Presencial -

 

Curso  Nível  Lato Sensu

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS/CCS - CPPGCFAR/CCS

Últimas Notícias

Nenhum conteúdo disponível até o momento

Processos Seletivos Abertos


Curso/Período
CPPGCFAR/CCS - ONCOLOGIA EXPERIMENTAL E CLÍNICA - Presencial - 19/06/2018 - 20/06/2018
CPPGCFAR/CCS - ONCOLOGIA EXPERIMENTAL E CLÍNICA - Presencial - 06/11/2017 - 30/03/2017
Visualizar dados do processo seletivo

Apresentação

Com base no documento World Cancer Report 2014 da International Agency for Research on Cancer (IARC), da Organização Mundial da Saúde (OMS), é inquestionável que o câncer é um problema de saúde pública, especialmente entre os países em desenvolvimento, onde é esperado que, nas próximas décadas, o impacto do câncer na população corresponda a 80% dos mais de 20 milhões de casos novos estimados para 2025. No Brasil, os registros de Câncer de Base Populacional (RCBP) fornecem informações sobre o impacto do câncer nas comunidades, configurando-se uma condição necessária para o planejamento e a avaliação das ações de prevenção e controle de câncer. Em conjunto com os Registros Hospitalares de Câncer (RHC) e com o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS), formam o eixo estruturante para a vigilância de câncer e para o desenvolvimento de pesquisas em áreas afins. A estimativa mundial, realizada em 2012, pelo projeto Globocan/Iarc, apontou que, dos 14 milhões de casos novos estimados, mais de 60% ocorreram em países em desenvolvimento. Para a mortalidade, a situação agrava-se quando se constata que, dos 8 milhões de óbitos previstos, 70% ocorreram nesses mesmos países. Os tipos de câncer mais incidentes no mundo foram pulmão (1,8 milhão), mama (1,7 milhão), intestino (1,4 milhão) e próstata (1,1 milhão). Nos homens, os mais frequentes foram pulmão (16,7%), próstata (15,0%), intestino (10,0%), estômago (8,5%) e fígado (7,5%). Em mulheres, as maiores frequências encontradas foram mama (25,2%), intestino (9,2%), pulmão (8,7%), colo do útero (7,9%) e estômago (4,8%). Ainda com base nas informações do projeto Globocan, na região da América Latina e do Caribe, estimou-se, para 2012, a ocorrência de 1,1 milhão* de casos novos de câncer, sendo os tipos de câncer mais incidentes os de próstata (152 mil) em homens e mama (152 mil) em mulheres. Entretanto, o câncer do colo do útero ainda contribui de forma importante para a carga da doença em mulheres, figurando como o segundo mais incidente e como a segunda causa de morte por câncer em mulheres. Dos cerca de 530 mil casos novos de câncer estimados para os homens, o câncer de próstata foi o mais frequente (28,6%), seguido pelos cânceres de pulmão (9,8%), intestino (8,0%), estômago (6,8%) e bexiga (3,3%). Para as mulheres, os 560 mil casos novos, aproximadamente, foram assim distribuídos: mama (27%), colo do útero (12,2%), intestino (7,9%), pulmão (5,7,%) e estômago (4,3%). É possível observar a existência de um perfil da magnitude de determinados tipos de câncer em países em desenvolvimento que se assemelha ao perfil em países desenvolvidos, principalmente com relação aos cânceres de próstata, mama e intestino; entretanto, ainda persistem os cânceres relacionados com condições socioeconômicas menos favoráveis, como o do colo do útero e o do estômago. A estimativa para o Brasil, biênio 2016-2017, aponta a ocorrência de cerca de 600 mil casos novos de câncer. Excetuando-se o câncer de pele não melanoma (aproximadamente 180 mil casos novos), ocorrerão cerca de 420 mil casos novos de câncer. O perfil epidemiológico observado assemelha-se ao da América Latina e do Caribe, onde os cânceres de próstata (61 mil) em homens e mama (58 mil) em mulheres serão os mais frequentes. Sem contar os casos de câncer de pele não melanoma, os tipos mais frequentes em homens serão próstata (28,6%), pulmão (8,1%), intestino (7,8%), estômago (6,0%) e cavidade oral (5,2%). Nas mulheres, os cânceres de mama (28,1%), intestino (8,6%), colo do útero (7,9%), pulmão (5,3%) e estômago (3,7%) figurarão entre os principais. É fundamental que o monitoramento da morbimortalidade por câncer incorpore-se na rotina da gestão da saúde de modo a tonar-se instrumento essencial para o estabelecimento de ações de prevenção e controle do câncer e de seus fatores de risco. Esse monitoramento engloba a supervisão e a avaliação de programas, como ações necessárias para o conhecimento da situação e do impacto no perfil de morbimortalidade da população, bem como a manutenção de um sistema de vigilância com informações oportunas e de qualidade que subsidie análises epidemiológicas para as tomadas de decisões. Acredita-se que o aumento na incidência de câncer hoje, esteja relacionado ao envelhecimento da população, mesmo diante dos avanços tecnológicos adquiridos nos últimos anos. Segundo dados do projeto Globocan, países em desenvolvimento como o Brasil, as taxas de mortalidade estão acima de 50% e não há dúvidas que uma grande parcela dessas mortes pode ser atribuídas a falta de disseminação do conhecimento, aliado à demora no diagnóstico e tratamento. Nesse sentido, a presente proposta de especialização, surge como uma oportunidade de disseminar o conhecimento do câncer nas principais áreas da saúde, formando profissionais capacitados para atuarem na área de cancerologia. Assim, esse projeto procura contribuir para o ensino integrado ao serviço público de saúde e responder às necessidades concretas da população piauiense e brasileira na formação de recursos humanos, na produção do conhecimento e na prestação de serviços direcionados ao SUS e universidades no que concerne ao grave problema de saúde pública mundial que é o câncer.

Coordenação do Curso : LUCIANO DA SILVA LOPES
Telefone/Ramal: 3215-1160
E-mail: pmifepe@yahoo.com.br
Vice-Coordenação do Curso : FELIPE CAVALCANTI CARNEIRO DA SILVA
Telefone/Ramal: 3422-1008
E-mail: felipebio@ufpi.edu.br
Área de Conhecimento CNPQ:
Nenhum conteúdo disponível até o momento
Modalidade de Curso:
Presencial
Projeto Político Pedagógico:
Nenhum conteúdo disponível até o momento

<< Voltar

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | sigjb03.ufpi.br.instancia1 vSIGAA_3.12.152 23/07/2019 08:35