-

PPGAA018 - LEITURAS DIRIGIDAS DE ETNOGRAFIAS CLÁSSICAS - Turma: 02 (2016.2)

Tópicos Aulas
Abertura do curso (29/08/2016 - 29/08/2016)

Discussão da proposta e elaboração do calendário de atividades

Discussão teórica (10/09/2016 - 10/09/2016)

Artigos antropológicos sobre Gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica (24/09/2016 - 24/09/2016)

Artigos antropológicos sobre gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica (01/10/2016 - 01/10/2016)

Artigos antropológicos sobre Gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica (08/10/2016 - 08/10/2016)

Artigos antropológicos sobre Gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica e metodológica (22/10/2016 - 22/10/2016)

Livros, capítulos de livors e artigos antropológicos sobre gênero, sexualidade e alimentação 

Definição do Quilombo Lagoa dos Prazeres como local da pesquisa

Conversa com o professor Carlos Alexandre da UNB

Discussão teórica (29/10/2016 - 29/10/2016)

Artigos e capitulos de livos antropológicos sobre gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica (12/11/2016 - 12/11/2016)

Artigos antropológicos sobre Gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica e metodológica (19/11/2016 - 19/11/2016)

Etnografias sobre Gênero, seualidade e alimentação

Definição da cidade de Teresina como local da pesquisa sobre Gênero e Sexualidade

Discussão teórica (03/12/2016 - 03/12/2016)

Artigos antropológico sobre Gênero, sexualidade e alimentação

Discussão teórica (17/12/2016 - 17/12/2016)

Artigos antropológicos sobre Gênero, sexualidade e alimentação

Frequências da Turma
# Matrícula SET OUT NOV DEZ Total
03 10 17 24 01 08 15 22 29 05 12 19 26 03 10 17
1 2016100**** 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
2 2016100**** 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Notas da Turma
# Matrícula Unid. 1 Prova Final Resultado Faltas Situação
1 2016100**** 9,0 9.0 0 AM
2 2016100**** 10,0 10.0 0 AM

Nenhum item foi encontrado

Plano de Curso

Nesta página é possível visualizar o plano de curso definido pelo docente para esta turma.

Dados da Disciplina
Ementa: Temas a serem discutidos: 1) objetivismo versus subjetivismo = intersubjetividade? 2) a etnografia como marca distintiva da Antropologia; 3) a produção de etnografias no contexto piauiense.Exemplo de etnografias a serem trabalhadas: -Os Argonautas do Pacífico Ocidental e A Vida Sexual dos Selvagens, de Malinowski; -O Crisântemo e a Espada, de Benedict; -Sexo e Temperamento, de Mead; -Nós, os Tikopia, de Firth; -Os Nuers e Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande, de Evans-Pritchard; -Tristes Trópicos, de Lévi-Strauss; -Um Jogo Absorvente: Notas sobre a Briga de Galos Balinesa, de Geertz; -Crônica dos Índios Guayaki, de Clastres; -A Cidade das Mulheres, de Landes; -Os Mortos e os Outros, Manuela Carneiro da Cunha.
Objetivos:
Metodologia de Ensino e Avaliação
Metodologia: O curso será realizado em 10 encontros quinzenais. Nesses encontros discutiremos artigos, livros e etnografias sobre gênero e sexualidade, alimentação e comida produzidos na contemporaneidade. As alunas devem antecipadamente elaborarem resenhas sobre os textos escolhidos para melhor fluir as discussões e aprofundamentos.
Procedimentos de Avaliação da Aprendizagem: A avaliação será o resultado da participação em todas as seções e na entrega de um texto no formato de um artigo sobre uma questão específica a teoria estudada e escolhida pelas alunas.
Horário de atendimento:
Bibliografia: Tema Antropologia de gênero e sexualidade

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.
_______________. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del sexo. Buenos Aires: Paidós, 2002.
_____________. ¿El parentesco siempre es de antemano heterosexual? Tomado de Judith Butler, ?Is Kinship Always Already Heterosexual??, publicado em Undoing Gender, Routledge, Nova York, 2004, pp. 102-130
BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cad. Pagu, Campinas, n. 26, jun. 2006.
FOUCAULT, Michael. História da Sexualidade: A vontade de Saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1
FRY. Peter, 1982a. Homossexualidade Masculina e Cultos Afro-Brasileiros, in Para Inglês Ver: identidade e política na cultura brasileira. pp. 54-86. Rio de Janeiro: Zahar.
_____. 1982b. Da hierarquia à Igualdade: a construção histórica da homossexualidade no Brasil, in Para Inglês Ver: identidade e política na cultura brasileira. pp. 87-115. Rio de Janeiro: Zahar.
Fry, Peter. e E. MacRae, 1983. O Que é Homossexualidade. São Paulo: Brasiliense.
HARAWAY, Donna. ?Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra?. Cadernos Pagu, Campinas, n. 22, jun. 2004.
GONÇALVES, M. A. et al. (orgs.). 2012. Etnobiografia ? subjetivação e etnografia. Rio de Janeiro: 7 Letras
McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial: Raça, Gênero e Sexualidade no Embate Colonial. Campinas: Editora Unicamp, 2010.
PISCITELLI, Adriana. 2008. Interseccionalidade, categortias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez: 263-274.
PRECIADO, Beatriz. MULTIDÕES QUEER ? Notas para uma política dos ?anormais?
________________. Manifesto Contrassexual ? praticas subversivas de identidade sexual. Madrid/Espanha: Editoria Opera Prima, 2002.
Perlongher, Néstor. O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. Editora Brasiliense, 1987 (2ª edição), São Paulo, 275p
REIS,2015. Entre redes: mulheres, afetos e desejos. Dissertação de mestrado ? UFPI.
REIS, 2016. Entre mulheres: trajetórias, afetos e desejo. Artigo
ROLNIK, Suely. ?Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo?. Porto Alegre: Sulinas; Editora da UFRGS, 2007.
SCOTT, Joan W. ?A Invisibilidade da Experiência?. Projeto História, São Paulo, 1998.
____. 1995. ?Gênero: uma categoria útil de análise histórica?. Educação & Realidade, vol. 20, nº 2.
STRATHERN, Marilyn. ?O Gênero da Dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Malinésia?. Campinas, sp: Editora da UNICAMP, 2006.


Tema Antropologia da alimentação

SESSÃO 1 ? 29/08

CONTRERAS, Jesús; GRACIA, Mabel. Teorias antropológicas sobre a alimentação. In.: Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011, p. 25-107.

SESSÃO 2 ? 12/09

MINTZ, Sidney. Comida e Antropologia: uma breve revisão. RBCS, 16 (47): 31-41, 2001.

SASSATELLI, Roberta. Contestação e Consumo Alternativo: a moralidade política da comida. TESSITURAS: Revista de Antropologia e Arqueologia 3.2 (2015): 10.

SESSÃO 3 ? 26/09

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

MACIEL, M. E. Cultura e alimentação, ou o que têm a ver os macaquinhos de Koshima com Brillat-Savarin? Horizontes Antropológicos, 16, 2002.

SESSÃO 4 ? 03/10

MINTZ, Sidney. Comida e Antropologia: uma breve revisão. RBCS, 16 (47): 31-41,
2001.

MENASCHE, Renata. O ato de comer enquanto prática política. IHU-online, XIV (442), 2014, maio. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5472&secao=442.

SESSÃO 5 ? 10/10

NASCIMENTO, E. C.; GUERRA, G. A. D. Do avortado ao comprado: práticas alimentares e a segurança alimentar da comunidade quilombola do baixo Acaraqui, Abaetetuba, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas,
v. 11, n. 1, p. 225-241, jan.-abr. 2016.

MACIEL, M. E. Identidade cultural e alimentação. In.: CANESQUI, A.M.; GARCIA, R.W.D. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005, p. 49-55.

SESSÃO 6 ? 24/10

CAVIGNAC, J.A.; DANTAS, M.I.; SILVA, D.P. Comidas de Raiz: a retomada da cultura quilombola no Seridó (Brasil). Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 2, p. 105-139, jul./dez. 2015.

WOORTMANN, E. F. A comida como linguagem. Revista habitus, Goiânia: Pontifícia Universidade Católica, n. 11, v. 1, 2013.

SESSÃO 7 ? 07/11

ALMEIDA, R. A. Do tempo da Terra Comum ao Espremimento: estudo sobre a lógica e o saber camponês na Baixada Cuiabana. 2005. 211 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) ? Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

SESSÃO 8 ? 17/11

CUNHA, Manuela Carneiro da. Antropologia do Brasil: Mito, história e Etnicidade. Editora Brasiliense, 1986.

PLÍNIO DOS SANTOS, C. A. B. Negros do Tapuio: memórias de quilombolas do sertão piauiense. Curitiba: Appris, 2012.

SESSÃO 9 ? 05/12

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Plantar, colher e comer. Rio de Janeiro: Graal, 1981.

WOORTMANN, E. F.; WOORTMANN, K. O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: EDUnB, 1997.

SESSÃO 10 - 12/12
TURNER, Victor. Dramas, campos e metáforas: ação simbólica na sociedade humana. Niterói: EDUFF, 2008.

SESSÃO 11 ? 16/01

YVONNE, Maggie. Guerra de Orixá: um estudo de ritual e conflito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

Cronograma de Aulas

Início

Fim

Descrição
29/08/2016
29/08/2016
Abertura do curso
10/09/2016
10/09/2016
Discussão teórica
24/09/2016
24/09/2016
Discussão teórica
01/10/2016
01/10/2016
Discussão teórica
08/10/2016
08/10/2016
Discussão teórica
22/10/2016
22/10/2016
Discussão teórica e metodológica
29/10/2016
29/10/2016
Discussão teórica
12/11/2016
12/11/2016
Discussão teórica
19/11/2016
19/11/2016
Discussão teórica e metodológica
03/12/2016
03/12/2016
Discussão teórica
17/12/2016
17/12/2016
Discussão teórica
Avaliações
Data Descrição
10/01/2017 1ª Avaliação
: Referência consta na biblioteca
Referências Básicas
Tipo de material Descrição
Referências Complementares
Tipo de material Descrição
Notícias da Turma

Nenhum item foi encontrado

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | sigjb03.ufpi.br.sigaa vSIGAA_3.12.1063 12/04/2024 07:53