Notícias

Convite para banca de Defesa



O PPGCA convida a comunidade acadêmica para a seguinte banca de DEFESA

 

DISCENTE: AYRTON SENNA DA SILVA DAMASCENO
DATA: 27/07/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Bom Jesus - PI - UFPI - Sala 4A

Link da Sala Virtual de Defesa - meet.google.com/tvr-irmy-cxn
TÍTULO: Sensores multi e hiperespectrais na determinação dos teores de deficiência e toxicidade de boro em plantas de eucalipto
PALAVRAS-CHAVES: Satélite; Sensoriamento Remoto; Nutrição; Micronutriente
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
SUBÁREA: Fitotecnia


RESUMO:

A detecção de deficiência em plantios de eucalipto pode ser catastrófica e irreversível, uma vez que muitos sintomas se manifestam em longo prazo, como o micronutriente boro. Além de limitar o crescimento e aporte de biomassa, a falta de boro provoca superbrotações laterais e perda da dominância apical. O uso de produtos de sensores remotos orbitais pode prever a deficiência ou toxidade do elemento antes mesmo de manifestar sintomas visuais na planta e remediar tais efeitos. Com isso, objetivou- identificar sintomas de deficiência e toxidade de boro foliar em povoamentos comerciais de Eucalyptus spp. utilizando o método de classificação SAM (Mapeador de Ângulo Espectral) para mapeamento com sensores multiespectrais. Para isso, o trabalho foi divido em duas etapas, consistindo a primeira na coleta dos espectros de onda em mudas de eucalipto submetidas a diferentes doses de boro ( T1 - 0 mg/dm-3, T2 - 1 mg/dm-3 ,T3 - 10 mg/dm-3 , T4 - 20 mg/dm-3 e T5 - 40 mg/dm³). As bandas espectrais foram organizadas e simuladas conforme as faixas espectrais do sensor orbital MSI do satélite Sentinel 2, sendo obtidos os índices de vegetação NDVI, NDRE, EVI, CI, PRSI, CCCI, MTCI e HMSSI. Para validar dos dados radiométricos de deficiência e toxidade de B, procedeu-se coletas de folhas em uma área dividida em 70 quadrantes com eucalipto plantado, localizado na zona rural de Baixa Grande do Ribeiro – Piauí. Os dados espectrais referente as imagens obtidas a partir do sensor MSI do satélite Sentinel 2 da área de campo foram coletadas com o software ENVI, após a classificação com algoritmo SAM. Os dados foram submetidos a análise multivariada de variáveis canônicas e análise discriminante, sendo realizadas no software livre R com auxílio dos pacotes ggplot2, candinsc e MASS. Os valores médios das bandas 11 e 12 foram superiores nas plantas sob nível adequado de boro. Apenas o índice NDVI apresentou valor médio superior no nível de boro adequado em relação a deficiência. Os demais índices obtiveram maiores valores no nível de boro deficiente. Houve uma clara distinção entre os níveis adequado e deficiência de boro ao analisar os scores canônicos. A banda B12 foi a que mais contribuiu para discriminar o nível adequado. O uso do sensor orbital MSI possibilita a discriminação dos níveis de deficiência e adequado de boro em plantios de eucalipto, como também a aplicação de índices de vegetação aprimora o monitoramento nutricional. A aplicação do NDVI aprimora a identificação dos níveis adequados de boro.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - CACIO LUIZ BOECHAT
Externo à Instituição - CARLOS ANTONIO DA SILVA JUNIOR - UNEMAT
Externo à Instituição - GUILHERME FERNANDO CAPRISTO SILVA - UNEMAT
Externo ao Programa - RONIE SILVA JUVANHOL

Notícia cadastrada em: 18/06/2020 16:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 03/08/2020 16:59