Notícias

Banca de DEFESA: MATHEUS SOUSA MARQUES CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MATHEUS SOUSA MARQUES CARVALHO
DATA: 28/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Departamento de Enfermagem/UFPI, Campus Ininga
TÍTULO: PREVALÊNCIA DA SÍFILIS EM PESSOAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE RUA EM UMA CAPITAL DO NORDESTE BRASILEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Sífilis. Pessoas em Situação de Rua. Prevalência. Epidemiologia.
PÁGINAS: 79
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

A sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível com elevada prevalência em populações com maior vulnerabilidade. O estudo teve como objetivo investigar a prevalência e fatores associados da sífilis em pessoas que vivem em situação de rua. Trata-se de um estudo epidemiológico analítico transversal realizado no Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua em Teresina – PI, com 205 pessoas em situação de rua, sendo o recrutamento feito por conveniência. Foi aplicado um formulário com variáveis referentes a questões sociodemográficas, vivência em situação de rua, comportamento sexual, uso de álcool e outras drogas, e aspectos clínicos relacionados a sífilis. Além disso foi realizado testagem rápida para sífilis, e para casos reagentes, foi realizado exame VDRL. Os dados foram processados pelo programa SPSS, versão 21.0, e para verificação da associação entre as variáveis foi utilizado o teste Qui-quadrado ao nível de significância 5% (<0,05). O estudo atendeu todos os aspectos éticos da Resolução nº 466/12. Foram detectados 29 casos de sífilis. Do total de participantes (n=205) houve predomínio do sexo masculino (86,8%), faixa etária de 31 a 49 anos (52,2%), solteiros (73,2%), cor autodeclarada não branco (84,9%), natural da região nordeste (88,8%) e sem renda (57,6%). Relataram ter parceria fixa 24,4%, e eventual 32,7%, sendo o uso do preservativo em 8% e 43,3%, respectivamente. O consumo do álcool esteve em 62,4% dos participantes, e 41,5% relataram fazer o uso de outras drogas há mais de dez anos, sendo as principais mencionadas, maconha, crack e cocaína. Uma prevalência da sífilis de 14,1% foi considerada elevada, com significância estatística em relação a idade e histórico de outras infecções sexualmente transmissíveis. Dessa forma, faz-se necessário uma melhor atenção a essa população. Sugere-se realização de mais estudos com populações semelhantes e melhor investimento em capacitações de profissionais da área com vista na melhoria do acesso ao serviço de saúde, e ampliar a testagem rápida para detectar além da sífilis, outras infecções relacionadas, e garantir um diagnóstico e tratamento precoce.

 

 

 

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423072 - LAURO LOURIVAL LOPES FILHO
Interno - 423584 - IONE MARIA RIBEIRO SOARES LOPES
Interno - 1551620 - MARIA ZELIA DE ARAUJO MADEIRA
Externo à Instituição - MARLI TERESINHA GIMENIZ GALVÃO - UFC
Notícia cadastrada em: 20/02/2019 10:51
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 26/06/2019 21:20