Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: CARLA LARISSA MONTEIRO RAMOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARLA LARISSA MONTEIRO RAMOS
DATA: 02/07/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Instalar o aplicativo Zoom acessando: https://www.microsoft.com/store/apps/9nh8747bw3bc
TÍTULO: Mortalidade Materna por hemorragia em um centro de referência de um Estado do Nordeste brasileiro
PALAVRAS-CHAVES: Mortalidade Materna; hemorragia pós-parto;hemorragia intra-parto
PÁGINAS: 109
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

INTRODUÇÃO E OBJETIVO: Morte materna é definida como óbito ocorrido durante a gravidez, no parto ou até 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou da localização da gravidez, devida a qualquer causa relacionada com ou agravada pela gravidez ou por medidas tomadas em relação a ela, porém não devida a causas acidentais ou incidentais. A mortalidade materna é um importante indicador de saúde porque reflete as condições socioeconômicas do país e a qualidade de vida de sua po-pulação, assim como das políticas públicas que promovem as ações de saúde coletiva. No Piauí essa causa atinge taxas de 15%, sendo a terceira causa mais comum de morte materna. O objetivo deste estudo é avaliar as principais causas de morte materna por hemorragia e as intervenções realizadas durante internação destas pacientes na Maternidade referência no Estado do Piauí, Brasil no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2017.TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo observacional, retrospectivo e analítico, desenvolvido em um centro de referência em atendimento às gestantes de um Estado do Nordeste brasileiro.MÉTODOS: Os óbitos maternos por hemorragia ocorridos entre 2008 e 2017 foram o identificados através das informações contidas no prontuário da instituição e na declaração de óbito, portanto, foram incluídos os óbitos decorrentes de gravidez ectópica, aborto incompleto complicado por hemorragia excessiva, hemorragia tardia ou excessiva consequente a aborto e a gravidez ectópica e molar, transtorno da placenta, placenta prévia, descolamento prematuro da placenta, hemorragia ante parto não classificada em outra parte, trabalho de parto e parto complicados por hemorragia intraparto, hemorragia pós-parto. Esses dados foram colocados em planilha através do Programa Excel e a análise estatística dos dados foi realizada através da aplicação de métodos estatísticos descritivos e inferenciais, utilizando o software IBM SPSS Statistics versão 20.RESULTADOS: O total de óbitos maternos no período de 10 anos foi de 215, destes, 14,4% ocorrem por hemorragia, a idade média das pacientes que tiveram como causa da morte hemorragia foi de 26,3 anos; 50% eram solteiras; 63,6% não tinha escolaridade ou fizeram fundamental incompleto; 67,9% foram submetidas à cesariana; 96,8% foram encaminhadas para UTI. As síndromes hipertensivas foram as comorbidades mais associadas à mortalidade materna por hemorragia. A hemorragia pós-parto foi diagnosticada em 70,9% dos casos de morte materna por hemorragia, seguida descolamento prematuro de placenta 9,6%. A atonia uterina foi mais frequente dentro das causas de HPP com 59,1% dos casos, seguida dos distúrbios de coagulação com 22,7%. O uso de ocitocina foi observado em 50% enquanto 27,5% foram submetidas à histerectomia total e 21,4% à histerectomia subtotal. Em relação à utilização de hemoderivados, a associação mais usada foi o concentrado de hemácias mais plasma fresco em 40,7% das pacientes.CONCLUSÃO: A mortalidade materna por hemorragia ainda apresenta números elevados. A atonia uterina é a principal causa de óbito por HPP e evitável já que seus fatores de risco podem ser detectados ainda no pré-natal. O uso de ocitocina em apenas 50% dos casos pode ser associado à subnotificação no prontuário pelos profissionais de saúde e ao quadro clínico grave das pacientes durante admissão na maternidade. O manejo da hemorragia pós-parto já é bem estabelecido, portanto, para que ocorra a redução da mortalidade materna por hemorragia é importante a elaboração e execução de protocolos assistenciais, e capacitação dos profissionais de saúde.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 4332146 - JOSE ARIMATEA DOS SANTOS JUNIOR
Interno - 3373256 - PEDRO VITOR LOPES COSTA
Externo ao Programa - 423594 - JOAO DE DEUS VALADARES NETO
Notícia cadastrada em: 30/06/2020 16:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 03/08/2020 17:01