Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LORENA MOURA SANTANA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LORENA MOURA SANTANA
DATA: 30/11/2018
HORA: 09:00
LOCAL: TROPEN/UFPI
TÍTULO: Qualidade de vida urbana: Estudo das Praças de Bairro da Cidade de Teresina, Piauí
PALAVRAS-CHAVES: Espaços Livres Públicos. Praças. Urbanização
PÁGINAS: 74
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A realidade atual do mundo alerta os citadinos para os problemas presentes e futuros causados pela intensa industrialização e urbanização das cidades. O homem deixou o meio rural para se estabelecer no meio urbano, e assim, estas se transformaram estrutural, econômica e politicamente para abrigar e condicionar a vida dos que nelas vivem. Esta pesquisa buscou identificar como os cidadãos percebem e interagem com os espaços livres públicos da cidade contemporânea, tendo as praças de bairro de Teresina, Piauí, Brasil, como objeto de investigação, além de responder se estes espaços conferem qualidade de vida à cidade e à população. A pesquisa foi motivada pela discussão do espaço público como elemento fundamental para o desenvolvimento sustentável das cidades. Nesse sentido, as praças são territórios de sociabilidade que agregam funções diversas como: lazer, contemplação, sociais, educativas, ecológicas, socioambientais, recreativas e tem como uma de suas finalidades, promover o bem-estar das metrópoles. Conformam o espaço público e constituem elemento de percepção do lugar, produzindo repúdio ou aproximação por parte dos cidadãos. Por meio da análise da estrutura física e da funcionalidade de 8 (oito) praças de bairro da capital, escolhidas de acordo com a divisão em regiões administrativas de Teresina e pelo perfil socioeconômico destas, baseou-se nas metodologias propostas por De Angelis, Castro e DE Angelis Neto (2004), Gehl, Gemzøe, Karnaes & Søndergaard (2006), Serpa (2007) e Pinheiro, Elali & Fernandes (2008) para abordar qualitativa e quantitativamente o objeto de estudo. Foi feito o levantamento, cadastramento, diagnóstico e avaliação com enfoque em dois pontos principais: a estrutura física e o uso, obtendo-se assim, a ficha cadastral de cada uma das oito praças e informações sobre como os espaços são percebidos, concebidos e vividos. O questionário estruturado, com perguntas abertas e fechadas, aplicado forneceu o perfil dos usuários das praças, a frequência de utilização, tempo de permanência, atividades desenvolvidas e percepção sobre a conservação e vegetação das mesmas. O método da observação permitiu constatar que as praças perderam sua função primeira de local de encontro, permanência e conexão com os demais espaços da cidade. O comércio formal e informal que se instala nestas e nas proximidades, faz com que estes espaços sejam lembrados pela população como local de passagem ou com fins específicos relacionados ao comércio (de alimentos principalmente). Medo, violência e segregação são elementos que surgiram ao longo da pesquisa e que revelam ser importante a reflexão destes aspectos no distanciamento dos teresinenses aos espaços públicos em questão. Estudar as praças é ter como referencial de discussão um equipamento urbano com forte função social, elemento organizador do tecido urbano e de promoção do bem-estar. Para Teresina, sua importância vai além dos aspectos do planejamento urbano: contribui para a amenização do clima, pois a capital vive sob altas temperaturas o ano todo e as praças são espaços que apresentam, ainda, quantidades significativas de vegetação na cidade A conservação destes espaços garante a identidade entre eles e a comunidade, fator que contribui e garante a qualidade de vida urbana.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 302.181.523-53 - FRANCISCO SOARES SANTOS FILHO - UESPI
Interno - 2098982 - GIOVANA MIRA DE ESPINDOLA
Externo à Instituição - LAUDENIDES PONTES DOS SANTOS - IFPI
Externo à Instituição - LIÉGE DE SOUZA MOURA - UESPI
Presidente - 1354664 - WILZA GOMES REIS LOPES
Notícia cadastrada em: 16/11/2018 17:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 01/10/2020 04:02