Notícias

Banca de DEFESA: KARLA COSTA BEZERRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KARLA COSTA BEZERRA
DATA: 24/05/2013
HORA: 15:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO TROPEN
TÍTULO:

COMUNIDADE DE ANFÍBIOS DA APA DO INHAMUN, CAXIAS, MA: ABORDAGEM ECOLÓGICA. MOLECULAR E ETNOZOOLÓGICA COMO BASE PARA ESTATÍSTICA DE CONSERVAÇÃO


PALAVRAS-CHAVES:

anfíbios, cerrado, fitofisionomias, identificação molecular, percepção ambiental.


PÁGINAS: 141
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

RESUMO

 

Estudos de comunidades de anfíbios têm contribuído com importantes informações para a elaboração de modelos acerca da estruturação de comunidades em geral. São indicadores de qualidade ambiental de fácil observação por se encontrarem agregados na época reprodutiva. Apesar de sua importância, pesquisadores em todo o mundo vêm observando uma grande redução das populações destes animais, devido a processos naturais e antrópicos. O Cerrado, maior savana sul americana, vem sofrendo um acelerado processo de ocupação desordenada, e sua biodiversidade ainda não foi adequadamente estuda. Os dados de campo obtidos durante os estudos de inventários e monitoramentos têm importância especial para avaliar o estado de populações de anfíbios sobre grandes áreas, porém faz-se necessária a complementação desses dados com estudos de populações em mosaicos fitofisionômicos e outras ferramentas que auxiliem na correta identificação das espécies e de fatores de risco impulsionados pela população humana na sua área de ocorrência. No estado do Maranhão, o Cerrado ocorre ao lado de outras duas províncias florísticas: a Floresta Amazônica e a Caatinga, refletindo uma região extremamente heterogênea e com elevada diversidade de espécies. Este trabalho tem como objetivo inventariar a fauna de anfíbios em duas fitofisionomias de Cerrado na APA do Inhamum, mata de galeria e cerrado sensu strictu, levando em consideração análises moleculares, ecológicas e etnozoológicas-percepções ambientais e culturais da comunidade local visando à elaboração de estratégias de conservação mais efetivas e viáveis. Para descrever a comunidade de anfíbios da área foram realizadas amostragens com as armadilhas de interceptação e queda e amostragem em sítios reprodutivos; Extração de DNA pelo protocolo fenol-clorofórmio, PCR e sequenciamento de DNA. Entrevistas semi-estruturadas com auxílio de gravador e técnica de indução aos desenhos foram realizadas com os moradores do entorno.  Análises ecológicas revelaram divergências na estrutura das populações nas fitofisionomias, embora não tenha sido possível observar uma fauna característica em cada uma. As análises moleculares divergiram da identificação morfológica indicando a ocorrência de uma única espécie do gênero Phyllomedusa na APA, P. hypochondrialis. As percepções ambientais dos atores sociais do entorno da APA revelaram um conhecimento considerável acerca dos anfíbios, embora a classificação popular tenha diferido da classificação científica e a espécie Rhinella jimi é a mais ameaçada pelas atitudes da comunidade que em sua maioria mata estes animais. O uso do táxon restringe-se a alguns relatos nas categorias medicinal, lúdico e alimentar, não representando ameaça à conservação à diversidade de anfíbios na região. As representações por meio de desenhos revelaram um distanciamento das crianças e adolescentes em relação ao táxon, devido principalmente à conduta de seus pais de relacionarem os anfíbios a animais perigosos. As abordagens utilizadas podem contribuir para uma melhor forma de elaboração de estratégias de conservação da biodiversidade na área.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - DANTE PAVAN - UMA
Presidente - 423289 - JOAO BATISTA LOPES
Interno - 1167538 - JOSE MACHADO MOITA NETO
Notícia cadastrada em: 08/05/2013 14:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 12/08/2020 18:23