Notícias

Banca de DEFESA: GIVANILSO CÂNDIDO LEAL

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GIVANILSO CÂNDIDO LEAL
DATA: 26/03/2020
HORA: 11:00
LOCAL: PRODEMA-UFPI
TÍTULO: Comunidade de oomicetos (Oomycota) e a eutrofização nos rios Parnaíba e Poti, Teresina, PI
PALAVRAS-CHAVES: Bioindicadores. Impactos Ambientais. Eutrofização
PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

Os oomicetos (Oomycota) constituem um grupo de organismos zoospóricos com afinidade de características morfológicas e fisiológicas com os fungos, os quais pertenciam em classificações taxonômicas anteriores. Atuam como recicladores da matéria orgânica e parasitas de plantas, animais, fungos e outros oomicetos. No Brasil, são escassos os estudos desses organismos e pouco o conhecimento sobre como as populações se comportam nos ambientes. Contudo, estudos sobre oomicetos são bastante promissores, não apenas pela sua importância econômica podendo causar danos a diversas culturas agrícolas devido seu potencial de parasitismo, como também por apresentar potencial para uso na bioindicação, considerando sua sensibilidade às mudanças ambientais. O uso de organismos vivos como bioindicadores no auxílio a determinação da qualidade de ambientes aquáticos tem ganhado grande destaque com os avanços científicos e tecnológicos. Juntamente com as características físico-químicas verificadas a partir dos parâmetros adotados para análise da qualidade da água, o conhecimento do comportamento dos organismos que vivem nesses ambientes é de suma importância, pois é possível observar diretamente como os níveis de poluição podem impactar esses seres. Assim, foi realizado estudo das comunidades de oomicetos nos rios Parnaíba e Poti utilizando indicadores de Riqueza, sendo representada por 19 taxa distribuídos em oito gêneros, 13 taxa foram comuns nos dois rios. O rio Parnaíba obteve 17 taxa, com maior frequência para: Aphanomyces sp com 28%, Achlya sp. e Dictyuchus sp. com 11% cada e Pythiogeton uniforme com 10%. Achlya dubia (5%), A. proliferoides (1%), Brevilegnia megasperma (2%) e Pythiogeton utriforme (2%) foram exclusivos no rio Parnaíba. No rio Poti foram observados 15 taxa em seis gêneros, com maior frequência: Aphanomyces sp. (22%), Pythiogeton ramosum (19%) e Pg. uniforme (12%). Leptolegniella keratinophila e Plectospira myriandra foram exclusivas desse rio. Apesar da maior diversidade ter sido expressa no rio Parnaíba, grande parte dos seus isolados foram raros, com baixa frequência. Enquanto o rio Poti obteve mais espécies constantes durante as coletas. A caracterização nutricional dos isolados teve destaque na colonização de substratos orgânicos de origem celulósicos perfazendo um total de 71% e 69% nos rios Parnaíba e Poti respectivamente. Os substratos quitinosos não apresentaram colonização por oomicetos em ambos os rios. Dentre os exemplares isolados na pesquisa Achlya conspicua ganha destaque por ser a primeira citação para o Brasil e Brevilegnia megasperma como segunda citação para o país e primeira para o Piauí. Além disso, foi observado o nível de eutrofização dos rios nos pontos de coleta, dados de fósforo total e clorofila a em ambos os ambientes apresentaram valores superior ao preconizado na legislação do país. A partir desses dados foi determinado o Índice de Estado Trófico – IET desses ambientes, o rio Poti demonstrou maior índice, em pontos com intensa urbanização, chegando a ser classificado como supereutrófico. A correlação da riqueza dos oomicetos com as variáveis: temperatura, pH e IET não foram fatores limitantes na dinâmica dos oomicetos no rio Parnaíba; contudo, foi notória a interferência desses fatores como característica limitante da dinâmica dos oomicetos no rio Poti. Com isso, foi possível conhecer e entender a dinâmica dos oomicetos nesses ambientes, entender como o processo de eutrofização dos rios interferem nesses organismos e quão impactado esses ambientes estão devido a influência antrópica no meio. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 302.181.523-53 - FRANCISCO SOARES SANTOS FILHO - UESPI
Presidente - 423426 - JOSE DE RIBAMAR DE SOUSA ROCHA
Externo à Instituição - MARIA DE FÁTIMA VERAS ARAÚJO - UESPI
Externo à Instituição - ROSELIS RIBEIRO BARBOSA MACHADO - UESPI
Notícia cadastrada em: 06/03/2020 15:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 27/10/2021 19:28