Notícias

Banca de DEFESA: GIOVANNA SANTOS DE SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GIOVANNA SANTOS DE SOUZA
DATA: 28/05/2020
HORA: 08:30
LOCAL: Sala virtual indicada após o Resumo
TÍTULO: Caracterização limnológica do rio água doce e percepção ambiental de pescadores do município de Água Doce do Maranhão, Maranhão, Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Estuário; Delta do Parnaíba; Pescadores artesanais
PÁGINAS: 103
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A riqueza de organismos encontrada em regiões estuarinas tem sido atingida pelas relações
que o homem estabelece com o ambiente. Este pode gerar impactos tanto na qualidade dos
ecossistemas quanto na forma de interação e uso dos recursos naturais. Assim, objetiva-se
com esse estudo avaliar as variáveis físicas, químicas e biológicas da água do rio Água Doce,
município de Água Doce do Maranhão, Maranhão, Brasil, e a percepção ambiental dos
pescadores em relação à qualidade da água deste ecossistema. No período de julho de 2017 a
junho de 2018. No período de julho de 2017 a junho de 2018 variáveis como: temperatura da
água, pH, salinidade, turbidez, condutividade elétrica, oxigênio dissolvido, transparência,
sólidos totais e nutrientes (N-NH4, N-NO2, N-NO3, nitrogênio total, fósforo total), foram
analisadas, em seis pontos do Rio Água Doce, durante os períodos de preamar e baixamar,
assim como a composição e biomassa (clorofila a) da comunidade fitoplanctônica. Dados de
precipitação pluviométrica também foram levantados. As análises estatísticas foram Shapiro-
Wilk, Bartlett, Fligner-Killeen, Kruskal-Wallis, análise de variância (ANOVA) e correlação
de Spearman foram realizadas. A percepção ambiental dos pescadores foi analisada com
auxílio de formulários semiestruturados, em uma abordagem qualiquantitativa.
Temporalmente foram evidenciados dois períodos climáticos distintos: um período seco de
julho a dezembro de 2017 e um período chuvoso de janeiro a junho de 2018. O rio Água Doce
apresentou águas quentes (≥28 ºC) e salinas (média=34,47 ‰), com transparência e zona
eufótica extensa. Valores de pH, sólidos totais, condutividade elétrica, fósforo total,
clorofila a e oxigênio dissolvido foram maiores no período seco. Já a turbidez e o nitrito
aumentaram seus valores durante o período chuvoso. Diferenças estatísticas significativas
ocorreram principalmente entre meses e marés. Correlações negativas significativas
ocorreram entre a precipitação pluviométrica e os valores de salinidade, pH e condutividade
elétrica da água e entre os valores de turbidez e transparência, nitrogênio total e nitrato.
Dentre as variáveis estudadas, o oxigênio dissolvido foi o que e o pH foram os que
apresentaram valor abaixo do exigido pelo CONAMA n°357∕2005 para corpos aquáticos
enquadrados na classe 2. A comunidade fitoplanctônica foi representada por 27 gêneros e 32
espécies distribuídas nas divisões Bacillariophyceae (20 táxons), Dinophyceae (8 táxons),
Cyanophyceae e Mediophyceae (ambos com dois táxons). As condições ambientais
favoreceram o domínio de diatomáceas. O período chuvoso interferiu na dinâmica físicoquímica
da água e na composição da comunidade fitoplanctônica. Apesar da ausência de
diferenças significativas entre os pontos e marés, os impactos antrópicos podem causar
maiores interferências em longo prazo, sendo necessário monitoramento do corpo d’água
visando à conservação do ambiente e dos múltiplos usos das águas do rio Água Doce. A
atividade de pesca no Rio Água Doce se mostrou pouco atrativa para os jovens, porém
bastante atrativas para as mulheres. O rio Água Doce tem grande importância para o
desenvolvimento da região e das famílias de pescadores e, embora dejetos de lixo sejam
descartados, os pescadores consideram a água de boa qualidade, ressaltando mudanças de
coloração apenas em alguns períodos, associados ao fluxo de marés e épocas do ano,
corroborando com os dados observados nas variáveis físicas, químicas e biológicas o que
influencia diretamente na escolha de técnicas e apetrechos de pescas utilizados. A fiscalização
e conscientização dos pescadores são importantes ferramentas de auxílio à conservação do rio
Água Doce.

Link de acesso à Sala: https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/ivanilza-moreira-de-andrade


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2098982 - GIOVANA MIRA DE ESPINDOLA
Presidente - 1221652 - IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
Externo à Instituição - LUCIANA GOMES BARBOSA - UFPB
Interno - 1167785 - ROSELI FARIAS MELO DE BARROS
Externo à Instituição - SIMON JOSEPH MAYO - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 08/05/2020 17:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 20/10/2021 04:07