Notícias

Banca de DEFESA: ADRIANA DE SOUSA LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADRIANA DE SOUSA LIMA
DATA: 24/06/2013
HORA: 16:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO TROPEN
TÍTULO:

BIODIVERSIDADE, POTENCIAL DE USO ECONÔMICO E ASPECTOS SÓCIOAMBIENTAIS EM UMA ÁREA DE CERRADO SOB INFLUÊNCIA DE ATIVIDADE CARVOEIRA NO MUNICÍPIO DE JERUMENHA/PI, BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

 Eucalipto, cerrado, botânica econômica, carvão vegetal.


PÁGINAS: 139
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

 

 

 

 

 

O cerrado é um dos Biomas mais diversos do mundo e também um dos mais ameaçados, sendo incluído como uma das 34 áreas prioritárias para a conservação. Dentre as ameaças sofridas por esse Bioma, está a perda da biodiversidade ocasionada pela silvicultura. Os cerrados possuem condições ambientais favoráveis para o plantio de eucalipto, entretanto, essa atividade vem sendo realizada de forma predatória e mal planejada, através da substituição da vegetação nativa por esta cultura. Com o aumento do desmatamento, ocorre a disponibilidade de material lenhoso, geralmente reaproveitado na forma de carvão vegetal. O objetivo deste estudo foi realizar o levantamento florístico e fitossociológico em uma área de cerradão de futura expansão para plantio de eucalipto, na Fazenda Campeira (07°02’ S e 43° 39’ W), município de Jerumenha-PI, bem como o levantamento das potencialidades de uso econômico,   síndrome de dispersão da vegetação encontrada, a forma na qual ocorre o aproveitamento da mesma através das carvoarias, e os processos socioambientais que envolvem a atividade, além da importância socioambiental destas para a população local. Para o levantamento qualitativo e quantitativo da vegetação foi utilizado o método de parcelas, através de 10 parcelas (20x50 m), com DNS ≥ 3 cm, na área de estudo. A análise da estrutura vegetacional foi obtida através dos parâmetros analíticos e sintéticos de abundância calculados pelo programa MATA NATIVA 3.09. Foram encontradas 56 espécies, destas, 43 foram amostradas no levantamento fitossociológico.  As espécies de maior VI foram Pouteria ramiflora (Mart.) Radlk.; Qualea parviflora Mart.; Byrsonima crassifolia (L.) Kunth.;  Plathymenia reticulata Benth.; Pterodon abruptus (Moric.) Benth.  A  maior parte das espécies e dos indivíduos esteve concentrada nas classes de menores diâmetros e altura. A posição sociológica revelou que poucas espécies foram presentes nos três estratos. O índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 3,22 nats /ind.e a diversidade beta foi alta entre as parcelas, indicando que a vegetação está distribuída em forma de mosaico. No levantamento das potencialidades de uso econômico e síndrome de dispersão da área de cerradão, foram encontradas 54 espécies com uma gama de potenciais de uso na região. Os potenciais de usos que mais se destacaram foram: madeireiro, apícola e medicinal. Quanto à síndrome de dispersão, a zoocoria foi a predominante, seguida por anemocoria e autocoria. No que diz respeito aos aspectos socioambientais no processo de produção de carvão vegetal, observou-se que a maior parte dos trabalhadores era do sexo masculino, casado, com ensino fundamental incompleto, proveniente do Maranhão. Quanto à atividade de carvoejamento, esta se desenvolve a partir do aproveitamento lenhoso do desmatamento para o plantio de eucalipto, em fornos do tipo-rabo quente. Destaca-se a função do carbonizador como a de maior importância nas carvoarias, dependendo deste a qualidade do carvão. Com relação á saúde dos trabalhadores, a maior parte afirmou não ter tido nenhuma doença decorrente da atividade. Os carvoeiros vislumbram a produção de carvão vegetal como fonte de renda, bem como a conversão do cerrado em eucalipto como uma continuação desta fonte. Os proprietários das carvoarias analisadas alegam que o preconceito e a falta de conhecimento são os principais motivos que dificultam o desenvolvimento da atividade. A falta de conhecimento taxonômico da flora em áreas de cerrado ainda não inventariadas resulta em perdas irreversíveis uma vez que não há o conhecimento satisfatório destas áreas, bem como a simplificação das potencialidades de uso da vegetação por apenas um tipo de uso. O carvoejamento em Jerumenha é caracterizado como uma atividade secundária, envolvendo um grande número de trabalhadores com funções definidas e hierarquizadas. Estudos a fim de caracterizar a produção de carvão vegetal no Piauí fazem-se necessário considerando o Estado como um dos polos desta produção no Nordeste.

 

 

 

 

 

 

 



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167347 - ANTONIO ALBERTO JORGE FARIAS CASTRO
Interno - 1291400 - DENIS BARROS DE CARVALHO
Externo à Instituição - MAURA REJANE DE ARAÚJO MENDES - UESPI
Notícia cadastrada em: 11/06/2013 14:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 06/08/2020 17:55