Notícias

Banca de DEFESA: AGENOR FRANCISCO ROCHA JUNIOR

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AGENOR FRANCISCO ROCHA JUNIOR
DATA: 12/12/2019
HORA: 08:00
LOCAL: NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS-CCA/UFPI
TÍTULO: Variabilidade espacial dos atributos físico-químicos do solo sob cultivo de pinhão manso consorciado com diferentes gramíneas, em área degrada no município de Gilbués-PI.
PALAVRAS-CHAVES: Desertificação, Geoestatística, Semivariograma, consórcio, cobertura do solo.
PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

Diversos estudos têm sido realizados com o objetivo de promover a recuperação de áreas degradadas e com esse intuito, inúmeros trabalhos buscam analisar as relações existentes entre o cultivo consorciado de espécies perenes com diferentes tipos de gramíneas e os seus efeitos nas características dos atributos físico-químicos dos solos dessas regiões. Com o objetivo de alcançar esses resultados o presente trabalho buscou caracterizar e analisar a variabilidade espacial dos atributos físico-químicos de um Neossolo Litólico cultivado com pinhão manso (Jatropha curcas L.) consorciado com diferentes espécies de gramíneas forrageiras, e também avaliara o desenvolvimento vegetativo e produtivo das espécies testadas. O estudo foi realizado em uma área cedida à da Embrapa Meio-Norte, localizada nas coordenadas geográficas 09º 51’ 15” S e 45º 21’ 55” W, altitude de 428 m, na Comunidade Vaqueta, município de Gilbués, PI, em área de Neossolo Litólico, com teores médios de 350,75 g kg-1 de silte e 84,75 g kg-1 de argila. O pinhão manso foi implantado em dezembro de 2009, por plantio de mudas em espaçamento simples de 4 x 3 m. As gramíneas foram plantadas em linha entre as fileiras do pinhão com espaçamento entre linhas de um metro. As parcelas de testes foram constituídas por quatro áreas de aproximadamente um hectare cada, plantadas com pinhão manso consorciado com gramíneas da seguinte forma: A1 - pinhão manso mais capim nativo (Andropogon fastigiatus SW); A2 - pinhão-manso mais Brachiaria decumbens; A3 - pinhão-manso mais Brachiaria brizantha, cultivar Piatã; e A4 - pinhão manso mais capim andropogon (Andropogon gayanus L.), sendo os mesmos avaliados a partir do ano de 2010. Para o mapeamento dos atributos físico-químicos do solo as amostras foram coletadas nos pontos de cruzamento de uma malha com intervalos regulares de 30 m, e um transecto na parte central da área com intervalos de 5 m nas profundidades de 0,0-0,05, 0,05-0,10 e 0,10-0,20 m, sendo coletadas 80 amostras em cada uma das profundidades, totalizando 240 amostras. Em cada área de teste foram selecionadas trinta arvores de pinhão manso, realizando-se as medidas de altura, diâmetro de copa, diâmetro de caule e produção por planta. O incremento da altura, diâmetro de copa e de caule das plantas de pinhão manso foi realizado a cada três meses por um período de três anos. O acumulo de forragem foi medido cortando e pesando o material contido em um quadro de metal com área de 0,25 m², em dez pontos por área de teste. Os incrementos de altura e produção de massa verde e seca para cada gramínea foi feita por todo o período chuvoso de cada ano. Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva, geoestatística e análises multivariadas. Com base nos resultados obtidos, conclui-se que as três gramíneas, comerciais, avaliadas apresentam boa capacidade produtiva, para uso como forrageiras ou cobertura do solo, em consórcio com pinhão manso. Tendo o Capim Andropogon (Andropogon gayanus) apresentado a maior capacidade produtiva e tolerância aos efeitos do consorcio com o pinhão manso do que as demais espécies testadas. A produtividade de massa verde e seca e a altura média das diferentes espécies de gramíneas, consorciadas com pinhão manso, apresentaram resposta entre espécies e o cultivo. O estudo mostrou que os dados físicos do solo indicaram que, a implantação do pinhão manso consorciado com diferentes gramíneas na área degradada, acarretou em aumento do carbono orgânico total, da estabilidade de agregados, densidade do solo, capacidade de campo, ponto de murcha e microporosidade, podendo acarretar na melhora da estrutura do solo e em sua capacidade de armazenamento de água. Os dados também indicam redução da água disponível, macroporosidade e porosidade total podendo acarretar em problemas à circulação de água e nutrientes no solo. Os dados químicos do solo indicam que o consorcio entre pinhão manso e gramíneas extrai uma considerável quantidade de nutrientes do solo, podendo acarretar em um empobrecimento do solo em longo prazo caso não se utilize algum tipo de manejo nutricional na área.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1300002 - GUSTAVO SOUZA VALLADARES
Interno - 1072943 - FRANCISCO EDINALDO PINTO MOUSINHO
Externo ao Programa - 133.400.343-20 - MARCOS EMANUEL DA COSTA VELOSO - EMBRAPA
Externo ao Programa - 005.716.029-59 - MELISSA ODA SOUZA - UESPI
Externo à Instituição - ADEMIR FONTANA - EMBRAPA
Externo à Instituição - EDUARDO VEDOR DE PAULA - UFPR
Notícia cadastrada em: 04/12/2019 14:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 22/06/2021 07:29