Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: RAFAEL PORTELA FONTENELE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAFAEL PORTELA FONTENELE
DATA: 29/11/2016
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do Curso de Farmácia
TÍTULO: Chenopodium ambrosioides L.: da seleção a partir de estudos etnodirigidos ao controle de qualidade e desenvolvimento de fitoterápico magistral tópico
PALAVRAS-CHAVES: Sistema Único de Saúde; plantas medicinais; etnofarmacologia; controle de qualidade; Chenopodium ambrosioides.
PÁGINAS: 121
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

No Brasil, a fitoterapia, baseada em políticas públicas e normatizações específicas, constitui-se como uma prática integrativa e complementar no Sistema Único de Saúde (SUS), gerando a necessidades de estudos na área. O objetivo deste trabalho foi identificar o perfil de aceitação e utilização de plantas medicinais pela população usuária da Atenção Básica de Teresina-PI e, a partir de uma das plantas relevantes, desenvolver uma formulação fitoterápica magistral tópica com controle de qualidade definido e reprodutível, desde a matéria prima vegetal até a forma farmacêutica final, para utilização nos serviços de saúde. A pesquisa foi dividida em quatro capítulos. O Capítulo 1 apresenta uma revisão integrativa da literatura que revelou os desenhos metodológicos etnodirigidos quantitativos mais utilizados no Brasil: estatística descritiva simples, testes estatísticos de associação, técnica de valor de uso, de fator consenso informante, de importância relativa e porcentagem de concordância quanto aos usos principais. O Capítulo 2, através da abordagem etnodirigida quantitativa, caracterizou a população usuária da Atenção Básica de Teresina-PI com o hábito de usar plantas medicinais (80,6%), bem como o apoio a institucionalização de ações com a fitoterapia (93,7%) e a concordância com a prescrição de plantas medicinais e/ou fitoterápicos pelos profissionais de saúde (93,5%). O hábito de usar plantas medicinais mostrou-se estatisticamente associado a região de saúde onde o usuário é atendido (p<0,05), à faixa etária (p<0,01) e tempo em que é atendido pelo serviço de saúde (p<0,0001). Foram mencionadas 87 etnoespécies utilizadas como medicinais e as mais frequentemente citadas foram: erva cidreira, boldo, capim de cheiro, hortelã, mastruz, laranjeira, malva do reino, folha santa, ameixa, aroeira, babosa e quebra-pedra. Dentre estas as mais versáteis quanto às indicações de uso, ou seja, com maior valor de uso foram a babosa, mastruz e folha santa. No Capítulo 3 selecionou-se o mastruz (Chenopodium ambrosioides) e estabeleceu-se um roteiro com critérios mínimos de controle de qualidadade para a planta, sua droga vegetal e extrato. Obteve-se valores de referência para a espécie em relação aos parâmetros de processo de secagem, rendimento em biomassa, granulometria, perda por dessecação e teor de cinzas para a droga vegetal; bem como de pH, densidade relativa, resíduo seco e prospecção fitoquímica preliminar para o extrato. Foi validado um método espectrofotométrico na região do ultravioleta-visível como um parâmetro quantitativo prático para o controle de qualidade a partir de uma curva padrão do marcador quercetina complexada com AlCl3 2,5% (leitura a 430nm após 30 minutos de complexação). A otimização do processo extrativo por planejamento fatorial mostrou as condições de maceração de 9 dias sem renovação do solvente etanol a 70%, e proporção de droga vegetal/solvente de 1:5 como aquelas com melhor resposta para o método validado. O desenvolvimento do produto magistral tópico com extrato de mastruz incorporado encontra-se em processo e constituirá o Capítulo 4. Assim, evidenciou-se que a inserção da fitoterapia como uma política pública em Teresina-PI é uma demanda social e viável de ser desenvolvida; a abordagem etnodirigida mostrou-se adequada para o levantamento das plantas prioritárias para a população; bem como o procedimento metodológico percorrido e as especificações determinadas para o mastruz são recomendadas principalmente para o controle de qualidade nas Farmácias Vivas dentro do contexto da Assistência Farmacêutica no SUS. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1668358 - ANDRE LUIS MENEZES CARVALHO
Externo ao Programa - 2246074 - FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA
Interno - 1350350 - MARIA DAS GRACAS FREIRE DE MEDEIROS
Externo ao Programa - 1792038 - NELSON LEAL ALENCAR
Notícia cadastrada em: 18/11/2016 13:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 22/10/2019 06:19