Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MAYARA LADEIRA COÊLHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAYARA LADEIRA COÊLHO
DATA: 26/04/2012
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do Curso de Farmácia
TÍTULO:

Estudo da degradação do fármaco dapsona utilizado no combate a hanseníase por hidrólise, oxidação, fotólise e termodegradação


PALAVRAS-CHAVES:

Dapsona, Propriedades físico-químicas, Estudo de estabilidade forçada, Método indicativo de estabilidade.


PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

A dapsona (DAP), jutamente com a clofazimina e a rifampicina, faz parte do esquema poliquimioterápico estipulado pela OMS e MS para tratamento da hanseníase, que se trata de uma doença infecciosa crônica causada pelo Mycobacterium leprae. O Brasil continua sendo o segundo país em número de casos no mundo, após a Índia. Na terapia, a ingestão prolongada deste fármaco pode levar a seu acúmulo no organismo, podendo este sofrer uma série de reações em condições orgânicas como oxidações, hidrólises ácidas, básicas ou neutras, podendo ainda em condições “in vitro” de armazenamento e estocagem, simular a termo e fotodegradação dos princípios ativos. Neste sentido, inicialmente foi desenvolvida e validada uma nova alternativa analítica para quantificação da dapsona por espectrofotometria UV. Uma vez que o método farmacopeico atual utiliza metanol como solvente, sendo este tóxico por inalação, ingestão ou contato com a pele ou mucosa, os solventes selecionados para o método foram etanol e água purificada. Posteriormente, a fim de alcançar a qualidade e aumento no perfil de segurança no processo de pré-formulação farmacêutica, o fármaco teve suas características físico-químicas abordadas segundo o conceito Quality by Design, que preconiza o conhecimento sistemático do processo de desenvolvimento de um medicamento por meio de experimentos multivariados. Dessa forma, foram obtidos perfis térmicos, difratométricos, químicos e morfológicos, através de técnicas específicas. Posteriormente, a estabilidade da DAP em misturas binárias com excipientes foi avaliada por meio de calorimetria exploratória diferencial como critério de exclusão. Para o delineamento da estabilidade deste ativo foi realizado o estudo de estabilidade forçada da DAP utilizando condições de estresse hidrolítico básico (NaOH 0,1 N) ácido (HCl 0,1 N), neutro (H2O), oxidativo (H2O2 3%) e fotolítico (com associação de lâmpadas ultravioleta e branca fria), as quais foram avaliadas por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). O método indicativo de estabilidade para detecção e quantificação da DAP e seus produtos de degradação foi desenvolvido e validado, possibilitando a avaliação do teor de DAP nas amostras degradadas além de serem identificados, por espectrometria de massa, 2 de seus produtos de degradação.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1553988 - EDSON CAVALCANTI DA SILVA FILHO
Presidente - 1666905 - JOSE LAMARTINE SOARES SOBRINHO
Interno - 1512631 - LIVIO CESAR CUNHA NUNES
Interno - 1666877 - MONICA FELTS DE LA ROCA SOARES
Notícia cadastrada em: 07/04/2012 17:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb02.ufpi.br.instancia1 22/10/2019 05:59