Notícias

Banca de DEFESA: LUCAS MOREIRA BRITO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCAS MOREIRA BRITO
DATA: 22/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do NPPM
TÍTULO:

Screening da atividade antileishmania e antibacteriana do extrato etanólico, frações e constituinte majoritário obtidos da casca do caule de Mimosa caesalpiniifolia Benth.


PALAVRAS-CHAVES:

Produtos naturais. Mimosa caesalpiniifolia. Atividade Antileishmania. Citotoxicidade. Imunomodulação. Antimicrobiana.  Antioxidande.


PÁGINAS: 79
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

O uso de plantas medicinais para o tratamento de muitas doenças está associado à medicina popular de diferentes partes do mundo. Nesse contexto, extrato e frações de M. caesalpiniifolia, têm apresentado inúmeras atividades farmacológicas comprovadas experimentalmente, dentre elas, atividade antitumoral, antioxidante, anti-inflamatória e antimicrobiana. No entanto, a maior parte dos constituintes químicos e atividades biológicas de M. caesalpiniifolia permanecem desconhecidas tornando-se necessário mais estudos para buscas de novos compostos bioativos. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a atividade antileishmania e antibacteriana do extrato etanólico e frações de M. caesalpiniifolia e do ácido betulínico; analisar a citotoxicidade sobre macrófagos peritoneais e investigar parâmetros de ativação de macrófagos como mecanismos de imunomodulação. A CI50 para as formas promastigotas e amastigotas de L. amazonensis, em 48 horas de exposição, do Ext-EtOH, F-Hex, F-DCM, F-AcOEt, F-Aquo e Ac-B, foram respectivamente, de 4,63; 3,15; 0,38; 55,20; 56,98 e 29,63 µg mL-1 para formas promastigotas e de 4,80; 8,90; 0,56; 26,54; 37,52 e 14,19 µg mL-1 para amastigotas. O Ext-EtOH, F-Hex, F-DCM e Ac-B apresentaram toxicidade nas maiores concentrações, obtendo os seguintes valores de CC50:79,67; 35,18; 14,22e 345,34 µg mL-1. Não foi observada citotoxicidade para as F-AcOEt e F-Aquo. Os ensaios de imunomodulação e antioxidante demonstraram uma boa ação para frações F-AcOEt e F-Aquo. A atividade antibacteriana foi observada pela F-DCM, apresentando CIM de 25; 25 e 12,5 µg mL-1 para o S. aureos; MRSA e S. epidermidis, com CBM de 100 µg mL-1 para este último. Também foi observado inibição bacteriana pela F-AcOET, com CIM de 100 µg mL-1. Os resultados obtidos demostram que o extrato e frações da casca do caule de M. caesalpiniifolia, assim como o ácido betulínico, apresentaram uma acentuada atividade antileishmania e antibacteriana, tornando-se necessário estudos mais aprofundados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167750 - FERNANDO AECIO DE AMORIM CARVALHO
Externo ao Programa - 841.003.203-10 - LEIZ MARIA COSTA VERAS - UFPI
Externo ao Programa - 1350350 - MARIA DAS GRACAS FREIRE DE MEDEIROS
Notícia cadastrada em: 16/02/2016 12:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 18:12