Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JAMYLLA MIRCK GUERRA DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JAMYLLA MIRCK GUERRA DE OLIVEIRA
DATA: 04/02/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais
TÍTULO:

Ensaios toxicológicos, atividade estrogênica, toxicidade gestacional e perfis hematológicos e bioquímicos de roedores tratados com extrato etanólico de Myracrodruon urundeuva 


PALAVRAS-CHAVES:

Fitoestrógeno

Reabsorção fetal

Abortamento

Aroeira


PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
SUBÁREA: Toxicologia
RESUMO:

Myracrodruon urundeuva (Engl.) Fr. All. (Anacardiaceae) é uma espécie arbórea nativa da caatinga e do cerrado, desde o Ceará até o Paraná, conhecida popularmente como aroeira-do-sertão ou urundeúva. Apresenta grande uso farmacológico, as raízes são usadas no tratamento de reumatismo e as folhas são indicadas para o tratamento de úlceras. Sua entrecasca possui propriedades antiinflamatórias, adstringentes, antialérgicas e cicatrizantes. A M. Urundeuva possui, também, atividades antibacterianas e antifúngicas, devido a presença de lectina. Além disso, seu uso por grande parte da população é de forma abusiva e aleatória, podendo levar a distúrbios em outros sistemas do  organismo. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi realizar ensaios de toxicidade aguda in vivo e teste de toxicidade celular in vitro, além de avaliar possíveis efeitos estrogênicos e/ou antiestrogênicos do extrato etanólico obtido a partir dos rebrotos de Myracrodruon urundeuva (Engl.) Fr. All. em ratas Wistar. Para o protocolo de toxicidade aguda foram utilizados 24 camundongos Swiss machos, pesando 25 a 30 g, mantidas em jejum de sólidos durante 18 h e foram tratados com EEMu, via oral, dissolvido em água destilada, em dose  crescentes de 500 mg/kg, 1 e 2 g/kg em volume de 10 mL/kg em dose única. O grupo Controle recebeu água destilada no volume de 10 mL/kg. Os animais foram avaliados diariamente até o 14º dia. O número total de mortos em cada grupo foi quantificado até o final do período. Foram realizados exames bioquímicos do soro e cortes histológicos dos órgãos dos animais. A dose letal média para 50% da amostra (DL50) foi calculada. Para o protocolo de atividade (anti)estrogênica, foram utilizadas 63 ratas Wistar, pré-púberes, pesando entre 40 a 50 g, com idade de 21 ± 1 dias pós-natal, as quais receberam, do 21º ao 25º dia pós-natal, os seguintes tratamentos (n=7): Controle: água destilada via oral (VO) no volume de 10mL/kg; Controle positivo: solução de Benzoato de Estradiol (Estrogin) em óleo de canola (BE) na dose 5 µ/kg, intraperitoneal (IP); EEMu 1: EEMu na dose 125mg/kg VO; EEMu 2: EEMu na dose 250mg/kg VO; EEMu3: EEMu na dose 500mg/kg VO; EEMu 1 + Estadiol: EEMu na dose 125mg/kg VO + BE na dose 5µ/kg IP; EEMu 2 + Estradiol: EEMu na dose 250mg/kg VO + BE na dose 5µ/kg IP; EEMu 3 + Estradiol: EEMu na dose 500mg/kg VO + BE na dose 5µ/kg IP; Estradiol + Tamoxifeno: BE na dose 5µ/kg IP + Tamoxifeno 1mg/kg VO. No 6º dia, as ratas foram anestesiadas por excesso de anestésico (50mg de Ketamina + 10mg de Xilazina por kg), procedida a coleta de sangue por meio de punção cardíaca, em frascos sem anticoagulante, adicionados de ativador de coágulo para avaliação dos parâmetros bioquímicos. Em seguida, foram eutanasiadas, por excesso de anestésico, para coleta e avaliação dos órgãos internos (útero, ovários, adrenais, rins, coração e fígado). Foi mensurada a massa relativa dos órgãos e procedeu-se ao preparo histológico destes. Os dados foram comparados pela análise de variância (ANOVA) de uma via. As diferenças entre os grupos foram avaliadas pelo teste de Tukey através do programa Graphpad Prism® versão 5.0. Os resultados do presente estudo nos permitem concluir que o extrato etanólico das folhas dos brotos e rebrotos de Myracrodruon urundeuva (Engl.) Fr. All. (Anacardiaceae) não possui atividade estrogênica e antiestrogênica, porém mais estudos devem ser realizados, visando descartar efeitos tóxicos sobre rins e fígado.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423174 - AMILTON PAULO RAPOSO COSTA
Interno - 423551 - RITA DE CASSIA MENESES OLIVEIRA
Externo ao Programa - 1167710 - MARIA DO CARMO DE CARVALHO E MARTINS
Notícia cadastrada em: 23/01/2013 18:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 18:14