Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCISCA BEATRIZ DE MELO SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCA BEATRIZ DE MELO SOUSA
DATA: 06/07/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Aula Mestrado/ CMRV
TÍTULO:

Efeito ANTISSECRETÓRIO do Sulfeto de hidrogênio na diarreia induzida pela toxina do Vibrio cholerae em camundongos: EVIDÊNCIA de NÃO ENVOLVIMENTO da via Adenilato ciclase/AMPc/PKA e AMPK


PALAVRAS-CHAVES:

Mediador gasoso, diarreia, cólera, secreção intestinal, sulfeto de hidrogênio.


PÁGINAS: 109
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

A cólera é uma doença infecciosa aguda causada pela bactéria Vibrio cholerae, que se multiplica rapidamente no intestino humano produzindo a chamada toxina da cólera (TC). A TC causa uma diarreia grave devido a seu efeito direto sobre as células epiteliais intestinais, promovendo nestas uma ativação excessiva da adenilato ciclase (AC) e consequentemente um aumento dos níveis intracelulares de AMPc, que culminam com a secreção excessiva de Cl- que é acompanhada pelo movimento osmótico de uma grande quantidade de água para o lúmen intestinal. A solução de reidratação oral é o método mais eficaz para o tratamento da cólera, entretanto este não interfere no mecanismo de ação da TC. Portanto, é de suma importância o estudo sobre o desenvolvimento de fármacos e biomoléculas que possam agir no mecanismo intracelular dessa toxina. Deste modo, o objetivo deste trabalho foi estudar a atividade antidiarreica do sulfeto de hidrogênio (H2S) bem como o seu possível mecanismo de ação na diarreia secretória causada pela TC. Inicialmente, a atividade antidiarreica do H2S foi avaliada no modelo de secreção de fluido em alças intestinais isoladas de camundongos vivos tratadas com a TC. Assim, camundongos Swiss (25 e 30 g) em jejum (24h), foram pré-tratados (v.o), com L-cisteína (10 ou 50 mg/kg) sozinha ou com DL-propargilglicina (PAG 100 mg/kg), NaHS (3 ou 27 μmol/kg), regente de Lawesson´s (3 ou 27 μmol/kg) ou salina, e 30 min. depois os animais foram anestesiados, seguido de laparotomia mediana para visualizar e expor do intestino delgado. Uma porção do jejuno foi isolada e fechada com dupla lassada. As alças intestinais foram então inoculados com 100 μl PBS ou TC (1 μg/alça). 4 h após a anestesia, os animais foram eutanasiados e as alças foram removidas. A secreção de fluido intestinal foi medida através da relação g/cm das alças. Amostras teciduais das alças intestinais foram recolhidas para análise dos níveis de H2S e expressão intestinal de CSE através de imunohistoquímica. O conteúdo intestinal acumulado também foi recolhido para determinação da concentração de íons Cl-. O efeito da H2S sob a absorção intestinal também foi avaliado. Para o estudo do mecanismo de ação antidiarreica do H2S, os camundongos em jejum, foram pré-tratados (v.o) com PAG (100 mg/kg) ou salina. Após 25 min., foi realizado o procedimento da indução da diarreia na alça intestinal, entretanto, antes da administração da TC, os animais em determinados grupos receberam SQ22536 0,01M/alça (inibidor de AC), Bupivacaina 100μM/alça (inibidor de AMPc) ou KT5720 1μg/alça (inibidor de PKA). Para avaliar a participação da AMPK no efeito antissecretório do H2S, os animais foram tratados, com um ativador ou um inibidor específico da AMPK: AICAR (1mM/alça) e dorsomorfina (30μM/alça), respectivamente. Em seguida foi realizado o procedimento de indução da diarreia na alça intestinal isolada semelhante ao descrito anteriormente. O H2S por meio da L-cisteína e doadores apresentou atividade antidiarreica reduzindo significativamente a secreção de fluido intestinal e perda de íons Cl- induzida pela TC. Os dados desse trabalho também sugerem que o efeito antissecretório do H2S não está envolvido com o aumento da absorção intestinal e ocorre por um mecanismo independente da via AC/AMPc/PKA e AMPK. Além disso, observou-se que a TC induz um aumento da expressão de CSE, assim como da produção de H2S. Dessa forma, este estudo mostra a relevância da atividade antidiarreica H2S, e indica que drogas doadoras de H2S são candidatas promissores para a terapia da cólera. Porém mais estudos são necessários a fim de elucidar o possível mecanismo de ação do H2S na diarreia induzida pela TC.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2140923 - ANA JERSIA ARAUJO
Externo ao Programa - 1439403 - GILBERTO SANTOS CERQUEIRA
Presidente - 1680593 - JAND VENES ROLIM MEDEIROS
Notícia cadastrada em: 30/06/2016 10:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 06/03/2021 02:36