Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANIK DE ASSUNÇÃO OLIVEIRA SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANIK DE ASSUNÇÃO OLIVEIRA SOUSA
DATA: 17/04/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Sala da Coordenação do Mestrado Profissional CMRV UFPI
TÍTULO: RENDILHANDO MEMÓRIAS: estudos e intervenções em educação e interpretação do patrimônio cultural no Centro Histórico da cidade de Parnaíba, Piauí, Meio Norte do Brasil.
PALAVRAS-CHAVES: Educação e Interpretação do Patrimônio Cultural; Conjunto Histórico e Paisagístico de Parnaíba; Piauí; Meio Norte do Brasil
PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Museologia
RESUMO:

RENDILHANDO MEMÓRIAS é um projeto de natureza ação no campo da educação e da interpretação do patrimônio cultural em andamento desde 2016, na cidade de Parnaíba, Meio Norte do Brasil. A interpretação do patrimônio cultural é uma estratégia de comunicação, de aproximação das pessoas com o patrimônio cultural. Sua aplicação teve início em atividades turísticas e educação não formal a partir da década de 1950, sobretudo, com a publicação do livro “Interpreting our Heritage”, do norte-americano Freeman Tilden, para quem a interpretação patrimonial é “[...] uma atividade educativa, que se propõe revelar significados e inter-relações por meio do uso de objetos originais, do contato direto com o recurso e de meios ilustrativos, em vez de simplesmente comunicar informação literal”. (TILDEN, 1977 apud IEF, 2002, p. 11). O autor reforça que essa definição é básica e que o intérprete não deve se deixar limitar por ela, o importante é o contato direto com o recurso que está sendo lido/interpretado, através de uma comunicação atrativa, informações breves e o uso de recursos lúdicos, que revelem sentidos e significados para o visitante ou pessoa da comunidade residente. A interpretação patrimonial tem se revelado uma valiosa ferramenta no campo da educação para o patrimônio cultural, ao permitir que as comunidades se conectem com seu patrimônio e desvelem seus múltiplos significados, além de criar perspectivas de conservação e preservação. Segundo Murta e Albano (2005), a prática da interpretação dentro de uma comunidade pode levar os moradores a (re) descobrirem novas formas de olhar e apreciar o lugar que habitam, desenvolverem o senso preservacionista e contribuírem para o despertar de novas missões, vocações e oportunidades de trabalho, emprego e renda ligados diretamente a um turismo sensível associado ao patrimônio cultural.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423686 - AUREA DA PAZ PINHEIRO
Externo ao Programa - 553.703.300-34 - CLARISSE ISMÉRIO DE OLIVEIRA - PUC - RS
Externo ao Programa - 1360694 - MARIA PATRICIA FREITAS DE LEMOS
Interno - 217.303.853-20 - RITA DE CÄSSIA MOURA CARVALHO - ULB
Notícia cadastrada em: 03/04/2018 12:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 03/06/2020 23:54