Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: URSULA PIAUILINO DE QUEIROZ CAUZ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: URSULA PIAUILINO DE QUEIROZ CAUZ
DATA: 28/02/2019
HORA: 17:00
LOCAL: PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA MULHER
TÍTULO: Fatores de risco para mortalidade neonatal no Hospital Regional Manoel de Sousa Santos, Bom Jesus-PI
PALAVRAS-CHAVES: mortalidade infantil; mortalidade neonatal; fatores de risco.
PÁGINAS: 52
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

A Mortalidade Infantil é composta pela mortalidade neonatal (óbitos até 27 dias de vida) e pós neonatal (a partir de 28 dias até menor de 1 ano). Nos últimos anos ocorreu uma redução da mortalidade infantil no Brasil e no mundo, no entanto o componente neonatal que representa a maior taxa desses óbitos, e mesmo com o declínio da Taxa de Mortalidade Infantil do Brasil comparada com a dos países desenvolvidos ainda é considerada elevada. Objetivo geral: Analisar a mortalidade neonatal no Hospital Regional Manoel de Sousa Santos, Bom Jesus-PI, nos anos 2016 e 2017. Objetivos específicos: Identificar do total de nascidos vivos ocorridos no Hospital regional Manoel de Sousa Santos os óbitos neonatais; Descrever as variáveis sócio demográficas e epidemiológicas dos nascidos vivos analisando a correspondência com os óbitos neonatais ocorridos; elaborar um boletim informativo para gestores e trabalhadores de saúde, Metodologia Trata-se de um estudo de um estudo tipo caso-controle, com dados sócio demográficos  e epidemiológicos relacionados a gestação, ao parto e do recém-nascido coletados do SINASC e SIM, dos nascidos vivos e óbitos ocorridos no Hospital Regional Manoel de Sousa Santos, Bom Jesus-PI, nos anos 2016 e 2017.. Resultados: As variáveis foram analisadas em 3 grupos, grupo1(variáveis maternas): idade materna, grau de instrução da mãe, estado civil; Grupo2 (gestação e parto): número de consultas de pré-natal, tipo de gestação, tipo de parto, duração da gestação em semanas e Grupo3: (variáveis do recém-nascido) – sexo, peso ao nascer em gramas e índice de Apgar no 1º min, os dados extraídos do SINASC e SIM, analisados  no Microsoft Excel e  no programa estatístico R 3.5.1 utilizando a medida de associação Odds ratio(OR) para verificar a relação entre os fatores de risco para o óbito neonatal, apresentando como resultado para o ano 2016, maiores chances para ocorrência de mortalidade neonatal a idade materna até 19 anos, mãe com estado civil solteira, com até 3 consultas de pré-natal, parto vaginal, prematuridade(duração da gestação:28 a 36 semanas), recém-nascidos do sexo masculino com baixo peso ao nascer. E analisando a correspondência entre as variáveis as que mais se aproximaram a ocorrência do óbito neonatal foram prematuridade e peso menor que 1500g.

 Conclusão: Desta forma reforça a necessidade de uma assistência ao pré-natal adequado em todos os níveis de complexidade visando reduzir a mortalidade infantil com planejamento de ações de promoção e prevenção, assim com a organização da assistência ao parto e ao puerpério por meio de diagnósticos e intervenções precoces.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1167577 - LIS CARDOSO MARINHO MEDEIROS
Interno - 3367697 - MARCIO DENIS MEDEIROS MASCARENHAS
Presidente - 226.905.653-15 - ZENIRA MARTINS SILVA - UESPI
Notícia cadastrada em: 25/02/2019 08:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 29/05/2020 10:19