Notícias

Banca de DEFESA: ANA DANUSIA IZIDORIO RODRIGUES DE ARAUJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA DANUSIA IZIDORIO RODRIGUES DE ARAUJO
DATA: 16/03/2018
HORA: 10:00
LOCAL: Sala de reuniões do Campus Senador Helvidio Nunes de Barros
TÍTULO: Determinantes do aleitamento materno e alimentação complementar em crianças menores de 2 anos
PALAVRAS-CHAVES: Saúde Pública. Promoção da saúde. Criança. Aleitamento materno. Consumo alimentar.
PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Saúde Pública
RESUMO:

A alimentação saudável nos primeiros anos de vida resulta em inúmeros benefícios para a saúde das crianças em todos os ciclos de vida, destacando a importância do aleitamento materno exclusivo até os seis meses e a introdução de alimentos em tempo oportuno e de qualidade a partir de então, levando em consideração sua frequência, diversidade e consistência. Frente a isso, alguns determinantes podem surgir como fatores de risco ou proteção para o desmame precoce. Com isso, este estudo objetivou analisar práticas de aleitamento materno e alimentação complementar em crianças menores de dois anos e os seus fatores determinantes. Trata-se de um estudo transversal, realizado entre maio de 2016 e junho de 2017, em Unidades Básicas de Saúde e Pronto Atendimento Infantil do município de Picos – PI. Foram entrevistadas 1.031 mães ou responsáveis por crianças menores de dois anos que compareceram nos serviços supracitados, a partir do instrumento de coleta de dados adaptado do guia de marcadores de consumo alimentar. Foram realizadas perguntas referentes às condições sociodemográficas da criança, consumo alimentar, dados do seu nascimento e dados relacionados à sua mãe.  Para a análise estatística, utilizou-se o SPSS versão 20.0. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí, parecer 985.375. Das 1031 crianças, 61,9% têm de 6 a 23 meses, 50% sexo masculino e 57,1% foram declarados pardos.   Dados da mãe: 29,2% tinham idade entre 20 e 24 anos, 38,5% possuem ensino médio completo e 69% não trabalham fora de casa. Quando analisado o aleitamento materno, verificou-se que apenas 33,9% das crianças menores de 6 meses encontravam-se em aleitamento materno exclusivo (AME), mas entre as crianças maiores de 6 meses, 60,4% continuavam consumindo leite de peito. No que diz respeito à introdução alimentar dessas crianças, notou-se que não foi satisfatória, pois 76,4% das crianças não estavam recebendo alimentos na frequência adequada, 90,1% não recebiam na diversidade mínima desejada e 50,9% não eram oferecidas na consistência recomendada. O tipo de aleitamento não mostrou associação com o tipo de parto (p=0,240), porém esteve associado com a amamentação na primeira hora de vida (p=0,038) indicando que o início da amamentação na primeira hora de vida está associado à maior duração do AME. Com relação ao peso ao nascer, quando comparado por pares, observou-se diferença de média entre as crianças em AME e aleitamento misto. Crianças em AME tiveram maior peso ao nascer (p=0,021). A análise permitiu observar que a amamentação na primeira hora de vida, uso de chupeta, os graus de escolaridade ensino fundamental e superior e a faixa etária de 20-29 anos apresentaram relação estatisticamente significante com o desmame (p < 0,05). Conclui-se que o uso de chupeta e ensino superior como grau de escolaridade da mãe da criança determinaram o desmame. Mediante o exposto, fica evidenciado que o incentivo a amamentação na primeira hora de vida é primordial para o aumento da amamentação exclusiva e que se fazem necessário orientações sobre o preparo de alimentos de forma adequada, com o intuito de garantir alimentação de qualidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1735254 - ANA LARISSA GOMES MACHADO
Interno - 1552848 - ANA ROBERTA VILAROUCA DA SILVA
Presidente - 2730060 - LUISA HELENA DE OLIVEIRA LIMA
Externo à Instituição - MÁRCIA MARIA TAVARES MACHADO - UFC
Notícia cadastrada em: 26/02/2018 11:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 17/01/2021 02:15