Dissertações/Teses

2020
Descrição
  • SAMARA BORGES DA SILVA
  • PRÁTICA DOCENTE DE PEDAGOGOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: PRODUÇÃO DE SABERES DA DOCÊNCIA
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 17/02/2020
  • Mostrar Resumo
  •  

    RESUMO

     

    O presente estudo tem como objetivo geral investigar a prática docente de pedagogos que ministram Ciências Naturais no 5º ano do Ensino Fundamental de escolas municipais de Altos-PI, visando a compreensão das formas de produção de saberes da docência. São objetivos específicos: a) apresentar aspectos históricos do ensino de Ciências Naturais dos anos iniciais do Ensino Fundamental; b) Compreender a formação em Ciências Naturais dos pedagogos; c) Caracterizar a prática docente de pedagogos que ministram Ciências Naturais no 5º ano do Ensino Fundamental; e d) Compreender as formas de produção de saberes docentes mobilizados pelos pedagogos. Considerando a relevância do papel desse profissional em ensinar Ciências Naturais, o problema de pesquisa tem o seguinte enunciado: como se desenvolve a prática docente de pedagogos que ministram Ciências Naturais no 5º ano do Ensino Fundamental em escolas municipais de Altos-PI, visando a compreensão de como ocorre a produção dos saberes da docência? As vivências como professora dos anos iniciais do Ensino Fundamental do âmbito público da cidade de Teresina foi um dos vieses que contribuíram para cumprimento desta pesquisa. Embora seja fato que o zelo atribuído as disciplinas da Língua Portuguesa e da Matemática são ascendências fortes no currículo escolar, diante dessa perspectiva é visível a secundarização das demais áreas que regem o currículo, inclusive a Ciências Naturais. A construção do referencial teórico tem sustentação em Carvalho e Gil-Pérez (2011), Delizoicov e Angotti (1994), Fracalanza e Megid Neto (2006), Fumagalli e Weissmann (1998), Krasilchik (1987), Mendes Sobrinho (2002, 2008, 2014) – sobre o ensino de Ciências Naturais. Do mesmo modo em: Franco (2001), Freire (2013), Pimenta e Lima (2004), Souza (2009), Thomazi e Asinelle (2009), Veiga (2018) – prática docente. Como também em Borges (2001), Campos (2012), Fiorentine (1998), Freire (1996), Gauthier (1998), Melo e Urbanetz (2009), Soares (2010), Shulman (1987), Tardif (2014) e Pimenta (2012) – saberes docentes; dentre outros. São utilizados também, documentos legais como as Leis Diretrizes e Base da Educação Nacional - LDBEN/96 (BRASIL, 1996), Parâmetros Curriculares da Educação (BRASIL, 1997), Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa (BRASIL, 2015) e a Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2017). A abordagem é qualitativa e como técnica de coleta de dados a entrevista semi-estruturada. Os interlocutores são sete pedagogos do quadro efetivo que ministram Ciências Naturais no 5º ano do Ensino Fundamental, em escolas públicas municipais urbanas de Altos-PI. Em vista de compreender a prática desse profissional, a opção foi pelo roteiro como instrumento de coleta de dados; que foram analisados e interpretados com base na perspectiva da orientações de Bardin (1977). As compreensões construídas, a partir dos resultados analisados e discutidos evidenciam que os interlocutores se mostram empenhados em desenvolver práticas utilizando materiais alternativos, adotando fontes inovadoras e de baixo custo, diferenciando inteiramente do tradicional; são conscientes da carecia de suporte, mas abusam da criatividade, pois acreditam cooperar pela conscientização sobre os determinantes que prezam pelo desenvolvimento sustentável do nosso país. Traçam uma sequência didática de natureza contextualizada e investigativa no tocante de uma aula teórica, expositiva e dialogada sustentadas em vários projetos interdisciplinares.

     

  • JOSILDO LIMA PORTELA
  • POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA NOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI / CAMPOS MINISTRO PETRÔNIO PORTELA - CMPP
  • Orientador : MARIA DIVINA FERREIRA LIMA
  • Data: 11/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • A Lei 9.795/99 (BRASIL, 1999), apresenta a concepção de educação ambiental incorporada pela Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) como sendo “[...] os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente”, compreendido como bem de uso comum do povo brasileiro essencial tanto à qualidade de vida quanto a sua sustentabilidade, sendo que a mesma lei, enfatiza que a educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal. Logo, se presume que a educação ambiental não pode estar de fora de todos os processos educativos necessários à formação para o exercício da cidadania. As atividades vinculadas a PNEA devem ser desenvolvidas na educação em geral e na educação escolar, em especial, por meio da capacitação de recursos humanos que envolvem a formação inicial e continuada dos educadores para atuação em todos os níveis e modalidades de ensino. Ainda é prerrogativa da LEI que o processo de educação ambiental dentro da educação escolar deve ser desenvolvido no âmbito dos currículos das instituições de ensino, público e privado, englobando os diversos níveis e modalidades, consequentemente, abrangendo a educação superior, Na Educação Superior, em especial, preconiza o Decreto nº 4.2812002 (BRASIL, 2002), que a dimensão ambiental deve constar no currículo dos cursos de formação de professores. Por sua vez, as Diretrizes Curriculares Nacionais de formação de professores (BRASIL, 2015) estabelecem que os egressos dos cursos de formação de professores deverão estar aptos a demonstrar consciência ambiental e conhecimentos relativos aos processos de ensinar e de aprender, relativos a essa matéria, com propostas curriculares, sobre organização do trabalho educativo e práticas pedagógicas. Por outro lado, sabemos que a Universidade Federal do Piauí – Campus Ministro Petrônio Portella, lócus de referência na formação de professores para a educação básica no estado do Piauí, ofertando o maior quantitativo de cursos de licenciatura no estado do Piauí, entre as instituições públicas de ensino superior. Diante do exposto e da importância do atendimento do que estabelece a Lei nº 9795/99 (BRASIL, 1999), regulamentada pelo Decreto nº 4281/02 (BRASIL, 2002), além do que estabelece as DCN (BRASIL, 2015), partimos da seguinte questão-problema: Como a Política Nacional de Meio Ambiente é operacionalizada na formação de professores para educação básica nos cursos de licenciatura da UFPI - Campus Ministro Petrônio Portella? Logo, definimos como objetivo geral: Investigar como a Política Nacional de Meio Ambiente é operacionalizada na formação de professores para educação básica nos cursos de licenciatura da UFPI - Campus Ministro Petrônio Portella. Como também, definimos como objetivos específicos: Identificar os conhecimentos relativos à política de educação ambiental presentes no Projeto Pedagógico dos Cursos de formação inicial de professores; compreender como os princípios da política de educação ambiental são trabalhados na prática docente nos cursos de licenciatura e caracterizar os cursos de formação inicial de professores quanto ao atendimento dos objetivos da política de educação ambiental. O tema proposto para investigação se justifica pela importância da Educação Ambiental no contexto social atual em que a sociedade brasileira sofre os efeitos da ausência de uma consciência ambiental quanto ao uso sustentável dos recursos naturais.  Como também evidenciamos a relevância acadêmica e social desta investigação por colaborar com os serviços desenvolvidos pela UFPI, na formação de profissionais da educação básica, pela importância da presença desta IES no contexto da sociedade piauiense. Em particular, o interesse pela temática “Educação Ambiental” surgiu em decorrência da minha formação e atuação profissional na área da Engenharia Ambiental, como gestor socioambiental, estando à frente do desenvolvimento de diversos programas ambientais, dos meios físico, biótico e socioeconômico. Para tratar sobre os temas que envolvem a pesquisa, além das Leis, Decretos, Portarias, e Programas dos cursos, estaremos trabalhando com os seguintes autores, entre outros: temática educação ambiental - Matos; Sampaio (2004), Carvalho (2001), Philippi; Bruna (2004) e Souza (2012); temática formação de professores - Freire (1997), Imbernon (2010), Schön (2000), Tardif (2014), Pimenta (2011, 2012, 2013), Aguiar (2012) e Macedo (2007); metodologia da pesquisa - Bardin (2014), Franco (2012), Sampieri (2013), Bogdan; Biklen (1994), Severino (2007), Gil (2009), Marconi; Lakatos (2001), Oliveira (2010), Richardson (2009) e Charlot (2013).

  • LONNE RIBEIRO ARAÚJO
  • O CURSO TÉCNICO EM VESTUÁRIO E A INTERDISCIPLINARIDADE COMO DIMENSÃO INTEGRALIZADORA
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 31/01/2020
  • Mostrar Resumo
  • Para esta pesquisa, tomamos como objeto de estudo a interdisciplinaridade como princípio integrador do curso técnico de vestuário integrado ao ensino médio do IFPI/Campus Piripiri. Para tanto, partimos da análise dos resultados da investigação qualitativa e descritiva a respeito das relações entre as concepções dos docentes que compõem a base comum e a técnica em relação à temática e ainda sobre as práticas, desenvolvidas por eles que contemplam a interdisciplinaridade como dimensão integralizadora do referido curso, levando em conta o processo de formação do professor. Os dados obtidos mediante o ateliê de produção e entrevista narrativa foram organizados em categorias de análise: formação, concepção inicial, desafios, concepção final e possibilidades. Sabe-se que, mesmo sendo um desafio a ser alcançado, a interdisciplinaridade se apresenta como uma opção capaz de favorecer a integração, uma vez que estimula a reorganização das áreas do conhecimento, e a definição de metodologias de ensino e aprendizagem inovadores, impede a continuidade de práticas que separam o conhecimento adquirido nas disciplinas do currículo básico do ensino médio das disciplinas do nível técnico, distanciando a teoria da realidade e da prática, visto que dessa forma, não há como se realizar uma formação crítica, em um contexto em que, o conhecimento científico se faz substrato da formação técnica, da formação profissional e da prática; não há como o despertar para a busca, para a investigação.

2019
Descrição
  • LUCIA MARIA DE SOUSA LEAL NUNES
  • Práticas educativas de professores em escola de tempo integral: formação continuada como possibilidade de (re)elaboração reflexiva crítica
  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 20/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta investigação tem como objeto de estudo práticas educativas de professores em escola de tempo integral, correspondendo à pesquisa realizada junto ao Programa de Pós Graduação em Educação-UFPI, na Linha de Pesquisa Formação Docente e Prática Educativa. Tem como objetivo geral analisar as possibilidades de reelaboração das práticas educativas de professores em escola de tempo integral, a partir da reflexão crítica. Desenvolve-se mediante as seguintes questões: Como se organiza o trabalho pedagógico em escola de tempo integral? Quais as necessidades formativas de professores em escola de tempo integral? Como ocorrem as práticas educativas em escola de tempo integral? Como as reflexões críticas empreendidas durante os encontros formativos possibilitam a reelaboração das práticas educativas em escola de tempo integral? Teoricamente, assenta-se nas ideias de Franco (2012), Vásquez (2007), Cavaliere (2007), Freire (2016), Imbernón (2010a; 2010b), Giroux (1990), McLaren (2000), dentre outros. Tem como metodologia a pesquisa narrativa de caráter biográfico, fundamentada nos princípios de Delory-Momberger (2012), Nóvoa (2010), Ferrarotti (2010), Dominicé (2010), entre outros. Define como estratégias de produção de dados encontros formativos, intentando oportunizar momentos de reflexão crítica diante da formação e do fazer docente, recorrendo à carta pedagógica para conhecer as contribuições das reflexões críticas empreendidas nos encontros formativos para o processo de reelaboração de práticas educativas. Como técnica, elege entrevista reflexiva, objetivando produzir dados sobre a história da vida acadêmico-profissional das professoras, bem como conhecer o funcionamento da escola lócus da pesquisa. Para efeito de análise, adota a técnica análise de conteúdo, como perspectivada por Poirier; Clapier-Valladon; Raybaut (1999). Conta com participação de nove interlocutoras selecionadas a partir dos critérios: pertencer ao quadro efetivo da rede, ter disponibilidade para a pesquisa e trabalhar em Escola de Tempo Integral há, pelo menos, dois anos. Dentre outras constatações, evidencia a necessidade da promoção de formação continuada no contexto de ação docente, de modo que, na colegialidade, sejam discutidos os desafios inerentes à escola de tempo integral. Conclui que: as práticas educativas de professores em contexto de escola de tempo integral apresentam-se parcialmente dentro de uma perspectiva reflexiva crítica, posto que, em alguns casos, há um grupo tendente à reflexão técnica; os encontros formativos se revelaram espaços de interatividade, apresentando propostas de reelaboração de futuras práticas educativas dos professores envolvidos no estudo, confirmando a proposição de tese que a reflexão crítica possibilita reelaboração das práticas educativas de professores em escola de tempo integral.

  • EDILEUSA DE SOUZA SANTOS
  • A CONSTRUÇÃO DE SABERES NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES: RESSIGNIFICANDO A PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
  • Orientador : MARIA DIVINA FERREIRA LIMA
  • Data: 12/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Os saberes docentes compõem a base do conhecimento do professor e formam um repertório a ser disponibilizado durante a prática docente, construído na reflexão sistemática durante o processo de desenvolvimento profissional docente. No contexto dessas considerações, esse estudo guia-se pelo seguinte problema de pesquisa: como os saberes docentes, construídos no processo de desenvolvimento profissional, ressignificam a prática docente do professor da educação profissional e tecnológica? Orientado por esta questão, o presente trabalho tem como objetivo geral investigar como os saberes docentes, construídos no processo de desenvolvimento profissional, ressignificam a prática docente do professor da Educação Profissional e Tecnológica (EPT). Especificamente pretendemos: Compreender de que modo são construídos os saberes docentes mobilizados na prática docente pelo professor da educação profissional e tecnológica; Caracterizar os contributos da prática reflexiva para o ser professor na educação profissional e tecnológica; Analisar como os processos de desenvolvimento profissional promovem a ressignificação da prática docente na educação profissional e tecnológica. A escolha da temática decorreu das vivências da pesquisadora enquanto pedagoga da educação profissional e tecnológica. O referencial teórico está embasado em autores que tratam sobre os saberes docentes como: Gauthier et al (1998), Tardif (2014), Pimenta (2012), Therrien (1997); sobre a prática docente e reflexão são utilizadas as contribuições de Souza, Batista Neto e Santiago (2012), Franco (2016), Liberali (2012), Zeichner (1993), Giroux (1997); e quanto ao desenvolvimento profissional docente: Ramalho e Nuñes (2014) Marcelo Garcia (1999), Day (2001), Imbernón (2011) dentre outros. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa narrativa (CLANDININ, CONNELLY, 2015), com adoção do método autobiográfico (NÓVOA; FINGER, 2010), utilizando-se das narrativas como metodologia. O campo empírico é o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí e os participantes da pesquisa são sete professores da EPT. Os instrumentos utilizados para produção de dados são rodas de conversa e entrevista narrativa. O tratamento dos dados foi realizado através da técnica de análise de conteúdo na perspectiva de Bardin (2016). O trabalho evidencia que os saberes docentes, mobilizados pelos professores pesquisados, trazem marcas do contexto do mercado de trabalho. Nessa relação entre a experiência trazida do mercado de trabalho e as situações pedagógicas vivenciadas na sala de aula, os saberes docentes ganham sentido e validade, fornecendo aos professores (retirei segurança) fundamentação para a prática docente. Associados ao domínio do conhecimento tecnológico, os saberes experienciais são para os professores da EPT o repertório mais importante para o exercício da docência. Esses saberes são incorporados na experiência direta de ensino na sala de aula, nas trocas de experiências informais com outros professores. Em resposta às necessidades formativas identificadas, propõe-se a implementação de programa de formação e atualização pedagógica para docentes como uma política interna do IFPI, na ótica da formação continuada, tomando-se como ponto de partida a reflexão sobre a própria ação docente.

  • HIGO CARLOS MENESES DE SOUSA
  • Um ginásio para a mocidade picoense: cultura escolar de uma instituição de ensino secundário (1950 -1971)
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 12/12/2019
  • Mostrar Resumo
  •  

    Este estudo tem como objeto a cultura escolar do Ginásio Estadual Picoense (GEP). Trata-se de uma escola pública de ensino secundário ginasial, localizada na cidade de Picos, região centro-sul do Estado do Piauí. Analisamos o processo de criação e consolidação dessa instituição, gestada entre 1947 e 1950. O recorte temporal  foi realizado considerando que a escola foi criada pela lei estadual nº 90, de 20 de Janeiro de 1948 e iniciou suas atividades em 1950, sendo a única instituição pública de ensino secundário da cidade até 1971 quando a lei 5.692/71 extinguiu o exame de admissão e transformou todas as escolas públicas do Piauí, fosse Grupos Escolares, Escolas Reunidas, Ginásios ou Colégios em Unidades Escolares. Na realização da investigação foram utilizados referenciais teóricos e metodológicos da Nova História Cultural, tomando como base as categorias conceituais propostas por: Escolano Benito (2017), Frago (2005, 2007), Gallego (2008), Graça (2002), Julia (2001), Lopes (2011, 2017, 2019), Magalhães (1999, 2004, 2008, 2018), Sousa (2005), Souza (2000), Souza (2007), Valente (2001) entre outros.  Para realização do estudo utilizou-se como fontes: documentos oficiais, legislação educacional, escriturário escolar, fontes hemerográficas, fontes imagéticas, autobiografias, livros de historia das cidades, objetos da escola,  dados estatísticos, entrevistas e questionários. Metodologicamente realizou-se uma pesquisa do tipo qualitativa e historiográfica.  Como resultado final do estudo foi possível identificar que a criação do GEP esteve ligada a ação das elites locais por meio de disputas políticas e de acordos que possibilitaram a concepção de uma instituição de ensino secundário em Picos. Esse contexto de disputas entre as forças políticas do município, foi caracterizado pela ação da União Democráticos Nacional (UDN), grupo político denominado pelos adversários de “caretas” e pelo Partido Social Democrático, (PSD), chamados de “macacos”. Essa disputa se travou principalmente pelo fato de que a criação de um estabelecimento de ensino secundário em Picos era considerada uma ação que gerava grande prestigio social e político.  Entre 1950 e 1971 a escola possuiu quatro sedes: a primeira  no edifício destinado ao Grupo Escolar Coelho Rodrigues (1950-1954), neste prédio eram ministradas pela manha as aulas do Grupo Escolar, destinadas ao curso primário e a tarde funcionava turmas do GEP, inicialmente com duas turmas: uma masculina e uma feminina. A segunda sede (1954-1959)  em um conjunto de casas alugadas e adaptadas para que a escola funcionasse. Em 1960 o GEP recebeu sua primeira sede própria e em 1970 foi inaugurado o prédio que a escola ocupa até os dias atuais. A cultura material do GEP, composta pelo edifício escolar e pelos objetos da escola foram elementos que nos ajudaram a pensar a cultura escolar da instituição.  Nas quatro vezes que o GEP mudou de prédio, juntamente com essa mudança, houve alteração significativa na forma como a escola se apresentava para sociedade, mudanças em seu funcionamento interno e em elementos materiais, especialmente o uniforme e a mobília. Além disso, concluímos que o edifício é um lugar, um espaço ocupado pela ação e apropriação dos sujeitos que nele interagem. Dessa forma, estudamos o edifício escolar e outros elementos da materialidade dessa escola, como o uniforme, a caderneta, os livros didáticos e os artefatos materiais que nos dão indicativos da organização do GEP.  A materialidade nos mostra ainda discursos pedagógicos, valores e símbolos que ajudaram a compreender a instituição. Entre os elementos organizacionais destacamos no trabalho: o ingresso dos alunos por meio do exame de admissão e o caráter seletivo desse exame. Havia ainda a cobrança de anuidades pela Prefeitura Municipal de Picos, pois embora o GEP tivesse sido criado pelo governo estadual, constatamos que até 1963 a escola foi mantida pelo município, mesmo tendo sido oficializada pelo Estado em 1961. Analisamos ainda os critérios que eram utilizados pelo poder público para de composição de funcionários dessa instituição, bem como observamos que a organização desse quadro se alterou na medida em que o alunado crescia.  A Cultura escolar do GEP trouxe a Picos práticas sociais até então desconhecidas pela maior parte da população, como o associativismo estudantil, a imprensa escolar e os bailes de formatura. Além de ter reforçado as demais festas escolares e os desfiles cívicos de 7 de Setembro que já eram praticados pelas escolas primárias, notadamente, o Grupo Escolar Coelho Rodrigues e a Escola Municipal Landri Sales, colocando assim em destaque os uniformes e as performances dos estudantes secundaristas. Além disso, percebemos que ser ginasiano em Picos entre as décadas de 1950 e 1970 era sinal de grande prestigio, visto que a escola era a única instituição de ensino secundário pública do município e como consequência disso por muitos anos foi frequentada por sujeitos de diferentes grupos  sociais.

     

  • FÁTIMA LETÍCIA DA SILVA GOMES
  • PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DOS SURDOS NO PIAUÍ: História e Memória da Escola de Educação Especial Prof.ª Consuêlo Pinheiro (1970 -1996)
  • Orientador : JANE BEZERRA DE SOUSA
  • Data: 11/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como objetivo revisitar a história e memória da Escola Especializada Professora Consuêlo Pinheiro de 1970 a 1996, o recorte temporal se justifica pelo fato de 1970 ter sido inaugurada no Piauí a primeira escola especializada considerada a primeira escola para surdos no Estado, e em1996 se refere ao ano da promulgação da nova LDB nº. 9394 que reorganiza a educação especial a ser oferecida preferencialmente na rede regular de ensino e não somente nas escolas especializadas, com isso, houve uma reorganização das escolas especializadas. A pesquisa terá como aporte teórico os estudos de Galvão e Lopes (2010) que tratam sobre a pesquisa em história da educação; nos estudos de Magalhães (2004) e Nosella e Buffa (2013) que analisam a história das instituições escolares; Meihy e Holanda (2010) e Alberti (2004) que embasam a metodologia da história oral; Chartier (1990), Burke (1990) e Le Goff (2005) que subsidiam a história nova cultural. Quanto à historiografia brasileira fundamenta-se nos trabalhos de Romanelli (2005), Ribeiro (1998); e na historiografia Piauiense nos estudos de Brito (1985, 1986, 1996). Sobre a história da educação das pessoas com deficiência no Brasil fundamentou-se em Jannuzzi (2012), Mazzotta (2011) e Bueno (2016); em especial nos estudos sobre a história da educação de surdos no Brasil desenvolvidos por Soares (2005), Rocha (2007) e Cunha Jr. (2015) e sobre a história da educação especial no Piauí em Rosado (2010).  Os relatos orais recolhidos por meio de entrevistas filmadas e gravadas com três alunos surdos, três professores, um gestor e três representantes da comunidade que vivenciaram o processo de escolarização dos surdos no Piauí de 1970 a 1996. Além da história oral, busca-se as fontes escritas (documentos oficiais, atas, leis, reportagens de jornais) e as fontes icnográficas (fotografias) do período citado. Diante disso, a análise dos dados coletados até a presente data aponta que a Escola Especial Prof.ª. Consuelo Pinheiro, fundada pela Associação de Pais e amigos dos Excepcionais (APAE) em 1970, foi a primeira instituição Piauiense a oferecer educação especializada para crianças e jovens surdos, funcionava em caráter filantrópico, com recursos de doações da sociedade civil e dos associados, recebia apoio financeiro e acompanhamento da Secretaria Estadual de Educação. Os alunos atendidos na instituição eram, em sua maioria, de baixa renda, as atividades desenvolvidas eram divididas em pedagógicas e clínico-terapêutico pautadas no processo de desenvolvimentos da fala dos surdos (oralização), havia também oficinas manuais de preparação para o trabalho.  A partir da década de 1980, os alunos surdos eram transferidos para classes especiais na escola regular para prosseguirem os estudos ginasial.  Mesmo com o processo de inclusão vivenciado nos anos 1990 nas escolas da rede regular de ensino piauiense, a Escola Especial Prof.ª Consuelo Pinheiro se manteve com atendimento especializado para crianças surdas.

  • PATRICIA FERREIRA DE SOUSA VIANA
  • PRÁTICAS EDUCATIVAS EM ODONTOLOGIA: CONFETOS PRODUZIDOS POR JOVENS SOBRE ENSINO-APRENDIZAGEM EM SAÚDE BUCAL COLETIVA
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 09/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • A formação em Odontologia, desde sua institucionalização até os dias atuais, tem testemunhado transformações na sua prática educativa, de mutiladora à restauradora; de curativa à preventiva; de um olhar exclusivo para a doença à promoção da saúde; da boca como foco ao indivíduo no centro do cuidado.  Esse movimento está em curso, influenciado pela implantação de políticas públicas em saúde e educação como, por exemplo, a criação do Sistema Único de Saúde e as Diretrizes Curriculares Nacionais, respectivamente, nas quais o indivíduo e a coletividade ocupam um lugar central nos processos de cuidado e na formação em saúde. Defende-se a tese de que os territórios das práticas em Saúde Bucal Coletiva (SBC), a comunidade e as pessoas que nela habitam, são indutores de mudança da formação em Odontologia. O ensino-aprendizagem baseado na comunidade é potente e apresenta-se em práticas educativas que não se limitam à boca ou ao domínio de técnicas operatórias.  Assim, o objetivo desse trabalho foi analisar a influência do encontro universidade-comunidade no processo de ensino-aprendizagem em SBC na formação em Odontologia na Universidade Federal do Piauí. O estudo contou com a contribuição de Botazzo (2006, 2013, 2016), Campos (2000, 2005) e Merhy (2003, 2013, 2014) na delimitação de um território de saberes e práticas em SBC. Corazza (2013), Gallo (2008), Larrosa (2004, 2015) e outros orientaram os estudos sobre prática educativa. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem sociopoética, fundamentada em cinco princípios: formação do grupo-pesquisador; valorização dos saberes dos participantes do estudo – chamados de copesquisadores; pesquisa com o corpo todo; utilização de técnicas artísticas para produção dos dados; e reafirmação da coautoria dos participantes e partilha sensível dos resultados da investigação (ADAD, 2010, 2011, 2014; GAUTHIER, 1999, 2005, 2010, 2012). Oito jovens graduandos em Odontologia participaram como copesquisadores, reunidos em torno da participação em um curso de extensão, o qual foi decisivo para a formação do grupo-pesquisador. A produção dos dados se deu em oficina sociopoética com a aplicação da técnica “Inutilezas do percurso”, seguida pela produção artística e pelos relatos das produções. Os dados foram analisados em quatro fases: análise plástica das imagens; categorização e classificação dos relatos orais; estudos transversais e contra-análise, resultando em duas dimensões do pensamento do grupo-pesquisador: a prática educativa do fora e a insuficiência da clínica dentária na formação do cirurgião-dentista. Na primeira, observou-se os confetos (conceitos + afetos): ensino-aprendizagem-sair-do-lugar, ensino-aprendizagem-percurso-ponte, ensino-aprendizagem estrada-gratidão-caminho-que-vale-a-pena, pessoas-caminho, comunidade-estrada, empecilhos-ventos-fortes, caminho-ziguezague, dificuldade-labirinto-poço, obstáculo-pedra. Os confetos que constituíram a segunda dimensão foram: lugar-outro-do-ensino-aprendizagem, peculiaridade-coisa-da-gente, ensino-aprendizagem-robótico, ensino-aprendizagem-limitado, ensino-aprendizagem-egoísta e ensino-aprendizagem-SG5 e SG10. O grupo-pesquisador apresentou a comunidade como o centro do processo de ensino-aprendizagem em SBC e o motivo de existir das práticas educativas nos cenários de formação do cirurgião-dentista.

     

  • LAURA MARIA ANDRADE DE SOUSA
  • DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO TECNÓLOGO-PROFESSOR, EM INÍCIO DE CARREIRA: SABERES ARTICULADOS À PRÁTICA DOCENTE
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 27/11/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa constitui-se de uma investigação sobre a formação e o desenvolvimento profissional dos tecnólogos-professores em início de carreira na Educação Profissional. Vincula-se à Linha de Pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de Profissionais da Educação (NIPPC), da Universidade Federal do Piauí. Em termos metodológicos, configura-se como uma pesquisa de abordagem qualitativa do tipo descritiva, tendo como norte a questão “Como o tecnólogo-professor em início de carreira articula os saberes com a prática docente e constrói o desenvolvimento profissional?”. De modo geral: analisa como o tecnólogo-professor em início de carreira articula os saberes com a prática docente e constrói o seu desenvolvimento profissional.   Especificamente buscamos: a) Identificar os saberes utilizados pelo tecnólogo-professor para mobilizar a prática docente; b) Caracterizar os saberes articulados às experiências formativas com a prática docente e c) Compreender o processo de construção do desenvolvimento profissional do tecnólogo-professor. Para ser desenvolvida contou com a colaboração de tecnólogos-professores que atuam nos cursos Técnicos e/ou Superiores de Tecnologia em campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), junto aos quais, para a coleta dos dados, foi aplicada a técnica do grupo focal. Os dados empíricos estão organizados em categorias, e a interpretação das informações produzidas tem como base teórica a Análise de Discurso, na perspectiva da corrente francesa e em estudiosos da educação pesquisadores dessa temática. Os resultados apontam que a relação com os pares mais experientes e com os alunos são os principais elementos articuladores dos saberes necessários à organização da prática, à consolidação da aprendizagem da docência e do desenvolvimento profissional dos tecnólogos-professores iniciantes. Ainda assim, entendem que a formação pedagógica é um saber necessário para fundamentar sua prática e minorar as dificuldades do início na carreira. Concluímos que há necessidade de sistematização de ações institucionais aos professores iniciantes, como: acompanhamento e apoio da coordenação pedagógica e estreitamento das relações institucionais entre departamentos e coordenações. Enfim, que muito ainda precisa ser feito para repensar a escola e a formação de professores a fim de garantir a aprendizagem do aluno.

  • LUCELIA COSTA ARAUJO
  • "TEM QUE FAZER SENTIDO": Docência universitária como práxis criadora mediadora por ensino, pesquisa e extensão na UFPI
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 20/11/2019
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho contempla as ações de ensino, pesquisa e extensão que constituem a docência universitária, favorecendo o alcance da finalidade posta à educação superior, que envolve, entre outros: promover acesso a conhecimentos sobre as problemáticas nacionais e regionais; incentivar a investigação científica para o desenvolvimento da ciência, da tecnologia e criação da cultura, bem como promover a extensão para difundir as conquistas geradas na instituição. Diante disso, propõe a seguinte tese: a docência universitária mediada pelo desenvolvimento de ações de ensino, pesquisa e extensão constitui possibilidade real de ser práxis criadora. O objetivo principal consiste em compreender mediações que constituem possibilidade real da docência universitária ser práxis criadora. O estudo tem como fundamento teórico-metodológico os pressupostos da Psicologia Histórico-Cultural, e os princípios, leis e categorias do Materialismo Histórico-Dialético. Os dados foram produzidos por meio de observação e de entrevista crítico-reflexiva mediada por registros da atividade docente, contemplando etapas que favorecem a descrição, a informação, o confronto e a reconstrução da docência. O contexto de realização do estudo é a Universidade Federal do Piauí, especificamente o Campus Senador Helvídio Nunes de Barros, localizado em Picos-PI. A participante é uma professora do Curso de Licenciatura em Educação do Campo (Ledoc). Os resultados revelam as contradições que emergem entre a forma e o conteúdo das ações desenvolvidas pela professora, destacando que a relação dialética entre ensino, pesquisa e extensão é fortemente mediada pela necessidade de contextualizar a aprendizagem dos discentes, sendo mola propulsora da atividade docente desenvolvida pela participante da pesquisa.

  • MARIA DO SOCORRO PEREIRA DE SOUSA ANDRADE
  • A GEOGRAFIA NOS GRUPOS ESCOLARES NO PIAUÍ: CURRÍCULO, PRÁTICA EDUCATIVA E CULTURA ESCOLAR (1927-1961)
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 18/11/2019
  • Mostrar Resumo
  •  

    RESUMO

     

    O presente estudo tem como objetivo analisar o ensino dos conteúdos de Geografia, prescrito e praticado nos grupos escolares no Piauí entre os anos 1927-1961, visando compreender a trajetória histórica deste ensino na Educação Primária do Piauí. O corpus documental é constituído por mensagens governamentais, legislações educacionais, documentos da Direção da Instrução Pública e das escolas investigadas, biografias e autobiografias, livros didáticos e a memória dos participantes por meio da história oral. Justificamos a relevância desta pesquisa como investimento de natureza historiográfica, capaz de fornecer subsídios para a reflexão sobre o currículo e como contributo para a história do ensino. O estudo tem embasamento teórico na Nova História Cultural com instrumental de pesquisa ancorado nas proposições teórico-metodológicas de André Chervel (1990) em interface com Goodson (1990) e com abordagem da História das Disciplinas Escolares como campo historiográfico. Para a análise das fontes documentais, das fontes orais e de outras fontes constituintes de memória, adotamos o método de interpretação da dimensão linguística processada pela via hermenêutica proposta por Escolano Benito (2017). O aporte conceitual da pesquisa encontra sustentação respectivamente em Goodson (1990), Chervel (1990), Chartier (1990; 1992), Certau (1998), Viñao Frago (2008) e Escolano Benito (2017). Além desse referencial a pesquisa está ancorada na historiografia educacional a exemplo de Lopes (1996, 2001, 2002), Queiroz (2008), Brito (1996), Martins (2009, 2011), Sousa (2009), Soares (2008), Souza (2004), Ribeiro (2000, 2003, 2008), Carvalho (1994), Vlach (1991, 1988, 2004) dentre outros. O recorte cronológico inicial é o ano de 1927, data de adoção do Programa do Ensino Primário implantado pelo reformador da educação parnaibana, Luis Galhanone, estendendo-se até 1961, data de promulgação da primeira LDBN nº 4.024/61. Inicialmente refletimos sobre a Geografia enquanto matéria escolar presente no currículo dos Grupos Escolares do Piauí destacando a prática educativa desenvolvida nesta escola no período investigado. Em seguida apresentamos os dados que nos levaram à produção da Geografia como matéria escolar no Ensino Primário piauiense. Finalmente discutimos a formação do professor para ensinar Geografia neste nível de ensino. Elaboramos a tese de que no período investigado os conteúdos geográficos ensinados nos grupos escolares do Piauí assumiam uma perspectiva nacionalista tornando-se veículo para atender aos anseios de valorização do País por meio de um ensino que enfatizava a enumeração e a descrição das riquezas naturais, a localização, e a memorização dos conteúdos estudados, vinculando-se dessa forma à perspectiva das práticas de ensino da Geografia Tradicional. Entretanto, percebemos que a ideologia do nacionalismo patriótico era finalidade do Ensino Primário de uma forma geral, não especificamente da matéria Geografia. Dessa forma, o ensino de Geografia não assumia por si só uma perspectiva nacionalista, posto que o predomínio dos métodos tradicionais utilizados neste ensino não oportunizavam a compreensão dos fenômenos estudados. Portanto, não se concretizava a finalidade que era atribuída a essa matéria escolar ao visar a formação do espírito patriótico e nacionalista na educação dos pequenos estudantes piauienses. Porém, mantinha-se um ensino com abordagem tradicional, enfatizando sim, a enumeração e a descrição das riquezas naturais, a localização dos fenômenos e a memorização dos conteúdos estudados.

     

  • VICELMA MARIA DE PAULA BARBOSA SOUSA
  • EPISTEMOLOGIAS‌ ‌DO‌ ‌CORPO:‌ ‌Mulheres‌ ‌capoeiristas‌ ‌nas práticas‌ ‌educativas‌ enquanto táticas‌ ‌de‌ ‌guerrilha‌ ‌das‌ ‌liberdades‌ ‌e‌ ‌dos‌ ‌direitos‌
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 31/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo geral desta tese é compreender como as mulheres capoeiristas produzem epistemologias do corpo nas ‌práticas‌ ‌educativas‌ ‌enquanto ‌táticas‌ ‌de‌ ‌guerrilha e modos de pensar uma Pedagogia Decolonial‌. Os objetivos específicos: produzir confetos (conceitos+afetos) de epistemologias do corpo com mulheres capoeiristas nas ‌práticas‌ ‌educativas‌ ‌enquanto ‌táticas‌ ‌de‌ ‌guerrilha e modos de pensar uma Pedagogia Decolonial; identificar os lugares e os problemas das epistemologias do corpo das mulheres capoeiristas que indiquem práticas educativas enquanto táticas de guerrilha de uma Pedagogia Decolonial e valorizar o que pensam as mulheres capoeiristas sobre as epistemologias do corpo nas ‌práticas‌ ‌educativas‌ ‌enquanto ‌táticas‌ ‌de‌ ‌guerrilha e modos de pensar uma Pedagogia Decolonial. O estudo utilizou a Sociopoética, enquanto prática social de construção de conhecimento coletivo Gauthier (1999, 2005, 2012), Adad (2004, 2011, 2014) e Petit (2014) dentre outros. Esta abordagem qualitativa em sua perspectiva multireferenciada de fontes e bases epistemológicas pauta-se em cinco princípios: pesquisar com pessoas de um grupo; pesquisar com as culturas de resistência; pesquisar com o corpo todo; pesquisar com a arte como técnica de pesquisa, um gatilho para a produção de dados; e pesquisar com responsabilidade ética, noética e espiritual. A metodologia construiu-se por meio de oficinas com experimentações sociopoéticas, com um grupo-pesquisador de cinco mulheres capoeiristas. Os dados produzidos em cada oficina foram registrados em suportes audiovisuais e diários de itinerância, a partir de duas técnicas artísticas: Máscaras gravadas das epistemologias do corpo das mulheres capoeiristas e seu desdobramento Máscara-memória das epistemologias do corpo das mulheres capoeiristas. Analisados os dados, emergiram linhas do pensamento do grupo-pesquisador: Epistemologia dos Afetos-Liberdade e Epistemologia dos Direitos do corpo das mulheres capoeiristas. Na Epistemologia dos Afetos-Liberdade estão presentes os seguintes confetos: Epistemologia-alegria, Epistemologia-liberdade, Epistemologia-flor-de-liz, e podem ser identificadas em diferentes lugares: Estrada-totalmente-de-barro, Campo-paraíso-liberdade, Jardim-caminhando, Lugar-campo-rosa-espinho. Emerge nessas epistemologias, o problema solidão: solidão povoada pela família porque mesmo com marido, filhos, mãe e irmã, a mulher se sente sozinha e solidão desejada pois, se trata dos desejos do corpo das mulheres capoeiristas de ser livre, de se tocar, de se conhecer e de se questionar sem ter alguém que as impeçam de fazê-lo, de estarem unidas para expressarem e construírem epistemologias como táticas no/do corpo para guerrilhar cotidianamente. O grupo-pesquisador revela que o enfrentamento a estes problemas é gerado no próprio corpo, dentro da roda e na sociedade em geral contra as relações de poder que as oprimem. A segunda linha, Epistemologia dos Direitos pontencializa o corpo das mulheres capoeiristas num jogo de práticas educativas do corpo desobediente que insistem em: entrar na roda, dançar, jogar, tocar berimbau, gingar, com determinação como princípio de poder para guerrear, lutar e conquistar seus direitos, negando inclusive as suas condições de serem vistas como símbolo sexual. Os confetos desta dimensão são: Epistemologia-liberdade-flor, Epistemologia-liberdade-cicatriz, Epistemologia-nós. Essas linhas do pensamento do grupo-pesquisador acenam para táticas (CERTEAU, 1994) epistemológicas desobedientes (MIGNOLO, 2008), entendidas enquanto práticas educativas produzidas pelo/no corpo das mulheres capoeiristas, como modos de pensar uma Pedagogia Decolonial (WALSH, 2005; 2018) para enfrentarem os desafios nas vivências dos seus cotidianos e de suas/seus artes/modos de poder-saber-ser, que desenvolve uma Pedagogia da autovalorização. Destarte, os relatos produzidos pelo grupo-pesquisador apresentaram uma multiplicidade de confetos de epistemologias do corpo e seus lugares, os quais assinalam para a tese: mulheres produzem epistemologias do corpo com conceitos próprios permeados de afetos, mostrando que o corpo todo pensa em meio aos problemas, delineando uma Pedagogia Decolonial que valoriza cosmosensações femininas nas práticas educativas desobedientes na roda de capoeira e na vida, como táticas de guerrilha na Educação.

  • ANTONIA REGINA DOS SANTOS ABREU ALVES
  • CRUZANDO APRENDIZAGENS DAS RELAÇÕES RACIAIS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPI, TERESINA, PI.
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 18/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

    A educação escolar brasileira está inserida num contexto social, no qual pessoas integrantes dos grupos discriminados, deparam-se com situações preconceituosas, que pelos muitos, não são reconhecidas como tal, o que acontece, da mesma forma no contexto de escola e em universidades. Nesta perspectiva, esta pesquisa trata da formação docente no Curso de Pedagogia e a contribuição do Estágio Supervisionado na constituição do futuro professor para, mais adequadamente, atuar na realidade da sala de aula.Durante o Estágio Supervisionado, os futuros professores entram em contato com a realidade das escolas, nas especificidades das salas de aula, tendo a possibilidade de demonstrar o que sabem, o que pensam e como desenvolvem as atividades educativas escolares numa sociedade de diferenças raciais, como a brasileira. Tem como questão central: Quais as relações entre o Estágio Supervisionado na formação docente no Curso de Pedagogia e aprendizagens sobre as questões raciais? O objetivo geral volta para a necessidade de compreender o Estágio Supervisionado na formação docente no Curso de Pedagogia da UFPI como espaço de aprendizagem das relações raciais. A ideia que norteia esta pesquisa é que as experiências vividas durante o Estágio Supervisionado na formação docente no Curso de Pedagogia oportunizam aos futuros professores, a aprendizagem sobre questões referentes às relações raciais. O referido trabalho tem sustentação em autoras/es como: Gomes (1996), Machado e Boakari (2013), Machado e Abreu (2013), Aguiar (2018), Porto (2018) e Machado (2015) que fundamentam a discussão sobre as relações raciais; Pacheco e Flores (1999), Contreras (2002), Garcia (1995), Vieira (2018), Honório (2015), Souza (2006) que abordam a formação docente; e com Pimenta e Lima (2012), Araujo (2016), Brito (2011, 2014), Zabalza (2014), Sousa (2016), Maciel (2015) e Silva (2018) discutindo o Estágio Supervisionado. A abordagem metodológica da pesquisa é de caráter qualitativo, uma pesquisa narrativa, que utiliza conversas, questionário com questões abertas e cartas pedagógicas. Tem como interlocutoras quatro professoras e seis discentes do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Piauí. Os dados desenvolvidos foram analisados à luz da análise de conteúdo. Como ideia conclusiva, mostrou-se que o Estágio Supervisionado não prepara os futuros professores para lidarem com as relações raciais. Nesse sentido, espera-se que este trabalho traga contribuições para professores e discentes envolvidos no processo de formação docente da Universidade Federal do Piauí.

     

     

     

     

  • ANNETH CARDOSO BASILIO DA SILVA
  • HISTÓRIAS DE VIDA, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E IDENTIDADE DE ENFERMEIRAS PROFESSORAS
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 17/10/2019
  • Mostrar Resumo
  •                                  

    RESUMO

     

    Esta pesquisa tem como objetivo a interpretação de histórias de vida, formação profissional e identidade de enfermeiras professoras e visa a preservação da história e da memória do Ensino de Enfermagem no Piauí. Partimos da tese de que a constituição da identidade profissional da enfermeira docente encontra-se em permanente construção pois está influenciada político, social e culturalmente e decorre das influências geradas por suas histórias de vida, formação universitária e experiências profissionais. Foi possível constatar o papel político, social e pedagógico da influência da Escola de Enfermagem Anna Nery no desenvolvimento do Ensino da Enfermagem Piauiense formando as pioneiras que herdaram seus ritos corroborando para a construção identitária profissional. Trata-se de uma pesquisa de natureza histórica, social, documental, bibliográfica, descritivo-interpretativa apresenta uma abordagem qualitativa e está fundamentada teórico-metodologicamente na História Cultural em autores como Le Goff(2003), Burke ( 1991),Chartier (1994), Pesavento ( 2008); Histórias de vida com Nóvoa (2000) e Michel de Certeau(2000/2002). A base epistemológica dos estudos de memória e história oral encontra-se  ancorada em Maurice Halbwachs( 1990), Paul Thompson (1992), Bom Meihy ( 1998). Tem por base obras que abordam a identidade profissional como Dubar (2005), Hall ( 2004), Barthes ( 2005) e a cultura material escolar como Julia ( 2001 ) e Frago ( 1995) . A História da Enfermagem tem sustentáculo em obras como Oguisso (2005), Teixeira (2006), Barreira (1997). Utilizamos também os escritores clássicos da História da Educação Brasileira como Saviani( 2000/2005), assim como obras que contribuem com a formação docente como Morin (2003/2010), Tardif ( 2014), Freire (1970/1974/2011), Zeichner (1987), Giroux (1997), Sacristán (2000), Pimenta (2000), Berhens (2010) assim como as produções historiográficas locais de autores como Ferro (1996)  Ramos(2003),Nogueira (1996),Nunes(1998/ 2004). Somadas às fontes bibliográficas, foram utilizadas fontes documentais e iconográficas, além de entrevistas  semi-estruturadas. As interlocutoras investigadas foram quinze enfermeiras; seis enfermeiras que cursaram enfermagem na Escola de Enfermagem Anna Nery e nove enfermeiras professoras que foram precursoras e atuaram inicialmente no ensino superior no âmbito público. O marco temporal da pesquisa que tem por base a interpretação de histórias de vida, inicia-se em 1949 com a aprovação de piauienses  na Escola de Enfermagem Anna Nery e finaliza em 1980 com a formatura de enfermeiras pela Universidade Federal do Piauí que contribuíram para o ensino superior de enfermagem no Estado. A história oral enfatiza a importância do registro e da análise da documentação obtida por depoimentos e testemunhos, dando vazão a diversidades de interpretações próprias, revelando fatos contemporâneos que  podem ser elucidados por personagens ainda presentes em nosso convívio. A abordagem da cultura material escolar faz-se através do conhecimento das instituições educacionais a partir de dentro de suas formas de organização e das ações realizadas pelos envolvidos. A identidade profissional da enfermagem docente é um processo histórico, complexo, multidimensional, coletivo constituindo-se de elementos da trajetória biográfica assim como das relações sociais e profissionais originadas no processo de formação. A interpretação da história  do ensino de enfermagem nas primeiras Instituições e a contribuição profissional de enfermeiras professoras para a Enfermagem Brasileira, a análise da implantação da enfermagem moderna e a evolução do seu ensino no Piauí ,  a contribuição das enfermeiras professoras precursoras do ensino superior público de enfermagem assim como a constituição das suas identidades profissionais são construtos indispensáveis para a  interpretação da história  da profissão e do ensino de enfermagem.

     Descritores: História e Memória do Ensino de Enfermagem. História de vida e formação. Identidade profissional.

     

     

     


    ABSTRACT

     

    This research aims to interpret life stories, professional education and identity of nurse teachers and aims at preserving the history and memory of Nursing Education in Piauí. We start from the thesis that the constitution of the professional identity of the nurse teacher is under permanent construction because it is influenced politically, socially and culturallyment and stems from the influences generated by her life stories, university education and professional experiences. This is a research of historical, social, documentary, bibliographic, descriptive-interpretative nature that presents a qualitative approach and is based theoretically-methodologically on  Cultural History in authors such as as Le Goff (2003), Burke (1991), Chartier (1994), Pesavento (2008); Life stories with Nóvoa (2000) and Michel de Certeau (2000/2002). The epistemological basis of memorial studies and oral history is anchored in Maurice Halbwachs (1990), Paul Thompson (1992), Bom Meihy (1998). It is based on works that address professional identity such as Dubar (2005), Hall (2004), Barthes (2005) and school material culture such as Julia (2001) and Frago (1995). The History of Nursing is supported by works such as Oguisso (2005), Teixeira (2006), Barreira (1997). We also include classic writers of the History of Brazilian Education such as Saviani (2000/2005), as well as works that contribute to teacher training such as Morin (2003/2010), Tardif (2014), Freire (1970/1974/2011), Zeichner (1987), Giroux (1997), Sacristán (2000), Pimenta (2000), Berhens (2010) as well as local historiographical productions of authors such as Ferro (1996) Ramos(2003),Nogueira (1996),Nunes(1998/ 2004). In addition to the bibliographic sources, documentary and iconographic sources were used, in addition to semi-structured interviews. The interlocutors investigated were fifteen nurses; six nurses who attended the Anna Nery School of Nursing and nine nurse teachers who were precursors and initially worked in higher education in the public universities. The time frame of the research based on the interpretation of life stories began in 1949 with the approval of Piauienses in the Anna Nery School of Nursing and ended in 1980 with the graduation of nurses from the Federal University of Piauí who contributed to the higher education of nursing in the State. The oral history emphasizes the importance of recording and analyzing the documentation obtained by statements and testimonies, giving rise to diversity of interpretations, revealing contemporary facts that can be elucidated by characters still present in our conviviality. The material school culture is made through the knowledge of educational institutions from within their forms of organization and the actions performed by those involved. The professional identity of teaching nursing is a historical, complex, multidimensional, collective process consisting of elements of the biographical trajectory as well as of the social and professional relationships originated in the training process. The interpretation of the history of nursing education in the first institutions and the professional contribution of nurse teachers to Brazilian Nursing, the analysis of the implementation of modern nursing and the evolution of its teaching in Piauí, the contribution of nurse teachers as precursors of public higher education as well as the constitution of their professional identity are indispensable constructs for the interpretation of the history of the profession and nursing education.

     

         Descriptors: History and Memory of Nursing Education. Life History and training. Professional Identity.

                                                                                 

     

     

    RESUMEN

     

    Esta investigación tuvo como objetivo interpretar las historias de vida, la educación laboral y la identidad de las enfermeras docentes a fin de preservar la historia y la memoria de la Educación de Enfermería en Piauí. De conformidad con la tesis que la identidad profesional de la enfermeira docente está en permanente construcción porque se encuentra abarcada politicamente, socialmente y culturalmente y deriva de las influencias generadas por sus historias de vida, educación universitaria y experiencias laborales.  Se trata de un estudio histórico, social, documental, bibliográfico, descriptivo-interpretativo que presenta un enfoque cualitativo y se basa teórico y metodológicamente en  Historia Cultural de los autores Le Goff (2003), Burke (1991), Chartier (1994), Pesavento (2008); Historias de vida con Nóvoa (2000) y Michel de Certeau (2000/2002). El seguimiento espistemológico de los estudios de memoria e historia oral estan ancladas en Maurice Halbwachs (1990), Paul Thompson (1992), Bom Meihy (1998). Se basa en trabajos que abordan la identidad laboral como Dubar (2005), Hall (2004), Barthes (2005) y la cultura del material escolar como Julia (2001) y Frago (1995). La historia de la enfermería está respaldada por obras como Oguisso (2005), Teixeira (2006) y Barreira (1997). Además, utilizamos los escritores clásicos de la Historia de la Educación Brasileña como Saviani (2000/2005), así como trabajos que contribuyen a la formación del profesorado como Morin (2003/2010), Tardif (2014), Freire (1970/1974/2011), Zeichner (1987), Giroux (1997), Sacristán (2000), Pimenta (2000), Berhens (2010), así como las producciones historiográficas locales de autores como Ferro (1996), Ramos (2003), Nogueira (1996) y Nunes (1998/2004). Además de las fuentes bibliográficas se utilizaron fuentes documentales e iconográficas,  a través de guiones semiestructurados. Los interlocutores investigados suman quince enfermeras que estudiaron a enfermería en la Escuela de Enfermería Anna Nery y nueve enfermeiras maestras que fueron pioneras en el trabajo en educación superior en la esfera pública. La delimitación del estudio basado en la interpretación de historias de vida empieza en 1949 con la aprobación de piauienses en la Escuela de Enfermería Anna Nery y termina en 1980 con la graduación de enfermeras de la Universidad Federal de Piauí que contribuyeron para la enseñanza de enfermería en Piauí.  La historia oral enfatiza la importancia de registrar y analizar la documentación obtenida a través de testigos, dando lugar a diferentes interpretaciones, revelando hechos contenporáneos que pueden ser aclarados por personajes aún presentes en nuestro cotidiano.  La cultura material escolar se realiza a través del conocimiento de las instituciones educativas dentro de suas formas de organización y las acciones realizadas por los involucrados. La identidad profesional de la enseñaza de enfermería es un proceso histórico, complejo, multidimensional y coletivo, lleno de elementos de la trayectoria biográfica, así como de las relaciones sociales y profesionales originadas en el processo de formación. La interpretación de la historia de la educación en enfermería en las primeras instituiciones y la contribución profesional de las enfermeras docentes a la Enfermería brasileña, el análisis de la implementación de la enfermería moderna y la evolución de su enseñanza en Piauí, la contribución de las enfermeras pioneras de la enseñanza superior pública de la enfermería, así como la constitución de su identidad profesional, son constructos indispensables para la interpretación de la historia de la profesión y de la educación en efermería. 

    Descriptores: Historia y Memoria de la Educación en Enfermería, Historia de vida y formación. Identidad profesional.     

                   

  • DIRNO VILANOVA DA COSTA
  • Entre a formação prática e imediata e a formação técnica integral: significações de professores do IFPI acerca da Educação Profissional e Tecnológica
  • Orientador : CRISTIANE DE SOUSA MOURA TEIXEIRA
  • Data: 27/09/2019
  • Mostrar Resumo
  •  

     

    Esta dissertação consiste em relatório de pesquisa realizada com o objetivo geral de analisar as significações que os professores do Instituto Federal do Piauí (IFPI) vêm produzindo acerca da Educação Profissional e Tecnológica (EPT), evidenciando a sua relação com essa modalidade de ensino. O Materialismo Histórico Dialético e a Psicologia Histórico-Cultural consistiram nas bases teóricas que orientaram essa investigação em razão de serem teorias que consideram a realidade como processo histórico dialético assim como é o processo de produção das significações e elegemos as categorias: trabalho, historicidade, mediação, significados e sentidos para explicar o objeto de estudo. A pesquisa empírica foi realizada com dois professores efetivos do Campus do IFPI, Campus de São Raimundo Nonato-PI, no período de janeiro a maio de 2019. As técnicas utilizadas para a produção dos dados foram: a) questionário eletrônico, para mapear os participantes, de acordo com os critérios estabelecidos pelo pesquisador e b) entrevistas reflexivas individuais. Os dados foram analisados a partir do procedimento denominado Núcleos de Significação, de Aguiar e Ozella (2006, 2013). Os resultados foram sintetizados em dois núcleos: a) “Eu fui professor por necessidade”: Os motivos de ingresso e permanência na docência, b) “A Educação Profissional tem que ser prática e imediatista, mas aqui no IFPI a formação técnica deve ser integral”: Significações dos professores do IFPI acerca da EPT. A análise revelou que as significações com maior ênfase indicam uma formação tecnicista e imediata no IFPI direcionada para o mercado de trabalho, mas também apresentam indicativos de que a EPT deve ser ampla e neste sentido a formação técnica deve ser integral.

  • ANA VALÉRIA BORGES DE CARVALHO MELO
  • OS SABERES DOCENTES CONSTRUÍDOS NO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: NARRATIVAS DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
  • Orientador : NEIDE CAVALCANTE GUEDES
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo intitulado “Os saberes docentes construídos no estágio curricular supervisionado: narrativas de licenciandos em Ciências Biológicas”, associado à linha de pesquisa Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, tem como objeto de investigação e foco a seguinte questão problema: Como o estágio curricular supervisionado contribui para a construção de saberes docentes no contexto da formação de licenciandos no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas? Desta forma, tem como objetivo geral: Compreender como o estágio curricular supervisionado contribui para a construção de saberes docentes no contexto da formação de licenciandos no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do IFPI, Campus Floriano. E como objetivos específicos: Identificar a relação entre os diversos campos do saber presentes no estágio curricular supervisionado; Descrever como o estágio curricular supervisionado fomenta a construção dos saberes docentes no contexto da formação de licenciandos de ciências biológicas; Compreender como as atividades desenvolvidas no estágio curricular supervisionado permitem uma prática refletida por parte dos licenciandos em ciências biológicas. Na construção teórica do estudo nos apoiamos nas contribuições de Pimenta (2002; 2005), Pimenta e Lima (2011), Tardif (2002), Piconez (2015), Ghedin, Oliveira e Almeida (2005), entre outros. Se constitui em uma pesquisa de abordagem qualitativa com base na Etnometodologia sustentada em autores como Garfinkel (2018), Coulon (1995a; 1995b; 2005), Guidens e Turner (1999), e para a construção e análises dos dados o Ciclo de Políticas à luz dos estudos de Ball e Bowe (1992), Ball (1994), Ball (2001), Mainardes (2006), e a Análise do Discurso Crítica (ADC) alicerçada pelos estudos de Resende e Ramalho (2006), Magalhães, Martins e Resende (2017) e Fairclough (2001). A pesquisa foi realizada com duas licenciandas do curso de licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal de Educação do Estado do Piauí-IFPI, Campus Floriano. Os resultados se encaminham no sentido de compreender a constituição do estágio como um fértil espaço formativo, possibilitando às interlocutoras importantes momentos de investigação, reflexão e criticidade.

  • GILSANIA BEZERRA MOURA
  • DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR FISIOTERAPEUTA
  • Orientador : MARIA DIVINA FERREIRA LIMA
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho disserta sobre o desenvolvimento profissional docente de professores Fisioterapeutas e as contribuições desse processo para o trabalho docente desses bacharéis. A problemática desta investigação surgiu de inquietações da pesquisadora, originadas durante as vivências, como professora do curso de Graduação em Fisioterapia e como estudante do curso de Licenciatura em Pedagogia. Tem como objetivo geral: investigar como ocorre o desenvolvimento profissional docente de professores fisioterapeutas no ensino superior. Para detalhar o objetivo geral, delineamos as seguintes questões norteadoras: Qual o perfil do professor fisioterapeuta? Como se caracterizam as aprendizagens profissionais do professor fisioterapeuta no desenvolvimento profissional? Como se caracteriza o desenvolvimento profissional do professor fisioterapeuta? O contexto organizacional onde esse professor está inserido oferece condições e possibilidades de desenvolvimento profissional? De acordo com García e Vaillant (2012) o desenvolvimento profissional docente corresponde a um processo em que todos os tipos de experiências, seja ela individual ou coletiva, contribuem para a melhoria da qualidade do ensino, e possibilita ao professor à revisão, renovação e desenvolvimento de seus conhecimentos, saberes e práticas docentes. A pesquisa é fundamentada em autores que estudam o desenvolvimento profissional e suas dimensões, tais como: García (1999, 2010), Nóvoa  (1995); Pimenta e Anastasiou (2002); Pimenta e Almeida (2011); García e Vaillant (2012); Zabalda (2004), Formosinho (2009), Liberalli (2010) Rodrigues (2003) Veiga (2012), Day (1999), Ramalho, Nunes e Gauthier (2003). Esses autores apresentam conceituações sobre o desenvolvimento profissional docente nas perspectivas individual, profissional e organizacional, que possibilitam uma análise e reflexão crítica sobre a profissionalidade e profissionalização de professores fisioterapeutas. O estudo foi desenvolvido a partir da pesquisa narrativa, conforme propõem Conelly e Clandinni (1995), que oferecem embasamentos teóricos sobre esse tipo de pesquisa. A pesquisa teve como técnicas de produção de dados o questionário, memorial de formação e a entrevista narrativa. Em relação aos aspectos metodológicos buscou-se as contribuições de Gil (1999) sobre o questionário, Jovchelovitch e Bauer (2008), que discutem sobre os procedimentos da entrevista narrativa e desenvolvimento dos memoriais sob as orientações de Passeggi (2008). Para a análise de conteúdo tomou-se como referência os estudos de Bardin (2010) que orientam análise dos dados. O estudo teve como lócus, a Faculdade de Ciências Médicas-FACIME da Universidade Estadual do Piauí- UESPI e envolveu como participantes seis professores que atuam no Curso de Graduação em Fisioterapia. Diante das análises empreendidas sobre o desenvolvimento profissional docente, a pesquisa aponta que apesar dos professores terem interesse e necessidade de desenvolver-se profissionalmente, ainda existem lacunas nos seus processos de desenvolvimento.

  • NATHÁLIA DE ALCÂNTARA ARRAIS BELFORT
  • PRÁTICA DOCENTE E DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras.
  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A produção de conhecimento acerca da diversidade na prática docente na educação infantil tem revelado maior visibilidade e profundidade no contexto do trabalho científico ao colocar no centro da discussão a prática docente requerida para fazer face à realidade do fenômeno educativo: intermediação pedagógica do cuidar e educar, considerando a diversidade em suas múltiplas dimensões e relações no âmbito da sala de aula na educação infantil.  Diante desse cenário reflexivo discursivo, esta investigação delineia como objeto de estudo: a prática docente desenvolvida na educação infantil na consideração da diversidade inerente ao contexto da sala de aula nesse nível de ensino e dispõe como questão-problema: que práticas docentes são desenvolvidas na sala de aula da educação infantil tendo em vista a diversidade inerente a esse contexto? Registra como objetivo geral: analisar práticas docentes desenvolvidas na sala de aula da educação infantil tendo em vista a diversidade inerente a esse contexto; E, como objetivos específicos, define os seguintes: compreender as concepções de professores da educação infantil acerca da diversidade no contexto de sua prática docente; identificar a organização da mediação pedagógica considerando a diversidade que permeia a sala de aula na educação infantil; descrever a prática docente na educação infantil no que se refere à diversidade na sala de aula. Sua discussão fundamenta-se teoricamente nas ideias de Angotti (2012), Ariés (1986), Abramowicz, Rodrigues e Cruz (2011), Didonet (2012), Franco (2012), Kramer (2005), Kurlmann Jr. (2001), Oliveira (2010), dentre outros. Trata-se de uma pesquisa narrativa, apoiada em Souza e Passeggi (2011), Clandinin e Connelly (2011), Delory-Momberger (2012) e outros que empregam o método auto (biográfico). Focaliza, nesse sentido, narrativas de vida de sete professoras  de um Centro Municipal de Educação Infantil em Teresina-PI, empregando como dispositivos para a produção de dados: a Roda de Conversa, na perspectiva de Warschauer (2004) e Moura e Lima (2014); a Carta Pedagógica considerando as orientações de Freire (2014) e Camini (2012); e a Observação na ótica de Viana (2007) e Gil (2008), como mecanismos que viabilizam a compreensão/entendimento do objeto pesquisado e a rememoração da história de vida (pessoal e profissional) das narradoras, descrevendo suas concepções sobre diversidade e prática docente na educação infantil. Os dados foram analisados com o apoio da técnica de análise de conteúdo, com base em Bardin (2016). Entre outros indicativos, apresenta como principais conclusões: a necessidade de o professor revelar-se conhecedor, em seus saberes e fazeres, do entendimento da lógica infantil e da infância, que precisam ser consideradas, analisadas e intermediadas em suas múltiplas possibilidades de ser, tendo em vista o cuidar e o educar no contexto da sala de aula na educação infantil; as questões que envolvem a diversidade necessitam serem debatidas na formação docente e em sala de aula com mais frequência, planejamento e intensidade, de modo a potencializar o exercício de práticas docentes para as diversidades.

  • MARLUCIA LIMA DE SOUSA MENESES
  • A política de alimentação escolar no ensino médio da rede estadual do Piauí
  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 26/08/2019
  • Mostrar Resumo
  •  O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é uma política do governo federal de descentralização de recursos para a oferta de merenda escolar a estudantes da Educação Básica, mediante ações do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. A importância do PNAE decorre de sua pretensão em contribuir com o crescimento, o desenvolvimento e a formação de hábitos saudáveis, por meio de ações de educação alimentar e da oferta de refeições que cubram as necessidades nutricionais dos alunos durante o período em que permanecem na escola. A amplitude do PNAE motiva o seguinte questionamento: em quais condições de atendimento o Programa tem garantido o direito à alimentação nas escolas de Ensino Médio da rede estadual de educação do Piauí? O objetivo da pesquisa é analisar o PNAE na referida rede, considerando a cobertura, as condições de atendimento, as formas de gestão, o financiamento e a avaliação da comunidade escolar. A pesquisa dialoga com referenciais que discutem políticas públicas, como Boneti; Arretche e Draibe; políticas educacionais, com base em Paro; Peroni e Oliveira; e financiamento da educação, com apoio em Oliveira; Pinto entre outros. O percurso metodológico compreendeu uma abordagem mista, quantiqualitativa, em que foram utilizadas, como técnicas, a análise documental, a aplicação de questionários e a realização de entrevistas com merendeiras, gestores, estudantes e membros do Conselho da Alimentação Escolar. O material foi submetido à análise de conteúdo, nos termos de Bardin, e análise quantitativa, com o apoio do Programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Os resultados indicam que toda a rede de Educação Básica é atendida pelo Programa e que as condições de atendimento apresentam fragilidades, no tocante à qualidade da alimentação, à estrutura dos refeitórios e à equipe de merendeiras. A forma de gestão adotada na rede estadual é descentralizada, embora os valores envolvidos sejam insuficientes para o alcance dos objetivos do Programa, o que resulta na adesão parcial dos estudantes do Ensino Médio à alimentação ofertada pelas escolas e informa a necessidade de reorganizar o cardápio no sentido de garantir refeições adequadas aos hábitos alimentares e necessidades nutricionais de jovens atendidos na rede estadual de educação do Piauí.

  • ROSEANNE MADEIRA FRANCO
  • FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL: um olhar sobre o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí
  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 23/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A assistência estudantil proporciona a ampliação das condições de permanência na escola. O atendimento às necessidades básicas do estudante não se restringe à oferta do ensino gratuito, pois são indispensáveis, também, ações que viabilizem o financiamento do seu acesso e permanência. O presente estudo abordou o financiamento da assistência estudantil no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí – IFPI, tendo por objetivo analisar a sua Política de Assistência Estudantil, explicitando o formato e problematizando os limites no que tange ao seu financiamento. Quanto aos objetivos específicos, buscou: caracterizar a política de assistência estudantil desenvolvida pelo IFPI; problematizar o seu financiamento; relacionar a distribuição de recursos da assistência estudantil com o perfil socioeconômico das diferentes unidades do IFPI; e analisar o alcance e a natureza dos auxílios e benefícios da assistência estudantil implementados no Instituto. A pesquisa foi quali-quantitativa, baseada em estudo documental, nos termos de Cellard; Sá-Silva, Almeida e Guindani; e Gil, fundamentada na legislação nacional que regulamenta a temática, nas normativas oriundas do IFPI e nas produções bibliográficas que tratam do tema, especialmente as de Sposati et. al.; Behring e Boschetti; Kowalski; Rego e Rodrigues; e Oliveira. Os resultados da pesquisa informam que não são estabelecidos, a nível nacional ou local, recursos pré-determinados para a Política de Assistência Estudantil, ressaltando o financiamento como um espaço de constante disputa entre interesses e concepções que irão se materializar no orçamento. Os estudantes pobres que ingressam no IFPI necessitam dos auxílios de assistência ao educando, para que tenham condições de permanecer e lograr êxito nos estudos. Contudo, com recursos escassos e insuficientes, se inviabiliza a efetivação da Política de Assistência Estudantil para todos os estudantes que dela necessitam. Dessa forma, essa Política, ao invés de assumir o caráter de democratização do acesso e permanência, assume o papel de instrumento de permanência das condições de desigualdades sociais entre estudantes, reforçando o processo contraditório das políticas públicas no interior da sociedade capitalista.

  • DÉBORA RODRIGUES LIMA
  • A EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL NO PIAUÍ: uma análise da meta de ETI dos planos de educação
  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 23/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A oferta da escola de tempo integral ocorreu em diferentes épocas na história do ensino brasileiro, embora de forma descontínua. No entanto, essa modalidade alcançou maior destaque no Plano Nacional de Educação (PNE) aprovado em 2014, que definiu como meta oferecer educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, 25% dos(as) alunos(as) da educação básica. No processo de elaboração dos planos estaduais e municipais de educação os entes federativos estabeleceram suas próprias metas, como ocorreu no Piauí, motivando a realização dessa pesquisa que tem por objetivo analisar a meta de ETI nos planos estadual e municipais de educação do Estado do Piauí. Quanto aos objetivos específicos, pretende-se analisar a coerência entre as metas e as estratégias estabelecidas para a escola em tempo integral nos planos estadual e municipal de educação do Piauí em relação ao previsto no PNE; identificar a quantidade de escolas em tempo integral no Estado do Piauí, nos anos posteriores a aprovação do PNE e investigar as condições de oferta, no que tange a infraestrutura das escolas em tempo integral do Piauí. A abordagem adotada é quali-quantitativa, mediante pesquisa documental, tendo como base a legislação e documentos de âmbito nacional sobre a política de educação em tempo integral; os planos nacional, estadual e municipais de educação e microdados do Censo Escolar dos anos de 2014 a 2017. A pesquisa tem como referencial teórico produções bibliográficas que tratam sobre o tema, especialmente as de autores como Gramsci; Queiroz; Cavaliere; Esquinsani; Cella; Cantuário; e Castro e Lopes. Os resultados informam que o Plano Estadual de Educação tem a mesma meta do PNE para a escola em tempo integral, situação também observada na maior parte dos planos municipais, embora percentual considerável tenha estabelecido metas diferenciadas em relação ao número de escolas e/ou matrículas na referida modalidade, assim como a inclusão de novas estratégias. No que tange ao quantitativo de escolas e de matrículas em tempo integral, embora a oferta no Estado do Piauí esteja aquém das metas estabelecidas, vem ocorrendo aumento significativo após a aprovação do PNE, contudo o ritmo de crescimento não indica que será garantido o alcance da meta até o final do decênio. Quanto às estruturas das escolas de ETI, os microdados do Censo Escolar informam insuficiência para o atendimento dos alunos, devido ausência de espaços considerados indispensáveis para a adequada realização da educação em tempo integral na maior parte das escolas. Conclui-se que são grandes os desafios, tanto para o cumprimento das metas de ETI quanto para que se assegure a oferta da educação em tempo integral com adequado padrão de qualidade nas escolas públicas piauienses.

  • MARIA DE NAZARETH FERNANDES MARTINS
  • PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO INFANTIL MEDIADA PELO BRINCAR: DE ESTRATÉGIA DE ENSINO À ATIVIDADE GUIA DO DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 20/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O brincar é a atividade da criança no mundo para apropriação e objetivação da cultura humana, por ser necessidade e atividade guia para seu desenvolvimento. Na Educação Infantil esta atividade é normatizada em documentos oficiais como as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil - DCNEI (2010) e validada pelas pesquisas sobre infância, desenvolvimento infantil e Educação Infantil. Em face destes argumentos, emerge as seguintes questões: Como é desenvolvida a prática pedagógica da Educação Infantil mediada pelo brincar? Será que nessa prática o brincar é compreendido como necessidade e atividade guia para o desenvolvimento da criança? Para discutir essas questões, a proposta de tese é: A prática pedagógica da Educação Infantil mediada pelo brincar tem possibilidade de desenvolvimento integral da criança quando as significações sobre o brincar, produzidas pelas professoras, são de atividade guia geradora de desenvolvimento e aprendizagem. O objetivo geral é Investigar os processos constitutivos da prática pedagógica da Educação Infantil mediada pelo brincar. O Materialismo Histórico Dialético e a Psicologia Histórico-Cultural são as bases teóricas que orientam este estudo por serem teorias que consideram a realidade como movimento gerado por contradições, como o próprio processo de constituição da Educação Infantil, que gerou mudanças na forma de pensar a criança e o profissional que trabalha com sua formação; é pela possibilidade de estudar a consciência ligada indissoluvelmente ao meio material em que vive o ser humano. A pesquisa empírica é do tipo pesquisa formação, envolveu três professoras da Secretaria de Educação e Cultura – SEMEC do município de Teresina/PI e foi desenvolvida em três momentos: entrevista reflexiva coletiva, oficinas de brincar e registro escrito reflexivo na forma de memorial reflexivo do processo formativo e de cartas pedagógicas. E como procedimento analítico foi utilizado os Núcleos de Significação. As sinalizações da pesquisa evidenciaram a atividade de brincar como estratégia de ensino aprendizagem com objetivo de alfabetizar, mas um desejo de mudança da prática pedagógica mediada pelo brincar expressas por meio de novas significações de brincar como atividade guia geradora de aprendizagem e de desenvolvimento infantil como processo produzido socialmente. Os conhecimentos produzidos por meio da pesquisa formação criaram condições de reflexão crítica sobre a prática e evidenciaram uma tomada de consciência sobre a necessidade das professoras de formação contínua e do uso do brincar com objetivo de desenvolvimento integral da criança.

     

  • JACYARA CAROLINE DA COSTA OSÓRIO
  • A POLÍTICA DE INCLUSÃO NO MUNICÍPIO DE OEIRAS-PI NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR DA CLASSSE COMUM
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 19/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Após extenso período de omissão do Estado na elaboração de políticas públicas educacionais destinadas à inclusão escolar do Público Alvo da Educação Especial (PAEE), o Brasil vivencia desde os anos 2000 intensa mobilização no sentido de garantir, a partir de documentos legais, não somente a matrícula deste segmento na escola comum, mas também no contraturno de suas atividades escolares, o direito ao Atendimento Educacional Especializado, entre outros dispositivos de apoio a esses educandos. No entanto, compreende-se que em alguns casos, a interpretação e consequente implementação da Política não possibilita a concretização dos direitos previstos na legislação, a formação dos docentes e o trabalho colaborativo entre professor da classe comum e professor da sala de recursos multifuncional. Desta forma, considerando as atuais políticas públicas destinadas a inclusão de estudantes PAEE, esta pesquisa teve por objetivo geral investigar como se estrutura a política de inclusão escolar no município de Oeiras-PI na perspectiva do professor da classe comum.  Para tanto, fez-se necessário identificar e conhecer as concepções dos professores da classe comum acerca da inclusão escolar; bem como analisar as dificuldades e os fatores facilitadores que influenciavam na sua implementação. Este trabalho adotou os parâmetros da abordagem qualitativa, do tipo descritiva e contou com a participação de 10 professores do ensino fundamental de cinco escolas do município de Oeiras - PI que atuam na classe comum com estudantes PAEE. Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram o questionário de avaliação da política de inclusão escolar na versão destinada aos professores da classe comum, elaborado por Tannús-Valadão, Vilaronga, Lacerda e Mendes (2016) e entrevista semiestruturada com os participantes. A apreciação das informações foi realizada considerando as informações presentes no questionário e a análise de conteúdo proposta por Bardin (2011). Entre os resultados obtidos destacam-se as dificuldades de implementação da política de inclusão escolar, tendo em vista, que as escolas do município de Oeiras apresentam condições inadequadas para promoção da inclusão e da participação deste público nas atividades escolares. Esta realidade é representada pelo insuficiente conhecimento do professor da classe comum acerca das necessidades educativas dos estudantes PAEE; pela ausência de apoio de outros profissionais; pela desarticulação entre os planejamentos da classe comum e da sala de recursos multifuncionais; pela infraestrutura pouco adaptada para atender a demanda deste público, e em alguns casos, pelo preconceito ainda presente nas representações escolares.

  • FRANCISCO ANTONIO MACHADO ARAUJO
  • EU ME DESENVOLVO, TU TE DESENVOLVES, NÓS NOS DESENVOLVEMOS: o desenvolvimento profissional do professor do ensino superior que vivenciou estudos na Pós-graduação em Educação
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 17/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta investigação teve como objeto de estudos o desenvolvimento profissional do professor do ensino superior que vivenciou estudos na Pós-graduação em Educação. Para o desenvolvimento da investigação, utilizou-se como base epistemológica as leis, categorias e princípios do Materialismo Histórico Dialético, por meio das contribuições de Marx (1974; 1978; 1988; 2011; 2013), Marx e Engels (1993; 2007), Engels (1979; 2015), Afanasiev (1985), Burlatski (1987), Cheptulin (2004), Kopnin (1972; 1978), Konstantinov (1974), Krapívine (1984;1986), Lefebvre (1991), Lenine (1946), Kosik (1976), Mandel (1978), Podossetnik e Yakhot (1967), Politzer (1970), Hahn e Kosing (1983), Ilienkov (1960; 1973), Lukács (1979), Viera Pinto (1985), Vázquez (1980; 2011), Netto (2009), Oliveira (2005), dentre outros. Foram fundamentais para as discussões sobre as categorias Sentido e Significado, Vivências e Atividade, as apropriações de Vigotski (1999; 2000; 2001; 2009; 2010; 201; 2018), Jerebtsov (2014), Leontiev (1980; 1978), Luria (1979; 1988), Pino (2000), Duarte (2001; 2004), Asbah (2014), Toassa (2010; 2011), Martins (2011), Minick (2011), Karabanova (2010), Meshcheryakov (2010), Facci; Tuleski; Barroco (2009), dentre outros. Também fizeram parte dos aportes teóricos as discussões sobre docência do ensino superior com base em Almeida (2012), Cunha (2006), Franco e Pimenta (2012), Anastasiou (2014), Gatti (1987, 2013), Isaia e Bolzan (2003, 2008, 2009), dentre outros. A revisão de literatura sobre o conceito de desenvolvimento profissional (DAY, 2001; GARCIA, 1999; NÓVOA, 1992; OLIVEIRA-FORMOSINHO, 2009; MOREIRA, 2010; SÁ-CHAVES, 1997), a análise das teses que   desenvolveram em seus objetos de estudos o tema do desenvolvimento profissional do professor do ensino superior (BRATTI, 2015; DEBALD, 2014; FELDEN, 2013; JUNGES, 2013; MATOS, 2015; MUSSI, 2007; PRYJMA, 2009; SILVA, 2014, TORRES, 2014). O desenvolvimento da investigação foi orientado pela seguinte tese: Quando constituídas em vivências, as ações realizadas pelo professor do ensino superior no estudo desenvolvido na Pós-graduação em Educação, medeiam seu desenvolvimento profissional. Definiu-se como objetivo geral: Investigar o desenvolvimento profissional do professor do ensino superior que vivenciou estudos na Pós-graduação em Educação. O desenvolvimento desse objetivo geral, motivou os seguintes objetivos específicos: a) Analisar as particularidades das necessidades e motivos do professor do ensino superior que vivenciou estudos na Pós-graduação em Educação; b) Examinar as significações produzidas pelo professor do ensino superior sobre as ações realizadas no estudo desenvolvido na Pós-graduação em Educação que se constituíram em vivências; c) Discutir as significações do desenvolvimento profissional que foram produzidas pelo professor do ensino superior sobre suas vivências no estudo desenvolvido na Pós-graduação em Educação. Nos aspectos metodológicos, desenvolveu-se uma metodologia de produção e análise de dados intitulada Metodologia Hodos Dialético. Com base nos resultados, considerou-se que: As necessidades e motivos dos professores em relação ao estudo na Pós-graduação em Educação, se relacionavam às suas significações do estudo como processo formativo que reunia as condições determinantes para o desenvolvimento da atividade docente no ensino superior. E, consequentemente, lhe possibilitavam contribuir na melhoria da formação dos futuros professores da educação básica; As significações produzidas sobre as situações em que os professores se relacionaram com o estudo e foram influenciados afetivamente, representaram os momentos do estudo indicadores de vivências. Esses momentos se manifestaram na realização das ações constitutivas do estudo. A síntese de desenvolvimento profissional manifestou-se pela significação dos professores sobre as mediações do estudo nas transformações das relações com a pesquisa, na atividade docente e nas relações institucionais. Essa síntese, representou uma negação dialética no movimento constitutivo do ser professor.

  • TATIANE RODRIGUES DE MOURA MAURIZ
  • ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE FÍSICA: ESPAÇO DE AQUISIÇÃO E MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 14/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O estágio supervisionado representa um profícuo ambiente de iniciação profissional por possibilitar a vivência de situações reais no contexto educacional que colaboram com a construção e solidificação de conhecimentos necessários ao desempenho profissional. É, portanto, uma ferramenta essencial para ampliar laços com a futura profissão, permitindo construções significativas durante a formação inicial de professores. Isso posto, trazemos o seguinte  problema de pesquisa: Quais as contribuições do estágio supervisionado para a aquisição e mobilização de saberes na  formação inicial em Física? Nesse sentido, este estudo tem como objetivo geral analisar as contribuições do estágio supervisionado para a aquisição e mobilização de saberes na formação inicial de professores de Física. Especificamente, pretendemos compreender o papel do estágio supervisionado na formação inicial do professor de Física, caracterizar o estágio supervisionado na Licenciatura em Física do IFPI – Campus Picos, descrever as concepções de estágio supervisionado expressas pelos supervisores e licenciandos em Física e identificar os saberes adquiridos e mobilizados pelos licenciandos em Física a partir das vivências do estágio supervisionado. Para isso, realizamos uma pesquisa de abordagem qualitativa, utilizando o método autobiográfico, com auxílio da entrevista narrativa e do questionário misto como instrumentos para produção dos dados. Como técnica para análise dos dados, recorremos à análise de conteúdo fundamentada na perspectiva de Bardin (2011). Os sujeitos e o contexto do estudo compreenderam as supervisoras de estágio e licenciandos de Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI) - Campus Picos, e a estruturação teórica está alicerçada em autores e legislações que discutem sobre formação inicial, entre eles, Charlot (2008), Contreras (2002), Pérez Gomes (1995), Pimenta e Ghedin (2006), Gatti (2013), Mendes Sobrinho (2006), Scalcon (2008), Schön (1983), Zeichner (1992) e BRASIL (2015). Quanto ao estágio supervisionado recorremos às reflexões de Barreiro e Gebran (2006), Gonçalves (2015), Maciel (2012), Pimenta e Lima (2004), Piconez (2003), Zabalza (2014), bem como aos marcos legais que orientam esta prática tanto em âmbito nacional como no contexto do IFPI - Campus Picos. Acerca dos saberes docentes, discutimos a partir das considerações de Gauthier et al.(1998), Pimenta (1999) e Tardif (2002). As compreensões construídas evidenciaram que o estágio supervisionado contribui significativamente com a incorporação de saberes necessários à atividade docente, constituindo-se assim como espaço de vastas possibilidades formativas no processo de formação inicial de professores. Possuímos, assim, a expectativa de que este trabalho contribua para o aprimoramento dos cursos de formação de professores em Física, constituindo-se, também, em incentivo para novos estudos na área e a ampliação da compreensão sobre o estágio supervisionado como locus de aquisição e mobilização de saberes docentes.

     

     

     

     

  • SANDRA DA CONCEIÇÃO CUNHA
  • Necessidades Formativas de Professores da Prática Docente na Educação Profissional
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 06/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • As necessidades formativas de professores têm papel valoroso no processo de planificação das ações voltadas para formação continuada de professores, bem como para a tomada de decisões diante das mudanças ocorridas no seio da sociedade que têm ocorrido de maneira acelerada, dificultando o acompanhamento de tal processo. Apresentamos o seguinte problema de pesquisa: Quais são as necessidades formativas de professores da prática docente na Educação Profissional? Julgamos necessário para o processo de investigação termos como norte as seguintes questões: Como os professores concebem suas necessidades formativas na prática docente?; Quais necessidades formativas emergem no cotidiano de sua prática docente?; Como a formação continuada tem contribuído para atender as necessidades formativas que emergem no cotidiano da prática docente da Educação Profissional? O estudo objetiva de forma geral analisar as necessidades formativas de professores na prática docente da Educação Profissional.  Especificamente: a) Descrever como os professores concebem suas necessidades formativas; b) Identificar as necessidades formativas emergidas no cotidiano da prática docente; c) Compreender como a formação continuada tem contribuído para atender as necessidades formativas evidenciadas na prática docente na Educação Profissional. O percurso metodológico firma-se numa abordagem qualitativa, com adoção do método biográfico para trazer à tona os elementos para a discussão das narrativas dos professores. O campo empírico é o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFPI), Campus Piripiri. Para o procedimento de produção de dados serão utilizados o questionário e a técnica da entrevista narrativa. Por fim, para o tratamento dos dados coletados faremos uso da análise de conteúdo defendida por Bardin (2011). Para o desenvolvermos deste estudo buscamos nos fundamentar em autores que têm estudos direcionados para formação inicial como: Garcia (1999), Giroux (1997), Pacheco e Flores (1999), Gatti (2009), Contreras (2012), Pimenta, Almeida e Leite (2008), Cunha (2010), Pimenta (2005), Rodrigues e Freitas ( 2016), Sousa e Moura (2019); sobre a formação continuada em: Nóvoa (1992), Gatti (2008, 2016), Pimenta e Ghedin (2002), Imbernón (2009), Cunha Mendes Sobrinho (2018), Pimenta e Anastasiou (2014), Moura (2008), Mariconi (2017), Araújo e Rodrigues (2018), Prada, Freitas e Freitas (2010), Resolução nº 02/2015 e quanto as necessidades formativas à luz de Rodrigues e Esteves (1993), Princepe (2010), Ramalho e Nuñez (2011), Carvalho (2017), Bandeira (2014), Oliveira (2016), Pena (2018) dentre outros. A pesquisa permite explicitarmos que as necessidades formativas dos professores se concentram, principalmente, no campo pedagógico e na formação de pós-graduação em nível de stricto sensu. Além disso, o estudo aponta para a necessidade de sistematização na formação continuada de professores que venha atender aos bacharéis docentes da Educação Profissional, levando em consideração as necessidades formativas que emergem a partir da prática docente.

     

    Palavras-chave: Necessidades formativas. Educação profissional. Formação inicial. Formação continuada.

     

     

     

  • JOSELIA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA
  • SIGNIFICADOS E SENTIDOS DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS AFIRMATIVAS PRODUZIDAS POR EDUCADORES DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS
  • Orientador : ELIANA DE SOUSA ALENCAR MARQUES
  • Data: 05/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO: 

    A pesquisa teve como objetivo geral analisar o processo de constituição de significados e sentidos de educadores quilombolas sobre práticas educativas afirmativas. Para atender esse objetivo, estabeleceu-se como objetivos específicos: a) conhecer os motivos que levam os educadores a realizarem práticas educativas afirmativas em comunidades quilombolas; b) conhecer as condições objetivas e subjetivas que determinam as práticas educativas desenvolvidas nas comunidades quilombolas; c) apreender a significação da prática educativa afirmativa da cultura quilombola. Partindo da concepção de que as atividades humanas são sempre significadas e, que, são as significações que revelam as mediações sociais e históricas pelas quais o homem e a realidade se constituem dialeticamente, a pesquisa orientou-se pelos fundamentos teórico-metodológicos da Psicologia Sócio-Histórica, sobretudo pelas ideias de Vigostski ( 2009, 2004 e 200) e seus seguidores. A discussão sobre práticas educativas afirmativas foi ancorada nas ideias de Paulo Freire (1987 e 2009). A pesquisa contou com a participação de 02 ( dois) educadores sociais, responsáveis por planejamento, organização e realização das práticas educativas afirmativas realizadas em  comunidades quilombolas localizadas nos municípios maranhenses: Codó e Matões.  Os dados empíricos foram produzidos entre 2017 e 2018 por meio da observação participante e da entrevista narrativa. Para análise dos dados utilizou-se a proposta metodológica de Núcleos de Significação, elaborada por Aguiar e Ozella (2006, 2013). Os resultados da pesquisa indicam que o processo de constituição das significações das práticas educativas afirmativas produzidas pelos educadores foi mediado pelas histórias de vida dos participantes, pela luta em defesa da terra e da afirmação de suas identidades e, sobretudo, pelo fortalecimento da sua cultura como necessidade de garantir sua existência.

     

  • PEDRO THIAGO COSTA MELO
  • A MUNICIPALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PÚBLICA DE TERESINA: História, Educação e Memória (1996-2007)
  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 03/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • Neste estudo, apresentamos uma narrativa histórica do processo de municipalização da educação pública infantil na cidade de Teresina (1996-2007), no estado do Piauí. Metodologicamente, trata-se de uma Pesquisa Qualitativa; que tem como método de abordagem, o método Dialético; o método de procedimento, o método Histórico- especificamente com os pressupostos teórico-metodológicos da Nova História. O desenvolvimento da pesquisa deu-se a partir de depoimentos orais (como técnica), de atores sociais, utilizando o conceito de Memória de Halbwachs (1990), juntamente com o entendimento conceitual de municipalização. Utilizamos, também, como fontes, os dados do INEP; periódicos; bibliografias, como, Burke (1991), Lakatos (2003), Certeau (2003), Halbwachs (1990), Bloch (2002), Araujo (2005), Fonseca (1995), Lima Filho (2013), Gentilini (1999), Grinkraut (2012). Os resultados evidenciaram que a educação infantil ao longo do tempo foi se firmando como vertente educacional de forma gradual; assim como possibilitou constatar que mesmo com a aprovação CF/1988, que garantiu o direito educacional das crianças a creches e pré-escolas e com a LDB/96, que a colocou como integrante da educação básica, a posição da SEMEC de institucionalizar o atendimento à infância para sua alçada foi somente em 2007, decisão política do então secretário municipal de educação Washington Bonfim, consequência do surgimento do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB/2006). A partir daí, houve um aumento considerável nas matrículas em creches e pré-escolas na dependência administrativa municipal, ocasionado pelo processo de municipalização de 100% da educação infantil da rede estadual e, sobretudo, a incorporação de estabelecimentos de educação infantil filantrópicas e comunitárias, antes conveniadas da Secretaria Municipal da Criança e Adolescente (SEMCAD). Ou seja, a municipalização ocorreu paralelamente a uma (re)conceitualização da educação infantil no âmbito da gestão pública municipal de Teresina, entendida de fato como parte do setor educacional.

  • ANA CRISTINA DE ASSUNÇÃO XAVIER FERREIRA
  • A POLÍTICA DE INCLUSÃO ESCOLAR PARA O ALUNO SURDO NA PERSPECTIVA DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS/LÍNGUA PORTUGUESA
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 02/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • O movimento pela inclusão de alunos do público alvo da educação especial (PAEE) revela-se desafiador sob muitos aspectos, particularmente no que diz respeito à implementação de políticas públicas voltadas para o acesso e permanência desse segmento na escola. Observa-se a existência de documentos legais, mas sua concretização ainda não ocorre de forma plena. No caso dos surdos, verifica-se que muitos foram os avanços alcançados como, por exemplo, a Lei 10.436/2002 que reconhece a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como meio de comunicação e expressão. Não obstante essa consideração, os surdos ainda enfrentam muitos problemas no processo de escolarização. Uma das alternativas encontradas para minimizar essa problemática é a inserção do tradutor e intérprete no contexto educacional. Nesse sentido, o objetivo geral desta pesquisa foi investigar, na perspectiva do Tradutor e Intérprete de Libras/Língua Portuguesa (TIL/LP), a implementação da política de inclusão escolar para o aluno surdo. O estudo é de natureza qualitativa, do tipo descritivo, tendo como principal instrumento o Questionário de Avaliação da política de inclusão escolar: tradutor e intérprete de Libras/Língua Portuguesa (TURETTA; LACERDA; MENDES, 2016) e a entrevista semiestruturada. Os participantes desta pesquisa foram dez Tradutores e Intérpretes de Libras que atuam com alunos surdos do ensino fundamental anos finais e ensino médio em quatro escolas da rede estadual de educação do município de Teresina-PI. Os resultados foram analisados a partir das informações presentes no questionário e a análise de conteúdo (BARDIN, 2011). Entre os resultados encontrados foi possível identificar que entre as dificuldades que os TIL/LP enfrentam no cotidiano, destacam-se a sobrecarga de trabalho, a ausência de revezamento, a falta de colaboração com o professor da classe comum. Outro aspecto ressaltado refere-se ao fato de que na perspectiva dos intérpretes o acesso dos surdos à instituição escolar é facilitado, porém a permanência vem sendo inviabilizada por distintos fatores. As possibilidades de uma inclusão mais eficaz para o surdo no contexto educacional, são possíveis, desde que se promovam práticas inclusivas assertivas, buscando diminuir as dificuldades e visando aumentar as condições favorecedoras da sua permanência.

  • SANDRA REGINA DE MORAIS CUNHA RODRIGUES
  • O Perfil Formativo de Professores da Educação Infantil: compatibilidade entre a formação e a exigência da função docente da função
  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 01/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa investigou o perfil da formação inicial do professor de Educação Infantil do Município de Teresina, considerando a exigência da LDB 9.394/96 que trata da formação mínima exigida para atuar nesta etapa de Educação Básica, problematizando os elementos de convergências e divergências entre o referido marco legal e o perfil formativo encontrado. O estudo compreendeu o universo de 2.342 docentes que atuavam na rede municipal e privada desse município, em 2017. Considerando as características do objeto de estudo, optou-se por uma pesquisa de abordagem quanti-qualitativa, classificada quanto ao objetivo elencado como descritivo-analítica, tendo como fonte os dados do Censo Escolar da Educação Básica do ano de 2017, disponibilizados no portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Anísio Teixeira (INEP), em forma de Microdados. A extração destes Microdados e a posterior análise estatística foram realizadas com o auxílio do Programa Statistical Package for the Social Siences (SPSS), utilizando-se das seguintes funções: selecionar casos, agregar, frequência e referência cruzada, as quais possibilitaram a produção de um banco de dados composto pelas variáveis: dependência administrativa, tipo de contratação, escolaridade, tipo e situação do curso superior, agências formadoras. A construção das tabelas contou com a utilização do programa Excel. O embasamento teórico da pesquisa está pautado, especialmente, em Gatti (2004, 2009, 2011), Lima (2016), Barreto (2009), Kishimoto (1999, 2002, 2005), Kramer (2006), Kuhlmann Jr (2001). Os resultados revelam que, apesar dos avanços, o perfil de formação dos professores é diversificado, pois boa parte dos professores possuía curso superior, e que um significativo número de docentes tinha nível médio (sem magistério) estando com o curso superior em andamento, alguns possuíam curso Normal Magistério de nível médio e um pequeno percentual de professores com ensino fundamental incompleto. Em relação à área específica da formação inicial dos professores, que atuavam na educação infantil da rede pública e privada em Teresina, constatou-se que quase todos os titulares de turmas da Rede Pública Municipal tinha ou cursava Licenciatura em Pedagogia, em 2017, enquanto que os profissionais que atuavam na rede privada possuíam uma configuração um pouco diferente. Os números revelam que o perfil dos docentes da Rede Pública de Ensino, tanto em relação à formação em nível superior quanto no que se refere à formação adequada para atuar na educação, aproxima-se mais do que estabelece a legislação. Conclui-se que, quantitativamente, ainda falta muito para que o perfil formativo dos professores investigados atenda as exigências da legislação educacional brasileira. No entanto, considerando o percentual de docentes que já possuíam e estavam cursando licenciatura em Pedagogia, pode-se projetar uma melhoria desse perfil formativo a curto ou médio prazo.

    .

     

  • JOSÉ FERREIRA DA SILVA JÚNIOR
  • Os efeitos do Programa Valorização do Mérito na atuação em sala de aula do professor da educação infantil da Semec
  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 27/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • As políticas de remuneração meritocrática na educação vêm ganhando cada vez mais destaque, ao longo dos anos, nos sistemas de ensino brasileiros. Este cenário tem gerado intensas discussões que se portam de formas divergentes, demonstrando argumentos favoráveis e contrários à sua efetivação. Em se tratando da educação infantil, o município de Teresina – PI implementou, em 2014, o Programa Valorização do Mérito que, com base nos resultados demonstrados, baseia-se em testes realizados em turmas do segundo período. De maneira específica, esta pesquisa buscou contextualizar a educação infantil no Brasil, considerando também a realidade de Teresina – PI e abordar a meritocracia no contexto das políticas de remuneração meritocrática, lançando mão de questionamentos que ratificam seu caráter complexo e polêmico e da realidade do Programa Valorização do Mérito. Para isso, apoiou-se em autores como Kuhlmann Jr (1998), Barbosa (2003), Pontual (2008), Stemmer (2007), dentre outros. Neste contexto, esta pesquisa objetiva analisar os efeitos do Programa Valorização do Mérito na atuação em sala de aula dos professores da educação infantil da SEMEC. Optou-se por realizar uma pesquisa aplicada, de levantamento de campo e de natureza quali-quantitativa. Para o processamento de dados, foram utilizados o questionário e entrevista como instrumentos. Quanto ao tratamento dos dados produzidos por meio questionário, os mesmos foram submetidos ao software Statistical Package for the Social Siences (SPSS), tabulados e analisados estatisticamente. Já os gerados pelas entrevistas, foram condicionados à análise de conteúdo, conforme Bardin (1977). Os resultados das análises demonstraram que há divergências em torno de diversos aspectos do Programa Valorização do Mérito, não existindo consenso por parte dos professores; que há predominância em rejeição quanto aos seus critérios; que há divergências quanto à sua análise geral por parte dos professores, com aprovações e ressalvas, e que o Programa necessita da participação maior dos próprios professores para fins de avaliação. Por outro lado, apontaram, também, que existe uma tendência para que a atuação em sala de aula seja modificada em razão do Programa, interferindo positivamente em fatores como responsabilidade, envolvimento, empolgação, parceria, aprendizagem, dentre outros.

  • SARA CAVALCANTI SOUZA
  • EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS INTEGRADA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 14/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa investiga a Transposição Didática no contexto da Educação de Jovens e Adultos, integrada a Educação Profissional, nosso objeto de estudo. Vincula-se à Linha de Pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de Profissionais da Educação (NIPPC) da Universidade Federal do Piauí. O interesse pela problemática partiu de inquietações vivenciadas como psicóloga no processo de avaliação psicológica junto a profissionais da segurança privada. Objetiva de modo geral analisar a contribuição da transposição didática para o ensino e a aprendizagem de pessoas jovens e adultas na educação profissional. Para ser desenvolvida contou com a colaboração de professores e estudantes jovens e adultos, do Curso Técnico Profissionalizante em Cozinha de um dos Institutos Federal do Piauí (IFPI). Em termos metodológicos, configura-se como uma pesquisa de abordagem quanti-qualitativa do tipo descritiva. No plano teórico e metodológico, fundamenta-se em: Bandura (2005); Barcelos (2006); Chevallard (1982, 1994, 2005; 2006); DeAquino (2007); Dewey (1901; 1976); Jardilino (2014); Knowles (2011); Moura (2003; 2015); Nascimento (2007); e, Regattieri; Castro (2010); dentre outros. O estudo tem como instrumento de coleta de dados o questionário baseado em Gatti (2004), Malheiros (2011) e Oliveira (2007). Os dados empíricos foram organizados em categorias conforme Bardin (2016) e interpretados a luz da análise do discurso, segundo Maingueneau (1997); Pêcheux (2012) e Feijoo (1996). Os resultados indicam a necessidade de professores e estudantes conhecerem a lógica da construção do processo de ensino e aprendizagem de pessoas jovens e adultas, tendo como suporte básico os princípios inerentes à transposição didática. Fica evidente na pesquisa a percepção da relação teoria-prática como fator indispensável para a construção de domínios cognitivos, assim como, a responsabilidade de professores e estudantes pela aprendizagem com vistas a melhoria da qualidade das relações estabelecidas para a educação ao longo da vida.

  • VILMA DA SILVA MESQUITA OLIVEIRA
  • JOGOS, BRINCADEIRAS E RECREAÇÃO: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE PRÁTICAS LÚDICAS NO ENSINO PRIMÁRIO NO PIAUÍ (1932-1961)
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 03/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente Tese tem como objeto de estudo as práticas lúdicas no ensino primário do Piauí e pretende trazer à tona que o Movimento da Escola Nova ocorrido no Brasil, passou a adotar como recurso pedagógico o lúdico, para despertar o interesse pela aprendizagem infantil. Desse modo, surge o problema de pesquisa: Como eram descritas as práticas lúdicas no Ensino Primário do Piauí entre os anos de 1932 a 1961? O recorte temporal é definido em 1932, com a publicação do Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova, intitulado “A reconstrução educacional no Brasil ao povo e ao governo”, e finaliza em 1961, período de aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n.  4.024, que se materializou através de influências ensejadas pelos ideais da Escola Nova. Definimos como objetivo geral: Entender de que maneira as práticas lúdicas foram desenvolvidas no Ensino Primário do Piauí entre 1932 a 1961. E como objetivos específicos: conhecer os jogos, as brincadeiras e recreações praticadas no espaço escolar da educação primária piauiense; ressaltar as atividades lúdicas evidenciadas através das Memórias de ex alunos (as), do ensino primário no Piauí; identificar as práticas lúdicas desenvolvidas através da disciplina Educação Física no ensino primário no Piauí, no período que compreende esse estudo. Se fundamenta na Nova História Cultural, em autores como Burke (1992; 2008); Chartier (1990; 2017); Le Goff (1990), Lopes; Galvão (2001) e Pesavento (2005), tem como metodologia a História Oral temática e a entrevista como técnica, com base em Freitas (2006) e Thompson (2002). Entrevistamos sete ex-alunos do Ensino Primário do Piauí, definidos pelo critério do recorte temporal. Na análise das entrevistas temos como suporte Guerra (2014) e nos Estudos de Memória em Souza (2000); Halbwachs (1990); e Nora (1993). Usamos também periódicos do Arquivo Público de Teresina e diários de Classe, do Instituto de Educação Antonino Freire. O desfecho desta Tese considera que apesar das propostas pedagógicas de inclusão das atividades lúdicas pela legislação educacional e ampla divulgação dos novos ideais educativos da Escola Nova, estas não teriam conseguido terreno amplo pelos entraves cotidianos, que perpassavam não apenas pela mudança de postura docente, mas também pelas condições materiais das escolas.

  • LUANA VIEIRA DE SOUSA
  • Formação Continuada de Monitores de EFAs e a Prática Docente: travessia e experiências na Pedagogia da Alternância
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 28/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho dissertativo tem como objeto de pesquisa a formação continuada na prática docente de monitores das Escolas Família Agrícola (EFAs), o mesmo está vinculado à linha de pesquisa Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da UFPI. O desenvolvimento deste estudo partiu do seguinte problema: Quais contribuições da formação continuada na prática docente de monitores nas EFAs? A formação de monitores emerge como uma questão importante diante do cenário educacional no campo, em virtude dos avanços formativos na educação e da necessidade de formação contínua do professor. Assim, faz se necessário fornecer aos monitores suporte teórico e prático para que possam atender aos desafios da atualidade na prática docente. Com este entendimento o estudo teve como objetivo geral: investigar as contribuições da formação continuada na prática docente de monitores nas EFAs especificamente na Pedagogia da Alternância. E, como objetivos específicos: analisar os subsídios teóricos e metodológicos da formação continuada dos monitores nas EFAs; descrever os limites e/ou contradições da formação continuada na prática docente de monitores; identificar as contribuições da formação continuada na prática docente de monitores nas EFAs. O trabalho está teoricamente fundamentado nos seguintes autores: sobre formação continuada, em Brito e Melo (2016), Freitas (2015), Imbernón (2009, 2010), Lima (2005), Misukami (2002, 2005), Silva (2018) e outros. A prática docente está alicerçada em Nóvoa (1997; 1995), Franco (2012). Ao que se refere à Pedagogia da Alternância utilizou-se teóricos como Begnami (2003), Silva (2012), Gimonet (2005), Souza (2014) dentre outros. Do ponto de vista metodológico, recorremos aos pressupostos teóricos e metodológicos na abordagem da pesquisa qualitativa, utilizando como método a pesquisa narrativa respaldados nos estudos de Clandinin e Connelly (2015). A pesquisa teve como técnicas de produção de dados o memorial de formação e a entrevista narrativa. O Memorial de formação foi desenvolvido conforme as orientações de Passeggi (2008) e a entrevista narrativa sob as orientações de Bertaux (2010). O contexto empírico da pesquisa constitui-se de três EFAs do Piauí. Sendo assim, o estudo contou com oito monitores, com experiência docente de no mínimo cinco anos de atuação, que participaram do curso de Formação Pedagógica Inicial de Monitores, em 2013 no Piauí e atuam como monitores das EFAs. Para fins de análise dos dados o estudo tomou como base as orientações de Bertaux (2010) utilizando-se a análise de narrativas. As análises indicam que a formação continuada tem contribuído na prática docente de monitores nas EFAs, favorecendo o desenvolvimento da Pedagogia da Alternância de maneira reflexiva, dialógica, considerando a realidade do campo. Ao lado dessas contribuições, os participantes indicam alguns contrapontos enfrentados no processo de formação, como a organização dos locais de formação, o tempo/duração.

  • RAIMUNDO NONATO DE SOUSA NETO
  • Entre salas, livros e jardins: produção intelectual e trajetória da Professora Conceição Carvalho na Universidade Federal do Piauí (1974-1995)
  • Orientador : EDNARDO MONTEIRO GONZAGA DO MONTI
  • Data: 28/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O propósito do presente estudo consiste em interpretar indícios e memórias relacionadas à educadora Maria da Conceição Sousa de Carvalho, com foco em sua atuação como docente, gestora e intelectual na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Nessa perspectiva o estudo é norteado pela seguinte questão: como se deu a trajetória da docente na UFPI, entre anos de 1974 a 1995? Diante disso, estabeleceu-se como objetivos específicos: investigar as ações da docente, bem como, suas marcas nos cargos de gestão – como chefe e subchefe do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino (DMTE), diretora e vice-diretora do Centro Ciências da Educação (CCE), além de sua participação na criação do Curso de Mestrado em Educação, atual Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da UFPI e da Revista Educação e Compromisso. Ademais o estudo almeja examinar a produção intelectual de Conceição Carvalho, tendo como objeto de pesquisa a UFPI, especificamente aspectos como: sua dissertação de mestrado, os editoriais e os artigos publicados na Revista Educação e Compromisso, e na Revista Linguagens, Educação e Sociedade. Teoricamente, a investigação alinha-se com as ideias de Ginzburg (1989) sobre o paradigma indiciário, Thompson (1981), no que tange às novas formas de pesquisar, no âmbito da história, Ricoeur (2007), quanto às suas argumentações sobre imaginário, memória e esquecimento, Le Goff (1984-2003), acerca do conceito de documento/monumento, Cellard (2012), sobre as orientações em relação ao tratamento de fontes documentais, e Duarte (2004), nas questões sobre entrevistas semiestruturadas. Por meio desse trabalho apreendeu-se que a trajetória da docente acompanhou avanços quanto a aspectos acadêmicos, da estrutura física e da circularidade dos saberes pedagógicos produzidos na UFPI. Outrossim, denotou-se a relevância das articulações e relações pessoais estabelecidas pela docente, suas redes de sociabilidades no DMTE, e as mobilizações junto às esferas superiores administrativas da instituição. Cabe, ainda, evidenciar o envolvimento direto de sua produção intelectual com a atuação e participação efetiva nas atividades de extensão, com cunho social, e ensino em nível de graduação.

  • PATRÍCIA DA CONCEIÇÃO LIMA TORRES
  • EDUCAÇÃO DO CAMPO NO CONTEXTO DO SEMIÁRIDO: A PRÁTICA EDUCATIVA DA ECOESCOLA THOMAS A KEMPIS EM PEDRO II - PIAUÍ
  • Orientador : ELMO DE SOUZA LIMA
  • Data: 27/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • A Educação do Campo configura-se como um novo paradigma educacional no Brasil que tem sua origem nas lutas sociais pelo direito à educação de qualidade - na perspectiva de uma formação crítica para/com os povos do campo - empreendida a partir da década de 1990. Constitui-se na reivindicação de direitos e de políticas públicas emancipatórias para os/as camponeses/as em situação de exclusão econômica e social. No Piauí, a Ecoescola Thomas a Kempis, localizada na zona rural do município de Pedro II, desenvolve práticas educativas, na perspectiva da Educação do Campo, voltadas à reflexão crítica da realidade social, política, econômica e cultural do semiárido. Desse modo, este trabalho de investigação foi direcionado a partir do seguinte problema: Quais as contribuições da prática educativa, desenvolvida pela Ecoescola, para a formação crítica e o processo de emancipação dos/as educandos/as? Considerando o problema apontado para o estudo, definiu-se como objetivo geral:Investigar as contribuições da prática educativa desenvolvida na Ecoescola para a formação crítica e à emancipação dos/as educandos/as. E como objetivos específicos:analisar como os princípios da educação do campo são incorporados na prática educativa da Ecoescola; compreender se os pressupostos teórico-metodológicos utilizados no desenvolvimento da prática educativa favorecem a articulação teoria/prática numa perspectiva interdisciplinar; identificar as atividades educativas desenvolvidas na perspectiva da inserção crítica dos/das educandos/as na comunidade e discutir os desafios vivenciados pela Ecoescola na construção da prática educativa  associada aos princípios da Educação do Campo no contexto do semiárido. As reflexões desenvolvidas nesta pesquisa fundamentam-se nos estudos de Arroyo (2014), Caldart e Molina (2004), Fernandes (2009), Frigotto (2012), Freire (1987); Lima (2011), Silva (2006) dentre outros/as. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem crítico dialética, na qual foram utilizadas como instrumentos para a construção dos dados: a observação sistemática, a pesquisa documental e a entrevista semiestruturada. Para a sistematização e análise dos dados, utilizou-se a categorização da análise de conteúdo fundamentada em Bardin (1977). Os resultados da investigação apontam que as experiências educativas, desenvolvidas pela Ecoescola Thomas a Kempis, trazem contribuições importante para a emancipação do/as educandos/as na medida em que fomentam a inserção crítica destes/as na realidade sociocultural, favorecendo a organização coletiva e as trocas de experiências entre os educandos e as comunidades. Além disso, as práticas educativas são organizadas na perspectiva de fomentar o protagonismo dos jovens na construção dos projetos educativos desenvolvidos tanto na escola quanto nas comunidades.

  • MARIA RAQUEL BARROS LIMA
  • Instrumento Pedagógico Plano de Estudo da Pedagogia da Alternância: experiência na Escola Família Agrícola dos Cocais (EFA Cocais/PI)
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 26/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se propôs investigar acerca do Plano de Estudo (PE) mediação pedagógica da Pedagogia da Alternância, cuja função está em articular tempos/espaços/saberes para uma formação significativa no campo. A Pedagogia da Alternância, a fim de materializar-se, utiliza o PE, como uma das mediações pedagógicas da Alternância, que articula os processos formativos fundamentados na prática educativa associada com a prática pedagógica. A pesquisa se desenvolveu na Escola Família Agrícola dos Cocais – EFA COCAIS. O problema suscitado para consubstanciar a investigação desse trabalho remeteu a seguinte questão: Como o PE, mediação pedagógica da Pedagogia da Alternância, articular a dimensão problematizadora nos tempos, espaços e saberes diferenciados na EFA COCAIS? Estando a proposta de formação da Alternância direcionada para um projeto político participativo, significativo, contextualizado, fundamentado, portanto, para uma formação problematizadora, torna-se imprescindível nesta investigação a compreensão da prática educativa como dimensão que se materializa nos processos formativos na EFA COCAIS mediada pelo PE. Segundo este entendimento, como fundamentação teórica a pesquisa, no que se refere às discussões sobre prática educativa, fundamentou-se pelas concepções de Freire (1987) entre outros. No que se refere a discussão teórica sobre a Pedagogia da Alternância, nesta perspectiva, o aporte teórico foi Gimonet (2007) García-Marirrodriga (2010), Silva (2012) e Jesus (2011). A metodologia que conduziu a investigação foi o Estudo de Caso de Caráter Etnográfico em conformidade com abordagem qualitativa. Neste sentido, com relação ao caráter etnográfico fundamentou-se, sobretudo na perspectiva de André (1995). As técnicas de produção de dados foram a observação participante sistematizada através do diário de campo, entrevista etnográfica e os diários de prática educativa. Os sujeitos participantes da pesquisa forma 02 professores, 02 membros da Associação de pais, 02 professores responsáveis pela gestão administrativa, 03 estudantes do terceiro ano do curso técnico em Agropecuária. Para a análise e compreensão dos dados produzidos em lócus foi utilizada a análise do discurso na perspectiva de Bakhtin referenciado nas obras de Brait (2005) e somando-se a esta perspectiva trouxemos Fairclough (2008). Este trabalho de investigação significou a compreensão do PE da Pedagogia da Alternância como mediação formativa, intensa, construída a partir do envolvimento dos sujeitos, bem como através da compreensão a ela atribuídos. Essa mediação apresentou-se também com dimensão problematizadora no sentido de sua intencionalidade encontrar-se perspectivada por este viés. Vale ressaltar que a tônica neste trabalho é a pluralidade de sentidos e nuances que esta mediação educativa, Pano de Estudo, apresenta em conformidade com sua intencionalidade  problematizante. Por fim, o estudo nos mostrou existir lacunas no que definimos como ciclo de desenvoltura do PE na EFA Cocais, este fato ocasiona no rompimento da trajetória de sua função problematizadora que deveria encaminhar para ações concretas de retorno no meio sócio profissional dos estudantes.

  • MIRIAN ABREU ALENCAR NUNES
  • SABERES DOCENTES MOBILIZADOS EM ESPAÇOS SOCIOEDUCATIVOS: pipas para além das grades
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 26/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa que ora se apresenta, insere-se no debate sobre prática docente, temática que tem se ampliado como objeto de estudo na Academia notadamente relacionada aos saberes mobilizados por professores que atuam na Educação de Jovens e Adultos (EJA), colocando o professor e sua formação no centro do debate educativo, focalizando, dentre outros aspectos relevantes, inquietações referentes ao processo ensino e aprendizagem desenvolvido com adolescentes em conflito com a lei, nosso objeto de estudo. Mediante esse contexto, foi norteada pela questão/problema: Qual a relação existente entre os saberes docentes mobilizados em espaço socioeducativo e a contribuição para a formação cidadã de adolescentes privados de liberdade? De forma geral, o estudo teve como objetivo, a luz do referencial pertinente, analisar os saberes docentes mobilizados em espaço socioeducativo e a contribuição para a formação cidadã de adolescentes em conflito com a lei e, especificamente, identificar os saberes docentes que subsidiam práticas pedagógicas em espaço socioeducativo, compreender as implicações dos saberes docentes para a formação cidadã de estudantes que cumprem medida socioeducativa e descrever as ressignificações de práticas pedagógicas vivenciada em formação continuada. No plano teórico-metodológico, ancora-se nos pressupostos da pesquisa colaborativa e a análise orientada pelo método fundamentado na Nova Retórica, uma modalidade da Teoria da Argumentação defendida por Olbrechts-Tyteca (2005). Tem sua fundamentação teórica sustentada, dentre outros, em Abicali (2016), Brandão (2002), DeAquino (2007), Tardif (2012), Freire (2000), Julião (2007). Os resultados revelam que os colaboradores mobilizam saberes considerando os socioeducandos como sujeitos humanos, em formação, com igualdade de direito a educação digna, e ainda que a ressignificação de práticas são resultantes do processo formativo crítico reflexivo. A conclusão da investigação aponta uma proposta de educação socioeducativa que intenta formar para a cidadania defendendo um ensino pautado no conhecimento prévio dos estudantes, suas reais necessidades de aprendizagem e suas especificidades para aprender, embora enfrente obstáculos inerentes à instituição de natureza estrutural e organizacional. A investigação confirma a tese de que a mobilização dos saberes docentes em espaço socioeducativo está relacionada a uma educação transformadora que educa para a cidadania.

  • MAYARA DANYELLE RODRIGUES DE OLIVEIRA
  • O que se transcria na formação em Pedagogia com Alegria: Lugares, Experiências e Saberes de jovens da Universidade Federal do Piauí
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 25/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa foi realizada sobre a Formação em Pedagogia na relação com a alegria. Teve como objetivo geral: analisar como os jovens discentes transcriam a formação em Pedagogia na UFPI na relação com a alegria de modo a reconhecer e valorizar seus lugares, saberes e experiências. E os objetivos específicos foram: Identificar os conceitos de formação em Pedagogia  produzidos pelos jovens discentes do Curso de Pedagogia da UFPI na relação com a alegria; Identificar os problemas de formação em Pedagogia na relação com a alegria que mobilizam os jovens discentes do Curso de Pedagogia da UFPI; Reconhecer e valorizar, lugares,  experiências e saberes que potencializam os jovens discentes na formação em Pedagogia da UFPI na relação com a alegria. Para tanto, foi fundamentada em:  Adad (2010, 2011, 2014) Corazza (2013); Deleuze e Guattari (2012); Gauthier (1999, 2004, 2012); Kastrup (2007, 2008); Larrosa (2010, 2004, 2016); Snyders (1993); Spinoza (2013), dentre outros. A abordagem qualitativa da Sociopoética, fundamentada em Gauthier (1999, 2004, 2012), ocorreu inicialmente com a formação do grupo-pesquisador composto por mim e 5 jovens discentes que participaram da pesquisa. Iniciamos com a negociação do território da pesquisa, momento em que solicitamos à coordenação do curso a sua autorização de iniciar a seleção dos alunos. Os jovens discentes fizeram parte desta pesquisa foram os alunos matriculados no Curso de Pedagogia da UFPI, no Campus Ministro Petrônio Portela, em Teresina-PI. Os dados foram produzidos por meio da técnica “Lugares de Formação em Pedagogia na relação com a Bagunça Gomelada”, na qual os copesquisadores criaram os lugares de afecção da Formação em Pedagogia na relação com a Bagunça Gomelada. A análise de dados ocorreu por meio da análise classificatória dos relatos produzidos na técnica, em que, em cada relato as falas foram separadas por categorias identificadas no discurso do grupo. Desse modo, análise dos relatos orais foi realizada separando as frases conforme as ideias e o sentido comum entre elas que se repetia, o que permitiu criar a categoria e enumerá-la. Nos estudos transversais para a Sociopoética, entende-se o pensamento heterogêneo do grupo-pesquisador como o de um único pensador, que entrelaçados os fios aos poucos se cria um novelo com múltiplas cores para dar tecetura transversal às categorias mapeadas e agregadas a outros pensadores da Formação em Pedagogia na relação com a Bagunça Gomelada. No desenrolar do novelo para dar início a tecedura desses estudos soltei os fios de pensamentos do grupo-pesquisador por lugares, experiências e saberes de Formação em Pedagogia na relação com a Bagunça Gomelada, mostrando a variedade de modos de pensá-los ao trazer a problemática levantada por eles com o confeto Formação em Pedagogia no quadrado aquela que não sai do seu espaço, não entende a diferença, assim,por não sair do seu espaço os discentes e docentes não conhecem toda diversidade da formação – o aspecto humano e as afecções que acontecem com as pessoas nos lugares dessa formação. Diante da diversidade do pensamento do grupo cria-se em oposição o confeto de Formação-acolhimento em Pedagogia que é a formação em que dentro do acolhimento há bagunça gomelada. Nela, se acolhe pessoas diferentes que se vê e não conhece, mas que são importantes. Outro fio de pensamento do grupo trata-se da problemática levantada pelos jovens discentes que impede pensar a Bagunça Gomelada na formação em Pedagogia – é a pressão que se tem na universidade. Assim, para resistir a esse problema eles criam linhas de fuga com o confeto Experiências-formação-criagunça em Pedagogia Bagunça Gomelada é o espaço e o momento de refletir o novo, de buscar novas formas de educar, novos conceitos, de deixar que a criatividade não seja ofuscadas pela pressão que temos na universidade e podermos exercer coisas que estavam presas e que às vezes nós nem praticamos, envolve arte com materiais e a nossa capacidade de dar luz a uma coisa nova, de criar porque se fosse somente com a rotina de estudos aqui na universidade, já se tinha desistido. Desse modo, o grupo-pesquisador transcriou a Formação em Pedagogia na relação com a Bagunça Gomelada ao criar linhas de fuga para lugares, experiências e saberes em meio as problemáticas levantadas por eles.

  • SMAEL MAICON DE SOUSA LIMA
  • Trajetória formativa do Professor de Francês da UFPI: sentidos e significados na perspectiva sócio-histórica
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 25/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem como objetivo geral analisar a trajetória formativa do professor de francês da UFPI numa perspectiva Sócio-Histórica. Partindo dessa teoria, a Sócio-Histórica, problematiza-se o seguinte questionamento: como são construídos os sentidos e significados sobre a trajetória formativa desse professor de francês? A problematização e o objetivo geral desta pesquisa direcionam os objetivos específicos, ei-los: identificar os motivos ligados a suas histórias de vida que os mediaram a tornar-se professor de francês, revelar os motivos sem os aspectos históricos e por fim desvelar os sentidos e significados que os professores de francês constroem sobre a sua formação. Nos aspectos metodológicos escolhemos uma abordagem qualitativa, pois quando se trata de vidas é o tipo de pesquisa mais pertinente segundo André (2005). Para o prosseguimento da metodologia foi escolhido o memorial de formação como instrumento de coleta de dados, pois segundo Prado e Soligo (2005) através da escrita pelos memoriais de formação são possíveis por meio deste memorias dos professores de francês, inferir deles a consciência do que sabem e do que não sabem inclusive aprender o que sabem e a partir daí aprender ainda mais, além de as narrativas mostrarem fatos da realidade. Para tanto, foram escolhidos quatro professores do curso de Letras Francês enquanto interlocutores de pesquisa, que compõem o quadro de professores do curso de Letras-Francês da Universidade Federal do Piauí (UFPI), o critério de escolha de dois professores ativos e dois inativos foi a fim de fazer uma análise histórica dessa trajetória formativa, e os quatro interlocutores são ligados ao ensino de língua francesa formando graduandos de Letras Português-Francês. A sustentação teórica desta pesquisa fundamenta-se a Psicologia Sócio-Histórica que serve método e categoria de análise tem-se Vygotsky(2001), Leontiev(2004) e demais, bem como para tratar sobre os aspectos teóricos sobre formação de professores apresentam-se: Fazenda (2001), Libâneo (2006), Contreras (2002), Nóvoa (2008) dentre outros, e, para os percursos de análises de dados escolheu-se a sistematização elaborada por Bardin(2009) com a técnica de análise de conteúdo. Constatou-se que os motivos para tornar-se professor de francês estão relacionados aos aspectos de construção histórica, ter professores engajados e qualificados como exemplos, ter vivência com nativos de língua francesa, ter habilidades com língua estrangeira e o francês como língua estrangeira motiva em detrimento de outras por ter maior acesso ao mercado de trabalho. Além disso, constatamos que os sentidos e significados sobre a trajetória formativa do professor de francês dá UFPI respalda-se em desenvolver a consciência docente, só o professor é capaz de ensinar o aluno, ser professor de francês é praticar e estudar todos os dias a língua para melhor formar, e o professor deve estar imbuído de uma didática capaz de tornar possível o ensino aprendizado, o professor deve ser eclético e, sobretudo aprender com seus alunos, ser professor de francês é fazer parte de um grupo mínimo frente às resistências existentes no mercado de trabalho.

  • ILANNA BRENDA MENDES BATISTA
  • RESISTÊNCIAS DE MULHERES AFRODESCENDENTES ORGANIZADAS: O QUE ENSINAMOS E APRENDEMOS EM ESPAÇOS NÃO ESCOLARES?
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 25/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • No contexto do Brasil como sociedade com problemas de racismo, sexismo e tantas outras formas de discriminações, ser mulher afrodescendente força a pessoa para enfrentar desafios em relação ao seu pertencimento de gênero, raça e classe. Deste modo, a mulher brasileira afrodescendente continua sendo a pessoa mais discriminada no Brasil. Diante desta situação histórica, algumas destas mulheres conseguem se organizar em grupos e desenvolver atividades sociais e culturais que servem de fontes educativas onde elas ensinam e aprendem ao mesmo tempo. Nesse sentindo, houve uma necessidade de conhecer mais sobre esta realidade, através de respostas às questões com referências a como elas se organizam, quais as atividades desenvolvidas e quais as possíveis consequências destes esforços e interrelações. Com a pesquisa intitulada “Resistências de mulheres afrodescendentes organizadas: o que ensinamos e aprendemos em espaços não escolares?” a pesquisadora investigou o que fazem alguns grupos organizados para viabilizar construção de saberes e aprendizagens em torno das identidades de gênero-raça-classe, o que ensinam atividades, programas, engajamentos destes grupos e quais as suas contribuições para as pessoas do grupo, em particular, participantes deste estudo. Essas implicações consistiram na seguinte questão: O que ensinam e aprendem algumas mulheres brasileiras organizadas em torno dos fatores de gênero-raça-classe na sociedade brasileira? Esse questionamento nos levou ao objetivo geral da pesquisa que constituiu em compreender as lições trabalhadas (ensinadas e aprendidas) nas/pelas atividades desenvolvidas por mulheres brasileiras afrodescendentes organizadas em grupos. Definimos os objetivos específicos em termos de descrever as atividades desenvolvidas por algumas mulheres brasileiras afrodescendentes organizadas em grupos; conhecer como as integrantes definem/descrevem as suas identidades interseccionais de gênero- raça-classe para poder identificar a partir das narrativas o que ensinam e aprendem estas mulheres brasileiras afrodescendentes organizadas sobre elas mesmas e a sua sociedade. A metodologia compreendeu uma abordagem qualitativa envolvendo práticas descritivas. Estabelecemos os perfis das participantes deste estudo, três mulheres brasileiras afrodescendentes autodeclaradas que participam de grupos organizados. Com as mesmas, desenvolvemos entrevistas semiestruturada, fizemos observação livre, anotações em campo e descrições destas experiências. Utilizamos elementos da pré-análise com base na análise de conteúdo de Bardin (2016) para uma primeira exploração do material metodológico e trabalhamos com inspiração na análise dialógica de Spink (2014) para análise e interpretação do material. As discussões dos temas deste estudo foram feitas a partir das contribuições de Ana Beatriz S. Gomes (2015); Alonso (2009); Arroyo (2003); Boakari (1994, 2016); bell hooks (2005); Brandão (2007, 2012); Gohn (2000, 2011); Gomes (2017); Fanon (2005, 2008) Freire (2000, 1999, 1987); Ribeiro (2018); Santos (2010);  dentre outras/os. Este estudo revela algumas possibilidades para pensar nas resistências de mulheres afrodescendentes organizadas como  experiências de aprendizagens sobre raça-gênero-classe.

  • ZILDA TIZZIANA SANTOS ARAÚJO
  • APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA: UM ESTUDO COM PROFESSORES INICIANTES EGRESSOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPI, NA MODALIDADE A DISTÂNCIA
  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 22/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • A formação inicial de professores e os primeiros anos da carreira são essenciais à constituição da base de conhecimentos da docência e produzem intensas aprendizagens da profissão. Estudos desenvolvidos pelo  Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas em Educação e Epistemologia da Prática Profissional (NIPEEPP/UFPI), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEd/UFPI) constatam que a aprendizagem da docência é inerente ao processo de formação permanente na vida do professor. E é deste contexto que surge este trabalho, delimitado pelo problema de pesquisa:“como a aprendizagem da docência é construída pelos professores iniciantes egressos do curso de Pedagogia da UFPI, na modalidade a distância? A ideia, de modo geral, é compreender como a aprendizagem da docência é construída pelos professores iniciantes egressos do curso de Pedagogia da UFPI, na modalidade a distância. Especificamente objetiva identificar o significado da docência para os professores iniciantes egressos do Curso de Pedagogia da UFPI, na modalidade a distância; caracterizar as aprendizagens da docência construídas pelos professores, iniciantes egressos do Curso de Pedagogia da UFPI, na modalidade a distância;  descrever as estratégias utilizadas pelos professores iniciantes, egressos do Curso de Pedagogia da UFPI, a Distância para a construção dessas aprendizagens da docência; descrever os tempos e espaços em que as aprendizagens da docência são construídas pelo professores iniciantes egressos do Curso de Pedagogia a Distância da UFPI, na modalidade a distância. O embasamento teórico pauta-se Garcia (1992; 1999; 2010) e França-Carvalho (2007) que discutem a formação de professores como uma ação contínua; os estudos de Cortelazzo (2009) e Cavalcanti (2016) abordam a formação de professores na EaD; Cavaco (1999) e Huberman (2000) destacam a entrada na docência; Ausubel, Novak e Hanesian (1980) e Day (2001) explicam o processo de aprendizagem significativa no início da profissão. Trata-se, portanto de uma uma pesquisa cujo design metodológico é qualitativo (MINAYO, 2001) e a abordagem etnometodológica (COULON, 1995; 2017). As tecnicas de coleta e produção dos dados foram o questionário, a entrevista semi-estruturada e a observação participante, alem da análise dpcumental. O lócus foram 3 (três) escolas públicas municipais localizadas em: Teresina-PI, Demerval Lobão-PI e Curralinhos-PI. Os participantes foram 3 (três) professores iniciantes egressos do curso de Pedagogia da UFPI, na modalidade a distância. A organização, categorização e análise dos dados pautou-se em Bardin (1977) e na Hermenêutica-Dialética (HABERMAS, 2002; MINAYO,2000). Os resultados apontaram que  a formação inicial da aprendizagem da docência no curso de Pedagogia na modalidade a distância apresenta-se fragilizada no que tange à aprendizagem saberes da profissão, seja pela dissociabilidade entre teoria e prática, seja pelo despreparo  dos tutores e o escasso contato com os professores de cada disciplina. Tais fatores, resultaram na aprendizagem monológica do estudante,  caracterizada pelo solilóquio. Também constatou que, o significado atribuído à docência à anteriore, ou seja, “como mar de rosas” foi modificado com a inserção na profissão, sendo (re)significada como difícil, desgastante e delicada por exigir aprendizagem constante da gestão dos conteúdos, da gestão de sala de aula e gestão das relações com a a escola e a comunidade. Este estudo, portanto, traz um olhar inovador, de modo simultâneo, sobre a aprendizagem da docência no curso de Pedagogia na modalidade a distância e no inicio da profissão, colaborando para ampliar o campo do conhecimento cientifico acerca da formação docente e da prática docente.

  • KÁCIO DOS SANTOS SILVA
  • APRENDER COM A DIVERSIDADE: NARRATIVAS DE UM CORPO PARA ALÉM DA SALA DE AULA
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 21/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O corpo no decorrer da história da humanidade recebeu diversas classificações dentro de narrativas estruturadas em relações de poder. As categorias como raça, gênero e classe, foram fundamentais para a construção de estereótipos de subalternidade, onde a escola pode ser um meio tanto de estimular, como também de combater processos de exclusão e preconceitos. Nesse sentido, esta pesquisa buscou revelar como novas/velhas práticas preconceituosas estabelecem-se dentro e fora da sala de aula, e como a partir de narrativas próprias estas histórias podem ser recontadas e recriadas na tentativa de deslocar aquilo que hegemonicamente parece estar estabelecido. A pesquisa foi escrita a partir da análise de vivências próprias do pesquisador, experiências vividas que vão desde a infância (dentro e fora da sala de aula) até a práxis profissional, como professor. Foram elencadas 5 memórias/histórias, todas narradas de modo não linear, e têm como fio condutor a percepção própria de um corpo marcado por processos de exclusão e resistência. As histórias foram construídas em um constante movimento onde, ora está dentro da própria memória, ora tenta olhar de fora dela. A pesquisa revelou que narrativas próprias são importantes para a compreensão de narrativas maiores como as estruturas de poder, ficando evidenciado também que estas “pequenas” histórias são capazes de nos ensinar sobre como lidar com estas estruturas, deslocando-as e ressignificando-as mesmo que, em micro movimentos. A pesquisa buscou estabelecer diálogo com outras narrativas, recorrendo assim a Michael Foucault (2000); André Lepecki (2009); Frantz Fanon (1964, 2008); Ângela Davis (2016); Kimberlé Crenshaw (1989); Gayatri Spivak (2010); Jorges Didi-Huberman (2011, 2012, 2013); Walter Benjamin (1985, 1994, 2002); Walter Mignolo (2003, 2008) Aníbal Quijano (2000, 2005); Michel de Certeau (1994).

     

  • NEIDE NAIRA PAZ LEMOS
  • AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FUNDAMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS
  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 21/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Avaliação da aprendizagem na educação infantil é compreendida como um processo que permeado pela observação, registro e acompanhamento contínuo do desenvolvimento da criança em diferentes momentos das atividades realizadas em sala e no espaço escolar. Partindo dessa compreensão, o  estudo tem como objeto de pesquisa a avaliação da aprendizagem na educação infantil A investigação parte da seguinte questão-problema: Quais fundamentos teóricos e metodológicos orientam a avaliação da aprendizagem na Educação Infantil? De modo geral, objetiva: analisar os fundamentos teóricos e metodológicos da avaliação da aprendizagem na educação infantil. Para tanto, objetiva de modo específico: Compreender as concepções de professores da educação infantil sobre avaliação da aprendizagem; Descrever práticas avaliativas desenvolvidas por professores de educação infantil e Identificar as funções da avaliação da aprendizagem nas práticas docentes na educação infantil. Nas análises sobre avaliação da aprendizagem e educação infantil o estudo tem como suporte, respectivamente, as contribuições de Hoffman (2009); Godói (2010); Didonet (2014),  entre outros. Em relação a especificidade da avaliação na educação infantil, abordando concepções, princípios e práticas apoia-se em Àries (1981), Ostetto (2012). Contribuíram com as discussões sobre as funções das creches e pré-escolas, sobre as propostas pedagógicas da educação infantil, concepções e princípios sobre criança e infância os seguintes autores: Oliveira (2007); Nunes e Corsino (2012). O estudo foi desenvolvido a partir da pesquisa narrativa, fundamentado em Conelly e Clandinni (2014), Bertaux (ANO), que ressaltam a narrativa como fonte de dados, como método e com potencial formativo. A pesquisa desenvolve-se a partir da utilização das seguintes técnica de produção de dados:  observação sistemática, sob orientação Moreira e Callefe (2008), escrita de diários de aula, segundo propõem Hess (2010) e Zabalza (2004) e entrevista narrativa referenciada por Schutze (2009) e Sousa (2006). Para análise dos dados toma como referência os estudos de Bertaux (2010), que propõe a análise de conteúdo. O estudo tem como cenário dois Centros Municipais de Educação Infantil/CMEIs, de Teresina/Piauí. Envolve como interlocutoras cinco professoras que atuam, em turmas de primeiro e do segundo período da educação infantil.

  • SAMARA LAYSE DA ROCHA COSTA
  • RETALHOS DO SER JOVEM EM MEIO A HETERONORMATIVIDADE: EXPERIÊNCIAS JUVENIS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE TERESINA
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 20/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O ser jovem em meio à heteronormatividade é o tema-gerador desta pesquisa. O objetivo geral é de analisar confetos (conceitos + afetos) produzidos por jovens estudantes do CETI Profa. Maria da Conceição Salomé sobre o ser jovem em meio à heteronormatividade. Tem como objetivos específicos:  identificar quem são as/os jovens do CETI Profa. Maria da Conceição Salomé ditos por elas/es mesmos; perceber o que estas/es jovens pensam sobre o ser jovem em meio à heteronormatividade; identificar os problemas vivenciados por estas/es jovens em meio à heteronormatividade; identificar as estratégias das/os jovens deste espaço escolar frente aos problemas vivenciados em meio à heteronormatividade. A pesquisa utilizou a abordagem de pesquisa Sociopoética, prática social de construção coletiva do conhecimento à luz de Gauthier (1999, 2005, 2012), Adad (2004, 2011, 2014) e Petit (2014) dentre outros. Esta abordagem parte de uma multirreferencialidade de fontes e inspirações teóricas e está pautada em cinco princípios, a saber: pesquisar com pessoas de um grupo; pesquisar com as culturas de resistência, das categorias e dos conceitos que produze; pesquisar com o corpo todo; uso da arte; e responsabilidade ética, noética e espiritual do grupo-pesquisador no momento do processo de pesquisa. A metodologia se deu por meio de oficinas com vivências sociopoéticas. Os dados foram registrados pelo audiovisual e diários de itinerância, produzidos a partir de duas técnicas artísticas intituladas: Retalhos do ser jovem em meio à heteronormatividade e seu desdobramento Estandarte do ser jovem em meio à heteronormatividade. Quando analisados, os dados revelam dimensões do pensamento do grupo-pesquisador de como ser jovem dentro da construção heteronormativa e evidenciaram que há jovens que são impedidos de ser o que são pela família e pela sociedade e outros que não são impedidos, pois são as próprias regras da sociedade; Lugares do ser jovem em meio à heteronormatividade - o grupo-pesquisador mostrou que há lugares que o ser jovem pode ser o que quiser sem impedimentos, preconceitos e críticas, lugares que são totalmente bloqueados para quem é homossexual e lugares que os jovens são robôs; Problemas do ser jovem em meio à heteronormatividade - as jovens e os jovens pontuaram que em meio à heteronormatividade, além dos problemas que os travam, os arrastam e os impedem de lidar com seus problemas sozinhos, também há os problemas com a família; e Estratégias frente aos problemas vivenciados em meio à heteronormatividade - as copesquisadoras e os copesquisadores fizeram emergir suas estratégias e a ajuda da mãe e dos amigos frente aos problemas descritos pelo grupo-pesquisador. Essas dimensões do pensamento do grupo-pesquisador indicam a desconstrução de ideias naturalizadas sobre o ser jovem e sua relação com a heteronormatividade, possibilitando outras formas de pensar esta temática para além do instituído e imposto socialmente. Neste sentido, os relatos produzidos durante as oficinas revelaram um turbilhão de ideias com as marcas das multifaces juvenis para além da heteronormatividade, denunciando o preconceito, a violência, a tristeza, o envolvimento com drogas, os problemas familiares, dentre outros que atravessam o ser jovem no contemporâneo. São produções e narrativas que reivindicam esperança, amor, respeito e, principalmente, o direito à voz.

  • ADALVANIRA SILVA BATISTA MACEDO
  • ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PERSPECTIVAS DA REFLEXÃO
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 20/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O Estágio Supervisionado constitui-se como componente curricular obrigatório nos cursos de formação inicial de professores, espaço formativo que sedimenta uma reflexão, tendo como base as condições estruturais para desenvolvimento da prática, de forma a buscar estratégias para resolução dos problemas pedagógicos, com a mobilização dos conhecimentos teóricos para atender as necessidades da prática. Diante da importância desse componente curricular para a formação dos profissionais do magistério, o presente estudo teve como objetivo investigar os tipos de reflexão na/sobre a prática desenvolvidos no Estágio Supervisionado, na formação inicial de professores, no curso de Licenciatura em Pedagogia. Para o aporte teórico que fundamentou as discussões, nos apropriamos das ideias de autores como Araújo (2016), Pimenta (2002, 2010), Behrens (2007), Liberali (2008), Nóvoa (1995, 2000), Pimenta e Lima (2004), entre outros, que discorrem acerca da formação inicial de professores, do estágio supervisionado como espaço de aprendizagens e dos tipos de reflexão. A pesquisa qualitativa narrativa foi desenvolvida na Universidade Federal do Piauí, no Curso de Licenciatura em Pedagogia. Para a escolha dos sujeitos da pesquisa, lançamos mão de dois critérios de inclusão: ser aluno da UFPI e estar devidamente matriculado na disciplina Estágio Supervisionado IV. Recorremos a uas técnicas para a produção dos dados empíricos: o memorial de formação e as rodas de conversa. Os dados apontam a distância entre teoria e prática nos cursos de formação, versando sobre a dificuldade de levar os conhecimentos adquiridos nos cursos para a prática em sala de aula, sem a devida reflexão crítica, pois, a reflexão na/sobre a prática ocorre na perspectiva técnica e prática.

  • FRANCISCO MARCOS PEREIRA SOARES
  • LIVRO DIDÁTICO NA PRÁTICA DOCENTE ALFABETIZADORA: usos elaborados/reelaborados
  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 19/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Essa pesquisa trata sobre o livro didático na prática docente alfabetizadora, demarcando os usos elaborados/reelaborados desses materiais didáticos por professoras alfabetizadoras. O seu delineamento e desenvolvimento partiu do seguinte problema: Que usos do livro didático são elaborados/reelaborados na prática docente alfabetizadora? A definição desta problemática fundamenta-se na perspectiva de que o livro didático é uma construção. Sua presença na escola o demarcam como artefato, instrumento de ação ou como produto social aparentemente pronto e acabado, mas a ação dos sujeitos, sobretudo professores e alunos, o tornam vivo e dinâmico no processo de alfabetização. O objetivo geral do estudo foi analisar os usos do livro didático elaborados/reelaborados na prática docente alfabetizadora. Para tanto, estabeleceu-se como objetivos específicos: conhecer como os professores se apropriam do livro didático na prática docente, descrever a mediação didática desenvolvida pelo alfabetizador no uso do livro didático e identificar os usos e funções do livro didático no processo de alfabetização. As discussões foram fundamentadas nos seguintes autores:  sobre os percursos históricos e concepções de livros didáticos de alfabetização: Cagliari (1988), Sheffer (2007), Mortatti (2006), Lajolo e Zilbermam (1996), Freitag e Motta (1989), D’Ávila (2008), Nosella (1979), Silva (2000), Bittencourt (1993), Choppin (2004), Batista (2000). Sobre o livro didático de alfabetização e o PNLD, avaliação e processos de escolha: Batista (2003), Apple (1995) Garcia (2007), Munakata (2001), D’Àvila (2008). Sobre prática docente alfabetizadora e o livro didático no trabalho com alfabetização e letramento: Araujo (2011), Sousa (2014), Tardif (2002), Lajolo (1996), Rios (2001), Silva (1996), De Pietri (2009), Brito; Albuquerque, Cabral;Tavares (2007), Soares (2011, 2013), Kleimam (1998), Bakhtin (1995), Marcuschi (2005), Antunes (2003), Habermas apud Contreras (1997), Liston & Zeichner (1993).  Com abordagem qualitativa (Richardson, 2012), a metodologia fundamenta-se no método narrativo (Cladinin e Conell, 2015), utilizando como instrumentos de produção e dados o memorial de formação com bases nas ideias de Brito (2010), Prado e Soligro (2007), e também as rodas de conversas a partir das ideias de Brito e Santana (2014), Moura e Lima (2014). A análise de dados será realizada com fundamentos em Bardin (1979) utilizando-se a análise de conteúdo. Participaram da pesquisa sete professoras que trabalham com alfabetização de crianças há pelo menos cinco anos, no município piauiense de Buriti dos Montes, região semiárida brasileira, há 250 km da capital Teresina.  

  • EMANUELLA GEOVANA MAGALHÃES DE SOUZA
  • ENTRE TÊNIS E CADARÇOS – A LITERATURA INFANTIL AFRODESCENDENTE: O QUE ENSINA O MERCADO EDITORIAL BRASILEIRO?
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 15/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O mercado editorial no Brasil é agente educador uma vez que ensina muito a sociedade brasileira marcada pelos meandros do epistemicídio, configuração que desqualifica os grupos considerados outros/as, em sua condição humana – racional, e assim invisibiliza as produções epistemológicas desses grupos. Como consequência alimentamos vários estereótipos negativos em relação aos afrodescendentes, construindo dessa maneira sociedades desiguais, refletindo seus preconceitos e várias práticas discriminatórias. Dentro desse viés, a mulher afrodescendente sofre de maneira interseccional discriminações de gênero-raça-classe (e por causa de outros fatores).  Como forma de reproduzir esses estereótipos, temos a chamada literatura infantil clássica que invisibiliza a menina afrodescendente. Diante dessa situação, algumas editoras especializadas na produção de obras sobre afrodescendência tentam provocar rachaduras nessa estrutura, e por isso, indagamos: o que poderiam ensinar estas/estes profissionais do mercado editorial brasileiro em suas ações de enfrentamento as ausências e silenciamentos de personagens afrodescendentes na literatura infantil? Consideramos assim, educações no plural, ou seja, acontece fora e na escola. Com base em experiências acadêmicas anteriores, esta pesquisa visa compreender as respostas de algumas instituições, como as editoras, em relação às ausências e esquecimentos de meninas descendentes de africanas/os na literatura considerada infantil. Nesse sentido, vislumbramos a construção de aberturas epistemológicas uma vez que meninas/mulheres afrodescendentes encontram espaços e falas na literatura produzida no Brasil. Deste modo, acreditando que existem fontes que podem ajudar entender melhor esta problemática, escolhemos trabalhar com duas editoras especializadas na temática da afrodescendência, a saber: Mazza Edições e Pallas. A abordagem foi qualitativa do tipo exploratório-descritivo e como instrumentos para acessar as informações, entrevistas e levantamentos caracterizando os catálogos das editoras. Os resultados demonstraram que as editoras participantes da pesquisa, estão produzindo respostas criativas e objetivas em relação ao apagamento de personagens afrodescendentes na literatura infantil e mais do que isso, viabilizando novos olhares e provocando outras perspectivas sobre as meninas/mulheres descendentes de africanas/os através das obras publicadas.

     

     

2018
Descrição
  • KELLY KARINE SOUSA RODRIGUES FIGUEIREDO
  • APRENDIZAGENS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: VIVÊNCIAS PEDAGÓGICAS E ESCRITAS DE SI
  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 20/12/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    Discussões referentes às aprendizagens para tornar-se professor têm-se ampliado no seio do trabalho científico, notadamente neste século XXI, colocando o professor e sua formação no centro do debate educativo, focalizando, dentre outras questões pertinentes, sua historicidade formativa, suas aprendizagens para ser professor e saber ensinar e seu exercício profissional docente. Diante dessa realidade esta investigação delineia como objeto de estudo: constituição de aprendizagens docentes na educação infantil e define os seguintes objetivos: geral - analisar a constituição das aprendizagens que subsidiam a prática docente do professor de educação infantil; específicos – caracterizar as aprendizagens do professor da educação infantil sobre o ensinar nos seus percursos formativos e nas práticas docente; compreender a importância das aprendizagens subsidiadas pela prática docente na educação infantil; descrever os contextos de aprendizagens que dão suporte a docência na educação infantil, tendo em vista o entendimento de que as aprendizagens de professores não se encerram com o término de um curso, configurando-se movimento contínuo e progressivo no decorrer de sua trajetória de vida pessoal e profissional. Mediante esse contexto, orienta-se pelas seguintes questões norteadoras: como os professores aprendem para exercitar a prática docente na educação infantil? Quais aprendizagens relativas ao ensinar são constituídas no seu percurso formativo? Que contextos de aprendizagens subsidiam a docência na educação infantil? Trata-se de pesquisa narrativa, orientada pelo método auto(biográfico),apoiada em Souza (2006), Clandinin e Conelly (2011), Delory-Mombeger (2012). Focaliza narrativas de 5 professoras de um Centro Municipal de Educação Infantil-CMEI, em Teresina-Pi. Emprega como mecanismos de produção de dados a entrevista narrativa, orientada por Jovchelovicth e Bauer (2010) e o memorial de formação, fundamentado em Passeggi (2010), Josso (2012), como meios que viabilizam a compreensão do objeto pesquisado e a rememoração da história pessoal e profissional das interlocutoras, descrevendo os processos constitutivos de suas aprendizagens em seus percursos formativos e de prática docente na educação infantil. Emprega para análise de dados a técnica de análise de conteúdo segundo Bardin (2016). Tem sua fundamentação teórica assentada, dentre outros, em Tancredi (2009), Voltarel e Monteiro (2016), García (1999), Reali e Reyes (2009), Mizukami e Reali (2002). Entre outros indicativos, apresenta suas principais conclusões: as professoras/interlocutoras, em suas narrativas, apontam como contextos de aprendizagens os percursos de formação inicial e de formação continuada; o contexto da sala de aula na educação infantil; as vivências e troca de experiências com os pares no dia a dia na escola; e ainda nos contextos de formação em serviço. 

  • ROSANNE PEREIRA DE SOUSA CORREIA
  • Caminhos da prática docente alfabetizadora: possíveis diálogos entre alfabetizadoras iniciantes e experientes
  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 18/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • No contexto das discussões sobre a formação de professores e as práticas docentes alfabetizadoras emergem diferentes questões relativas ao compartilhamento de experiências entre os pares que resultam aprendizagens docentes. Esta pesquisa aborda as interações que se efetivam entre alfabetizadoras iniciantes e alfabetizadoras experientes nas práticas docentes de alfabetização e letramento. Estabelece como objetivo geral analisar os diálogos que se efetivam entre alfabetizadoras iniciantes e alfabetizadoras experientes nas práticas docentes de alfabetização e letramento. Como objetivos específicos o estudo propõe: identificar situações vivenciadas no contexto escolar que possibilitam o compartilhamento de experiência sobre alfabetização e letramento entre alfabetizadoras iniciantes e alfabetizadoras experientes; descrever as teorias que fundamentam as práticas de alfabetização e letramento desenvolvidas por alfabetizadoras iniciantes e alfabetizadoras experientes e por fim, compreender de que modo o compartilhamento de experiência e de conhecimento entre alfabetizadoras iniciantes e alfabetizadoras experientes afetam suas práticas docentes. Trata-se de uma pesquisa narrativa desenvolvida com seis professoras alfabetizadoras, sendo três iniciantes, com até cinco anos de carreira e três experientes, com mais de dez anos de atuação profissional. O processo investigativo utiliza a pesquisa narrativa, em uma abordagem autobiográfica, tendo como técnicas de coleta de dados o do memorial de formação e as rodas biográficas. O estudo tem como referência as contribuições de NÓVOA (1995; 2009); JOSSO (2004); SOARES (2003); WARSCHAUER (2017); SACRISTÁN (1995), DAY (2001); IMBERNÓN (2010), entre outros. Na análise de dados propõe as seguintes unidades de, consoante sugere  Bardin (2010): Encontro com a profissão docente alfabetizadora: formação inicial e continuada; Encontro com os pares: diálogos entre professoras alfabetizadoras iniciantes e experientes e o Desenvolvimento profissional docente na alfabetização: o diálogo nas rodas biográficas. Os resultados evidenciam que as professoras alfabetizadoras atribuem relevância ao compartilhamento das práticas docentes vivenciadas no percurso profissional.

     

  • RAIMUNDA ALVES MELO
  • LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO: FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA EDUCATIVA
  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 17/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objeto de estudo as contribuições da Licenciatura em Educação do Campo (LEDoC) para a mudança da prática educativa de professores. O processo de investigação foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Piauí, especificamente no interior do Núcleo de Pesquisa Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Educação e  Epistemologia da Prática profisisonal (NIPEEPP). De modo geral objetivou analisar as mudanças da prática educativa de professores que trabalham em escolas do campo após a participação dos mesmos na Licenciatura em Educação do Campo da UFPI de Teresina. Especificamente, envidou esforços para delinear a trajetória de constituição da educação do campo nos contextos nacional e piauiense, com ênfase no histórico do Programa de Apoio à Licenciatura em Educação do Campo (PROCAMPO); caracterizar o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campoe suas interfaces com a prática educativa; identificar as concepções, conhecimento, saberes e princípios que orientam a formação no Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Piauí, Campus de Teresina e conhecer aspectos da prática educativa que constituem mudanças decorrentes da participação dos professores na  LEdoC. O cenário da pesquisa foi o Curso de Licenciatura em Educação do Campo, vinculado ao Centro de Ciências da Educação, da Universidade Federal do Piauí – UFPI. Partciparam da pesquisa 05 (cinco) professores do 8º períodos do curso, residentes no município de Timon (MA). As discussões teóricas fundamentaram-se em autores como: Veiga (1995), Garcia (1999), Pérez Gómez (2000), Pistrak (2003), Caldart (2005, 2011, 2012), Carvalho (2007), Formosinho (2009), Freitas (2011), Molina e Freitas (2011), Shiroma et al (2011), Libâneo (2012), Freire (2013, 2014), Molina (2015), dentre outros. O direcionamento metodológico foi a pesquisa qualitativa crítica com abordagem etnometodológica, tendo como referencial teórico Coulon (1995), Kincheloe e MacLaren (2006), Minayo (2007), Carspecken, (2011), dentre outros. A produção dos dados empregou  como técnicas: o questionário, a observação simples e a análise documental e rodas de conversas, cujos instrumentos tiveram a orientação de Gil (2011), Richardson (2012), Freire (2002) e Warschauer (2004). Os dados foram organizados em eixos categoriais e analisados com o apoio da técnica de análise de conteúdo sugerida por Bardin (1979).  Os resultados apontam que a  inserção no LEdoC provoca mudanças na prática educativa de professores em alguns apectos como: a politização da docência, o desenvolvimento de metodologias que respeitam, valorizam e integram os saberes culturais dos estudantes aos conhecimentos escolares e a realização de procedimentos de avaliação numa perspectiva formativa. Estas evidências asseguram a tese de que o referido curso desenvolve processos educativos que contemplam conhecimentos específicos da formação de professores articulados com os saberes da cultura camponesa, promovendo reflexões críticas e ações prático e teóricas que favorecem mudanças na prática educativa de professores do campo. O estudo, portanto,  ao reconstituir a trajetória da educação do campo no Brasil, adentra no lócus deste  processo para promover uma  reflexão sobre a LEDoC, contribuindo simultaneamente para preencher uma lacuna no campo do conhecimento científico nessa área.

  • ELISÂNGELA MARIA SILVA
  • Grupo Escolar Padre Delfino (1958-2016) - História e Memória
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 12/12/2018
  • Mostrar Resumo

  • RESUMO

     

    A pesquisa em questão buscou fazer um estudo sobre Instituição Escolar, reconstituindo e organizando a história e memória do Grupo Escolar Padre Delfino, localizado na zona urbana da cidade de Timon, no Maranhão. Foi criado no ano de 1958 sendo o recorte inicial da pesquisa, e o recorte final em 2016 quando a instituição passa a ser Colégio Militar. Entretanto, a escola continua em pleno funcionamento demonstran­do que foi inserida no cotidiano timonense e perdurou até os dias atuais, sendo fonte geradora de fatos e discursos socialmente compartilhados, mesmo passando por várias mudanças ou mesmo adaptações. O trabalho tem pressupostos teóricos e metodológicos baseados na Nova História Cultural, seguindo os traços apontados em Le Goff (2003); Roger Chartier (1990) Peter Burke (1991); e em estudos da Cultura Escolar, como Dominique Julia (2001), Souza (2005); Instituições Escolares com Gatti (2002) e Magalhães (2004), História Oral como Meihy (2011), Memória Coletiva Maurice Halbwachs (2006); Nossa pesquisa revisita a história desta instituição escolar, através de várias fontes históricas oficiais, como: Projeto Político Pedagógico (PPP), regimento escolar, boletim escolar, ficha de matrícula, decretos, processos, Jornais, etc. Como as fontes oficias não são suficientes para o fazer histórico da Instituição Escolar, fazemos uso também dos relatos orais através das entrevistas com pessoas que participaram da vivencia escolar ao longo desses anos, como alunos, diretores, professores e funcionário, assim como as fontes icnográficas também nos prestaram um grande apoio e suporte a pesquisa. O projeto educacional dos Grupos Escolares no Maranhão havia uma necessidade de incutir na sociedade os princípios republicanos, os políticos e as camadas mais abastadas da sociedade discursavam para promover um projeto educacional que trouxesse o município à modernidade e ao progresso, visando retirar a sociedade do analfabetismo e da ignorância, estas entendidas como herança de um passado próximo. O Grupo Escolar Padre Delfino representou, naquele período, o ato principal de investida política para a formação do cidadão moderno e civilizado, demonstrando ordem, disciplina e acima de tudo um bom desenvolvimento do cidadão.

     

  • TIAGO PEREIRA GOMES
  • Prática Docente na Educação Infantil: concepções teóricas e metodológicas
  • Orientador : NEIDE CAVALCANTE GUEDES
  • Data: 07/11/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo intitulado Prática Docente na Educação Infantil: concepções teóricas e metodológicas está associado à linha de pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, tem como objeto de investigação e foco a seguinte questão problema: Quais as concepções teóricas e metodológicas que orientam a prática docente na Educação Infantil? Nesta perspectiva, tem como  objetivo geral analisar a prática docente a partir da concepção de infância, criança e Educação Infantil. De modo específico busca identificar como os professores compreendem infância, criança e Educação Infantil no desenvolvimento de sua prática docente; caracterizar como a prática docente de professores da Educação Infantil são operacionalizadas em sala de aula e descrever os desafios inerentes a prática docente de professores da Educação Infantil. Para empreender as reflexões teóricas nesta pesquisa utilizou-se as contribuições de Ariés (1986), Brito (2003; 2006), Didonet (2001), Kramer (2005), Kurlmann Jr. (2001) Oliveira (2007), Pimenta (1999), Prado e Soligo (2005), Souza (2006), Zabalza (1998), entre outros. O desenvolvimento metodológico é de abordagem qualitativa orientado pelo método da narrativa, por dar voz as interlocutoras para narrarem sobre sua prática docente na Educação Infantil. A pesquisa foi realizada com seis professoras de três escolas da Rede Municipal de Educação de José de Freitas-PI. Para a construção dos dados optou-se pelas rodas de conversas, memorial da prática docente e a observação sistemática. No processo de análise dos dados utiliza as concepções de Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). Os dados revelam que as interlocutoras possuem conhecimentos das concepções teóricas e metodológicas que norteiam a sua prática docente e que são embasados na relação teoria-prática e na reflexão cotidiana do saber-fazer em sala de aula. Evidenciam a compreensão sobre infância, criança e Educação Infantil e os conhecimentos em relação aos objetivos, funções e finalidades desta etapa da Educação Básica, potencializam uma melhor sistematização das situações didáticas. Indicam, ainda, a necessidade de uma revitalização e melhoria da estrutura física do espaço escolar, bem como a construção de uma Diretriz Curricular para a Educação Infantil no município e reconhecem a formação continuada como espaço de construção e reelaboração de saberes.

  • MARIA ALDA PINTO SOARES
  • "A Escola" em Manchete: educação e sociedade codoense (1916-1920)
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 03/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Considerando a fertilidade das pesquisas na perspectiva histórica, na área da Educação e o diálogo permanente destas com novas abordagens e domínios – a exemplo dos estudos com imprensa e sua relação com a educação –, em busca de compreensão das realidades educacionais em diferentes lugares e contextos, a presente pesquisa se intitula “A ESCOLA” EM MANCHETE: educação e sociedade codoense (1916-1920)” no espaço geográfico do município de Codó-Maranhão e tem como objetivo geral analisar a história da educação codoense articulando imprensa e sociedade codoenses no período de 1916 a 1920 com ênfase no jornal “A Escola”. O recorte temporal data o ano de fundação do Externato Codoense (1916), colégio responsável pelo jornal e o último ano de publicações do periódico encontradas (1920). De natureza histórica, utilizando-se da Teoria da História, o presente estudo tem como vertente teórica a Nova História Cultural adotando como aporte autores como Roger Chartier (2014) e Peter Burke (1991); teóricos da área da memória como Maurice Halbwachs (2003), Jacques Le Goff (2003) e Fernando Catroga (2001); da área da imprensa pedagógica como Antônio Nóvoa (2002), Helena Capelato (1988) e Regina de Luca (2015) e João Machado (1999) com seus estudos sobre a história codoense, entre outros. Considerando o jornal como documento, a metodologia adotada trata-se da articulação entre a Teoria da História e análise documental envolvendo a identificação, verificação e apreciação de documentos, utilizando-se[P1]  de fontes documentais como os jornais “A Escola”, “Correio do Codó”, “O Monitor Codoense”, “Diário do Maranhão”, “O Jornal”, dispostos no acervo digital e obras raras da Biblioteca Pública Benedito Leite e na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, bem como arquivos do Instituto Histórico Geográfico do Codó, da Academia Maranhense de Letras, do Instituto Histórico Geográfico do Maranhão, fontes hemerográficas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e de arquivos pessoais cedidas à pesquisa. A proposta desta pesquisa que nasceu de motivações historiográficas que pudessem contar a história da educação codoense possibilitou como resultados, o conhecimento e registro das primeiras iniciativas escolares do município de Codó, além de permitir a compreensão de visões de mundo da época, divulgadas na imprensa, em especial, no primeiro jornal escolar do município.


     [P1]

  • LEUDJANE MICHELLE VIEGAS DINIZ PORTO
  • COM A PALAVRA, A/O MESTRA/E: a afrodescendência e a Educação Profissional Tecnológica em tempos de educação para as relações raciais.
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 31/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, criados com a Lei 11.892/2008, propõem a Educação Profissional para além dos moldes que, até então, vinha sendo realizada, apresentando, em suas diretrizes, a necessidade de pensar essa modalidade de ensino na perspectiva da educação para as diversidades, sendo a abordagem das relações raciais inserida nesse contexto. Porém, essa proposta tenta se efetivar na realidade permeada por racismos, sofridos, especialmente, por afrodescendentes. Problematizando esta realidade, emergiram as seguintes questões: como a educação profissional, que tem forte tradição na valorização da educação voltada para atender às necessidades do mercado de trabalho capitalista, relaciona-se com a proposta da educação para as relações raciais? De que modo os documentos institucionais fazem essa abordagem? Essas indagações conduziram ao objetivo geral de compreender como o Instituto Federal de Educação do Maranhão (IFMA) lida com as exigências da educação para as relações raciais considerando o que regem os documentos legais e institucionais referentes à Educação Profissional e Tecnológica; e aos objetivos específicos: caracterizar o modo como os documentos institucionais dialogam com a proposta da educação para as relações raciais no Brasil de acordo com as prescrições nos documentos legais; averiguar as relações entre o que dizem participantes da pesquisa sobre as exigências da educação para as relações raciais brasileiras e o seu pertencimento racial; analisar práticas relatadas no tocante à educação para as relações raciais brasileiras por profissionais do IFMA que participaram do estudo. A tese que direcionou esta pesquisa é a de que a colonialidade presente em nossos corpos e em nossas mentes faz com que a abordagem das relações raciais estabeleça, quando muito, relações fronteiriças representando a possibilidade de questionar a colonialidade na tentativa de enfrentar o racismo. Dentre os estudos que fundamentam as análises da pesquisa, destacam-se: Bhabha (2013), Munanga (1999), Cunha (2000a), Mignolo (2005,2008), Fanon (2005, 2008), Foucault (1982), Guimarães (2009), Boakari (2010), Quijano (2010), Santos (2010), Boakari e Silva (2011), Hall (2011), Certeau (2014), Silva (2014), Mbembe (2017), Nascimento (2010) Carneiro (2005). As fontes de informações para a realização da pesquisa foram documentos institucionais e entrevistas realizadas com docentes, gestores e gestoras do IFMA. Este estudo revela possibilidades de fronteiras questionadoras das relações raciais na Educação Profissional Tecnológica, bem como expõe a força do racismo no cotidiano do fazer institucional como um aspecto que faz parte da racialização das relações de poder advindas com a colonização e reinventadas com a colonialidade.

     

    Palavras-chave: Relações Raciais. Educação Profissional Tecnológica. Afrodescendente. Colonialidade.

     

  • VALDENIA PINTO DE SAMPAIO ARAUJO
  • Um corpo potente fazendo das dores possibilidades de asas: TRANSformando modos de educar e de resistência na Universidade
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 30/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Os corpos travestilizados, muitas vezes, não ingressam ou não permanecem nas universidades em virtude dos padrões heterocisnormativos desta instituição que não oferece acolhida necessária a esta parcela da população LGBTQI+. O tema gerador desta pesquisa traz nuanças destes sujeitos em constante desmonte e remontagem de corpos, cruzando a fronteira do que é “normal” e ocupam o entre-lugar da/na universidade, num movimento potente, transgressor e de resistência. Neste espaço de ensino superior as faces da transfobia estão presentes na exclusão e violências vivenciadas pelas travestis, em trajetórias escolares algumas vezes interrompidas e/ou terminadas sob a égide da resistência. O objetivo deste estudo é analisar os processos de aprendizagem das pessoas travestis que estudam na UFPI, considerando as práticas de falta de condescendência e de resistências que fortalecem outros modos de educar afirmativos da vida destas pessoas. Algumas/alguns autoras/es que ancoraram esta pesquisa foram: Adad (2004; 2012), Bento (2006; 2008), Benedetti (2005), Butler (2015), Deleuze (1992; 1997), Foucault (1984; 1992; 1999), Kastrup et al (2014), Preciado (2011; 2014; 2017), Rolnik (2007), dentre outras/os. Este estudo se configura como uma pesquisa qualitativa e tem como metodologia a narrativa cartográfica e são utilizados como instrumentos de produção de dados, entrevistas, observação participante, levantamentos estatísticos, entre outros. A escolha do método foi por entender que estes procedimentos podem dar passagem (voz) aos afetos produzidos entre pesquisadora e o sujeito da pesquisa que se configura num corpo travestilizado que habita como estudante o perímetro da UFPI e que, também, é produtor de afetos. A vivência com este sujeito na ambiência da UFPI foi imprescindível para engendrar os dados e informações sobre esta temática. Refletir sobre a ação deste corpo travesti na UFPI para modificá-la é um passo importante para a formação crítica que suscita mudanças na ação docente, no currículo, nas ações acadêmicas e em outras dinâmicas deste espaço de educar e de aprendizagem. A pesquisa se encaminhou para confirmação da tese de que nos processos educacionais torna-se necessário reinventar as instituições educacionais e suas práticas educativas, em especial a Universidade, a formação docente e seus caminhos para que não sejam alijados mais sujeitos do/no processo escolar.

  • ELENITA MARIA DIAS DE SOUSA AGUIAR
  • PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E QUESTÕES RACIAIS: EXPERIÊNCIAS EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE TERESINA - PI
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 30/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • A investigação se insere em momento histórico e social que suscita exigências contextuais emancipatórias às práticas educativas desenvolvidas na escola, assim, a educação escolar, como elemento precípuo à formação requer redirecionamentos das práticas que atendam às reinvindicações da sociedade em condições de desigualdades sociais. Sob este olhar, esta investigação tem como objeto de estudo a Avaliação de Aprendizagem direcionada a questões raciais e educação, no contexto que tratem de homens e mulheres descendentes de africanos. Como tese de doutoramento partiu do problema: as práticas de professoras/es relacionadas à avaliação da aprendizagem são marcadas por questões raciais? Buscamos compreender de que forma as práticas educativas de professoras do Ensino Fundamental, no que se refere à avaliação da aprendizagem, consideram as questões raciais. No intuito dessa compreensão almejamos os objetivos específicos: Descrever as rotinas da sala de aula, situando as práticas avaliativas e o tratamento dado às diferenças diversas; Relacionar as práticas de avaliação da aprendizagem; Analisar as intenções que dão embasamento à avaliação da aprendizagem; Identificar se nas práticas e intenções que presidem a avaliação da aprendizagem há indícios de condutas racistas ou de discriminação por características afrodescendentes. Realizamos a investigação com base na abordagem qualitativa, tendo uma escola pública como campo de investigação, a partir do qual obtivemos acesso às informações por meio de questionário, análise documental e agrupamento de questões. Contamos com a contribuição de 06 (seis) professoras do Ensino Fundamental (1º ao 5º anos) de uma Escola Municipal da Zona Sudeste de Teresina, sendo estas participantes diretas da investigação. Adotamos como base teórica, Bonniol (2001), Carvalho (2009), Esteban (2000), Hadji (2001), Luckesi (2006), Bhabha (1998), Boakari (1994, 2012), Cunha Júnior (2005, 2012), Fanon (2008), Gomes, A. (2008), Gomes, N. (1995, 2010), Guimarães (2004, 2009), Morin (2007), Freire (2004, 2014), Libâneo (2009), Bogdan e Biklen (1994), Minayo (2007), Bardin (2009) dentre outras contribuições. A análise nos permitiu considerações acerca das unidades de análise temática em estudo (prática pedagógica, avaliação da aprendizagem e questões raciais) e direcionam aos resultados da investigação, estes apontam que, as disposições elencadas quanto às compreensões de avaliação da aprendizagem distanciam-se das práticas desenvolvidas, a avaliação interna (escola) é bem apresentada no documento, mas, na, prática é a avaliação externa que se sobressai. Emergem ainda, aproximações interpretativas às informações que revelam que, a maioria das professoras não reconhece que há discriminações na sua sala de aula; desconhecem os documentos legais que orientam a prática educativa que atenda ao trabalho educativo com as questões raciais, são aproximações que denotam distanciamento da avaliação como processo e falta de interligação com as questões raciais, no sentido de formação para a humanização.

     

     

     

  • CLEIDIVAN ALVES DOS SANTOS
  • CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DE FORMADORES DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: DIÁLOGOS NARRATIVOS
  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 29/08/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    O processo de constituição da identidade profissional inicia-se a partir do momento que o indivíduo começa a experienciar ações que são inerentes aos diferentes papéis sociais que vivencia no seu cotidiano, bem como as relações que estabelecem com o ambiente de formação oferecido. Nessa perspectiva a formação de professores deve está pautada em subsídios que possibilitem a esses profissionais os conhecimentos acerca da docência e suas interfaces, objetivando dessa forma a efetivação e consolidação do processo de construção da identidade profissional docente, fornecendo meios para que os futuros professores possam desenvolver a sua autonomia e o seu pensamento crítico e reflexivo. Dessa forma, o objeto de tese da presente pesquisa é “a identidade profissional docente do professor formador influencia significativamente na concepção a ser formada de identidade profissional docente dos futuros licenciados em matemática”. Para o desenvolvimento deste estudo foi traçado como objetivo geral analisar os aspectos constitutivos da identidade profissional dos professores formadores que atuam no Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal do Piauí – Campus Ministro Reis Velloso, na cidade de Parnaíba – Pi. De forma especifica: identificar como as práticas profissionais de professores formadores que atuam no Curso de Licenciatura em Matemática da UFPI/CMRV, na cidade de Parnaíba-PI, demarcam os seus modos de ensinar e de ser professor; descrever as marcas que os percursos formativos de professores formadores do Curso de Licenciatura em Matemática imprimiram/imprimem em suas identidades profissionais docentes; compreender como as histórias de vida pessoais e profissionais de professores formadores do Curso de Licenciatura em Matemática colaboram para redimensionar suas identidades profissionais. Para tanto foi estabelecido diálogos com autores que discutem a formação de professores na atualidade: Tardif; Gauthier (1996), Pimenta (1999, 2002), Nóvoa (2010, 2000, 1999, 1995), Giroux (1997), Schön (1995), Zeichner (2008), Freire (1999), na área da Educação Matemática Chevallard (2001), Ponte et al (1998), Fiorentini (2003), D´Ambrosio (2005) e no que diz respeito a identidade profissional docente na perspectiva sociológica  os autores como Dubar (2005, 2009), Kaufmann (2004), Silva, Hall e Woodward (2014), dentre outros. Com base na natureza do objeto de estudo, optou-se pelo desenvolvimento de uma investigação alicerçada no método autobiográfico, notadamente através da pesquisa narrativa como metodologia a ser seguida. No processo de produção dos dados, teve como técnicas de produção dos dados, o memorial e a entrevista semiestruturada. Os interlocutores da investigação foram quatro professores formadores do quadro efetivo do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal do Piauí (UFPI) – Campus Ministro Reis Velloso (CMRV) na cidade de Parnaíba – Piauí. A análise dos dados está transcorrendo a partir de plano de análise dos dados, conforme pressupostos da análise de conteúdo defendida por Poirier, Clapier-Valladon, Raybaut (1999). Os resultados da pesquisa reforçam que o processo de formação dos professores que atuam no ensino superior, deve ser pautado em ações formativas, que possibilitem a esses profissionais, conhecimentos mais abrangentes a respeito da docência e das dimensões que estão intrínsecas à mesma, viabilizando dessa forma, que o processo de construção da identidade profissional desses formadores possa ser consolidado, além da pesquisa na matemática, também, na docência e na formação dos futuros professores de matemática.

     

     

     

  • MARÍLIA PEREIRA LIMA
  • DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS DE ENSINO.
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 28/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O texto dissertativo trata-se do resultado de uma pesquisa sobre o uso de estratégias de ensino da Língua Inglesa na Educação de Jovens e Adultos, objeto de estudo dessa investigação. Vincula-se à Linha de Pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de profissionais da Educação (NIPPC) da Universidade Federal do Piauí. O referencial teórico metodológico sustenta-se na pesquisa qualitativa de abordagem descritiva com a participação de professores e estudantes do sistema de ensino estadual de Teresina/Piauí. O interesse pela problemática partiu de inquietações vivenciadas como docente da Escola Básica, atuando no Ensino Médio na EJA no Componente Curricular Língua Inglesa o que resultou na questão/problema, norte desse estudo: Como as estratégias utilizadas pelo professor em sala de aula estão contribuindo para o ensino e a aprendizagem da Língua Inglesa na Educação de Jovens e Adultos? O objetivo geral foi analisar as estratégias utilizadas por estes professores e sua contribuição para o ensino e a aprendizagem da Língua Inglesa e como objetivos específicos: Identificar aspectos positivos e negativos da prática docente no ensino da Língua Inglesa; Conhecer as estratégias utilizadas no ensino de Língua Inglesa com vistas a aprendizagem de pessoas jovens e adultas; Refletir sobre a complexidade da relação professor/aluno no ensino e na aprendizagem da Língua Inglesa. O plano teórico está fundamentado em: Arroyo (2004); Bock (1999); Campos (2010); Farias (2017); Gadotti (2002); Gardner (2001); Haddad e Di Pierro (2000); Lago (2000); Moura (2003; 2007); Nunan (1999) Paiva (2003); Prado e Reis (2012) e Silva (2009); dentre outros. O procedimento metodológico para geração das informações foi o questionário. A organização das informações produzidas apoiou-se na análise de conteúdo de Bardin (2009) e Oliveira (2010). A análise dos dados indica que a docência da Língua inglesa na EJA/Ensino Médio, revela as perspectivas desses jovens com relação ao seu processo de escolarização, além da necessidade da adoção de medidas didático pedagógicas para que a docência de Língua Inglesa para jovens e adultos atendam seus interesses necessidades e expectativas de formação.

  • PATRÍCIA SARA LOPES MELO
  • A CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA PROFISSIONAL DOCENTE NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PRODUÇÃO DE NARRATIVAS NO ENSINO SUPERIOR
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 28/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho apresenta como tema a construção identitária profissional docente no curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDOC), e traz como problema de pesquisa saber: Como acontece a construção identitária profissional dos docentes atuantes na Licenciatura em Educação do Campo? Essa questão trouxe como objetivo geral: Investigar a construção identitária profissional do docente que atua na Licenciatura em Educação do Campo, no contexto do semiárido piauiense. Como objetivos específicos: Analisar os processos formadores na construção identitária profissional do docente que atua na LEDOC; Caracterizar a trajetória profissional do docente que atua na LEDOC; Identificar as possibilidades e os desafios na construção identitária profissional docente do campo. Esses objetivos emergiram dos seguintes questionamentos: Que trajetórias são percorridas pelos docentes do curso de LEDOC na construção de sua identidade? Quem são os docentes atuantes na LEDOC? Como estão se constituindo docentes do Curso? Quais as possibilidades e os desafios enfrentados na construção identitária profissional docente? Estas indagações surgiram a partir do reconhecimento de elementos que justificam este estudo: a importância do registro das experiências e identidades dos sujeitos do campo; a incipiência das pesquisas, em virtude do processo de silenciamento da educação do campo nas pesquisas sociais e da negação dos direitos dos povos camponeses; outro olhar sobre o campo, não mais como espaço de atraso, mas como lugar de saberes e diversidades. A partir do reconhecimento desses elementos, foi definido a seguinte tese: Os processos formadores da prática educativa, saberes, vivências e experiências, desenvolvidos no espaço da educação do campo, se constituem elementos para a construção identitária profissional docente. Para tanto, foi necessária uma revisão de literatura sobre a Educação do Campo e a construção identitária que fundamentasse as discussões. Apoia-se em alguns teóricos e em documentos oficiais que discutem essas temáticas: Bauman (2005); Brasil (2007; 2015); Caldart (2009); Dubar (2009); Hall (2014); Kaufmann (2004); Leite (2002); Silva (2014) e outros. Este estudo trata-se de uma pesquisa narrativa, com abordagem qualitativa, que conta como recurso de produção de dados o desenvolvimento da escrituração de um memorial de formação e a realização de entrevistas semiestruturadas, orientadas por um roteiro. Para estruturação do enfoque teórico-metodológico, dentre os autores utilizados, destaca: Guedes-Pinto, Silva e Gomes (2008); Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). Os dados produzidos encontram-se organizados com base em categorias e subcategorias que surgiram da empiria, fundamentados pelo quadro teórico. Esta pesquisa se apresenta como referência para permanentes discussões em torno da construção identitária na Educação do Campo. Foi constatado que as experiências adquiridas no Curso, através da mobilização de saberes camponeses e da realização do Tempo Comunidade contribuem para a construção identitária profissional docente.

  • ELIZANGELA FERNANDES MARTINS
  • O IDEALIZADO E O REALIZADO: as significações sobre gestão escolar produzidas pelo pedagogo gestor.
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 27/08/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    A tese em questão tem como objeto de estudo os processos mediadores da gestão escolar desenvolvidos pelo pedagogo gestor. O planejamento e a realização desta pesquisa estão fundamentados nos pressupostos teórico-metodológicos do Materialismo Histórico Dialético e da Psicologia Sócio-Histórica, em especial, nas categorias Historicidade, Realidade e Possibilidade, Mediação, Consciência e Significado e Sentido. Essa opção se justifica basicamente por duas razões. Primeira, com esses pressupostos foi possível compreender que a gestão escolar é uma atividade do ser humano, pois, somente ele é capaz de planejar, projetar e gerenciar a si mesmo e aos outros. Desta forma, o pedagogo gestor desenvolve a gestão escolar firmado sobre a formação e sobre as experiências e vivências produzidas no desenvolvimento da atividade gestora na escola. Segunda, estas são as categorias que podem mediar compreensões sobre o desenvolvimento humano, e, portanto, sobre as possibilidades de se compreender os múltiplos e mútuos processos mediadores da gestão escolar, evidenciando o movimento da gestão escolar no Brasil e as produções das significações que foram gradativamente orientando a formação e as ações dos pedagogos no desenvolvimento da atividade gestora.  Para isso, foi definido o objetivo geral de investigar os processos mediadores da gestão escolar desenvolvidos pelo pedagogo gestor; e especificamente: analisar as determinações histórico-sociais que orientaram o ingresso do pedagogo na gestão escolar; analisar os processos formativos vivenciados pelo pedagogo gestor; analisar as significações produzidas pelo pedagogo gestor sobre a gestão escolar; e analisar as significações produzidas pelo pedagogo gestor sobre as ações que desenvolve na prática gestora. O processo de produção dos dados ocorreu por meio de entrevistas, organizadas em dois momentos distintos: o primeiro realizado coletivamente, envolvendo os membros da equipe gestora, que chamamos de seção reflexiva coletiva; o segundo realizado individualmente, que chamamos de seção reflexiva individual. O processo analítico foi orientado pela proposta dos Núcleos de Significação. Para discutir o objeto de estudo foi produzido quatro Núcleos de Significação. O primeiro núcleo trata dos Processos de inserção e identificação com a gestão escolar:   realidade mediada por múltiplas e mútuas relações. Nele são discutidas as motivações para o ingresso do pedagogo na gestão escolar e ainda que situações sociais mediaram a identificação com a função gestora, revelando que o movimento de ingresso e identificação com a gestão escolar é dado pela dialética questões financeiras, status social da função e a possibilidade de melhorar as condições de trabalho. O segundo núcleo, ao abordar A formação em pedagogia e a formação contínua do gestor escolar: necessidade e possibilidade de realização da gestão escolar, expressa a compreensão que a formação inicial em pedagogia é condição necessária, mas não suficiente à realização da gestão escolar pelo pedagogo e, por isso, há necessidades formativas que podem ser desenvolvidas nos processos de formação continua. No terceiro núcleo, intitulado As contradições na compreensão da gestão escolar: da ideia de gerenciamento à ideia de gestão coletiva, está aglutinado as significações da equipe gestora sobre gestão escolar, evidenciando contradições na forma de compreender a gestão escolar. Essas significações expressam a gestão escolar ora firmada sobre as ideias de gerenciamento, ora sobre ideias da participação, pontuando a possibilidade de realização coletiva, a necessidade de liderança e os desafios postos cotidianamente como processos mediadores destas significações. O quarto núcleo, ao discutir Planejamento escolar e relações produtivas: necessidades na realização da gestão escolar, revela não apenas as ações realizadas pela equipe gestora e a relações interpessoais mantidas entre a comunidade escolar, mas também que ambos são processos mediadores na realização da atividade gestora. Em síntese, a discussão desta pesquisa está sustentada na tese de que se os processos mediadores da gestão escolar são produções histórico-sociais constituídas na dialética condições objetivas e subjetivas da realidade, em especial da escolar, então há possibilidades de orientar a gestão participativa. Nesse tipo de gestão, o coletivo escolar faz parte da tomada de decisões que primem pelo processo de ensino-aprendizagem.

  • ANDERSON RUBEM GUIMARÃES LEAL
  • Modelo DIR/Floortime: Bases teóricas para a inclusão de crianças com autismo na educação infantil
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 21/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O Transtorno do Espectro Autista constitui um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por alterações na interação social e na comunicação e pela presença de padrões de interesses restritos ou repetitivos de comportamentos, interesses ou atividades. Apesar de o Brasil contar com diversos dispositivos legais que garantem a inclusão escolar da criança com autismo, do ponto de vista prático, enfrenta-se desafios para a efetivação desse direito. O que se verifica no cotidiano é a dificuldade em consolidar e sistematizar os conhecimentos já adquiridos e o aprimoramento das vias de intervenção que realmente objetivem o trabalho conjunto criança-família-escola-profissional. Observa-se também uma carência expressiva de pesquisas na perspectiva desenvolvimentista do autismo no Brasil diante do predomínio de pesquisas e trabalhos que enfocam a perspectiva comportamental. Os estudos de base desenvolvimentista têm demonstrado a importância do engajamento afetivo no desenvolvimento infantil e as implicações que acarreta para o desenvolvimento de capacidades esperadas na infância, como frequentemente verificado em crianças do espectro autista. Parte-se da premissa de que problemas no desenvolvimento requerem intervenções nas vias do desenvolvimento humano e não somente no comportamento. Dentre os modelos de base desenvolvimentista, cita-se o modelo DIR/Floortime, que apresenta uma fundamentação teórico-prática que pode permitir o alinhamento de práticas tanto no que diz respeito ao processo de inclusão escolar, quanto nas condutas de estimulação parentais, permitindo, assim, uma articulação família-escola. Tendo-se como base esses apontamentos, apresenta-se como objetivo geral da presente pesquisa investigar como o engajamento socioafetivo, a partir da utilização do modelo DIR/Floortime, pode contribuir para o desenvolvimento de crianças com autismo na educação infantil no trabalho conjunto família-escola. Fundamenta-se a presente pesquisa em Greenspan e Wieder (1998; 2006), Greenspan e Shanker (2004), Greenspan e Tippy (2017), Greenspan (1999; 2001), Prizant e Wetherby (1998), Oliveira (2009), Lampreia (2014), Kranowitz (2005), Miller (2014), Mendes (2010), Drago (2014), Behrens (2008; 2013), Morin (2000; 2015). Propõe-se uma pesquisa qualitativa, do tipo pesquisa-ação. Participarão da pesquisa três crianças diagnosticadas com autismo, estudantes da educação infantil de escolas particulares da cidade de Teresina-PI, e seus respectivos pais e professores. Como instrumentos de coleta de dados, serão utilizados entrevista semiestruturada, diário de campo, instrumentos de observação traduzidos, como a Tabela de Níveis de Desenvolvimento Funcionais e Emocionais, a Tabela de Diferenças Individuais (ICDL, 2005); bem como a Escala de Avaliação Funcional Emocional e o Guia para Avaliação Clínica dos Três Padrões Clássicos de Transtornos do Processamento Regulatório e Sensorial (ICDL, 2005) e, traduzidos e já adotados no Brasil, a tabela de Observação Psicomotora Individual para Educação Infantil (SÁNCHEZ; MARTÍNEZ; PEÑALVER, 2003) e o Questionário Perfil Sensorial 2 (DUNN, 2017). Para a organização dos dados será realizada inicialmente uma descrição de cada uma das crianças participantes da pesquisa e, como métodos de análise de dados serão utilizadas a Análise de Conteúdo de Bardin (2016) para as entrevistas e as sistematizações baseadas no modelo DIR acerca do padrão de engajamento afetivo. 

  • NATÁLIA DE ALMEIDA SIMEÃO
  • CORPOS QUE FALAM, MÃOS QUE CRIAM: O APRENDER JUNTOS PARA JOVENS SURDOS E OUVINTES DO CURSO DE LETRAS/LIBRAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 20/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho de pesquisa tem como tema Corpos que falam, mãos que criam:  O aprender que surge do encontro entre jovens Surdos e ouvintes do curso de Letras Libras da Universidade Federal do Piauí. A pesquisa foi desenvolvida especificamente nas dependências do curso de Licenciatura Letras Libras do Campus Ministro Petrônio Portela, da Universidade Federal do Piauí, cidade de Teresina. Vale ressaltar que os jovens, copesquisadores deste trabalho, são surdos e ouvintes e estudam juntos no Curso de Licenciatura em Letras Libras na UFPI para se tornarem docentes. Esse fato mostra que no ensino superior, a inclusão desses jovens assinala que, de fato, vivenciamos um momento de renovação. Nesse passo, é preciso dar lugar às novas formas de conhecimento, não apenas da razão ou fruto de teorias sistematizadas e organizadas, e, sim, àquele que é aprendido com o outro, pelo encontro com o outro, a partir da história de vida que ele traz consigo; aquele que não é organizado em linhas e, sim, organiza-se e/ou se desorganiza, em uma constante busca de aprender/conhecer conforme segue a vida, adotando, assim, novas práticas e novos conceitos. Quando os jovens se misturam, produzem conhecimentos e, por conseguinte, transformações. Algumas são visíveis, outras não; algumas são radicais, outras não. Não importa como elas surgem ou se apresentam, o que importa é que por meio dessas transformações surgem outras formas de ver e de entender o mundo e as pessoas, são elas que nos mostram que é preciso viver intensamente a mudança e fugir da mesmice que, muitas vezes, atrasa, aliena e destrói. Por esta questão, o problema de pesquisa traçado para este estudo foi o que os jovens discentes surdos e ouvintes pensam e podem ao aprender no curso de Licenciatura em Letras Libras da Universidade Federal do Piauí? O que me direcionou aos seguintes objetivos: Analisar o que pensam e o que podem os jovens discentes surdos e ouvintes ao aprender juntos no curso de Licenciatura em Letras Libras da Universidade Federal do Piauí; Investigar os conceitos de jovens discentes surdos e ouvintes sobre aprender juntos na Licenciatura em Letras Libras; Identificar as dificuldades dos jovens discentes surdos e ouvintes no aprender juntos na UFPI; Identificar outras formas de pensar mobilizadas por jovens surdos e ouvintes nas experiências do aprender no Curso de Letras Libras da UFPI; Analisar o que pode o corpo jovem com o aprender juntos na UFPI frente ao campo de forças dos problemas do aprender no Curso de Letras Libras na UFPI. A pesquisa foi fundamentada com base nos seguintes aportes teóricos: Adad (2014); Deleuze e Guattari (1996); Foucault (2004); Gauthier (1999); Kastrup (2015); Larrosa e Skliar (2011); L; Perlin (1998); Serres (2001); Strobel (2009), dentre outros e acoplada ao desenvolvimento do método sociopoético, com via à produção artística de confetos (conceitos + afetos) pelos co-pesquisadores. Na sociopoética, na pesquisa produzimos conhecimento coletivamente com instituição do grupo-pesquisador (pesquisador + copesquisadores). Nesta pesquisa, o grupo-pesquisador foi constituído pela pesquisadora e cinco discentes, dentre eles surdos e ouvintes, os quais investidos no papel de co-pesquisadores produziram imagens plásticas e relatos orais, culminando em um processo colaborativo de experiência onde expressaram seus confetos, conceitos permeados por afetos, ou seja, anseios, desejos e emoções em relação ao aprender que acontece na mistura de jovens surdos e ouvintes, concebidos como sujeitos inventivos no ensino superior. 

     

  • PATRÍCIA MELO DO MONTE
  • OS PROCESSOS SUBJETIVOS DE PROFESSORES NO TRABALHO PEDAGÓGICO COM ALUNOS COM ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 17/08/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    As múltiplas exigências contemporâneas exigem céleres adaptações nos contextos educativos. O paradigma da inclusão escolar apresenta novas demandas ao ofício de ser professor, exigindo que as práticas pedagógicas se organizem intencionalmente para atender às expectativas e às necessidades de um grupo amplo de alunos, incluindo os alunos que destoam do regular, como os alunos com altas habilidades/superdotação – AH/SD. Com o intuito de avançar nas discussões que tratam do trabalho pedagógico sob uma perspectiva descritiva, reducionista e instrumental, propõe-se neste estudo a investigação das práticas pedagógicas a partir das relações, das contradições, dos enfrentamentos, dos alinhamentos e rupturas, que caracterizam a subjetividade humana. O objetivo principal desta pesquisa é, portanto, investigar os processos subjetivos de professores no trabalho pedagógico com alunos com AH/SD. O sistema teórico que orienta este estudo permite abordar a subjetividade em uma perspectiva complexa e dinâmica, que se configura a partir da história de vida da pessoa e dos diversos espaços sociais em que atua. A Teoria da Subjetividade, desenvolvida em uma perspectiva cultural-histórica por González Rey, é articulada às discussões que envolvem o campo da inclusão escolar e, de forma específica, do campo das AH/SD, contribuindo para o reconhecimento da singularidade como condição legítima dos processos educativos. Essa investigação apoia-se na Epistemologia Qualitativa e no método construtivo-interpretativo, também desenvolvidos pelo autor. O estudo foi realizado com uma professora que atua com alunos com AH/SD em uma escola regular em Teresina, tendo como colaboradores outros docentes, psicólogos e coordenadora pedagógica. Para a produção das informações, foram usados instrumentos escritos e orais, com a finalidade de oportunizarem processos dialógicos entre pesquisadora e participantes, como entrevistas, completamento de frases, composição, caixa de crenças, linha da vida. As informações resultantes do processo construtivo-interpretativo foram organizadas em dois eixos temáticos: aspectos constitutivos da escola favorecedores da inclusão escolar do aluno com AH/SD e os processos subjetivos configurados na ação pedagógica de uma professora junto a seus alunos com AH/SD, em uma escola regular. O estudo aponta que são aspectos favorecedores de práticas pedagógicas inclusivas em relação ao aluno com AH/SD: a produção coletiva e dialógica do trabalho pedagógico, que viabiliza ao grupo de professores a configuração de um espaço de formação mútua; a organicidade nas ações desenvolvidas pelos professores da sala comum e do AEE; o sentimento do professor de pertencimento à instituição, que favorece a sua implicação no trabalho; perceber os alunos com AH/SD como facilitadores do ensino, ao possibilitarem aprendizagens para os colegas e professores; a circulação de elevadas expectativas de aprendizagem em relação aos alunos; o trabalho pedagógico enriquecido material, cultural, social e emocionalmente dirigido a todos os alunos indiscriminadamente; a expressão do professor como sujeito nas relações e nas práticas pedagógicas; dentre outras. Desse modo, compreende-se que os processos subjetivos, em seu caráter individual e social, são importantes constituintes do trabalho pedagógico e a expressão do professor como sujeito favorece a criação de espaços sociais propiciadores de maiores aprendizagens e expressões criativas e emocionais dos alunos com AH/SD.

     

  • MARIA DO SOCORRO SANTOS LEAL PAIXÃO
  • PRÁTICAS DOCENTES EM CLASSE COMUM DE ESCOLAS REGULARES DE TERESINA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 17/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • A deficiência intelectual representa aproximadamente 50% dos educandos do público-alvo da educação especial e consiste, ao mesmo tempo, naquela que mais afeta os professores nas escolas, em razão das dificuldades e limites que impõe não só aos educandos, mas também aos docentes. A escola regular tem enfrentado grande desafio para ensinar o aluno com essa deficiência, registrando-se pouco avanço na escolaridade dessas pessoas pelo acesso a níveis baixos do conhecimento. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo, do tipo colaborativa cujo objetivo é investigar as práticas pedagógicas de professores de alunos com Deficiência Intelectual na escola regular com vistas à inclusão O estudo foi realizado em duas escolas públicas da rede municipal de Teresina (PI) e desenvolvido com seis participantes, professoras dos anos iniciais do ensino fundamental, atuando na classe comum. Foram utilizados como procedimentos metodológicos: Diagnóstico das necessidades formativas e dos conhecimentos prévios das colaboradoras; sessões de estudo denominadas Encontros colaborativos e Sessões reflexivas; e Observação colaborativa. Para produção das informações foram utilizamos a estratégia Casos de ensino e os instrumentos Questionário, Roteiro de Observação e Diário de campo.

  • MARIA ONEIDE LINO DA SILVA
  • Formação Continuada de Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental: Contribuições para a reelaboração das práticas pedagógicas em Ciências Naturais
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 15/08/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    Esta pesquisa de doutorado tem como objeto de estudo a “articulação entre a formação continuada e a prática pedagógica dos professores para o ensino de Ciências Naturais nos anos iniciais do Ensino Fundamental. O problema tem como enunciado: quais as contribuições da formação continuada para a reelaboração das práticas pedagógicas dos professores no ensino de Ciências Naturais nos anos iniciais do Ensino Fundamental? O objetivo geral do estudo é investigar as contribuições da formação continuada para a reelaboração das práticas pedagógicas dos professores no ensino de Ciências Naturais nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Os objetivos específicos são: a) analisar a formação continuada e a prática pedagógica de professores para o ensino de Ciências Naturais nos anos iniciais do Ensino Fundamental; b) caracterizar as articulações entre a formação continuada e a prática pedagógica dos professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental no ensino de Ciências Naturais; c) identificar as necessidades formativas dos professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental no ensino de Ciências Naturais, e d) desenvolver uma proposta de formação continuada em Ciências Naturais, a fim de contribuir para reelaboração das práticas pedagógicas dos professores nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Os pressupostos teóricos da pesquisa centra-se na afirmação de que: A formação continuada contribui para a reelaboração das práticas pedagógicas dos professores no ensino de Ciências Naturais nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos aspectos teóricos e metodológicos por meio da ação e reflexão crítica de suas necessidades formativas. Trata-se de uma pesquisa-ação em diálogo com autores como: André (2008); Barbier (2007); Bardin (1995), Carr e Kemmis (1986), Dick (2003), Franco (2005, 2007, 2012), Kemmis e Wilkinson (2002); Thiollent (1986, 2006); Tripp (2005), e outros. A pesquisa-ação participativa foi desenvolvida com um grupo de 05 (cinco) professoras de uma escola pública municipal de Teresina-PI, em torno de 01 (um) ano, com encontros sistemáticos por meio de ciclos de conversas e oficinas, de acordo com as necessidades formativas apontadas pelos parceiros denominados de Lírio do campo, Rosa, Girassol, Margarida e Violeta, buscando uma relação dialógica entre a formação continuada, ensino de Ciências Naturais e práticas pedagógicas no interior da escola. O corpus de análise teve como suporte a análise do conteúdo proposto por Bardin (1995). O referencial teórico que fundamentou o estudo foi: Brasil (1996, 2000, 2006, 2010, 2015, 2017), a partir dos Decretos, Leis e Diretrizes para a Educação, Carvalho e Gil Pérez (2011) e Delizoicov e Angotti (2007) – sobre o ensino de Ciências Naturais; Gatti (2010), Imbernón (2010, 2011); Mendes Sobrinho (2002, 2006, 2008, 2017), Nigro e Azevedo(2011) Nóvoa (1992, 1995); Sasseron (2013), Salles e Kovaliczn (2007), Schön (1992) - relativo à formação continuada e Libâneo (2006) e Freire (2011) – referente às práticas pedagógicas. Com base na análise percebemos que a formação continuada contribui para reelaboração das práticas pedagógicas dos professores dos anos iniciais no ensino de Ciências Naturais, por meio de reflexões críticas sobre suas práticas e de reconhecimento de suas necessidades formativas, constituindo uma atividade desafiadora, na qual requer rompimento de paradigmas tradicionais nas formas de ensinar e aprender, e adesão de práticas pedagógicas inovadoras. Entretanto, para o alcance desses desafios faz-se necessário existência de políticas públicas para a formação continuada em Ciências Naturais, além das existentes, e compreender que o ensino de Ciências Naturais além de ser um direito, contribui para o desenvolvimento integral do aluno como sujeito ativo e participativo do meio social permeado pelas intensas relações entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA).

     

     

  • CARLOS EDUARDO GONCALVES LEAL
  • A Subjetividade Social e sua Vivência na Prática Educativa com Alunos Público-Alvo da Educação Especial
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 13/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O estudo da prática educativa de professores diante de alunos público-alvo da educação especial deve superar o enfoque individualizante que dissocia essa prática do sujeito que a implementa e do cenário social e institucional no qual ocorre. A dicotomia entre o individual e o social na pesquisa científica no campo da educação especial não permite compreender a complexidade da temática. A prática educativa do professor é influenciada por fatores institucionais que se organizam além das condições objetivas, concretas, configurando-se em processos simbólico-emocionais coletivos, definidos como subjetividade social. Deste modo, este trabalho tem o objetivo geral de investigar como a subjetividade social de uma escola pública e sua vivência na prática educativa de professores da sala comum e do atendimento educacional especializado no contexto da inclusão escolar de alunos público-alvo da educação especial. A pesquisa, de natureza qualitativa, do tipo explicativa, tem como fundamento a teoria da subjetividade de González Rey e a epistemologia qualitativa desenvolvida por este autor. O cenário da pesquisa foi uma escola pública vinculada à Secretaria Estadual de Educação (SEDUC) do Estado do Piauí, localizada na cidade de Teresina. Ao todo, 11 professores participaram da investigação. Para a construção de informações, foram utilizados os seguintes procedimentos: observação participante dos momentos de coordenação pedagógica, conselho de classe e reuniões coletivas; análise dos documentos da escola; entrevista semiestruturada e sistemas conversacionais com a direção, coordenação pedagógica e professores. As informações foram analisadas com base no método construtivo-interpretativo elaborado por González Rey. A construção de informações tem gerado indicadores que permitem o levantamento de hipóteses de que a inclusão de alunos público-alvo da educação especial na escola investigada tem ocorrido com base em um modelo clínico de educação especial e com forte ênfase nos profissionais de apoio à inclusão.

     

  • SHIRLANE MARIA BATISTA DA SILVA
  • O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PROCESSO FORMATIVO: o que pensam as professoras?
  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 08/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • A fertilidade das discussões sobre a formação de professores nos leva a refletir sobre a relevância deste tema, considerando que é um tema em constante evidência e que provoca discussões e reflexões, sobre o estágio supervisionado. O presente estudo parte da seguinte questão problema: Que experiências formativas são tecidas no estágio supervisionado, na formação inicial de professores, no curso de Pedagogia, na perspectiva do aprender a ensinar? A partir deste questionamento, definimos como objetivo geral: Analisar as experiências formativas tecidas no estágio supervisionado, na formação inicial de professores, no curso de Pedagogia, na perspectiva do aprender a ensinar. A partir da questão central do estudo estabelecemos as seguintes questões norteadoras: que princípios teóricos metodológicos orientam o estágio supervisionado no processo formativo do aluno estagiário, no curso de Pedagogia? como se configuram as situações formativas no âmbito do estágio supervisionado na formação inicial, no curso de Pedagogia? o que dizem os professores formadores sobre o aprender a ensinar no estágio supervisionado? A opção em trabalhar com os professores supervisores de estágio supervisionado procurando conhecer sua trajetória formativa e a construção do ser professor de estágio supervisionado, investigando suas vivências e as contribuições para a formação inicial dos futuros professores, buscando compreender o que pensam sobre sua formação e sobre a formação de seus alunos, advém das minhas experiências e vivências enquanto professora de estágio supervisionado e pela necessidade de melhorar minha prática. Acredito que a medida que o processo de formação vai se solidificando, vão também se cristalizando novas habilidades pedagógicas.  Para concretização de nossa pesquisa iremos realizar uma investigação de natureza qualitativa, com ênfase metodológica nas narrativas. Para Richardson (2008) as pesquisas qualitativas podem se caracterizar como a tentativa de compreensão de atuações e comportamentos. Os dados da pesquisa serão obtidos através de instrumentos/técnicas de produção de dados tais como: rodas de conversas e memorial docente da formação profissional do estágio supervisionado. Os dados foram produzidos no primeiro semestre de 2017. A pesquisa teve como cenário o Centro de Estudos Superiores de Caxias – CESC/UEMA, e como interlocutoras quatro professoras de Estágio Supervisionado do Curso de Pedagogia do CESC/UEMA.  Acreditamos que as narrativas das professoras formadoras contribuem para reflexão crítica sobre o Estágio Supervisionado ressignificando os processos formativos do curso de Pedagogia do CESC/UEMA. Para construção do aporte teórico e metodológico utilizamos Brito (2015) Freire (1996), Garcia (1999) Gauthier (1998), Isaia e Bolzan (2005, 2006), Formosinho (2009), Grillo (2004), Josso (1988,2004), Nóvoa (1995,1998), Libâneo (2002), Mendes (2007, 2011), Martins (2007) Mendes (2010), Mizukami (1996), Pacheco & Flores (1999), Pereira (1996), Passeggi (2008), Pimenta (2002), Pimenta & Anastasiou (2002), Passeggi & Barbosa (2008), Poirier (1999) Sacristán (1999), Silva (2013), Souza (2008), Tardif (2006), Zabalza (2007, 2014), Zeichner (1992) dentre outros. O trabalho está estruturada em três Capítulos, introdução e conclusão. Na conclusão evidencio os resultados da pesquisa as constatações e contribuições, que o trabalho pode oferecer aos pesquisadores interessados neste tema. Deixo claro a relevância da investigação, bem como as possibilidades de aprofundamento de estudos sobre esta temática.

  • FABRÍCIA DA SILVA MACHADO
  • CAMINHAR É PRECISO: ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE CONTEXTOS FORMATIVOS EM VALORES HUMANOS E AS PRÁTICAS DE ENFRENTAMENTO AO BULLYING
  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 26/06/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente estudo parte do pressuposto de que contextos formativos que privilegiam valores humanos possibilitam práticas diferenciadas que enfrentam as situações de bullying. A investigação parte do seguinte problema: Qual a relação entre os contextos formativos que privilegiam valores humanos e as práticas diferenciadas de enfrentamento ao bullying? Tem como objetivo geral: investigar se contextos formativos constituídos por professores do Ensino Fundamental ao privilegiar valores humanos possibilitam práticas diferenciadas de enfrentamento ao bullying. Para orientar este intento foi escolhido o método Materialismo Histórico Dialético que parte da compreensão de que o homem se desenvolve mediante as condições objetivas e subjetivas produzidas sócio-historicamente, levando em consideração o movimento, o desenvolvimento e  a renovação. Assim, constitui-se nas relações sociais e na natureza, por sua vez, faz parte de um processo dialético que ao transformar a natureza também transforma a si mesmo, mediado por instrumentos técnicos e simbólicos, especialmente a linguagem. A Pesquisa-ação foi à modalidade de pesquisa que oportunizou o caráter investigativo e formativo deste trabalho, uma vez que a intenção é desenvolver condições objetivas e subjetivas para que o coletivo investigado refletisse criticamente nos contextos formativos as suas práticas, valores e teorias, tendo em vista a criação de possibilidades de práticas diferenciadas a partir da elevação do nível de consciência crítica. A pesquisa foi realizada com uma graduanda do curso de pedagogia da UFPI e com dois professores que atuam nos anos iniciais de uma escola da rede municipal de Teresina-PI que possui altos índices violências, entre os anos de 2010 a 2015, registrados nas ocorrências do Pelotão Escolar. Está fundamentado nos estudos de Marx e Engles (2002), Marx (2010; 2013); Vigotski (2010; 2009), Morin (2011), Afanásiev (1968; 1985) entre outros. O processo de produção dos dados se deu por meio do encontro coletivo e da oficina pedagógica. A análise e interpretação dos dados foram subsidiadas pela Análise Crítica do Discurso (ADC) de Ramalho e Resende (2011).  O estudo conclui que os contextos formativos comprometidos com valores humanos perpassam três perspectivas: pragmática, tecnicista e do “pensar bem”, relacionando respectivamente com as práticas utilitárias, punitiva e crítico-social. Compreendemos que as perspectivas pragmática e a tecnicista são as mais predominantes no enfrentamento ao bullying, uma vez que na primeira o professor privilegia atender as necessidades utilitárias, ou seja, aos interesses pessoais em detrimento do social, estabelecendo uma relação harmoniosa entre o professor e o aluno e privilegiando o processo de aquisição do saber do que o saber propriamente dito. Na segunda, o professor é o instrumentalizador do ensino e elenca valores humanos que garantem o controle e a ordem a fim de garantir o produto do processo de ensino e aprendizagem. Ademais, destacamos que o processo de pesquisa e formação possibilitou aos professores participantes elevarem a consciência crítica a fim de compreender a importância da perspectiva do “pensar bem”, a qual leva em consideração a tomada de decisão coletiva, livre e consciente perante os valores humanos orientadores dos contextos formativos, bem como privilegia aqueles que respaldam as necessidades produzidas historicamente e possibilitam as práticas diferenciadas de enfrentamento ao bullying.

     

     


  • CRISTIANE RÊGO DOS ANJOS
  • O TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE TERESINA NO ÂMBITO DO PROGRAMA ALFA E BETO
  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 28/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • No contexto de avanço de propostas de revisão do papel do Estado na sociedade, como esforço para a superação da crise do capitalismo, fomentou-se a construção de um novo projeto ideológico mundial, constituído por estratégias políticas, econômicas e jurídicas que se materializaram em reformas gerenciais. Nesse cenário, reconfigurou-se o papel do Estado na promoção de políticas sociais, em um intenso movimento de descentralização que envolve parcerias com a esfera privada. A educação, enquanto parte integrante dessas políticas, vivencia um processo de privatização, mediante “parcerias” público-privadas decorrentes da adoção de sistemas de ensino, estes concebidos pelos gestores como soluções educacionais para o alcance da qualidade. Em Teresina, a Secretaria Municipal de Educação estabelece contrato com o Instituto Alfa e Beto voltado à aquisição de sistemas privados de ensino – o que tem afetado as condições de trabalho dos docentes da rede municipal. A presente pesquisa tem por objetivo analisar as convergências e/ou divergências existentes entre as proposições do Programa Alfa e Beto e o Estatuto e Plano de Cargos e Salários do Magistério da Rede Municipal de Educação de Teresina-PI, no que se refere às garantias e aos direitos para o exercício do labor docente. Apoiada em uma abordagem crítica sobre a temática em foco, este estudo fomenta a discussão sobre o contexto histórico-político e econômico que fundamenta a privatização das redes educacionais públicas brasileiras, a partir do diálogo com autores como Harvey (2011, 2017), Adrião et al. (2009, 2015), Ball e Yodell (2008), Robertson e Verger (2012), Ximenes (2015), Hill (2003), Paro (2012, 2012), entre outros. O percurso metodológico sustenta-se em um estudo de caso de abordagem mista. Entre as técnicas de coleta de dados estão a análise documental, a aplicação de questionários com professores que trabalham com o Programa em discussão, além de entrevistas semiestruturadas com 19 profissionais da educação, pertencentes a quatro Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) de Teresina-PI, como professoras, diretoras e coordenadoras pedagógicas, bem como dois técnicos da SEMEC. Por se tratar de um estudo de caso, os dados foram submetidos a uma análise sem perder de vista os estudos realizados em outros contextos sobre o objeto em foco.   Entre os resultados, identificou-se que a implantação do Alfa e Beto, no âmbito da Educação Infantil, reflete um processo de privatização do tipo exógena e endógena, considerando as influências que exerce sobre a gestão dessa etapa de ensino, bem como sobre o corpo docente, no que tange aos aspectos técnicos e políticos do seu trabalho.

  • MARIA DOLORES DOS SANTOS VIEIRA
  • MARIA-JOSÉ-PODE-SER-O-QUE-QUISER: JOVENS MULHERES E AS MUTAÇÕES DO GÊNERO NA FORMAÇÃO INICIAL EM PEDAGOGIA
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 28/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • O gênero na relação com a formação inicial de jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia é o tema gerador desta pesquisa. O objetivo geral é de analisar experiências, saberes, lugares e obstáculos do gênero cartografando, sociopoeticamente, na relação com a formação inicial de jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia da UFPI. Tem como objetivos específicos: descrever experiências do gênero na relação com a formação inicial de jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia; identificar quais lugares na relação com a formação inicial de jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia o gênero ocupa; identificar os obstáculos do gênero na formação inicial de jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia; e cartografar, sociopoeticamente, experiências, saberes, lugares e obstáculos do gênero na relação com a formação inicial de jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia. Para a produção dos dados, a pesquisa utilizou a metodologia Sociopoética, prática social de construção do conhecimento, à luz da teoria de Gauthier (1998, 1999, 2003, 2005, 2012), Adad (2005, 2011, 2014), Petit (2014, 2015). A metodologia se deu em dois momentos: como pesquisa documental e como pescurso (=pesquisa+curso) sociopoético que formou as copesquisadoras em Mutagogia, possibilitando a elas pensar o gênero de diferentes jeitos na formação. Os problemas e confetos (conceitos + afetos) foram produzidos com as técnicas artísticas “Mutante do Gênero”, e seu desdobramento, “Mapa Vivo do Gênero”, que quando analisados, levam a dimensões do pensamento do grupo-pesquisador, como: “Autotransformação e descolonização de gênero na formação inicial” – as copesquisadoras apontam as contribuições do pescurso para autotransformação das feminilidades e mudanças no modo de pensar o gênero para além do instituído; “Diferentes Formações na relação com o gênero” – elas pontuam formações que excluem a diferença, que silenciam os corpos, distorcem os sentidos do gênero, tornando-o pejorativo, que têm medo, por isso se desviam, mas, também, anunciam aquelas que se misturam, reúnem e não se desviam da diferença de gênero; “Gênero nos espaços de convivência da UFPI” – potencializa espaços de convivência e descreve a UFPI como espaço de saberes múltiplos para a trajetória da formação, lugar de toque, abraços e afetos, mas que deixa de ser lugar de sabedoria e passa a ser de exclusão quando a diferença não é respeitada, não é acolhida e vista como anormalidades; e “Dificuldades da discussão de gênero na formação inicial” – faz emergir os conflitos, a falta da escuta às pessoas, as barreiras, os tabus, os medos, as exclusões, as normalizações do gênero e outros interditos da formação. Essas dimensões do pensamento do grupo-pesquisador corroboram para a tese de que as jovens mulheres discentes do curso de Pedagogia produzem saberes, experiências e lugares do gênero na formação inicial para além dos modos instituídos de ser masculino e de ser feminino e potencializam outras formas de ser, de existir, de agir, de aprender e de ensinar entre interditos no curso de Pedagogia da UFPI. Em vista disso, as copesquisadoras, ao produzirem conhecimento, criam, também, uma nova Epistemologia Feminista Sociopoética, quando relatam os seus conceitos e problemas, as suas histórias por si mesmas e do seu lugar de fala, oportunizando mutações do gênero na formação inicial.

  • EMERSON DE SOUZA FARIAS
  • ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL NA DEFESA DO DIREITO À EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO PIAUÍ
  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 28/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • A educação, por ser fundamental na construção de uma sociedade igualitária, democrática e justa, é assegurada na legislação brasileira e nos tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário, devendo, portanto, ser ofertada a toda e qualquer pessoa, enquanto direito social inalienável. Embora garantido legalmente, o direito à educação tem sido negado, sistematicamente, para os segmentos sociais que dependem das políticas públicas para a sua efetivação. O Ministério Público tem papel importante na defesa da educação, sendo necessário compreender como atua para garantir a efetividade dos direitos educacionais.  Assim, a presente investigação foi direcionada pela questão de pesquisa: como o Ministério Público do Piauí atua no sentido de resolver a contradição entre a norma jurídica e a realidade da oferta educacional, visando à garantia do direito à educação de crianças e adolescentes no Estado do Piauí?  Nesse sentido, esta pesquisa definiu como objetivo geral analisar a atuação do Ministério Público Estadual do Piauí na defesa do direito à educação da criança e do adolescente, no período de 2011 a 2016. As referências que embasaram este estudo foram: Penna (2011), Duarte (2004), Pinto (2011), Oliveira (2007), Mazzilli (2000), entre outros. A abordagem da pesquisa foi quantiqualitativa, mediante a análise documental dos processos judiciais e extrajudiciais na defesa do direito à educação. Os resultados revelaram que, pela via da atuação extrajudicial, o Ministério Público do Piauí vem sendo mais resolutivo, devido à possibilidade de diálogos com o Estado e com a sociedade e à utilização de instrumentos próprios para pressionar gestores públicos na busca de soluções para a garantia do direito à educação. Diferentemente, a atuação judicial, decorrente da lentidão dos processos no Tribunal de Justiça do Piauí, não garantiu, durante o período investigado, as finalidades para as quais se propõe. Ademais, foi identificado que o Ministério Público Estadual do Piauí, atuando judicial ou extrajudicialmente, tem dificuldade de exigir do Poder Público a solução de demandas relacionadas à qualidade na educação, em razão dos próprios entraves trazidos pelo sistema normativo, que imperam no modelo de financiamento das políticas públicas no Brasil.

  • LUANA LIMA FONSÊCA COUTO
  • “SERÁ QUE EU QUERO MESMO SER PROFESSORA?”: ANÁLISE DE SIGNIFICAÇÕES SOBRE A PRÁTICA DOCENTE E SUA RELAÇÃO COM A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE
  • Orientador : ELIANA DE SOUSA ALENCAR MARQUES
  • Data: 28/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • A constituição da identidade é processo que tem origem nas múltiplas relações que o indivíduo estabelece com a realidade, sobretudo, consigo e com as pessoas que compõem os grupos dos quais participa, se assemelhando, se diferenciando e desenvolvendo sua individualidade e a consciência de si mesmo. Partindo dessa concepção, realizou-se pesquisa com o objetivo geral de compreender as significações produzidas por uma professora da educação básica sobre a prática docente e suas relações com a constituição da sua identidade. Para o desenvolvimento dessa investigação foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos: analisar as significações que articulam os significados e sentidos produzidos por uma professora da educação básica sobre a prática docente; conhecer os principais processos que têm constituído a identidade docente; entender como os elementos da relação pedagógica medeiam a constituição da identidade docente. O referencial teórico-metodológico assentou-se  nos fundamentos e princípios do Materialismo Histórico Dialético e da Psicologia Sócio Histórica, precisamente nas obras de Marx (1983), Engels (1979), Vygotsky e Luria (1996), Vigotski (2007; 2009), Leontiev (1978) e na concepção de identidade como metamorfose, proposta por Ciampa (1985; 2005). A investigação de natureza qualitativa contou com a participação de uma professora que atua na educação básica em escola da rede estadual de educação, localizada na cidade de Teresina, no estado do Piauí. A produção dos dados foi realizada através de entrevista narrativa, para a qual buscou-se suporte em Bruner (1991) e em Bauer e Jovchelovich (2010). A análise e a interpretação dos dados foram desenvolvidas a partir dos Núcleos de Significação, procedimento metodológico proposto por Aguiar e Ozella (2006; 2013). Os resultados alcançados evidenciaram que a identidade docente se constitui a partir de processos que se desenvolvem no decorrer da vida do professor, não somente no período de exercício profissional. Dentre os determinantes histórico-sociais da profissão, destacaram-se como constituintes da identidade docente, as contradições que se revelam no processo de escolha profissional; no processo de formação inicial; no exercício inicial da profissão e, ainda, nos processos de desvalorização do professor e na sobrecarga de novas responsabilidades relacionadas a valores básicos essenciais ao processo formativo dos seres humanos, que antes eram atribuídas à família.

  • ENAYDE FERNANDES SILVA
  • As políticas públicas para o ensino primário no meio rural piauiense (1964 -1983)
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 27/02/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    Esta pesquisa teve por objetivo discutir as políticas públicas para o ensino primário rural no Estado do Piauí no período de 1964 a 1983 buscando responder à seguinte questão: Quais as políticas públicas para o ensino primário rural no estado do Piauí no período de 1964-1983? Para isso, buscamos explicitar a relação existente entre o ensino primário rural e o projeto de desenvolvimento tanto no Brasil quanto no Piauí, caracterizar os programas educacionais para o ensino primário rural no Piauí e compreender a relação dessas políticas com a cultura escolar. Situada na área de História da Educação, esta investigação se insere na corrente da História Política. Consideramos o recorte temporal inicial a data da publicação do Plano Nacional de Educação em 1964 que garantia a escolaridade mínima de quatro anos para a zona rural. No recorte final consideramos a criação do Departamento de Educação Rural (DERU) em 1983. Em relação à metodologia, optamos pela pesquisa documental e História Oral Temática. A pesquisa enfatizou   os programas Polonordeste-Educação, Promunicípio, Pronasec e Edurural. Corroborando com nossa discussão destacamos a contribuição de autores como Barros (2004), Brito (1985; 1996), Chartier (1991; 2010), Escolano (2017), Gonçalves (2015), Remond (2003), Santana (2011), Saviani (2008), Zanten (2011). Como resultados apontamos que no período de 1964 a 1989 a criação de políticas educativas para o ensino primário rural piauiense estava associada ao projeto de desenvolvimento do país e de descentralização das responsabilidades do Estado, incentivando a municipalização.

  • MARTA SUSANY MOURA CARVALHO
  • EDUCAÇÃO PIAUIENSE NAS FONTES LITERÁRIAS: DO PROFESSOR LEIGO AO PROFESSOR NORMALISTA (1910 A 1930)
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 23/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

     

     

    A temática desta dissertação concentra-se em torno das práticas educativas dos professores leigos e normalistas do Estado do Piauí. O objetivo principal é analisar como os professores leigos e normalistas do Piauí desenvolviam suas práticas educativas, no período compreendido entre as décadas de 1910 a 1930 tomando a literatura como fonte de pesquisa. No que se refere à periodização, considera-se como recorte inicial o retorno do funcionamento da Escola Normal e a sua oficialização no ano de 1910, com a promulgação da Lei de n° 548 de 30 de março de 1910, no governo de Antonino Freire e como recorte final, a década de 1930, período de consolidação dos grupos escolares como uma nova organização do ensino primário no Estado. Este trabalho é de cunho historiográfico, e o seu corpus documental é composto por biografias e autobiografias. O estudo está embasado na orientação da Nova História Cultural, seguindo as orientações teóricas de autores como Burke (1992) e Le Goff (1990); além das teorias de memória de Félix (1998), Halbwachs (1990) e Souza (2000), por fim, buscou-se fundamentação teórica sobre as pesquisas envolvendo o campo da literatura, em autores como Dosse (2009), Lopes (2004), Lopes (2006), Souza (2012), Ferro (2010), Galvão e Lopes (2010), Queiroz (2015), entre outros. As obras literárias analisadas que serviram de fontes para essa pesquisa foram: autobiografias “Impressões e perspectivas (1985)” de Luiz Mendes Ribeiro Gonçalves e “Trechos do meu caminho (1897)” de Leônidas de Castro Mello; biografia do “Professor Felismino Freitas: educação como missão e vocação (1895)“ produzida pelos seus familiares Maria Leonilia de Freitas, Francisco Newton Freitas e Francisco Antonio Freitas de Freitas; biografia de Francisco Moura, intitulada “Fortuna crítica (1933)” escrita por José Maria de A. Ramos; a biografia de “Miguel Guarani: mestre e violeiro (1910)” escrita por seu filho, Francisco Miguel de Moura; biografia “O. G. Rêgo de Carvalho – Fortuna crítica (1930)”, elaborada por Kenard Kruel; biografia de “Nilo Campelo de Matos (A história de um homem de bem), (1923)” produzida por José Bezerra Anchieta; autobiografia “O menino quase perdido (1933) de Francisco Miguel de Moura; a entrevista transformada no livro “Conversas com M. Paulo Nunes (1925), realizada por Teresinha Queiroz. Para construção do trabalho foi utilizada ainda o sentido de categorização presente na metodologia de análise de conteúdo de Bardin (1994). Verificou-se que os Professores leigos e normalistas, foram figuras importantes na história do ensino primário piauiense. Percebeu-se que os professores leigos exerciam sua prática com base na sua experiência, enquanto que os professores normalistas, utilizavam como referência os ensinamentos adquiridos na sua formação na Escola Normal. Os resultados deste trabalho vêm somar para o enriquecimento da historiografia educacional do Piauí e servir de fonte de pesquisa para outros autores que se dediquem ao estudo dessa mesma temática.

     

    Palavras-chave: História da Educação. Memória. Literatura. Normalistas. Professor Leigo.

     

     

     

     


     

     

     

  • LAURILENE CARDOSO DA SILVA LOPES
  • A FORMAÇÃO CONTINUADA NO AMBITO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA E PARA A PRÁTICA ALFABETIZADORA
  • Orientador : NEIDE CAVALCANTE GUEDES
  • Data: 23/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • O estudo tem como objetivo compreender a formação continuada no âmbito do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - PNAIC e sua contribuição para a melhoria da prática alfabetizadora no ciclo de alfabetização (1º ao 3º anos) no âmbito da disciplina de Matemática a partir do seguinte problema: como a formação continuada no âmbito do programa PNAIC contribuiu para a melhoria da prática alfabetizadora no ciclo de alfabetização (1º ao 3º anos) no âmbito da disciplina de Matemática? Partimos do pressuposto que a formação continuada é de extrema relevância para o estabelecimento de práticas exitosas capazes de viabilizar o processo de construção e reconstrução de saberes que colaboram para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem. As discussões acerca da formação continuada e do ensino que ocorre no município têm o intuito de desvelar a importância da formação continuada para a melhoria da prática docente e dos indicadores educacionais. Esta pesquisa está alicerçada nos princípios da Etnometodologia enquanto teoria do social e da Etnografia como metodologia de pesquisa por possibilitarem a cientificidade das informações coletadas (COULON, 1995). O campo empírico constitui-se de três professoras alfabetizadoras que ministram aulas nas turmas de 1º ao 3º anos de uma Escola da Rede Municipal de Caxias, estado do Maranhão. Os procedimentos metodológicos utilizados para a construção dos dados foram a observação participante, o memorial de formação e o diário de campo. Como aportes teóricos e metodológicos nos apoiamos em autores como Formosinho (2009), Imbernón (2009), Nóvoa (2009), Josso (2004), Mendes (2009), Coulon (1995), Angrosino (2009), Geertz (2012), dentre outros, além de documentos oficiais como a Lei de Diretrizes e Bases nº 9.394/96 e a Resolução nº 2 de julho de 2015 do Conselho Nacional de Educação. Na análise dos dados fizemos uso da abordagem do ciclo de políticas de Ball (2001), a partir dos contextos de influência, de produção de texto e da prática a fim de compreender o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) enquanto política pública – criação, normatização e implementação – e identificar no contexto da prática como os professores operacionalizam essa política nas suas atividades cotidianas de sala de aula. Os resultados evidenciam que as experiências de formação vivenciadas pelas professoras através do PNAIC possibilitam reflexões sobre o desenvolvimento da prática cotidiana bem como a importância da formação continuada como espaço de reflexão, consolidação e reconstrução de saberes; que a formação continuada, a partir das vivências das alfabetizadoras, possibilitou reflexões sobre as mudanças ocorridas ao longo dos anos no processo de ensinar e aprender Matemática, bem como a sua importância; e que a formação continuada se constituiu em um lugar de aprendizagem e troca de experiências a partir da mobilização dos saberes das professoras utilizados no cotidiano da prática docente.

     

  • KELLY DANIELE SANTOS SILVA BRITO
  • AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA: CONTRIBUTOS DA ANA PARA A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO DA REDE MUNICIPAL PÚBLICA DE ENSINO
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 21/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo vincula-se à linha de pesquisa “Ensino, formação de professores e práticas pedagógicas”. Na pesquisa busca-se resposta para a seguinte questão-problema: quais as contribuições da Avaliação Nacional da Alfabetização – ANA para redimensionar a prática pedagógica no Ciclo de alfabetização? Tem como objetivo geral analisar as contribuições da Avaliação Nacional da Alfabetização - ANA para redimensionar a prática pedagógica no Ciclo de alfabetização. A fundamentação do estudo tem embasamento teórico respaldado em documentos oficiais, tais como: Documento SAEB (BRASIL, 2008), Documento Básico (BRASIL, 2013), Relatório ANA 2013/2014 (BRASIL, 2015), Relatório de Ampliação do Ensino Fundamental para nove anos (BRASIL, 2004) e os PCN (BRASIL, 2000). Sobre avaliação educacional tem como referencia as contribuições de Vianna (2005), Afonso (2000), Sousa (1998) e Pontes (2004). A temática alfabetização e letramento e alfabetização matemática apoiam-se nas ideias de Barbosa (2008), Soares (2003), Ferreiro (2001), Danyluk (2015), Santos, Oliveira e Oliveira (20015) e Antunes (2007). Para compor o aporte teórico acerca das práticas pedagógicas trabalhamos com Zeichner (1993), Garcia (2003), Tardif (2001), Zabala (1998) e Souza (2009). Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa descritiva que utiliza-se como técnica de produção de dados do questionário para traçar o perfil dos sujeitos e da entrevista semiestruturada para coleta de dados sobre o objeto de estudo. A pesquisa contou com a participação de 4 professores que atuam nas turmas de 3° ano do Ensino Fundamental, 4 diretores e 4 pedagogos de quatro escolas públicas da rede municipal de Teresina/PI, sendo duas de zona rural e duas de zona urbana. Para estruturação analítica optou-se pela técnica de análise de conteúdos, a partir da concepção de Bardin (1977) e Franco (2012). O estudo revelou que há avanços nas escolas em que os resultados da avaliação em larga escala são analisados pelo coletivo escolar, a fim de propor intervenções que possam promover a aprendizagem de habilidades e o desenvolvimento de competências, a partir dos resultados alcançados.

  • JUCYELLE DA SILVA SOUSA
  • O PROFESSOR INICIANTE, EGRESSO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E O SEU FAZER PROFISSIONAL NA ESCOLA
  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 20/02/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    O início da docência é uma fase marcada por dilemas e tensões, mas ao mesmo tempo por descobertas e aprendizagens, sendo uma etapa importante na consolidação da carreira profissional docente de professores iniciantes. O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência proposto pela Capes para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para da educação Básica, tem por finalidade apoiar a iniciação à docência de estudantes de licenciatura e contribuir para a elevação do padrão de qualidade da educação pela articulação entre teoria e prática nas universidades e escolas. Nesse contexto, o presente trabalho partiu da seguinte questão problema: Como o professor iniciante, egresso do Pibid, desenvolve seu fazer profissional no contexto escolar? O objetivo geral é compreender como o professor iniciante, egresso do Pibid, desenvolve seu fazer profissional no contexto escolar. O aporte teórico da pesquisa está estruturado sob a luz das concepções de Tardif (2014), Nono (2011), Huberman (2007), Gonçalves (2007), Sacristán (1999), Garcia (1999), Cavaco (1993), Feiman (1988), que abordam sobre o inicio da docência e a construção da carreira docente. Acerca do Pibid, utilizamos Gatti e André (2014), França-Carvalho (2013), Lima (2007), além das legislações como Lei nº 12.796/2013 e o Decreto nº 7.219/2010. No que tange o fazer profissional do professor iniciante dialogamos com Sacristán (1999), Veiga (1994). O panorama metodológico da pesquisa tem como aportes as concepções de Gil (2010), Moreira e Caleffe (2008). A pesquisa é de natureza qualitativa, tipo estudo de caso, com abordagem etnometodológica (COULON, 1995). O lócus da pesquisa foi o Centro de Ensino Integrado Jacira de Oliveira e Silva. Os participantes da pesquisa foram o professor iniciante, egresso do Pibid, o coordenador pedagógico e o diretor geral. Para a coleta de dados, utilizamos entrevistas e observação participante aplicado aos participantes. Os dados foram organizados, categorizados e analisados com base na análise de conteúdo proposto por Bardin (1977) e interpretados através do método hermenêutico-interpretativo proposto por Minayo (2006). Os resultados apontam que o Programa que contribui na inserção profissional e na prática pedagógica do professor iniciante ao tempo que permite uma reelaboração da formação inicial de docentes articulando teoria e prática, de forma significativa permitindo que, os egressos tenham mais facilidade de desenvolver sua prática docente, em razão das experiências inovadoras promovidas pelo Pibid. As discussões propostas no presente estudo ampliam a compreensão acerca das contribuições de Programas de iniciação à docência como o Pibid que, ajudam a melhorar a qualidade das ações voltadas para a formação inicial de futuros professores em início de carreira e contribui para a melhoria do ensino nas escolas da Educação Básica.

  • NÚBIA SUELY CANEJO SAMPAIO
  • ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DA PROFISSÃO DOCENTE EM ARTES VISUAIS
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 06/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho dissertativo versa sobre a pesquisa realizada acerca das contribuições do estágio supervisionado para a construção da profissão docente no contexto do Curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal Piauí (UFPI). Esta pesquisa está vinculada à linha de pesquisa Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED), UFPI. A problemática desta investigação surgiu de inquietações da pesquisadora, originadas durante as vivencias no Estágio Supervisionado (ES), como estudante e, posteriormente, como professora do curso de Licenciatura em Artes Visuais. Diante do exposto, partiu-se da seguinte questão-problema: Que contribuições o Estágio Supervisionado (ES) em Artes Visuais da UFPI pode proporcionar para a construção da profissão docente? Em busca de respostas, elencou-se como objetivo geral do estudo, analisar o Estágio Supervisionado em Artes Visuais da UFPI, sob a perspectiva da construção da profissão docente.  E como objetivos específicos: caracterizar o ES do curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFPI; identificar o que dizem os docentes-supervisores e os discentes-estagiários, através de narrativas, sobre o ES em Artes Visuais da UFPI; e, compreender como o Estágio Supervisionado contribui para a construção da formação docente em Artes Visuais. Tivemos como aporte teórico sobre o Ensino e Formação de Professores em Artes Visuais: Barbosa (1998, 2002, 2008, 2015a, 2015b), Barbosa e Coutinho (2011), Coêlho, Sampaio e Pedrosa (2015), Coutinho (2002), Frange (2002), Hernández (2007), Oliveira (2005), Pedrosa (2016), Pimentel (2009), dentre outros. Aspectos do Estágio Supervisionado em Artes Visuais estão ancorados em Andrade (2005), Ghedin, Oliveira e Almeida (2015), Lampert (2005), Lima (2012), Pimenta e Lima (2010), Zabala (2014), dentre outros. No campo metodológico, foi realizado um estudo de cunho qualitativo baseado em Moreira e Moreira (2008) e Flick (2009). A coleta de dados teve como principal instrumento, a entrevista narrativa, fundamentada em Flick (2009) e Schültze (2013).  Foram oito (8) participantes, sendo dois docentes-supervisores e seis (6) discentes-estagiários, no âmbito do ES do Curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFPI. A organização dos dados empíricos em categorias e a técnica de Análise do Conteúdo realizaram-se com base em Bardin (2011). O estudo indicou que o estágio supervisionado contribui de forma decisiva para a construção da profissão docente em artes visuais.

  • BELISA MARIA DA SILVA MELO FONSÊCA
  • PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NA ESCOLA: da formação à prática pedagógica em espaços colaborativos
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 02/02/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    Nesse estudo, aborda-se a educação em saúde na prevenção ao uso de drogas na escola, a formação e prática pedagógica dos profissionais envolvidos nesse processo. Objetivando analisar a influência da formação continuada na prática pedagógica do professor de Educação de Jovens e Adultos (EJA) com vistas à prevenção ao uso de drogas no espaço escolar. No campo metodológico, optou-se pela Pesquisa-ação colaborativa, com abordagem quantitativa/qualitativa, utilizando-se como estratégias de formação o Arco de Maguerez, apoiados na Metodologia da Problematização, tendo como lócus de investigação uma escola da rede pública municipal de Parnaíba-PI, centro de referência em EJA. Participaram do estudo professores e jovens e adultos estudantes. Realizou-se estatística simples, descritiva com uso do IBM® SPSS®, versão 21.0 para tabulação e desenvolvimento de gráficos e tabelas. Para interpretação dos dados produzidos seguimos a linha de pensamento da Análise do Discurso, na perspectiva Foucaultiana. Os resultados quantitativos acerca dos estudantes e professores mostram o perfil, a situação de drogas na escola e as dimensões expressas de fatores de risco e proteção.  A análise qualitativa apontou para necessidades formativas que através da formação dos professores colaboradores, levou a prevenção à centralidade como uma prática pedagógica a ser inserida no centro do processo educativo. Isso significa dizer que não são medidas repressivas, e sim ações pedagógicas articuladas aos componentes curriculares e nas questões que implicam toda a rede social que envolve a escola. Frente os resultados, percebe-se a necessidade de uma formação contínua que possibilite os professores desenvolverem em sua prática pedagógica a prevenção ao uso de drogas.

     

  • DJANIRA DO ESPÍRITO SANTO LOPES CUNHA
  • PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CONTEXTO FORMATIVO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UM ESTUDO A PARTIR DA ANDRAGOGIA E DA TEORIA EXPERIENCIAL
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 02/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho de investigação tem como objeto de estudo, a prática pedagógica de professores nos anos iniciais do Ensino Fundamental na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA), com base na Andragogia e teoria Experiencial tendo como referência as necessidades formativas do professor e dificuldades de aprendizagem dos estudantes. A partir dessa preocupação, definiu-se o problema de pesquisa: Como a pratica pedagógica de professores, fundamentada nos princípios da andragogia e da teoria experiencial de Kolb, contribui para aprendizagem de pessoas jovens e adultas nos anos iniciais do ensino fundamental? Como objetivo geral, estabeleceu-se: Analisar como a prática pedagógica do professor, a partir dos princípios andragógicos e da teoria experiencial de Kolb, contribui para a aprendizagem de pessoas jovens e adultas, nos anos iniciais do ensino fundamental. Especificamente buscou-se: Identificar as necessidades formativas de professores que atuam na educação de pessoas jovens e adultas, nos anos iniciais do ensino fundamental; Descrever como os professores organizam as situações de aprendizagem na educação de pessoas jovens e adultas; Promover ações de intervenção, relacionadas com as necessidades de aprendizagem; Acompanhar a prática pedagógica na Educação de Jovens e Adultos na perspectiva de sua reelaboração com base na andragogia e na teoria experiencial de Kolb. Trata-se de uma pesquisa-ação colaborativa, fundamentada nos pressupostos teóricos de González Rey (2010), Flick (2009), Oliveira (2007), Kemmis e Wilkinson (1998), Desgagné (2007), Thiollent (2011). O corpus desta investigação é constituído por dados a partir de questionário e encontros formativos por meio dos Ciclos de Estudos Colaborativos (CEC) colaborativos com base organizacional no ciclo de Kolb, realizados com professores que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental na modalidade de EJA, no município de Teresina-PI. Os dados estão organizados em categorias e interpretados à luz da técnica da Análise de Discurso, a partir das concepções de Bardin (2009), Pêcheux (2008, 2009, 2012), Maingueneau (1997), Fairclough (2008), Orlandi (2003), Gracia (2004). Considerando a importância da formação voltadas para a EJA, bem como a compreensão das estratégias de ensino e aprendizagem a partir da teoria experiencial, nos apoiamos nas formulações teórico-conceituais de Knowles; Holton III; Swanson (2009), Finger; Asún (2003), DeAquino (2007); Kolb (1984, 2014), Freire (1987); Moura (2003, 2015), Baquero (2004), Barcelos (2010), Paiva (2003), entre outros. Os resultados apontam a necessidade de considerarmos a formação continuada e especifica aos professores que atuam na Educação de Jovens e Adultos, o tipo de estudante, bem como possibilidades de conteúdo e orientações didáticas.

     

2017
Descrição
  • SANDRA LIMA DE VASCONCELOS RAMOS
  • A Tecitura da Educação Inclusiva na Docência Superior: uma trama colorida por narrativas de formação
  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 21/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, de forma mais intensa na última década do século XX e início deste século, as escolas têm vivenciado grandes dificuldades relacionadas à inserção de alunos com deficiência no sistema regular de ensino. Enquanto determinação legal, a matrícula desses alunos tornou-se uma realidade e, em todos os níveis de ensino, é cobrada dos professores a responsabilidade de incluir a todos na escola, inclusive os alunos com deficiência. Essa responsabilidade imputada aos professores gerou uma nova demanda em sua formação: que o curso de Pedagogia seja capaz de formar professores aptos a realizar uma efetiva inclusão escolar. Em consequência, os professores do Curso de Pedagogia têm sido desafiados a adequarem suas práticas educativas em função dessa demanda. A reflexão sobre o tema inspirou o objetivo deste estudo: investigar como os professores do Curso de Pedagogia têm conduzido sua prática educativa, na perspectiva de formar professores capazes de realizarem a inclusão escolar de alunos com deficiência. As ideias de Nóvoa (1995), Imbernón (2010), Franco (2009), Carvalho (2011), Castanho e Freitas (2005), Glat e Pletsch (2004), Mantoan (2001, 2006), Mendes (2010) e Veiga (2014) serviram de arcabouço teórico para fundamentar a defesa da seguinte tese: a prática educativa dos professores de Pedagogia com vistas em formar professores aptos a viabilizar a inclusão escolar, está condicionada a uma formação continuada que atenda às necessidades formativas desses professores formadores, relativas aos princípios e fundamentos teórico-metodológicos da Educação Inclusiva. Como orientação metodológica, este estudo encontrou suporte no método autobiográfico, tendo como metodologia a pesquisa narrativa. Foram utilizadas como técnicas de produção de dados o Memorial de Formação e o Grupo de Discussão. Foram selecionados como interlocutores da pesquisa seis professores do Curso de Pedagogia da UFPI. A opção pela realização da pesquisa narrativa ofereceu aos sujeitos pesquisados a oportunidade de revisitarem o ato de ensinar, proporcionando maior aprofundamento sobre seus processos formativos no que se refere às práticas educativas na perspectiva da Educação Inclusiva. A relevância da pesquisa encontra-se na necessidade emergente de ouvir os professores formadores de professores sobre suas demandas formativas e sobre sua atualização profissional no que concerne à Educação Inclusiva, considerando que os mesmos estão em constante processo de formação e que devem acompanhar às inovações da docência superior no sentido de atender às inovações educacionais. Os dados produzidos foram tratados através da técnica de análise de conteúdo, com base na proposta de Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). Os resultados da pesquisa revelaram que mesmo aqueles professores que ministram disciplinas relacionadas a temática e que realizam estudos e pesquisas na área, sentem-se inseguros em sua prática educativa no que se refere a como orientar seus alunos, futuros professores, a realizarem a inclusão escolar. No âmbito das disciplinas ministradas pelos interlocutores da pesquisa, são observadas apenas iniciativas isoladas de adequação do currículo à proposta inclusiva de educação. Entre outros indicativos, a constatação de que os professores de Pedagogia desconhecem ou conhecem superficialmente aspectos importantes inerentes aos processos de planejamento e avaliação no contexto inclusivo, como por exemplo, as adaptações curriculares, as flexibilizações didáticas, as tecnologias assistivas e os instrumentos diferenciados de avaliação, confirmam a tese levantada.

  • ADÉLIA MEIRELES DE DEUS
  • Formação continuada e os formadores de professores dos anos iniciais: das teorias e das práticas
  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O contexto da formação de professores, na atualidade, sinaliza que a formação do professor é convidada a se apresentar em um processo que o desenvolvimento humano do professor é emancipatório, e o percurso formativo ancorado nesse princípio tem os objetivos pensados para a construção do sucesso escolar e inclusão, como preceito e comprometimento social. O itinerário formativo do professor requer projetos que trilhem uma trajetória orientada para a transformação dos sujeitos envolvidos num movimento de construir e reconstruir experiências, refletir criticamente sobre preceitos formativos e produzir espaço para uma compreensão da sua própria prática pedagógica. Ao falar em formação de professores, compreendemos a importância de se discutir a formação continuada no sentido de ser um processo que permita ao professor um movimento de agir em busca de um conhecimento que não se apresente como uma simples realização prática de uma teoria qualquer, mas num movimento que necessita de um esforço de reelaboração na expectativa de responder aos dilemas pessoais, sociais e culturais do seu trabalho docente. O presente estudo de doutoramento está vinculado à linha de pesquisa Formação Docente e Prática Educativa, tem como objeto de investigação a questão problema: Quais os aspectos teóricos e práticos que orientam a atuação de formadores de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental? Nessa direção, define como objetivo geral analisar aspectos teóricos e práticos que orientam a atuação de formadores de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Alicerçado neste objetivo, desenvolve-se a partir das seguintes questões norteadoras: Quais concepções de formação continuada orientam as práticas desenvolvidas por formadores de professores? Que práticas de formação continuada são desenvolvidas pelos formadores com professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental? Quais as condições de desenvolvimentos da atuação de formadores na formação continuada de professores? Quais necessidades formativas de professores são consideradas pelos formadores de professores para desenvolvimento das ações de formação continuada? Empreende um diálogo teórico com Nóvoa (1995), Imbernón (2010), Garcia (2009), Brito (2006), Mendes Sobrinho (2006), Souza (2006), Josso (2004), Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999), entre outros. Utiliza a Narrativa Autobiográfica como princípio metodológico. A metodologia é fundamentada nas narrativas porque oportuniza extrai aspectos objetivos das experiências narradas que desvelam elementos sobre as dimensões teóricas e práticas que orientam a atuação de formadores de professores. Estabelece como instrumento e técnica de produção de dados, respectivamente, o memorial e a entrevista semiestruturada. Tem como interlocutoras quatro formadoras de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Desenvolve a análise de dados a partir do método de análise de conteúdo das narrativas, proposta por Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999), mediante o apoio de cinco unidades temáticas: 1) Concepções do formador sobre a formação continuada; 2) Caracterização do desenvolvimento da formação continuada; 3) Formação continuada e necessidades formativas de professores; 4) Condições de desenvolvimento da atuação de formadores na formação continuada de professores; e 5) Formação dos formadores de professores. Os resultados da pesquisa apontam que a formação se respalda na racionalidade técnica, ou seja, aderi à práxis imitativa. Desvela, também, que as formações tem a perspectiva de situações práticas, que não possibilitam a construção de saberes mediante mobilização de conhecimentos teóricos. A proposição da tese se confirmou com o desenvolvimento do estudo, a inserção de formadores de professores em contexto de formação continuada em que a teoria e a prática não sejam consideradas elementos indissociáveis, não possibilita uma reflexão – crítica transformadora sobre sua ação, seu trabalho e as circunstâncias sociais e históricas de sua prática.

     

     


  • CARLOS ALBERTO LIMA DE OLIVEIRA PÁDUA
  • PROFISSÃO DOCENTE: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR INICIANTE E A APRENDIZAGEM DA CULTURA ESCOLAR
  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 18/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • O professor iniciante ao desenvolver suas atividades na instituição da Educação Básica, depara-se com o cotidiano da profissão docente e com a aprendizagem da cultura escolar. A partir deste contexto, construímos o seguinte problema de pesquisa: como ocorre a aprendizagem da cultura escolar no início da profissão docente? A investigação tem como objetivo geral compreender como ocorre a aprendizagem da cultura escolar no início da profissão docente. e como objetivos específicos descrever a cultura escolar, caracterizar o início da profissão docente no contexto da cultura escolar e identificar os aspectos que facilitam e/ou dificultam a aprendizagem da cultura escolar no início da profissão docente. A pesquisa está fundamentada teoricamente de acordo com as seguintes proposições: sobre profissão docente, a partir das reflexões baseadas em Brasil (1996), Gonçalves (2000) e Huberman (2000), Nóvoa (2000), França-Carvalho (2007), Tardif (2008) e outros, já sobre cultura escolar, através dos contributos alicerçados em Forquin (1993), Vinão Frago (1995), Perrenoud (2000), Gonçalves e Faria Filho (2005), Vidal (2005), Silva (2006), Faria Filho (2007), França-Carvalho (2007), Pol et al (2007) e outros. A metodologia encontra-se estruturada com o enfoque da pesquisa qualitativa, através da abordagem da etnometodologia e do estudo de caso. Os procedimentos metodológicos foram a observação, entrevista, questionário e diário de campo, com a participação de três profissionais de uma escola pública do município de Teresina-PI, sendo uma diretora escolar, coordenadora pedagógica e um professor iniciante (que deveria ter até dois anos de experiência e que não tivesse participado do Programa de Iniciação a Docência – PIBID). Percebe-se que na primeira categoria, ou seja, profissão docente, o professor no início do exercício de sua carreira na Educação Básica, depara-se com os elementos facilitadores, dificultadores e alguns desafios, e que o mesmo desenvolve durante a relação ensino e aprendizagem variadas competências para melhorar o seu papel, dar vida ao conteúdo, planejar as metodologias mesmo no solilóquio e avaliar o processo. Na segunda categoria, isto é, cultura escolar, verifica-se o trabalho desenvolvido entre a escola e o professor iniciante, em que juntos (gestão e o referido professor) buscam caminhar juntos para melhorar o trabalho colaborativo, e que no clima organizacional é necessária uma relação entre toda comunidade escolar para que as ações educativas sejam alcançadas.

  • CAMILA OLIVEIRA NEVES
  • EXPANSÃO DA ESCOLARIZAÇÃO PRIMÁRIA PÚBLICA PIAUIENSE (1900-1946)
  • Orientador : EDNARDO MONTEIRO GONZAGA DO MONTI
  • Data: 15/12/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente estudo tem como foco a expansão da escolarização primaria pública no Piauí no período de 1900 a 1946. O corpus documental é constituído por Relatórios Educacionais, Mensagens Governamentais, Legislações Educacionais, documentos da Direção da Instrução Pública, Regulamentos da Instrução Pública e Anuários Estatísticos do Brasil produzidos pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE). O objetivo geral diz respeito a interpretação dos dados divulgados local e nacionalmente sobre o citado nível de ensino. O estudo tem embasamento teórico-metodológico na Nova História Cultural. A pesquisa aqui exposta é de natureza qualitativa do tipo documental e bibliográfica tendo a análise de conteúdo como horizonte metodológico, especificamente, a ideia de categorização para análise dos documentos. Adotamos como aporte teórico: Burke (1992), Lopes & Galvão (2001), Brito (1996), Ferro (1996), Le Goff (2003), Bosi (1994), Félix (1998), Bardin (1977), dentre outros. Para efetivação da pesquisa foram realizadas visitas ao Arquivo Público do Estado do Piauí ‘Casa Anísio Brito’ para levantamento e organização das fontes. O recorte escolhido inicia-se no ano de 1900, data a partir da qual se evidenciam os discursos em torno da educação como elemento de renovação da sociedade, no sentido de emancipar as atividades dos sujeitos levando-os a transformar a sociedade. O discurso dos governantes a partir de então seria o de educar o povo para integrá-lo `a nação. O recorte estende-se até o ano de 1946 data da promulgação da Lei Orgânica do Ensino Primário. Percebe-se que no período analisado o tema recorrente é a oferta de condições mínimas de funcionamento das escolas e de ampliação do acesso à educação (quantidade). Apesar das dificuldades que perpassaram os âmbitos administrativos e até as questões relacionadas à falta de recursos humanos, neste período há a consolidação e sistematização do ensino, sobretudo primário. Acredita-se que esta análise proporciona reflexões sobre o ensino primário no estado permitindo o dialogo com novas pesquisas, interpretações e a compreensão do atual momento educativo, bem como permitindo vislumbrar alternativas de melhoria para o progresso do mesmo. 

  • MARIA DE JESUS ASSUNÇÃO E SILVA
  • FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUAS RELAÇÕES COM A REELABORAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE
  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 15/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A educação infantil se configura como uma etapa educacional representativa ao desenvolvimento da criança na educação básica, pois possibilita o desenvolvimento dos aspectos cognitivos, sociais, psicológicos, motores, entre outros. A figura do professor assume grande responsabilidade nesta modalidade de educação, o que implica preocupar-se com o educar, o cuidar e o brincar, assumindo para tanto uma competência polivalente no âmbito da prática docente. O estudo tem como objeto, as relações da formação continuada de professores da educação infantil para a reelaboração da prática docente e parte da seguinte questão de pesquisa: Quais as relações da formação continuada de professores da educação infantil com a reelaboração da prática docente? O estudo em pauta tem como objetivo geral, analisar as relações da formação continuada de professores da educação infantil com a reelaboração da prática docente. A compreensão do fenômeno investigado aponta para as seguintes questões norteadoras: Como os professores da educação infantil concebem a formação continuada? Na perspectiva da formação continuada, como se formam os professores da educação infantil? Quais as aproximações e/ou distanciamentos da formação continuada com as demandas da prática docente na educação infantil? Quais as contribuições da formação continuada para a revisitação do ser professor na educação infantil? Para empreender o desenvolvimento das reflexões teóricas sobre educação infantil utilizou-se Ariès (2004|), Didonet (2001), Kramer (1984, 1994, 2003), dentre outros. Em relação à formação de professores e prática docente, o estudo apoia-se em Adorno (2011), Behrens (2015), Freire (1996, 2013), Giroux (1997), Mclaren (1991), Nóvoa (1995), dentre outros. Para abordar o desenvolvimento das reflexões metodológicas, o estudo tem como referência as contribuições de Ferrarotti (2010), Poirrier, Clapier-Valladon, Raybaut (1999), Weller (2014), dentre outros. O desenvolvimento metodológico da investigação pauta-se na pesquisa narrativa com o apoio do método autobiográfico. Esse tipo de pesquisa torna possível a compreensão dos significados situacionais da vida profissional dos sujeitos envolvidos. A produção dos dados se deu a partir da escritura de memoriais formativos e dos grupos de discussão acerca da problemática investigada, por constituírem ferramentas importantes para reflexão sobre o objeto de estudo. Participam da pesquisa, sete professoras de sete Centros Municipais de Educação Infantil da cidade de Teresina. Como constatações parciais o estudo aponta que para reelaboração da prática docente necessita-se que a formação continuada, apresente múltiplas possibilidades, a partir de teorizações e inter-relações sociais.

  • ANA GABRIELA NUNES FERNANDES
  • A prática pedagógica na Educação Infantil mediada por conceitos da disciplina Psicologia da Educação: realidade e possibilidade na dialética apropriação e objetivação
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 13/12/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    Apresenta-se nessa pesquisa a análise sobre a prática pedagógica de duas professoras da Educação Infantil, destacando a mediação dos conceitos da disciplina Psicologia da Educação na constituição das referidas práticas. Propõe-se a seguinte questão de pesquisa: Como vêm acontecendo o processo de objetivação dos conceitos apropriados na disciplina Psicologia da Educação na prática pedagógica de professores da Educação Infantil? Neste estudo, defende-se a tese de que a prática pedagógica do professor da Educação Infantil tem possibilidade de ser mediada pela objetivação dos conceitos da disciplina Psicologia da Educação que foram apropriados nos processos formativos. Essa possibilidade converte-se em realidade quando o professor produz significações e as objetiva, orientando assim o desenvolvimento da práxis.  O objetivo geral proposto é: analisar o processo de objetivação dos conceitos apropriados na disciplina Psicologia da Educação que medeiam a prática pedagógica de professores da Educação Infantil. Para isto, apresenta-se como aporte teórico a Psicologia Sócio-Histórica, destacando categorias como consciência e atividade, sentidos e significados, pois o sujeito se constitui nas relações com o meio, sendo ele síntese dessas múltiplas determinações. A pesquisa segue as orientações do método Materialismo Histórico e Dialético, buscando investigar o objeto em sua totalidade, com base nas categorias apropriação e objetivação, historicidade, mediação, possibilidade e realidade e práxis. A pesquisa foi realizada com duas professoras que atuam em escolas da rede pública municipal de Teresina na Educação Infantil, em que se utilizou como instrumentos entrevistas formativas mediadas pela reflexão sobre as vivências, que nos possibilitaram realizar a síntese dos processos vivenciados pelas professoras em seus movimentos constitutivos, articulados à compreensão da atividade desenvolvida por elas. A análise das entrevistas foi realizada com base nos Núcleos de Significação. Os núcleos constituídos possibilitaram análise dos motivos para escolha e permanência na docência; o movimento de apropriação e objetivação dos conteúdos da Psicologia da Educação e as relações entre formação docente e prática pedagógica constituídas pelas professoras. A análise revelou indicativos de apropriação de conteúdos da disciplina, embora algumas vezes, as professoras não nomeiem esses conceitos de forma direta, revelando, com isso, as contradições presentes na dialética entre objetivação dos conteúdos presentes na prática e o processo formativo. As significações das professoras sobre suas práticas pedagógicas revelam encantamento pela docência, em contradição com a reflexão acerca das condições objetivas de atuação na rede pública e com as situações sociais de desenvolvimento vivenciadas, que possibilitam uma análise mais crítica diante de aspectos políticos e sociais que interferem diretamente no processo ensino aprendizagem e vão constituindo singularmente seus desenvolvimentos profissionais. A discussão acerca das zonas de sentido produzidas pelas professoras possibilitou a confirmação da tese e contribui para a constituição de possibilidades de discussão crítica sobre a unidade formação docente e prática pedagógica, ao revelarem a apropriação das teorias psicológicas, seguindo o ideário pragmatista, o que revela as questões ideológicas presentes no processo formativo que são objetivadas nas ações que constituem a prática pedagógica.


  • AMADA DE CÁSSIA CAMPOS REIS
  • O ENSINO SECUNDÁRIO GINASIAL NO PIAUÍ REPUBLICANO: revelando a cultura escolar do Ginásio Municipal Oeirense (1952-1969)
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 11/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO
    Este trabalho está inserido no campo da História da Educação e apresenta resultados de uma análise histórica sobre o ensino secundário no Piauí, com destaque para os ginásios, tomando como base o estudo da cultura escolar manifestada no interior do Ginásio Municipal Oeirense - GMO. Segue as orientações teórico-metodológicas preconizadas pelo paradigma da Nova História Cultural e envereda pelo recorte temático da história das instituições escolares, optando pela cultura escolar como eixo norteador da pesquisa. Diante da ausência de uma maior sistematização das fontes que registrem o passado do ensino secundário no Piauí, e revelem a cultura escolar dos ginásios, de forma particular do GMO, constata-se o desafio que levou ao problema desta pesquisa: Como historicamente o ensino secundário se configurou no Piauí, de forma particular os ginásios republicanos, tomando como modelo a cultura escolar manifestada no Ginásio Municipal Oeirense? Na busca de respostas para tal problema elegeu-se como objetivo geral desse estudo analisar historicamente a configuração do ensino secundário no Piauí, destacando os ginásios republicanos através da revelação da cultura escolar manifestada no GMO. O recorte temporal escolhido para essa investigação recai sobre o período limite que se estendeu do ano de 1952 a 1969, marcos esses referentes, respectivamente, ao surgimento e ao fim do GMO. Porém, para melhor compreensão dos fatos ocorridos nesse período, houve a necessidade de um recuo no recorte estabelecido. Apóia-se teoricamente nas idéias de Le Goff (2003), Chartier (1990), Burke (1991, 1992, 2004, 2008), Halbwachs (1990), Thompson (1992), Certeau (2003), Julia (2001), Magalhães (1996, 1998, 1999, 2004), Buffa (2002, 2007), Nosella e Buffa (2005, 2009) Gatti Júnior (2002), Dallabrida (2009), Saviani (2007), Haidar (2008), Monarcha (2005), Ferro (1996), Lopes (2013), Reis (2009) dentre outros. Faz-se uso dos procedimentos metodológicos da pesquisa bibliográfica, documental e da história oral, empregando uma abordagem qualitativa no tratamento de fontes variadas localizadas nas bibliotecas e arquivos públicos e nos depoimentos dos ex-alunos e ex-professores do GMO, obtidos através de entrevistas e por meio de ferramentas virtuais on-line. Com essa pesquisa procura-se preencher uma das lacunas existente na história da educação do Estado do Piauí e da cidade de Oeiras, uma vez que estudos voltados para essa temática carecem ser realizados e aprofundados apresentando mais detalhes que dêem conta de suas particularidades. A análise histórica realizada nesse trabalho conduz à comprovação da tese de que a cultura escolar produzida no interior dos ginásios piauienses a exemplo do Ginásio Municipal Oeirense, foi gerada como parte de um projeto de modernidade empenhado por toda nação e estava imbuída do propósito de formar a elite republicana piauiense e oeirense para atuarem em setores de destaque na sociedade.
    PALAVRAS-CHAVE: História da Educação. Instituição Escolar. Cultura Escolar. Ensino Secundário. Curso Ginasial.
    ABSTRACT
    This work is part of the History of Education field and presents the results of a historical analysis on secondary education in Piauí, with emphasis on the gymnasiums, based on the study of school culture manifested inside the Municipal Gymnasium Oeirense - MGO. It follows the theoretical-methodological guidelines advocated by the paradigm of New Cultural History and includes the thematic clipping of history of school institutions, choosing for school culture as the guiding axis of the research. Given the absence of a greater systematization of sources that record the past of secondary education in Piauí, and reveal the school culture of gymnasia, particularly the GMO, the following is verified as the challenge that led to the problem of this research: How historically the secondary education was configured in Piauí, particularly the republican gymnasia, taking as a model the school culture manifested in the Municipal Gymnasium Oeirense? In the search for answers to this problem, it was chosen as the general objective of this study to analyze historically the configuration of secondary education in Piauí, highlighting the republican gymnasia through the revelation of the school culture manifested in the MGO. The time cut chosen for this investigation falls on the time limit that extended from the year 1952 to 1969, which marks, respectively, the emergence and end of the MGO. However, in order to better understand the facts that occurred during this period, there was the need of retreating from the established cut. It is theoretically based on the ideas of Le Goff (2003), Chartier (1990), Burke (1991, 1992, 2004, 2008), Halbwachs (1990), Thompson (1992), Certeau (2003), Julia (2004), Buffa (2002, 2007), Nosella and Buffa (2005, 2009), Gatti Júnior (2002), Dallabrida (2009), Saviani (2007), Haidar (2008) and Monarcha, Ferro (1996), Lopes (2013), Reis (2009) and others. There were used methodological procedures of bibliographic, documentary and oral history research, employing a qualitative approach in the treatment of various sources located in public libraries and archives and in the testimonies of former students and former MGO teachers, obtained through interviews and through online virtual tools. This research seeks to fill one of the gaps in the history of education in the state of Piauí and the city of Oeiras, once the studies on this theme need to be carried out in a more detailed way, presenting details that reveal their particularities. The historical analysis carried out in this work leads to the confirmation of the thesis that the school culture produced in the interiors of the Piauí gymnasia, like the Municipal Gymnasium Oeirense, was generated as part of a project of modernity committed by all nation and was imbued with the purpose of forming the republican elite of Piauí and Oeiras to work in leading sectors of society.
    KEYWORDS: History of Education. School Institution. School Culture. Secondary Education. Gymnasium.
    RESUMEN
    Este trabajo está inserto en el campo de la Historia de la Educación y presenta resultados de un análisis histórico sobre la enseñanza secundaria en Piauí, con destaque para los gimnasios, tomando como base el estudio de la cultura escolar manifestada en el interior del Gimnasio Municipal Oeirense - GMO. Sigue las orientaciones teórico-metodológicas preconizadas por el paradigma de la Nueva Historia Cultural y encaminase por el recorte temático de la historia de las instituciones escolares, optando por la cultura escolar como eje orientador de la investigación. Ante la ausencia de una mayor sistematización de las fuentes que registran el pasado de la enseñanza secundaria en Piauí, y revelan la cultura escolar de los gimnasios, de forma particular del GMO, se constata el desafío que llevó al problema de esta investigación: Como históricamente la enseñanza secundaria se configuró en Piauí, de forma particular los gimnasios republicanos, tomando como modelo la cultura escolar manifestada en el Gimnasio Municipal Oeirense? En la búsqueda de respuestas para tal problema se eligió como objetivo general de ese estudio analizar históricamente la configuración de la enseñanza secundaria en Piauí, destacando los gimnasios republicanos a través de la revelación de la cultura escolar manifestada en el GMO. El recorte temporal escogido para esa investigación recae sobre el período límite que se extendió del año 1952 a 1969, marcos referentes, respectivamente, al surgimiento y al final del GMO. Sin embargo, para una mejor comprensión de los hechos ocurridos en ese período, hubo la necesidad de un retroceso en el recorte establecido. Se apoya teóricamente en las ideas de LeGoff (2003), Chartier (1990), Burke (1991, 1992, 2004, 2008), Halbwachs (1990), Thompson (1992), Certeau (2003), Julia (2001), Magalhães (1996, 1998, 1999, 2004), Buffa (2002, 2007), Nosella e Buffa (2005, 2009) Gatti Júnior (2002), Dallabrida (2009), Saviani (2007), Haidar (2008), Monarcha (2005), Ferro (1996), Lopes (2013), Reis (2009) entre otros. Se utiliza de los procedimientos metodológicos de la investigación bibliográfica, documental y de la historia oral, empleando un abordaje cualitativo en el tratamiento de fuentes variadas localizadas en las bibliotecas y archivos públicos y en los testimonios de los ex alumnos y ex profesores del GMO, obtenidos a través de entrevistas y por medio de herramientas virtuales en línea. Con esta investigación se busca llenar una de las brechas existente en la historia de la educación del Estado de Piauí y de la ciudad de Oeiras, una vez que estudios orientados hacia esa temática carecen ser realizados y profundizados presentando más detalles que den cuenta de sus particularidades. El análisis histórico realizado en ese trabajo conduce a la comprobación de la tesis de que la cultura escolar producida en el interior de los gimnasios de Piauí, a ejemplo del Gimnasio Municipal Oeirense, fue generada como parte de un proyecto de modernidad empeñado por toda la nación y estaba imbuida del propósito de formar la elite republicana de Piauí y de Oeiras para actuar en sectores de destaque en la sociedad.
    PALABRAS CLAVE: Historia de la Educación. Institución Escolar. Cultura Escolar. Enseñanza secundaria. Curso de Gimnasio.

  • MARIA DO DESTERRO MELO DA ROCHA NOGUEIRA BARROS
  • FORMAÇÃO CONTINUADA: contributos para a prática educativa dos coordenadores pedagógicos no contexto escolar
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 08/11/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    A presente dissertação tem como objeto de estudo a relação formação continuada e prática educativa do coordenador pedagógico no contexto escolar, elegendo-se a seguinte questão-problema: Quais as contribuições da formação continuada para a prática educativa do coordenador pedagógico no contexto escolar? Parte do pressuposto de que o coordenador pedagógico tem o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem um processo de ensino e aprendizagem de qualidade. A pesquisa proposta tem o objetivo principal de analisar as contribuições da formação continuada para a prática do coordenador pedagógico no contexto escolar. A discussão fundamenta-se teoricamente em Placco, Almeida e Souza (2012; 2015; 2001) que enfatizam ser o coordenador pedagógico membro da equipe gestora da escola, desenvolvendo importante papel na mediação e integração dos processos educativos; em Imbernón (2010) e Garcia (1999) que compreendem a formação continuada como fundamental em qualquer instituição educacional para melhorar a qualidade de ensino; Nóvoa (1992; 1995; 2002), Vasconcelos (2009) e Garrido (2007) que argumentam que os processos formativos como importantes para articular a teoria e a prática docente, superando problemas, propiciando condições para o desenvolvimento dos profissionais, tornando-os autores de suas próprias práticas. O direcionamento metodológico inclui-se na abordagem qualitativa narrativa, tendo como referencial teórico Godoy (1995), Creswell (2014), Minayo (2001) e outros. Os dados foram produzidos com o emprego de dois instrumentos de coleta de dados: Diários de Aula na perspectiva de Zabalza (2004) e as Rodas de Conversas, considerando as orientações de Warschauer (2004) e Brito e Santana (2014). Os dados serão organizados em categoriais e, em seguida analisados com o apoio da técnica de análise de conteúdo com base em Bardin (2016). O campo de pesquisa foram escolas do Sistema Municipal Educação do Município de Castelo do Piauí. Os sujeitos foram 06 (seis) coordenadores pedagógicos que atuam na função a mais de cinco anos. Ao concluir as análises é que as formações em serviços e as formações genéricas contribuem de maneira significativa para o melhoramento da prática pedagógica dos coordenadores. Nesse sentido, o curso de formação continuada contribui para que os profissionais que os coordenadores pedagógicos desenvolvam um trabalho articulado e integrador dos processos educativos. Assim, o coordenador pedagógico precisa ser bem formado, o currículo dessa formação precisa dispor de conhecimentos, reflexões e práticas que possibilitem este profissional conhecer e intervir na escola, favorecendo a construção de um ambiente educativo capaz de promover o desenvolvimento da aprendizagem, do conhecimento, do trabalho coletivo e interdisciplinar, da ética e da cidadania, na perspectiva de uma educação e uma sociedade cada vez mais inclusiva.


  • SUÊNYA MARLEY MOURÃO BATISTA
  • A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO CURSO DE DIREITO E AS POSSIBILIDADES DE DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DOCENTE REFLEXIVA CRÍTICA
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 27/10/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo aborda a formação de professores a partir da singularidade dos professores bachareis que atuam no Curso de Bacharelado em Direito visando compreender a percurso formativo e suas relações com o desenvolvimento da prática docente reflexiva crítica. A investigação parte do seguinte problema: quais as possibilidades do desenvolvimento da prática docente reflexiva crítica a partir da formação continuada de professores do Curso de Direito? Estabelecemos como objetivo geral: analisar as possibilidades de desenvolvimento da prática docente reflexiva crítica a partir da formação continuada de professores do Curso de Direito. Para o alcance do objetivo proposto, estabelecemos como objetivos específicos: conhecer as contribuições da formação inicial para o exercício da docência em Direito; contextualizar a formação continuada dos professores do Curso de Direito; caracterizar a prática docente dos professores do Curso de Direito; identificar os investimentos formativos dos professores do Curso de Direito para a vivência da prática docente e analisar as contribuições da prática docente reflexiva crítica no exercício da docência no Curso de Direito. A pesquisa apoia-se na tese de que a formação continuada de professores do Curso de Direito em contextos de (auto)formação e formação coletiva ancorada predominantemente pela orientação social-reconstrucionista possibilita o desenvolvimento da prática docente reflexiva crítica oportunizando a superação da crise no ensino jurídico por meio da formação de cidadãos críticos que compreendam o Direito como instrumento de justiça social. Este estudo vincula-se teoricamente aos preceitos da teoria crítica, pautando-se, principalmente, nas contribuições de Freire (2013), McLaren (1997) e Giroux (1997). Para o desenvolvimento da pesquisa optamos pelo método (auto)biográfico por meio da pesquisa narrativa. No processo de produção de dados utilizamos o memorial de formação e a entrevista reflexiva, tendo como interlocutores 06 (seis) professores do Curso de Bacharelado em Direito de uma Instituição de Ensino Superior (IES) privada de Teresina-PI. Para organização e interpretação dos dados utilizamos os pressupostos da análise de conteúdo, empregando como referencial básico as ideias de Bardin (2011) e Poirier, Vatladon e Raybaut (1999). Para construção do aporte teórico e metodológico utilizamos Ribeiro Junior (2001), Iocohama (2011), Mossini (2010), Nóvoa (1991, 1992), Garcia (1999), Mendes Sobrinho (2006), Souza (2012), Veiga (2013), Pimenta e Anastasiou (2010), Freire (2013), Liberali (2008), Connely e Clandini (1995, 2011), Passeggi (2000, 2008), Josso (2004, 2010), Souza (2006), Brito (2010), dentre outros. A tese proposta se confirma na investigação e as considerações finais enunciam que a formação continuada de professores de Direito a partir de uma abordagem crítica consubstanciada na orientação social-reconstrucionista possibilita o desenvolvimento da prática docente reflexiva crítica. Constatamos que é preciso ampliar os espaços que considerem esta perspectiva formativa, principalmente no âmbito das instituições de ensino superior privadas, a fim de se oferecerem condições para a formação de cidadãos críticos comprometidos com a construção do Direito como instrumento de justiça social.

     

  • ARIOSTO MOURA DA SILVA
  • EDUCAÇÃO SOCIAL E ESCOLAR, ALÉM DA LUTA PELA TERRA: o Quilombo de Sítio Velho, Piauí.
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 26/09/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente trabalho desenvolvido no município de Assunção do Piauí tem como espaço delimitado a comunidade remanescente de quilombo Sítio Velho. A tese da pesquisa consiste em demonstrar, que os processos de educação social e escolar, utilizam uma variedade de mediações para potencializar a coesão interna da comunidade quilombola para além da questão da terra. Deste modo, o estudo objetiva investigar como as políticas educacionais baseadas nos elementos raciais e culturais contribuem para a compreensão dos processos de educação social e escolar como formas de fortalecer a coesão interna do quilombo para além da narrativa comum da luta pela terra. Especificamente, propõe identificar as políticas educacionais na perspectiva da diversidade étnico-racial desenvolvida em Sítio Velho; caracterizar os aspectos teóricos e metodológicos utilizados nas/pelas educações e descrever os procedimentos metodológicos das práticas educativas utilizadas pelos agentes educativos da escola e comunidade. O estudo apoia-se no método hipotético-dedutivo, a partir de uma abordagem qualitativa que utiliza como técnicas para acessar as informações necessárias à pesquisa, a observação participante, rodas de conversa e a entrevista semiestruturada. A base teórico-metodológica da investigação está ancorada nas leituras de Moura (2014), Gorender, (1980), Gomes (2015), Brandão (2015), Lima (2005), Mott (1985), Boakari (2005), Almeida (2006, 2011), Arruti (2008, 2010) O’Dwyer (1995, 2002), Leite (1990, 1996, 2000, 2002), Nunes (2006, 2008), Freire (1977, 1985), Candau (2010), Silva (2010), Santos (2010), Quijano (2010), Bhabha (1998), Lander (2005), Meneses (2007) e outras/os pesquisadoras/es. A pesquisa revela proximidades e distanciamentos entre práticas educativas e os conteúdos do currículo escolar; a necessidade de contar e recontar as histórias da comunidade das mais variadas formas possíveis; a atitude de rompimento com os silenciamentos da escola sobre o racismo, assim como, transformar as práticas docentes limitadas ao domínio de métodos e técnicas de ensino em práticas transformadoras e emancipadoras.

     

     

     

     

  • SANDRA LIMA DE VASCONCELOS RAMOS
  • A TECITURA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA DOCÊNCIA SUPERIOR: UMA TRAMA COLORIDA POR NARRATIVAS DE FORMAÇÃO
  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 31/08/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    No Brasil, de forma mais intensa na última década do século XX e início deste século, as escolas têm vivenciado grandes dificuldades relacionadas à inserção de alunos com deficiência no sistema regular de ensino. Enquanto determinação legal, a matrícula desses alunos tornou-se uma realidade e, em todos os níveis de ensino, é cobrada dos professores a responsabilidade de incluir a todos na escola, inclusive os alunos com deficiência. Essa responsabilidade imputada aos professores gerou uma nova demanda em sua formação: que o curso de Pedagogia seja capaz de formar professores aptos a realizar uma efetiva inclusão escolar. Em consequência, os professores do Curso de Pedagogia têm sido desafiados a adequarem suas práticas educativas em função dessa demanda. A reflexão sobre o tema inspirou o objetivo deste estudo: investigar como os professores do Curso de Pedagogia têm conduzido sua prática educativa, na perspectiva de formar professores capazes de realizarem a inclusão escolar de alunos com deficiência. As ideias de Nóvoa (1995), Imbernón (2010), Franco (2009), Carvalho (2011), Castanho e Freitas (2005), Glat e Pletsch (2004), Mantoan (2001, 2006), Mendes (2010) e Veiga (2014) serviram de arcabouço teórico para fundamentar a defesa da seguinte tese: a prática educativa dos professores de Pedagogia com vistas em formar professores aptos a viabilizar a inclusão escolar, está condicionada a uma formação continuada que atenda às necessidades formativas desses professores formadores, relativas aos princípios e fundamentos teórico-metodológicos da Educação Inclusiva. Como orientação metodológica, este estudo encontrou suporte no método autobiográfico, tendo como metodologia a pesquisa narrativa. Foram utilizadas como técnicas de produção de dados o Memorial de Formação e o Grupo de Discussão. Foram selecionados como interlocutores da pesquisa seis professores do Curso de Pedagogia da UFPI. A opção pela realização da pesquisa narrativa ofereceu aos sujeitos pesquisados a oportunidade de revisitarem o ato de ensinar, proporcionando maior aprofundamento sobre seus processos formativos no que se refere às práticas educativas na perspectiva da Educação Inclusiva. A relevância da pesquisa encontra-se na necessidade emergente de ouvir os professores formadores de professores sobre suas necessidades formativas e sobre sua atualização profissional no que concerne à Educação Inclusiva, considerando que os mesmos estão em constante processo de formação e que devem acompanhar às inovações da docência superior no sentido de atender às novas demandas educacionais. Os dados produzidos foram tratados através da técnica de análise de conteúdo, com base na proposta de Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). Os resultados da pesquisa revelaram que mesmo aqueles professores que optaram por formação específica sobre os fundamentos teórico-metodológicos da Educação Inclusiva sentem-se inseguros em sua prática educativa no que se refere a como orientar seus alunos, futuros professores, a realizarem a inclusão escolar. No âmbito das disciplinas ministradas pelos interlocutores da pesquisa, são observadas apenas iniciativas isoladas de adequação do currículo à proposta inclusiva de educação. Entre outros indicativos, a constatação de que os professores de Pedagogia desconhecem ou conhecem superficialmente as adequações necessárias aos processos de planejamento e avaliação no contexto inclusivo, como por exemplo, as adaptações curriculares, as flexibilizações didáticas, as tecnologias assistivas e os instrumentos diferenciados de avaliação, confirmam a tese levantada.

  • ISABEL CRISTINA DA SILVA FONTINELES
  • ARTÍFICES DE SEU OFÍCIO: a relação entre formação e remuneração dos professores das redes públicas piauienses (1996-2016)
  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 31/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa analisa a relação entre a formação e o vencimento salarial dos docentes das redes públicas de ensino: Estadual do Piauí e Municipal de Teresina, levando em consideração o contexto das políticas nacional e local, no interstício de 1996 a 2016.  Para tanto, foram sistematizados dados sobre vencimento e remuneração dos professores das duas redes de ensino, as tabelas de vencimento e a folha de pagamento, procurando dialogar com os instrumentos legais editados no período. Foi realizado um levantamento histórico para saber quando o problema entra na agenda governamental. Visualizaram-se as diferentes concepções acerca de Estado e o sentido da política e da educação através de autores como Bobbio (1995), Gatti (2000; 2009), Serafim e Dias (2012), Pinto (2009), Monlevade (2014), Sales (2011; 2012), entre outros.  Foi realizada uma análise comparativa dos Planos de Carreira das redes de ensino, cujo início do recorte temporal tem como marco a aprovação da LDB/96 e se estende até 2016. Antes da edição da Lei nº 5.692/71, somente vencimento ou somente formação aparecia na legislação, nem sempre estavam atrelados um ao outro. O processo de elaboração de uma política não ocorre tão linearmente como os apresentados nessa pesquisa. Ele se dá de forma sucessiva, interligada e dinâmica. Um problema observado na Rede Pública Estadual de Ensino no Piauí, no tocante à valorização dos docentes, mediante a progressão por formação acadêmica, se refere à ausência de definição de percentuais de aumento de uma classe para outra, elemento fundamental de estímulo à formação profissional. Em relação ao professor da Rede Pública Municipal em Teresina, se verifica que a amplitude da careira sofreu redução de 1996 a 2016 (de 81,53% para 62,24%).  Observam-se que os vencimentos salariais, nas duas redes de ensino, revelam a existência de hierarquia entre as titulações: quanto maior ela for, maior o vencimento. Apesar de existir hierarquia, considerando a formação do professor, a amplitude observada é baixa, o que pode diminuir a atratividade pela profissão docente. Analisando a diferença percentual entre a Remuneração dos professores (40 horas) da Seduc e da Semec, em 2016, conforme o nível de formação e posição na carreira, os professores da Semec, em relação aos da Seduc, apresentavam remuneração mais elevada. Sendo que, nas três categorias de formação (Nível Médio, Graduação e Doutorado), o início de cada classe ou categoria de formação, a diferença percentual é menor. Essa diferença é maior e mais favorável para os professores da Semec que estão no último nível de cada categoria, uma vez que a carreira dos professores da Seduc sofreu um processo de achatamento ao longo dos anos. Considerando cada categoria de formação, fica evidente que os professores da Semec possuem uma carreira com maior amplitude, se consideradas a menor e a maior posição de cada categoria de formação. Pode-se concluir que nas duas redes de ensino existe uma relação hierárquica entre formação e remuneração, valorizando-se mais aqueles professores com maior formação, sendo que tal valorização é mais reconhecida entre os professores da Semec.

  • KELSEN ARCANGELO FERREIRA E SILVA
  • CONSTITUIÇÃO DA PROFESSORALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: PERCURSOS DE PROFESSORES BACHARÉIS EM ADMINISTRAÇÃO
  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 30/08/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O professor do ensino superior no decorrer da carreira profissional vivencia um processo de (auto)formação, de (re)construção de si e de sua prática docente, refletindo sobre suas vivências professorais, num movimento de constituição da sua professoralidade, compreendida por nós como uma ação de ensino e aprendizagem fundamentada pelos saberes e fazeres do professor, permeando suas vivências profissionais, e a reflexão dessa prática. Por esse pensar, a tese que fundamenta este estudo propõe que a produção da professoralidade do professor bacharel em Administração é tecida nas experiências vivenciadas na sua prática educativa, tendo a reflexão crítica sobre o exercício profissional como componente intrínseco à sua constituição. O estudo utiliza o método da narrativa. Como anteparo metodológico, a entrevista narrativa e a roda de conversa enquanto técnicas de produção dos dados guiam-se pelo seguinte problema de pesquisa: De que forma se constitui a professoralidade de docentes bacharéis em Administração que atuam no ensino superior? Orientado por este problema e na intenção de respondê-lo, interpõe-se o seguinte objetivo geral: Investigar a constituição da professoralidade de docentes bacharéis em Administração que atuam no ensino superior. E, em decorrência, têm-se os seguintes objetivos específicos: a) identificar como os professores concebem a sua professoralidade; b) compreender os aspectos da prática docente que concorrem para o desenvolvimento da professoralidade; c) caracterizar a trajetória profissional no ensino superior, articulando-a com o desenvolvimento da professoralidade; d) descrever, sob a ótica dos professores, as condições de exercício do magistério superior ressignificadas a partir do desenvolvimento da professoralidade. O diálogo teórico ocorre com Bolzan e Isaia (2006, 2008), García (1999), Imbernón (2002), Isaía (2005, 2006), Masetto e Gaeta (2013), Nóvoa (1997), Pimenta e Anastasiou (2002), Schön (2000), Tardif (2011), Zabalza (2004). A análise dos dados parte da técnica de análise de conteúdo das narrativas, seguindo a proposta de Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). A tese proposta se confirma com o estudo e as considerações finais anunciam pelos achados da pesquisa que a professoralidade do professor bacharel em Administração que atua no ensino superior é tecida nas experiências que este vivencia enquanto realiza e reflete criticamente sua prática educativa. O professor bacharel em Administração é consciente de sua ação professoral e da constituição de sua professoralidade, reconhecendo suas limitações formativas e a necessidade dessa ser melhor trabalhada no âmbito do ensino superior.


  • HOSTIZA MACHADO VIEIRA
  • NAVEGANDO NAS SIGNIFICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTÍNUA: QUEBRANDO O SILÊNCIO
  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 29/08/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O estudo das contradições inerentes à realidade objetiva e, de modo específico, à prática de formação contínua, bem como do seu desvelamento constitui exigência, tendo em vista que se trata de uma investigação científica e obra prática de natureza crítica. Neste sentido, esta pesquisa objetiva investigar, a partir de contexto colaborativo, a relação entre as significações da prática de formação contínua desenvolvida pelos formadores de professores de alfabetização e a explicitação desta como trabalho docente e suas contradições. Para a operacionalização deste intento, o estudo privilegia o Materialismo Histórico Dialético como método para a compreensão do objeto investigado, bem como os princípios da pesquisa colaborativa. Trata-se de uma pesquisa que tem como pressupostos básicos a investigação, a formação e a produção do conhecimento dos atores envolvidos. No intuito de concretizar os objetivos propostos, privilegia a utilização das narrativas de formação, encontros colaborativos e da observação colaborativa para a produção dos dados. A pesquisa envolve a participação de cinco formadores de professores da área de alfabetização que atuam em contexto de formação contínua dos professores do ciclo de alfabetização da Rede Municipal de Ensino de Teresina e de uma graduanda do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia da Universidade Federal do Piauí. Fundamenta-se nos estudos de Marx (1988), Afanasiev (1968), Vigotski (2000), Rubinstein (1973; 1977), Leontiev (1978; 1998), Sanchez Vázquez (2007), Magalhães (2004) Ibiapina (2011), e outros. Sua relevância se configura na contribuição que pode oferecer para a produção do conhecimento no campo do trabalho docente, especificamente da formação contínua, bem como para a mudança das práticas dos formadores de professores. Os resultados evidenciam que a colaboração aliada à reflexão crítica possibilita aos formadores de professores compreenderem as contradições inerentes às suas práticas, assim como viabilizar a produção de novas significações relativas ao seu modo de pensar e agir ao desenvolver as ações de formação contínua com professores alfabetizadores.

  • ROZENILDA MARIA DE CASTRO SILVA
  • A prática educativa na Companhia de Aprendizes Marinheiros do Piauí 1874 a 1915
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 28/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa trata da prática educativa na Escola de Aprendizes Marinheiros da Província do Piauí, sediada em Parnaíba, no período de 1874 a 1915. Por prática educativa é entendida  toda a ação do corpo formador de marinheiro para a regulação do  autocontrole dos menores  pela modelação  da cultura escolar institucional. Corpo formador é o conjunto dos funcionários responsáveis pela formação elementar e profissional dos aprendizes, a  saber: o comandante, o professor, o capelão, o oficial, o mestre, o inferior, ou qualquer outra categoria responsável por essa formação. A pergunta condutora da pesquisa foi: como se constituiu a prática educativa na Escola de Aprendizes Marinheiros do Piauí no período de 1874 a 1915? O recorte inicial, 1874, se justifica pelo início do funcionamento da Escola   e, o recorte final, 1915, pela a sua extinção definitiva no Estado. O estudo tem como objetivo geral compreender como se constituiu a prática educativa na Escola de Aprendizes Marinheiros do Piauí, no período de 1874 a 1915. E como objetivos específicos: analisar a estruturação do corpo formador dessa instituição ao longo do seu funcionamento; explicar a natureza da sua cultura escolar e analisar elementos que constituíram a sua cultura material escolar, procurando compreender o que eles revelam da  prática educativa formadora do marinheiro.  Trata-se de uma pesquisa de natureza histórica, situada na história cultural que adotou como procedimento metodológico a pesquisa documental e utilizou as seguintes fontes: legislação; relatórios ministeriais; relatórios dos comandantes e de inspeções da Escola do Piauí; correspondências dos juízes de órfãos, pais, tutores, do comando da Escola do Piauí,  da Capitania do Porto de Parnaíba, da Presidência da Província do Piauí, do Ministério dos Negócios da Marinha; livro do aprendiz marinheiro; planta arquitetônica da Escola do Piauí e do Amazonas; fotografias da Escola de Aprendizes Marinheiros da Bahia, Ceará, Pernambuco, Piauí e Rio de Janeiro; tarefa da Companhia  de Aprendizes Marinheiros do Espírito Santo.  Essas fontes estão preservadas  no Arquivo Nacional, Biblioteca Nacional, Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha – DPHDM: Arquivo Histórico e Biblioteca da Marinha, Rio de Janeiro e  no Arquivo Público do Estado do Piauí: Casa Anísio Brito.  Para a análise teórica da pesquisa foram utilizados de Norbert Elias (1993; 2011) os conceitos  de configuração e autocontrole. O estudo adota uma concepção de cultura escolar fundamentada em  Dominique Juliá  (2001),  cultura material escolar em  Castro; Castellanos (2013), Souza (2007),  trabalhando ainda, com as concepções  de Le Goff (1998), Catroga (2009), Faria Filho (2002),   Barros (2004), Bastos (2005; 2006), Pesavento (2003), Cortez (2000),  Valdemarin (1994; 1998), dentre outros. Defende-se a tese de que na formação dos aprendizes marinheiros, a pratica educativa da Escola de Aprendizes Marinheiros do Piauí evidenciou o autocontrole dos menores, ao tempo em que trabalhava o ensino  elementar e o  profissional. O estudo torna-se relevante por apresentar contribuições e preencher lacunas dentro da temática no campo da história da educação piauiense e brasileira.

  • JOSE MARCELO COSTA DOS SANTOS
  • ENTRE LETRAS E CANTOS: EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E MEMÓRIA CULTURAL DE ILHA GRANDE DO PIAUÍ NA LITERATURA GRIÔ DE ZÉ SANTANA (1970-2015)
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 28/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

    A presente dissertação resulta de pesquisa sobre a ação educativa de Raimundo José do Nascimento – o griô Zé Santana, e sua influência na educação, história e cultura do povo do município de Ilha Grande do Piauí, de 1970 a 2015 – período que compreende a trajetória de Zé Santana nas tradições culturais da citada região, desde a sua primeira atividade até a sua última participação oficial em trabalhos voltados à cultura. O objetivo geral do estudo foi interpretar a ação educativa desse griô e sua influência na educação, história e cultura dos ilhagrandenses, verificando como se deu o seu processo de formação como um educador cultural nesse território. Especificamente, almejamos: organizar o acervo escrito de Zé Santana em categorias textuais; identificar traços pertinentes à história e à memória cultural de Ilha Grande do Piauí na obra do griô em questão; analisar a ação educativa de Zé Santana como um possível educador cultural; e mostrar a importância da utilização do acervo escrito de Zé Santana como material educativo para as escolas do citado município. Mediante uma pesquisa qualitativa, orientada pelo método de Análise de Conteúdo com características do método de História Oral, o estudo contemplou a análise da obra escrita de Zé Santana e o conteúdo de seis entrevistas realizadas como moradores de Ilha Grande do Piauí, relacionando-os com aspectos da educação, história e cultura desse povo. A base teórica contemplou: no aporte sobre história, cultura e memória, fontes como, Burke (1991; 1992; 2005), Ferro (2010), Chartier (1990), Halbwachs (1990) e Laraia (1986); na metodologia foram considerados os estudos de Bardin (2016), Meihy (1996), dentre outros; e no campo educacional, foram consultados autores como, Brandão (2007), Gohn (2006), Freire (1987) e outros. A pesquisa mostrou que: a educação é um fenômeno que se manifesta para além da sala de aula; a cultura é um importante mecanismo para se mediar ações educativas em diversos contextos; o griô Zé Santana possibilitou através do acervo escrito que produziu, bem como das ações que realizou, formas de educar a partir dos seus saberes e fazeres na comunidade de Ilha Grande do Piauí, tornando-se um educador cultural, portanto, uma referência importante para a educação e cultura dessa comunidade.

  • MARIA DO SOCORRO BORGES DA SILVA
  • EDUCAR EM DIREITOS HUMANOS DE "MÃOS DADAS": FILOSOFIA DO CHÃO, EXPERIÊNCIAS E CRIAÇÕES DE PROFESSORAS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 21/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa trata das experiências e criações de professoras no modo de pensar e educar em direitos humanos, a partir dos problemas que as mobilizam em meio à vida de crianças e adolescentes e das potencialidades dos saberes experienciais que carregam na escola. Assim, o objetivo é analisar as experiências docentes, seus modos de pensar e de educar em direitos humanos crianças e adolescentes, potencializando as dimensões criadoras de professoras na vida escolar da educação básica. Especificamente, Identificar os problemas que mobilizam as professoras na experiência de educar em direitos humanos crianças e adolescentes; identificar a potencialidade dos saberes da experiência das professoras no educar em direitos humanos crianças e adolescentes; Perceber outros modos de pensar de professoras sobre educar em direitos humanos frente as suas experiências de formação e de vivências com crianças e adolescentes na escola; Desenvolver dispositivos filosóficos e artísticos com as professoras para potencializar seus saberes, experiências e  criações nos modos de educar em direitos humanos entre crianças e adolescentes. Sendo uma pesquisa-intervenção, faz uso dos métodos “Cartografia”, para a demarcação do território de pesquisa e do grupo-pesquisador, e “Sociopoética”, utilizado para criação de problemas, confetos e devires do educar em Direitos Humanos a partir de dispositivos filosóficos e artísticos. A tese estrutura-se em quatro partes, além da introdução e conclusão: na primeira, denominada de “Mapas” cartografa as afecções e implicações da pesquisadora, mapeando duas experiências de coordenação de projetos de educação em direitos humanos; a segunda parte, “Palavras”, problematiza as invenções discursivas sobre direitos humanos, crianças e adolescentes como sujeitos de direitos e saberes da experiência no processo de formação docente. Na terceira parte, “Poiesis”, situa-se o território de pesquisa, a Comunidade Escolar “Mãos Dadas”, no Parque Alvorada, região na fronteira entre Timon-MA e Teresina-PI. Destacam-se os fundamentos sobre o método; descrição das oficinas de negociação, formação do grupo co-pesquisador e de produção de dados com a técnica artística a “Capulana: O tecido que fala”, inspirada na cultura africana, sendo feita a analise classificatória e cruzamento das categorias.  A quarta parte, “Rizomas”, descreve-se o momento da contra-análise, com o estudo transversal, potencializando a autoanalise do grupo-pesquisador diante do próprio pensamento, transversalizando-o com os fundamentos filosóficos, educacionais e legais da educação em direitos humanos. Os principais teóricos que orientaram esta produção são Foucault (1992, 1984, 2003, 2011, 2013, 2014); Deleuze e Guatarri (1985; 1995; 2010; 2013); Arendt (1989; 2001); Agamben (2010); Certeau (1999); Gauthier (2012); Larrosa (2010; 2016); Panikkar (2004), Santos (2010) dentre outros dessa vertente. A tese corrobora na perspectiva da descolonização das formas excludentes e normativas de educação e direito, destacando o viés intercultural de uma educação em direitos humanos, atravessada pelas experiências e criações de professoras nas relações micro de saber e poder, de um pensar coletivo, criativo e imanente na vida de crianças e adolescentes. O grupo-pesquisador revelou sua potencialidade inventiva principalmente na Força-Mulher-Resistência e no devir Professor-Criança como estética da existência que passa pela alacridade e circularidade dançante nos modos de educar em meio às realidades caóticas, onde a escola é um círculo de vários círculos que cuida e acolhe as diferenças. 

  • EDMARA DE CASTRO PINTO
  • MIGRAÇÕES DAS JUVENTUDES AFRICANAS NO ENSINO SUPERIOR LUSO-BRASILEIRO: EXPERIÊNCIAS DA UFPI E UMINHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA PRÁTICA EDUCATIVA INTERCULTURAL
  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 14/08/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente trabalho é o resultado de uma pesquisa com jovens estudantes de alguns países africanos inseridos no âmbito do ensino superior luso-brasileiro. Como questão-problema procurou-se refletir sobre como se dá a relação nas práticas educativas entre alguns jovens africanos estudantes e seus respectivos docentes em duas instituições de ensino superior nos países de “acolhimento” Brasil e Portugal. Para tanto, traçamos como objetivo geral: Compreender as Práticas Educativas de docentes do Ensino Superior com Jovens do continente africano estudantes de cursos de Graduação e Pós-Graduação na Universidade Federal do Piauí/Brasil e Universidade do Minho/Portugal. Para o efeito, utilizou-se como metodologia a pesquisa qualitativa, o método Estudo de Caso comparado, por se considerar o mais adequado ao objeto de estudo. Como técnicas de recolha de dados, optou-se por utilizar a entrevista semiestruturada e o Diário de Campo. Para a análise dos dados, utilizou-se a análise de conteúdo, construindo categorias e subcategorias a partir de unidades de registro selecionadas, ancorados na ênfase de Bardin (1979) A discussão teórica foi balizada por estudos de autores como: Bomfim (2010), Boakari (2008, 2009), Matos (2004,2005), Gusmão (2005), Fanon (2008), Santos (2010), Gomes (2010), Matos (2008, 2011) Machado (2002), Casa-Nova (2007, 2009), Stoer (1994), Tardif (2008), Gusmão (2005), Seabra (2008), Abrantes (2010), Pimenta e Anastasiou (2010), dentre outros. Busca-se problematizar as significações captadas no discurso destes jovens e de docentes do ensino superior nos dois países pesquisados. Importa referir que, após a escuta sensível dos sujeitos entrevistados, defende-se a ideia da implementação de uma educação intercultural que compreenda a especificidade dos jovens africanos enquanto estudantes oferecendo-lhes assim a possibilidade de concluir seu ciclo escolar, de forma digna e eficaz. A proposta também assenta no reconhecimento destes para além da condição de estudantes, de modo a que sejam compreendidas suas identidades, suas representações, anseios e singularidades, concebendo-os como sujeitos sociais capazes de transformar positivamente a realidade na qual estão inseridos. Nesse sentido, apontamos alguns resultados dessa pesquisa: a) No que diz respeito às motivações da transferência dos jovens estudantes africanos para fins de estudo nos dois países, justifica-se pela incapacidade das Universidades de Origem de oferecer um ensino superior de qualidade. e a despeito das escolha dos países Brasil e Portugal, reside, em síntese, por acordos e convênios de cooperação internacional, pela facilidade da língua, pela oportunidade de fazer um intercâmbio e por referências e incentivos de amigos; b) No que se refere à avaliação dos apoios institucionais, verifica-se uma precariedade da Assessoria Internacional das duas instituições (UFPI/UMINHO) quando não conseguem, na avaliação de nossos sujeitos, suprir as demandas mínimas de apoio ao estudante estrangeiro; c) A maioria dos jovens entrevistados avaliam negativamente os professores do ensino superior nas duas instituições e em diversas dimensões, considerando que os mesmos não trabalham a dimensão da interculturalidade em sua prática docente. Portanto, apesar de vivermos um contexto marcado por mudanças significativas na educação, os resultados da investigação demonstram que as práticas educativas ainda permanecem arraigadas em um modelo tradicional de ensino. Abordam-se, por fim, as possibilidades e os dilemas na construção de uma prática educativa intercultural, recomendando-se o investimento em formação permanente dos professores enquanto marco normativo das duas instituições pesquisadas.

  • MARIA DO SOCORRO PEREIRA DA SILVA
  • EDUCAÇÃO POPULAR, EPISTEMOLOGIA TRANSGRESSORA E CIÊNCIA DESCOLONIAL: REINVENTAR O CONHECIMENTO E A UNIVERSIDADE
  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 18/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • O sistema educacional brasileiro fundou-se pela negatividade dos direitos das classes populares à Educação, contexto que se aprofundou com a invisibilidade dos saberes e dos conteúdos da realidade social desses sujeitos, em razão da hegemonia da ciência eurocêntrica. A Educação Popular é uma prática educativa protagonizada nas lutas anticolonial, antipatriarcal e anticapitalista. Ao considerar esse contexto, emergiu o questionamento de como a Educação Popular contribui para a produção de novas práticas educativas fundamentadas entre saberes acadêmicos e saberes populares, na reinvenção do conhecimento e da universidade, na construção de um projeto de educação democrática e de uma sociedade de justiça social, diante do paradigma eurocêntrico centrado no produtivismo para o capital? Assim, foi constituída a seguinte tese: a Educação Popular possibilita a construção de novas práticas educativas fundamentadas entre saberes acadêmicos e saberes populares que incidem no processo de reinvenção do conhecimento e da universidade, possibilitando princípios para produção de um pensamento alternativo de educação, de ciência e de sociedade, bem como de justiça social, apesar da hegemonia do paradigma eurocêntrico. O objetivo geral foi analisar como a Educação Popular contribui para produção de novas práticas educativas, tendo como matriz de estudo as experiências da EQUIP e da UPMS na produção de um pensamento alternativo na reinvenção do conhecimento e de universidade comprometido com a construção de um projeto de sociedade de justiça social no Sul do Mundo. A abordagem qualitativa e a investigação-ação participante fundamentaram a concepção desta pesquisa. Para isso, foram mapeados estudos e pesquisas sobre o tema, realizado levantamento documental, bem como sistematização da experiência, entrevistas semiestruturadas, observação participante e devolução sistemática como técnicas da pesquisa. O método dialético, como parte do próprio processo de pesquisa e da realidade social, permitiu analisar tensões, contradições, transformações e relações sociais de totalidade. Os aportes teóricos foram: Borda (1981), Freire (1996), Gohn (2013), Lefebvre (1983), Santos (2013), Streck (2014), entre outros. Os resultados apontaram que a Educação Popular fundamenta a prática educativa da EQUIP e contribui para reinvenção do conhecimento. Essa Educação Popular se caracteriza por uma pedagogia-ação transformação, constituindo a matriz de uma sociologia prudente, enraizada no estudo da realidade social das classes populares e dos oprimidos no Sul do Mundo, na construção de uma epistemologia transgressora e de uma ciência descolonial como um projeto utópico de uma sociedade de justiça social.

     

  • PATRICIA DA CUNHA GONZAGA
  • A Bioalfabetização no Ensino Médio: interfaces com a prática docente dos professores de Biologia
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 17/07/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    A bioalfabetização no Ensino Médio representa um processo necessário no contexto das escolas atuais, a fim de viabilizar aos estudantes saberes teóricos e práticos que, vinculados ao mundo vivo, possam ajudá-los a enfrentar situações reais e problemáticas de seu cotidiano. Esta investigação define como objeto de estudo a compreensão da bioalfabetização no Ensino Médio e as interfaces com a prática docente de professores de Biologia e apresenta o seguinte problema de pesquisa: como se constitui a bioalfabetização no Ensino Médio público de Teresina-PI e as interfaces com a prática docente de professores de Biologia? Tem como objetivo geral: analisar a constituição da bioalfabetização no Ensino Médio de Teresina-PI e as interfaces com a prática docente de professores de Biologia e estabelece os seguintes objetivos específicos: identificar como se constitui a bioalfabetização dos alunos do Ensino Médio público; caracterizar a prática docente de professores de Biologia que atuam no Ensino Médio público de Teresina-Piauí; identificar as concepções de bioalfabetização que orientam a prática docente de professores de Biologia; e descrever o processo de bioalfabetização que se efetiva na prática docente no Ensino Médio. O embasamento teórico do estudo apoia-se em García (2001), Fernandes (2011), Krasilchik (2011), Marandino, Selles e Ferreira (2009), entre outros, para a análise do processo de bioalfabetização no Ensino Médio, e Franco (2012), Freire (2011), Souza (2012), entre outros, para a análise da prática docente dos professores de Biologia. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa quanto-qualitativa, do tipo descritivo-analítico-interpretativa, conforme orientações de Flick (2004), Moreira e Caleffe (2008), Sampieri, Collado e Lucio (2013), entre outros. Tem como sujeitos 286 discentes do Ensino Médio e 10 professores de Biologia que atuam neste nível de ensino, em escolas públicas da rede estadual de Teresina-PI. Os dados foram produzidos a partir de duas vertentes instrumentais: teste de verificação de conhecimentos e entrevista semiestruturada, e analisados com o emprego da análise estatística, utilizando o Statistical Package for the Social Sciences (NIE; HULL, 1970) e o Teste Qui-Quadrado de Pearson; e da análise de conteúdo, conforme Bardin (2011), considerando três categorias principais de análise: o processo de bioalfabetização dos alunos no Ensino Médio; a prática docente de professores de Biologia no Ensino Médio; e a prática docente em Biologia e a bioalfabetização. Os resultados desse processo investigativo apontam que os estudantes do Ensino Médio de Teresina-PI não alcançaram um acerto considerável de questões que envolvem os conhecimentos biológicos, revelando dificuldades quanto à compreensão da disciplina Biologia, sendo identificado como um dos principais fatores para essa incompreensão a ausência de práticas bioalfabetizadoras, o desinteresse do aluno pela disciplina e a presença de termos complexos na Biologia. Desse modo, confirma a tese de que, a bioalfabetização no Ensino Médio público de Teresina-Piauí é fortemente influenciada pela prática docente dos professores de Biologia, na qual os alunos do Ensino Médio apresentam dificuldades para o entendimento da disciplina, o que requer a utilização de procedimentos de ensino, a exemplo dos laboratórios de Ciências e Biologia, aulas de campo, jogos educativos, utilização de multimídias, articulação com outras disciplinas, aulas expositivas dialogadas, incentivo à leitura e à pesquisa, utilização de modelos didáticos, para que os discentes se tornem bioalfabetizados.

     

        

     

  • FRANCISCA NEUZA DE ALMEIDA FARIAS
  • AS PRÁTICAS DE PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA COM ALUNOS SURDOS NO ENSINO BÁSICO
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 04/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho trata de uma investigação acerca da prática docente de professores de alunos surdos na disciplina de Língua Portuguesa, em escolas públicas inclusivas, uma vez que embora os surdos estejam vivenciando um momento de inclusão na escola regular, ainda não têm à sua disposição estratégias facilitadoras do aprendizado da língua portuguesa. O estudo teve como objetivo principal investigar as práticas de professores de alunos surdos em relação ao ensino de Língua Portuguesa, levando-se em conta que estes são estrangeiros em sala de aula. A pesquisa é de cunho qualitativo, mais especificamente, uma pesquisa ação da qual participaram seis professoras de Língua Portuguesa de três escolas da rede estadual de ensino, da cidade de Teresina-PI, no período de novembro de 2015 a dezembro de 2016. A Análise de Conteúdo, segundo Bardin (2012), serviu como método de análise das categorias, determinadas a partir das entrevistas iniciais com as professoras. Utilizamos, ainda, oficinas a fim de apresentar às docentes participantes as estratégias propostas ao ensino de língua portuguesa como língua estrangeira, assim como também fizemos observações de aulas das professoras. Os resultados apontam que a inclusão ainda não acontece, de fato, nas escolas pesquisadas e autodenominadas inclusivas, assim como verificamos um conflito vivenciado pelas professoras no que diz respeito a questões socioculturais e teórico-práticas, devido à dificuldade de as mesmas compreenderem o surdo como participante de uma comunidade linguística e cultural diferente. Alcançamos ainda, com base nos resultados, que as práticas vivenciadas pelas professoras ainda não contemplam as propostas bilingues, tampouco são direcionadas aos alunos surdos, ao contrário, são práticas voltadas exclusivamente aos alunos ouvintes, intermediadas pelos intérpretes. Além do mais, apesar de as participantes dizerem que não utilizavam estratégias específicas para os alunos surdos por desconhecimento, todas têm cursos de capacitação e/ou especialização em Libras ou Educação Especial. Além disso, apenas duas passaram a planejar aulas diferenciadas após a intervenção realizada, alcançando resultados positivos. As demais continuaram com o discurso da falta de compromisso do governo, da ausência de cursos de capacitação, dentre outras que garantem a perpetuidade de ações que não se coadunam com a prática de escolas inclusivas. 

  • CELENE VIEIRA GOMES FORTES LUSTOSA
  • PRÁTICAS AVALIATIVAS DE PROFESSORES COM CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NOS ANOS INICIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL
  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 29/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • A avaliação tem sido tema recorrente nos estudos em educação em função da sua relevância para a compreensão do processo de ensino-aprendizagem. Compreende-se que, em alguns casos, a forma como vem sendo praticada nas escolas leva a exclusão de alunos que não têm um rendimento satisfatório, pois permanece atrelada a notas ou conceitos, sem considerar o contexto e as singularidades dos educandos. Nesse sentido, ressalta-se que a situação adquire maior complexidade quando se considera os alunos público-alvo da educação especial, em particular aqueles que apresentam síndrome de Down que implica em deficiência intelectual. Em função desse entendimento, esta pesquisa teve como objetivo geral investigar as práticas avaliativas de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental com crianças com síndrome de Down. O aporte teórico da pesquisa está estruturado à luz das concepções de Mendes (2006; 2010; 2015), Mills (1999), Beyer (2005), Hoffmann (2005; 2009), Luckesi (2008), Teixeira e Nunes (2010), Casarin (1999), Voivodic (2004), entre outros. O estudo é de natureza qualitativa do tipo explicativa. Participaram da pesquisa 4 (quatro) professoras de escolas públicas da rede municipal de Teresina – PI. Os instrumentos utilizados na pesquisa foram o roteiro de entrevista semiestruturada e o roteiro de observação. A análise das informações foi feita a partir da análise de conteúdo de Bardin (2004). Entre os resultados encontrados, pode-se afirmar que as concepções das participantes em relação às práticas avaliativas podem ser consideradas como em processo, no entanto, no cotidiano, as professoras enfrentam dificuldades para avaliar com crianças com síndrome de Down

  • MARIA DA CRUZ SOARES DA CUNHA LAURENTINO
  • RELAÇÕES DE GÊNERO EM PRÁTICAS EDUCATIVAS NO ENSINO MÉDIO: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA CULTURA DE PAZ
  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 27/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa teve como objetivo geral analisar os processos de relações de gênero que vêm se estabelecendo entre docentes, discentes e equipe gestora de uma escola estadual do Ensino Médio em Tempo Integral, situada na zona sul de Teresina. Especificamente, pretendeu-se: a) identificar aspectos que afetam as relações de gênero no espaço da escola; b) caracterizar práticas educativas como forma de enfrentamento às violências nas relações de gênero e como forma de construção de Cultura de Paz; c) apontar os desafios que se apresentam ao enfrentamento às violências nas relações de gênero e para a promoção de Cultura de Paz. Para o alcance destes objetivos, tratou-se de uma investigação de natureza sócio cultural com abordagem qualitativa para a qual, dentre as modalidades metodológicas, elegeu-se a metodologia feminista. Nesta perspectiva, definiu-se como objeto de estudo: “As relações de gênero na escola” e apresentou-se com base no seguinte problema: Como as relações de gênero vêm se estabelecendo no espaço escolar? Em estudos realizados por vários teóricos, a exemplo de Bomfim (2011), Hall (2003), Silva (2010), Auad (2006), Guimarães (2007) Guimarães (2007), Jares (2002), Scott (1995), Butler (2003, 2011), Safioti (1999), Louro (2012), Bandeira; Melo (2010), Beauvoir (1967,1969), Lasmar (1996) Quijano (2010), Santos, Meneses e Nunes (2005) Capra (2014), Bourdieu (2014), Foucault (2014), e outros teóricos, são registradas/os concepções e problemas no campo do gênero, que afetam os aprendizados de crianças e jovens quanto aos conhecimentos no âmbito das convivências e das áreas técnicas dos saberes historicamente acumulados dos quais implicam esse trabalho. Partiu-se da hipótese de que são constatados, cotidianamente, fatos violentos que prejudicam as relações entre homens e mulheres, mulheres e mulheres, homens e homens – hetero e LGBTs - que convivem na sociedade como pessoas e profissionais, admite-se também que nas escolas há lacunas quanto à compreensão de gênero, de respeito à dignidade as mulheres, sendo necessário o exercício de práticas educativas voltadas para o enfrentamento e superação desses problemas. Para concretizar esse exercício, utilizou-se os seguintes instrumentos de coleta de dados: a) revisão bibliográfica acerca das temáticas violências, gênero e  cultura de paz; b) entrevista semi-estruturada com professores/as, alunos/as, gestoras; c) observação participante, para aprofundar algumas questões, e diário de campo. Após pesquisa teórica e empírica os resultados foram agrupados em duas categorias analíticas: (1) Relações de Gênero e Poder - nessa foi possível perceber que as relações de gênero na escola ainda são marcadas por relações de poder, permeadas de violências simbólicas; (2) Relações de Gênero e Cultura de Paz nas práticas educativas evidenciou-se que as atividades desenvolvidas no CEMTI contribuem para o enfrentamento da reprodução de práticas opressoras e as desigualdades sociais e, mesmo indiretamente, primam para a construção de cultura de paz.

     

  • ELIANA FREIRE DO NASCIMENTO
  • CONFIGURAÇÕES IDENTITÁRIOS DOS PROFESSORES BACHARÉIS EM DIREITO NO ENSINO SUPERIOR: O SER DOCENTE
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 23/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho discute a construção identitária do bacharel professor de Direito que exerce a docência superior. Estabelece como pressuposto que é no ambiente das práticas na docência, em meio aos processos de interações da profissão, que o bacharel que exerce a docência no ensino superior constrói suas configurações identitárias docentes. Sua questão norteadora consiste em saber: como os bacharéis em Direito constroem suas configurações identitárias docentes? A pesquisa, de cunho qualitativo, foi realizada nos anos de 2015 e 2016 na cidade de Teresina – PI, tendo como partícipes professores de uma instituição de ensino superior privada, que iniciaram a docência no mesmo ano em que a instituição lócus da pesquisa iniciou suas atividades. O referencial teórico utilizado é pautado na abordagem fenomenológica, que busca compreender, de forma intencional, o mundo vivido em que os professores de Direito descrevem suas experiências de tornar-se professor ao longo da carreira docente. Esta pesquisa possibilitou entender o “ser docente” a partir da descrição do ato de ser e de viver nas múltiplas relações estabelecidas pelos indivíduos ao longo da vida profissional. O estudo está fundamentado nas discussões de Berger e Luckman (1976), Bicudo (2011), Dubar (2005), Freire (2010), Giroux (1997, 2003), Kaufmann (2004), Morin (1973, 2003), Morais (2011), Schütze (2010, 2013, 2014), dentre outros. O método de pesquisa foi o biográfico, a partir das contribuições de Connelly e Clandinin (2011), Josso (2002). Para ter acesso às informações, foi utilizada a técnica da entrevista narrativa fundamentada em Schütze (2010, 2013) e Jovchelovitch e Bauer (2015). A análise dos dados foi realizada a partir dos preceitos apresentados por Schütze (2014), Poirrier, Valladon e Raybaut (1999), no intuito de desvelar o objeto de estudo e de construir a elaboração teórica da pesquisa. A análise das entrevistas foi realizada seguindo os seguintes passos: exploração do campo, formulação da questão geradora da narração do partícipe, transcrição da narrativa, análise das informações observando as trajetórias (temporal e causal) das reflexões narradas, agrupamento e comparação de tempo e espaço das narrativas, interpretando-as e escolhendo os momentos importantes para identificação das configurações identitárias docentes dos professores participantes da pesquisa frente ao aporte teórico. O estudo ressalta que os professores constroem suas identidades profissionais docentes nos processos interacionais sociais, pessoal e profissional ao longo da vida e que, em momentos de crise, adaptam-se às situações vividas ou, mesmo em processos criativos, auto-organizam-se em busca de novas formas de construírem-se professores.

  • FRANCISCA DAS CHAGAS CARDOSO DO NASCIMENTO SANTOS
  • Formação e prática docente alfabetizadora: contextos de reelaboração do letramento de professores
  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 19/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • A leitura e a escrita são reconhecidamente valorizadas nas sociedades constituindo-se o canal para o acesso à informação e à produção do conhecimento. Vários aspectos estão imersos no domínio da língua escrita: possibilidade de participação social que se reverte em inclusão social e direito de cidadania. O papel do professor alfabetizador incorpora o compromisso de ensinar o aluno a ler e a escrever, bem como ser usuário desses processos na vida social.  Constitui-se um desafio que transcende amplamente a alfabetização: inserir o alunado à cultura do escrito, fazendo da escola um espaço onde leitura, escrita, produção e interpretação de textos sejam direitos legitimados, sendo práticas vivas e vitais. O presente estudo está associado a linha de pesquisa Formação Docente e Prática Educativa, tem como objeto de investigação e foco a seguinte questão: Quais as relações entre as experiências de letramento de alfabetizadores em suas histórias de vida pessoal e profissional e a reelaboração de suas práticas no ensino da leitura e da escrita? Nesta perspectiva o estudo tem como objetivo geral investigar quais as relações entre as experiências de letramento de alfabetizadoras em suas histórias de vida pessoal e profissional e a reelaboração de suas práticas no ensino da leitura e da escrita. Com base nesse objetivo o estudo será desenvolvido a partir das seguintes questões norteadoras: Que situações de leitura e escrita compõem as histórias de vida pessoal e profissional de alfabetizadoras? Que mediadores de letramentos afetaram as histórias de leitura e escrita de alfabetizadoras? Quais situações de letramento estão presentes na prática docente alfabetizadora? Que possibilidades de reelaboração das práticas de letramento são indicadas pelas alfabetizadoras?. O desenvolvimento desse estudo tem embasamento teórico – metodológico respaldado nas contribuições de Street (2014), Contreras (2002), Brito (2011), Freire (2005, 2011, 2014) Kleiman (2007), Machado e Formosinho (2009), Giroux e McLaren (1997), Giroux (1998), Ferreira (2009), entre outros. O estudo tem como metodologia a pesquisa narrativa, seguindo os pressupostos do método autobiográfico. A metodologia é pautada nas narrativas porque permite extrair aspectos objetivos das histórias narradas que revelam e traduzem os significados implícitos sobre o letramento das professoras alfabetizadoras. Harmoniza-se com a análise dos aspectos da realidade educacional vivenciada pelas interlocutoras da pesquisa e com a nossa intenção de investigar a constituição do letramento de alfabetizadoras em suas histórias de vida pessoal e profissional Teve como técnica de produção de dados a oficina biográfica e o memorial conforme orientações de Delory-Momberger (2014). O Estudo contou com a participação de sete professoras selecionadas de acordo com os seguintes critérios pertencer ao quadro de professores efetivos da rede, está atuando em classes de alfabetização, ou seja, até o 4º ano do ensino fundamental e que queira e tenha disponibilidade para participar da pesquisa. Os dados produzidos mostram que as alfabetizadoras vivenciaram/vivenciam diferentes situações de leitura e escrita, com ênfase em objetivos escolares e acadêmicos. Mostram, também, que diferentes mediadores compuseram histórias de letramento, destacando-se a ação familiar e de professores nos diferentes níveis de ensino.

  • JANAINA GOMES VIANA DE SOUZA
  • EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS PELAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS ACERCA DO MUNDO
  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 29/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

     

    O presente trabalho objetiva investigar as experiências vivenciadas pelas crianças na educação infantil como possibilitadoras da produção de conhecimento acerca do mundo em que vivem. Especificamente, propõe identificar práticas correntes relacionadas ao conhecimento do mundo pelas crianças na educação infantil; projetar novas experiências a serem vivenciadas pelas crianças a partir da problematização da prática; efetivar as experiências a fim de que as crianças produzam novos conhecimentos; e analisar a relevância destes conhecimentos produzidos nas experiências vividas por elas. A pesquisa é desenvolvida em uma instituição de Educação Infantil localizada no município de Timon – MA e tem como espaço delimitado quatro turmas: Maternal I, Maternal II, Infantil I e Infantil II. A investigação conta com a participação de seis professoras que atuam diariamente com as crianças de 2 a 5 anos de idade na educação infantil, sendo que as crianças constituem-se em sujeitos centrais deste estudo. A metodologia utilizada é da Pesquisa-ação (KEMMIS; WILKINSON, 1998), devido a seu caráter de investigação-formação ser capaz de colaborar significativamente na transformação da prática docente a partir da realidade concreta. A produção dos dados ocorre por meio de três procedimentos que se intercruzam durante todo processo, sendo eles a entrevista semiestruturada, a observação participante e os encontros formativos. As interpretações dos dados são conduzidas com base na Análise de Conteúdo (BARDIN, 1977) tendo a imagem fotográfica das experiências vivenciadas pelas crianças, durante o processo de investigação, como principal conteúdo analítico. Tal escolha parte da compreensão de que este conteúdo é capaz de revelar tanto fundamentos teóricos e metodológicos que embasam as práticas das professoras como o processo de aprendizagem das crianças no decorrer de suas experiências educativas. A pesquisa torna-se relevante para a área por possibilitar aos professores da educação infantil a formação continuada em serviço na área em que atuam, oportunizando o fortalecimento da concepção da criança como sujeito protagonista da prática educativa capaz de produzir os próprios conhecimentos sobre o mundo em que vivem, consolidando assim a imagem da criança como ser ativo no processo de ensino e de aprendizagem e a do professor como sendo o mediador atento deste processo. As observações e interpretações feitas pelas crianças durante a pesquisa revelaram o modo como compreendem e se relacionam com o mundo por meio de diferentes experimentações, observações, indagações e explicações, bem como a maneira pela qual elas expressam seus conhecimentos através de múltiplas linguagens na infância. O estudo encontra respaldo nas ideias de Freire (1995; 2005), Vygotsky (2004; 2007), Oliveira (2011; 2012), Harlan e Rivkin (2002), Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (1998), entre outros.

     

     

     

  • KEYLA CRISTINA DA SILVA MACHADO
  • Saberes construídos e mobilizados na Prática Pedagógica do professor nos anos iniciais do Ensino Fundamental
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 20/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente texto apresenta os resultados das investigações de uma pesquisa de mestrado em educação intitulada Saberes construídos e mobilizados na prática pedagógica do professor nos anos iniciais do Ensino Fundamental”, que parte da probrematização sobre quais os saberes construídos e mobilizados na prática pedagógica de professores do 1º ao 5º ano no Ensino Fundamental. Com a temática proposta, o objetivo geral da pesquisa é investigar como se configura a construção e mobilização de saberes na prática pedagógica de professores do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. As orientações teóricas seguem as contribuições de Freire (1996), Franco (2012), Gauthieret al. (2013), Imbernón, (2010), Josso (2012), Nóvoa (1992), Perrenoud (1993), Pimenta (1997), Tardif (2002,2014), Sousa (2006) entre outros autores que discutem o tema. A pesquisa tem como abordagem metodológica a narrativa, tendo como instrumentais o questionário, para levantamento de perfil dos participantes e o diário narrativo, onde contamos com a escrita dos dez professores colaboradores da pesquisa. Discorremos sobre os achados da investigação, trazendo uma reflexão sobre o ato pedagógico, nos quais são alicerçados a prática pedagógica e os saberes docentes dos professores do Ensino Fundamental. A análise dos dados direciona para as categorias: a prática pedagógica e a mobilização de saberes docentes e os saberes docentes construídos na prática pedagógica. Evidenciam-se como resultados nas falas das interlocutoras da pesquisa, os diversos saberes que são construídos e mobilizados na prática pedagógica; as situações que oportunizam a mobilização e a construção de novos saberes docentes, tais como: as formações em serviço, o trabalho docente e os diálogos reflexivos entre os pares no espaço escolar. A pesquisa nos indica que ações voltadas para promover a reflexão do professor em sua prática diária; as formações voltadas a atender a realidade do docente em sala de aula e promoção de momentos reflexivos de diálogos coletivos dentro do espaço escolar, são encaminhamentos que visam intensificar a construção e a mobilização de saberes docentes no contexto da prática pedagógica.

  • MARIA GESSI-LEILA MEDEIROS
  • POSSIBILIDADES DE UMA EDUCAÇÃO PARA A PAZ NA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGO: VIVÊNCIA/EXPERIÊNCIA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPI
  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 17/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como objetivo geral: investigar como o curso de Pedagogia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) prepara o futuro pedagogo para uma prática de Educação para a Paz. Com base nele, sistematizei os seguintes objetivos específicos: a) identificar os princípios e as concepções orientadoras da formação docente do curso de Pedagogia da UFPI; b) caracterizar a formação dos discentes do curso de Pedagogia da UFPI em processo de estágio supervisionado; c) analisar as relações que se estabelecem entre as mediações discursivas e o desenvolvimento da Educação para a Paz. O problema da pesquisa constitui-se a partir do seguinte questionamento: como o curso de Pedagogia da UFPI vem preparando os futuros professores para enfrentar as violências que ocorrem no espaço escolar, na perspectiva da Educação para a Paz? As concepções que orientam este trabalho partem da hipótese de que os cursos de formação inicial de professores apresentam limitações na preparação dos futuros docentes para enfrentar os problemas relacionados às manifestações de violências que se avolumam no espaço da escola. Nesse sentido, define-se como objeto de estudo a formação dos graduandos do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Piauí (UFPI), tendo como parâmetros os princípios e as concepções de uma educação voltada para a paz, conforme os referenciais deste campo de estudo: Bomfim (2012), Matos (2013), Abramovay (2006), Arnoud e Damascena (1996), Cobalti (1985), Debarbieux (1998), Guimarães (2010), Jares (2002), Macêdo e Bomfim (2007), entre outros. Como forma de apreensão e de compreensão do fenômeno investigado, aplicamos como método os pressupostos do Materialismo Histórico e Dialético, por se tratar de uma pesquisa no campo educacional que envolve relações microestruturais e macroestruturais determinantes do fenômeno, bem como as contradições e os conflitos inerentes ao objeto de estudo. Para tanto, utilizamos a base teórica do Materialismo Histórico e Dialético, com autores como Marx; Engels (2001), Afanasiev (1968), Lefébvre (1983), Gramsci (1978), Kosik (1969), Kopnin (1972), Frigotto (1989), entre outros. Em relação ao curso de Pedagogia, recorremos aos fundamentos de vários teóricos brasileiros, dentre os quais: Pimenta (ano), Helena de Freitas (ano), Kuenzer (1997, 1999). Quanto aos documentos oficiais, a pesquisa analisará as atuais Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia, a normatização presente na LDB, a Matriz Curricular e o Projeto Político Pedagógico do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Piauí. Essa análise busca identificar se existe orientação política pedagógica na formação dos futuros professores no curso de Pedagogia a partir do paradigma da Educação para a Paz.

  • VALQUIRA MACÊDO CANTUÁRIO
  • O processo de implementação da escola pública de tempo integral no Piauí
  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 10/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A escola pública de tempo integral tem sido defendida como mecanismo indutor da qualidade da educação no Brasil. Reconhecendo a importância das políticas voltadas à sua materialização, a presente pesquisa avaliou o processo de implementação na rede estadual de educação do Piauí, no período de 2009 a 2015, mediante a caracterização das políticas públicas para a escola de tempo integral; a identificação da concepção e dos interesses que motivaram a implementação da política e a investigação dos condicionantes do processo de implementação no Estado. O aporte teórico que norteou a investigação perpassou pelos estudos de Gramsci, Cavaliere, Menezes, Höfling, Paro, Maurício, Dias, Draibe, Silva, entre outros. A pesquisa, de natureza avaliativa, com abordagem quali-quantitativa, envolveu análise documental, aplicação de questionários e realização de entrevistas nas escolas de tempo integral e na Secretaria Estadual de Educação do Piauí. Os questionários receberam tratamento estatístico e as entrevistas foram submetidas à análise de conteúdo. A pesquisa revelou um processo crescente de implementação das escolas de tempo integral na rede estadual de educação do Piauí, motivado pela decisão dos gestores e pela adesão da comunidade escolar. A implementação foi condicionada pela ausência de um projeto global para a política no Estado, sendo efetivada sem o devido planejamento, o que ocasionou na execução da proposta sem as condições necessárias ao seu pleno desenvolvimento.  

  • MARIA LEMOS DA COSTA
  • PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: DOS PERCURSOS FORMATIVOS AOS SABERES DA CULTURA CAMPONESA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 07/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objeto de estudo o percurso formativo de professores da Educação do Campo na produção dos saberes da cultura camponesa valorizados na prática pedagógica. A pesquisa partiu da tese de que os professores da Educação do Campo, em seu percurso formativo, produzem saberes da cultura camponesa valorizados nas práticas pedagógicas, pressupondo as singularidades que os identificam como pessoas de conhecimentos e de cultura própria. A investigação utilizou a pesquisa qualitativa em educação com um estudo de caso do tipo etnográfico, tendo como locus a Escola Família Agrícola (EFA) Soinho que trabalha com a metodologia da Pedagogia da Alternância; e, como partícipes, dez professores. O estudo tem como objetivo geral: investigar o percurso formativo de professores da Educação do Campo na produção e na valorização dos saberes da cultura camponesa na prática pedagógica. Os instrumentos para a construção dos dados foram: questionário de perfil, observação participante com o uso do diário de campo, memorial de formação e entrevista semiestruturada. O apoio teórico tem base nos seguintes autores: a) Educação do Campo e formação de professores do campo: Arroyo (2004, 2009, 2012), Arroyo, Caldart e Molina (2009), Caldart (2004, 2009, 2012); b) Saberes, saberes da cultura camponesa e prática pedagógica: Arroyo (2012), Caldart (2004), Franco (2006, 2012), Jesus (2011), Souza (2009), Tardif (2002); c) Estudo de caso do tipo etnográfico: André (1995, 2008), Angrosino (2009), Macedo (2010); d) Técnica da análise de conteúdo: Bardin (1977), Franco (2007); e nos documentos oficiais: Brasil (1988, 1996, 2002, 2008, 2010, 2015). A pesquisa constatou que o percurso formativo de professores da Educação do Campo se constitui em um processo contínuo, desenvolvendo-se no movimento entre a formação acadêmica (licenciatura e/ou bacharelado) e o exercício da prática pedagógica. As análises, mediante as categorias empíricas – Formação do professor nas especificidades do campo e os princípios norteadores; e Saberes camponeses e as possibilidades de produção na prática pedagógica –, evidenciam que a formação do professor da Educação do Campo traz desafios em relação ao ensino no campo e acontece a partir do desenvolvimento da prática pedagógica, vislumbrando a construção de aprendizagens teóricas e metodológicas necessárias para trabalhar na escola do campo, na busca de realizar um ensino pautado na diversidade sociocultural dos camponeses. Na prática pedagógica na EFA, os professores, no uso dos instrumentos da Pedagogia da Alternância, articulam os saberes dessa formação aos dos camponeses, conhecimento científico e conhecimento popular, o que possibilita a produção de saberes da cultura camponesa e o desenvolvimento de prática pedagógica contextualizada da realidade escolar à realidade do campo na perspectiva de formação integral do aluno, que suscita a necessidade de formação diferenciada em teorias, saberes, metodologias, programas curriculares, pensada e pautada no cotidiano dos camponeses como protagonistas para a construção de uma nova identidade profissional. O resultado confirma a proposição da tese de que os professores do campo, em seu percurso formativo, produzem saberes da cultura camponesa que são valorizados nas práticas pedagógicas, pressupondo as singularidades que identificam os camponeses como pessoas de conhecimentos e de cultura própria.

     

  • JÂNIO JORGE VIEIRA DE ABREU
  • MASCULINIDADES NA CULTURA ESCOLAR DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS DE TERESINA-PI
  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 24/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo analisar as masculinidades na cultura escolar dos cursos de Licenciatura em Pedagogia de instituições públicas e privadas de Teresina – PI, Brasil, buscando compreender como se constroem e reconstroem as masculinidades na cultura escolar desses cursos e das instituições formadoras. Apresenta-se como quadro conceitual básico para esta pesquisa os estudos de pesquisadores/ras do campo da Educação, Gênero e da História Cultural, entre outros: Pierre Bourdieu (1999); Peter Burke (2004); Robert W. Connell (1995); Daiane Antunes Vieira Pincinato (2007), Dominique Júlia (2001) e Antonio de Pádua Carvalho Lopes (1999). Fez-se pesquisa documental e de campo em 06 (seis) instituições que oferecem o Curso de Licenciatura em Pedagogia, em Teresina - PI. Nestas, aplicou-se questionários e realizou-se entrevistas com 44 estudantes do sexo masculino e 24 estudantes do sexo feminino; 11 docentes, sendo 3 docentes do sexo masculino e 9 docentes do sexo feminino, totalizando 79 sujeitos. Com o estudo teórico e empírico chegou-se às seguintes conclusões parciais: os estudantes têm idade entre 18 e 60 anos; parte deles considera parda a cor de sua pele e a outra parte a definiu como preta; alguns são oriundos de famílias de classes populares com baixa renda e com pouca escolaridade; outros também de origem econômica igual, afirmaram que outros familiares não tiveram oportunidade de frequentar escolas. Parte dos sujeitos estudou em escolas públicas, outros em escolas particulares. Frequentam Cursos de Pedagogia gratuitos ou financiados, mesmo que esta não tenha sido a primeira opção, mas, contraditoriamente, estão convictos de que fizeram a melhor escolha; sofreram diversos tipos de preconceitos, especialmente em relação à escolha pelo curso; alguns são masculinos de orientação heterossexual e outros são homossexuais; os homens envolvidos nessa pesquisa são em pequena quantidade em relação às mulheres ou ao universo de mulheres do Curso de Licenciatura em Pedagogia, o que repercute na cultura escolar do magistério e na construção das masculinidades discentes. Diversos fatores contribuíram para a baixa presença dos homens nos cursos pesquisados: os bons resultados obtidos com o trabalho feminino no magistério; o afastamento masculino em decorrência dos baixos salários; o aumento da carga-horária docente e a ampliação do mercado de trabalho. Em síntese, todos esses fatores podem ser atribuídos à transformação de valores de uma sociedade patriarcal e androgênica possibilitando mais espaço para as mulheres na sociedade em contradição com a desvalorização do magistério e uma concepção de homem provedor. A relação entre os homens e o magistério, historicamente marcada pela presença, pouca presença ou até pela ausência masculina em determinados níveis de ensino ou de formação é dimensionada por concepções de educação, bem como fatores econômicos e sociais que ora os estimula à inserção e ora os força à evasão. Portanto, em muitas situações, a feminização dos cursos, simbolicamente, pode significar uma tendência à desmasculinização do magistério. Com relação à formação dos homens, especialmente no que se refere à prática de estágio na educação infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental, mais que desafios, revelam-se limitações. Para quaisquer outros níveis ou modalidades de ensino o trabalho docente exige uma formação pautada no conhecimento técnico e específico ou conteúdo das diversas áreas de conhecimento, mas não ultrapassam o âmbito escolar ou acadêmico. Quando se exige cuidados básicos essenciais, ou seja, práticas que não só educam, mas também cuidam, extrapola-se a dimensão cognitiva e/ou educativa porque cuidar de uma criança exige habilidades que ainda não são incluídas nos currículos dos cursos de Licenciatura em Pedagogia.

  • MARINA MARCOS COSTA
  • O CURRÍCULO COMO ESPAÇO DE PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOCENTES
  • Orientador : NEIDE CAVALCANTE GUEDES
  • Data: 24/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo geral compreender a relação entre as práticas das professoras e a construção de saberes docentes nas escolas municipais de Teresina-PI considerando o currículo como espaço de participação. Partindo do seguinte questionamento: qual a relação do currículo enquanto espaço de participação e a prática dos professores na construção dos saberes docente nas escolas municipais de Teresina? Buscando compreender o currículo como espaço de participação na escola, partimos do pressuposto que nas escolas a participação dos professores na construção e operacionalização do currículo na escola é imprescindível para efetivação deste instrumento no processo de ensino e aprendizagem no espaço escolar. Para tanto, focalizamos neste trabalho os estudos no campo do currículo, dos saberes docentes e da formação de professores fundamentados por Silva (2007); Lopes e Macedo (2011) Tardif (2002); Giesta (2001); Pacheco (1999); Formosinho (2009); entre outros. A metodologia está fundamentada pela Etnometodologia e Etnografia Coulon (1995); Garfinkel (2006); Geertz (2013); Malinowski (1978); e outros. A construção deste estudo parte do cotidiano de duas professoras em duas escolas municipais de Teresina-PI com suas práticas nas turmas de 1º ano do ensino fundamental. Os instrumentos de análise de dados foram construídos pela entrevista narrativa Benjamin (2012); a observação participante Angrosino (2009); e o diário de campo Zabalza (1994). Apresentamos os resultados das análises a descrição etnográfica do campo empírico, as narrativas e práticas desveladas das professoras em sala de aula na perspectiva da formação de professores, saberes e prática docente implicados no currículo e deste como espaço de participação na escola considerando a finalidade de compreender através das práticas das professoras em sala de aula sua participação na construção no currículo e saberes docente tornando a escola um espaço onde todos devem participar da construção do currículo. A análise dos dados nos revelou que a participação das professoras no currículo da escola é prejudicada pela operacionalização do Programa IAB nas turmas do 1º ano do ensino fundamental, pois as professoras ao seguirem o planejamento do programa abrem mão da autonomia que ambas possuem de construir um currículo dentro da realidade da escola. Os dados expressaram, ainda, que os saberes docentes são construídos por meio das experiências vivenciadas em sala de aula.

  • JULIANA BRONDANI DA COSTA
  • Ginásio Parnaibano: História e memória (1927-1959)
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 23/02/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente trabalho analisa a história e memória do Ginásio Parnaibano, desde 1927, data da criação da Sociedade Civil Ginásio Parnaibano, até 1959, quando essa instituição escolar é oficializada pelo Estado. A criação do Ginásio resultou da articulação da elite econômica e intelectual da cidade e visava oferecer a juventude, principalmente masculina, o ensino secundário necessário para inserção em um curso superior. Esse nível de escolaridade era considerado importante para o desenvolvimento do país, por ser uma forma de propiciar aos jovens uma formação escolar que os preparava para o ensino superior e para assumir postos sociais importantes, compondo as lideranças da sociedade brasileira. Com Parnaíba não foi diferente, cidade esta que até meados de 1959 experimentava um amplo progresso comercial e representou o fiel da balança nas mais importantes decisões políticas estaduais. A pesquisa está ambientada na história cultural, tendo como fundamentação teórica e historiográfica os postulados elaborados por Le Goff (2003), Ecléa Bosi ( 2004), Rosa Fátima de Sousa (2008), Iweltiman Mendes (2007), Julia Napoleão (2013), Antonio de Pádua Carvalho Lopes (2001), dentre outros. O recorte temporal da pesquisa enfoca os anos de 1927 a 1959 e se justifica pela fundação em 1927 do Ginásio Parnaibano, finalizando com a assinatura da lei Estadual nº 1892, de 21 de novembro de 1959 que promoveu a estadualização dessa instituição escolar. O objetivo da pesquisa foi construir uma história do Ginásio Parnaibano, percebendo a sua importância no contexto social, econômico e cultural de Parnaíba. Constituiu-se como proposta central da investigação a consolidação do ensino secundário em Parnaíba a partir do Ginásio Parnaibano, não só como o reflexo, mas como participação no desenvolvimento da cidade, dando visibilidade aos sujeitos históricos, a Sociedade civil, a formação e a vida cultural e política da cidade, Metodologicamente, além das entrevistas coletadas a partir dos fundamentos da história oral, foram realizadas pesquisa no Instituto histórico, geográfico e genealógico de Parnaíba, Fundação Raul Bacelar, Biblioteca Municipal de Parnaíba, no Arquivo Público de Teresina e em arquivos particulares. Utilizou-se documentos oficiais, tais como leis orçamentárias, mensagens governamentais, dentre outros. Além disso, a produção do trabalho foi beneficiada pela extensa quantidade de documentos que até hoje a escola mantém, tais como diários escolares, livros de mensalidades, atas de inspeção, livro de matrículas, dentre outros. Deste modo, verificou-se que antes da efetivação do processo de Estadualização da Sociedade Civil Ginásio Parnaibano, já existia no imaginário social da cidade de Parnaíba, uma consciência em relação à necessidade de criação de um estabelecimento de ensino público que ofertasse o curso ginasial aos jovens. No decorrer deste trabalho, constatou-se que o poder público municipal atuou bastante nesse processo de estadualização, através de uma ligação com o poder estadual. A estadualização não se constituiu numa panaceia para todos os males da educação de Parnaíba na década de 1960, mas contribuiu para uma ampliação do ensino na medida em que possibilitou maiores oportunidades de educação aos parnaibanos. Desta forma, o processo de estadualização abrangeu não somente os professores e estudantes do Colégio Estadual, mas também grande parte da sociedade parnaibana.
    Palavras-

  • MARIA SUELEUDA PEREIRA DA SILVA
  • EDUCAÇÃO DO CAMPO: contributos da prática educativa para construção da identidade camponesa dos educandos/as.
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 23/02/2017
  • Mostrar Resumo
  •  O modelo de Educação oficial pensada para as populações do campo acentuou a histórica desigualdade social e educacional no Brasil, contrastando com os modos de vida, com os saberes do povo e com a dinamicidade do dia-a-dia camponês. É nesse contexto que surge a Educação no e do Campo como estratégia de transformação social, cultural e humana da população camponesa, incorporando instrumentos de mobilização necessários para fazer ecoar as vozes das populações que vislumbram superar a visão negativa de campo e para serem reconhecidas pelas suas especificidades, identidade e dinâmica, pela sua rica diversidade, e pela efetiva capacidade de contribuir para reafirmar o pertencimento com o seu lugar. A partir dessas reflexões estabelecemos a seguinte questão problema: Como as práticas educativas desenvolvidas na Ecoescola Thomas a Kempis contribuem para construção da identidade camponesa dos educandos/as? A pesquisa tem como objetivo, analisar as contribuições da prática educativa desenvolvida no contexto da Educação do Campo para construção da identidade camponesa dos educandos/as. Para a fundamentação das discussões sobre Educação do Campo dialogamos com: Caldart (1997), Fernandes (2002), Molina (2004),  Arroyo (2005), dentre outros. Sobre Práticas Educativas: Freire (1985), Franco (2012), Paludo (2012), Charlot (2013), dentre outros. Acerca da Identidade nos fundamentamos em: Gadotti (1995), Hall (1992), Woordward (2000), Balman (2005), entre outros. A pesquisa foi desenvolvida na Ecoescola Thomas a Kempis, da zona rural do município de Pedro II, e constituir-se como pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso referenciado em Yin (2015). Recorremos à entrevista semiestruturada, a observação e ao questionário como dispositivos para produção dos dados empíricos. Em seguida foram organizados em eixos categoriais, para posteriormente ser analisados com o apoio da técnica de análise de conteúdo com base em Bardin (1977). O estudo aponta que o processo educativo desenvolvido na Ecoescola demonstra que o fazer metodológico considera a relação dialógica constante entre teoria e prática, favorecendo aos educandos/as refletir criticamente acerca dos elementos que a escola entende ser fundamental para a construção da identidade camponesa.

     

  • MARIANE VIEIRA DA SILVA
  • Impor, organizar, velar, cumprir e dirigir : a direção escolar no ensino primário piauiense(1910 - 1947)
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 23/02/2017
  • Mostrar Resumo
  •   

    Esse trabalho tem por objetivo compreender o processo de constituição histórica da função da direção escolar no ensino primário piauiense entre 1910 e 1947. O recorte temporal escolhido para a análise justifica-se, em seu ponto de partida, pela instituição da Lei nº 548 de 30 de março de 1910 que reformou a Instrução Pública no Estado, e encerra-se em 1947, por se tratar do ano em que o INEP (Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos) promoveu convênio com os Estados a fim de suprir a lacuna da formação de pessoal docente e técnico para o ensino primário, através de cursos como Inspeção e Direção do Ensino Primário. A metodologia empregada para a realização do mesmo contou com pesquisas de documentos impressos e manuscritos – leis, decretos e relatórios de inspeção – e fontes hemerográficas no Arquivo Público do Piauí, site da Biblioteca Nacional e no site da Câmara dos Deputados, além de fundamentação teórica sobre o assunto investigado baseado em autores como Lopes (2001 e 2002), Brito (1996), Vidal (2006), Catroga (2009), Faria Filho (1998), Veiga (2007), Irlen Gonçalves (2006), Jorge Nagle (1974), Horta (1994), Nascimento (1994), Queiroz (2008) e Castelo Branco (2013). O analfabetismo era tido como umas das razões do atraso em que o país se encontrava e fez parte dos discursos sócio-políticos que pregavam seu fim ao longo do período em estudo. A Primeira República preconizava uma educação moderna, fato esse que se refletiu na implantação do modelo dos grupos escolares em todo país, escolas estas que se diferenciavam das demais quanto aos seus arranjos espaciais, estruturais e pedagógicos. Tal modelo previa ainda a seriação, divisão do tempo escolar e hierarquização das atividades na escola – surgindo a figura do diretor escolar, do inspetor e do porteiro - inserindo elementos de uma nova cultura escolar que permanece até os dias atuais. A direção escolar no Piauí constituiu-se como função legal a partir do Decreto nº 434 que regulamentou a Lei nº 548 no ano de 1910, dentro dos grupos escolares implantados no estado. A presença de diretores e diretoras aos poucos objetivava transformar as escolas em uma “repartição pública de verdade” (Lopes, 2001) tendo em vista, a partir dos objetivos incutidos no período, a necessidade do trabalho de organização e controle destes espaços. A função de diretor (a) escolar modificou-se ao longo do período em estudo quanto aos critérios de escolha, remuneração, qualificação e experiência para o exercício deste: no início do século, para ser diretor (a) o pré-requisito era ser professor (a), preferencialmente, com larga experiência docente.  Na segunda metade da década de 1940, percebemos que, além disso, conhecimentos em torno da administração escolar e a realização de concursos para essa função tornaram-se necessários. A remuneração também se tornou um aspecto a ser considerado: as gratificações possibilitavam vencimentos mais vantajosas. Ademais, as notas da imprensa atrelavam os nomes de diretores e diretoras às escolas que administravam, associadas sempre com a competência no andamento das atividades escolares e disciplina do alunado. O estudo da direção escolar no período proposto nos possibilitou compreender a configuração histórica desta enquanto uma função que, carente de estudos e pesquisas mais aprofundadas, nos levou a visualizar o funcionamento da escola a partir de um micro-poder que representava a instituição e toda uma rede educacional tendo como horizonte a organização do Estado.

     

  • CARLOS JOSE DE SOUSA CARNEIRO
  • OS SIGNIFICADOS E SENTIDOS DE ENSINO DESENVOLVIDOS POR PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO EM PARNAÍBA – PI
  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 22/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa investiga os significados e os sentidos de ensino desenvolvidos por professores de uma escola pública estadual de Ensino Médio na cidade de Parnaíba. O referencial teórico-metodológico está embasado no Materialismo Histórico Dialético e na Psicologia Sócio-Histórica. A modalidade de investigação baseia-se na pesquisa qualitativa, a fim de possibilitar a compreensão elaborada dos significados e sentidos de ensino desenvolvidos pelos professores de Ensino Médio envolvidos na pesquisa. De maneira específica, a pesquisa objetiva identificar os significados e sentidos de ensino desenvolvidos pelos professores envolvidos na pesquisa e analisar os significados e sentidos de ensino dos professores interlocutores. As referências teórico-metodológicas são: Ibiapina (2007; 2003; 2002), Imbernón (2002), Morin (2001), Sacristán (1999), Sacristán e Pérez Goméz (1998), Vigotski (1989, 2004, 2007, 2010), entre outros. A produção dos dados conta com a entrevista reflexiva (SZYMANSKI, 2010). A análise dos dados tem como base os pressupostos da análise do conteúdo, segundo Bardin (1977). No processo de análise, os significados de ensino se caracterizam como ensino tradicional, ensino eclético e ensino crítico-reflexivo, a partir do contexto empírico e da contribuição dos autores Freire (1987), Bordenave (1984), Libâneo (1990; 1982), Saviani (1984), Mizukami (1986), Sacristán e Pérez Gómez (2000). O estudo apresentou que os significados e sentidos de ensino desenvolvidos pelos professores participantes da pesquisa são diferentes e têm relação com o contexto sócio-histórico de cada um, evidenciando que muitas vezes a relação pensamento e ação apresenta contradições, mostrando a necessidade do nível de consciência mais desenvolvido a favor do ensino crítico-reflexivo que possibilita a transformação do contexto do ensino.

  • MARLENE OLIVEIRA SOARES PORTELA
  • DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPI/TERESINA
  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 21/02/2017
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente estudo vincula-se a linha de pesquisa “Ensino, formação de professores e práticas pedagógicas”, tendo a docência no ensino superior no Curso de Ciências Contábeis como objeto de estudo. Elegeu-se como ponto de partida a seguinte questão-problema: quais os dilemas enfrentados pelos professores bacharéis em ciências contábeis no desenvolvimento da sua prática pedagógica no ensino superior? Com a demarcação dessa questão, foi delimitado como objetivo geral da pesquisa: analisar os dilemas enfrentados pelos professores bacharéis em ciências contábeis no ensino Superior no desenvolvimento da prática pedagógica, que teve como desdobramento as seguintes questões norteadoras: quais os dilemas enfrentados pelos professores bacharéis em ciências contábeis no exercício da docência no ensino Superior? Que aspectos da docência são característicos da prática pedagógica dos professores bacharéis em ciências contábeis no ensino superior? Quais as necessidades formativas do professor bacharel em ciências contábeis provenientes da prática pedagógica, no exercício da docência no ensino superior? O estudo fundamenta-se em teóricos que ressaltam as concepções, a complexidade, as singularidades, os saberes e os dilemas da docência no ensino superior e do desenvolvimento da profissionalidade docente, utilizando-se das contribuições de Behrens (2008), Brito (2006), Brzezinski (1996) Garcia (1999), Guathier et al (1998), Grillo (2004), Masetto (2001, 2010, 2015), Melo e Urbanetz (2008), Morin (2011), Pimenta (2014), Pimenta e Almeida (2011), Sacristan (1995), Tardif (2012, 2014), Trindade (2010) entre outros. De abordagem qualitativa descritiva, a pesquisa teve como campo de investigação o Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Piauí, Campus Ministro Petrônio Portella, e utilizou-se como fonte de produção de dados o questionário, para traçar o perfil da totalidade do corpo docente do Curso, extraindo-se destes a amostra do estudo que atendeu a critérios pré-estabelecidos, e a entrevista semiestruturada para coleta dos dados referentes ao objeto de estudo. Os dados foram organizados em três categorias: Ser professor: encontro com a docência, Desafios do bacharel em tornar-se professor do ensino superior e Contornos da prática pedagógica no desenvolvimento da profissionalidade docente e analisados à luz da Técnica de análise de conteúdo (BARDIN, 2009). O estudo mostra que os professores enveredaram pela docência por diversos caminhos e motivos e vivenciaram muitos dilemas: falta de aprofundamento do conhecimento contábil, ausência do conhecimento pedagógico da formação profissional professor e a própria imaturidade intelectual. Buscando caracterizar a prática pedagógica, com base nos dados, verificamos que coexistem práticas diversificadas, com ênfase nas aulas expositivas, aulas verbais com o uso de Datashow, e exercícios de fixação, embora haja professores que oportunizam espaços de reflexão coletiva e outras metodologias. Para compreender as necessidades formativas provenientes da prática pedagógica, no exercício da docência no ensino superior, verificamos que não são muito diferentes hoje das necessidades formativas iniciais, apontadas pelos participantes do estudo. A formação pedagógica, centrado na didática, nas metodologias ativas, contextualização da prática e a relação professor-aluno-conhecimento; espaços de reflexão na/sobre a prática, que pode ser oportunizada pela Instituição, bem como pelos cursos de formação continuada; aprofundamento no conhecimento contábil e na própria legislação, que se dá na formação continuada e na própria pesquisa, e uma pós-graduação stricto sensu que incorpore na matriz curricular elementos para a prática pedagógica.

  • DENISE MARTINS DA COSTA E SILVA
  • “A ESCOLA SACUDIDA EM SUAS BASES”: SIGNIFICAÇÕES PRODUZIDAS PELO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR ACERCA DA INCLUSÃO DE ALUNOS COM NEEs
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 20/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presença de alunos com necessidades educacionais especiais (NEEs) é uma realidade no Ensino Superior.A legislação explicita a obrigatoriedade da acolhida e da matrícula de todos independente das necessidades e diferenças, em quaisquer níveis de ensino. Com base nisso, a produção desta dissertação foi realizada mediante a consideração de que ao analisar as significações produzidas pelo docente acerca da inclusão de alunos com NEEs no Ensino Superior tem-se a possibilidade de explicitar múltiplas determinações desse processo e contribuir para ampliação do debate sobre prática docente. A pesquisa tem como objetivo geral: Analisar as significações produzidas pelo professor do Ensino Superior acerca da inclusão escolar de alunos com NEEs que medeiam a constituição da sua prática docente. Os objetivos específicos são: Identificar as características da prática docente inclusiva do professor do Ensino Superior; Evidenciar mediações que constituem a prática docente inclusiva no Ensino Superior; e Analisar processos constitutivos da prática docente mediante a inclusão de alunos com NEEs. A pesquisa é fundamentada nos pressupostos do Materialismo Histórico Dialético e da Psicologia Sócio-Histórica, além de Leontiev, Vasquez e Franco para orientar a discussão sobre a prática docente. Também fundamentou a pesquisa, estudos sobre inclusão e inclusão no ensino superior, como os de Omote, Sawaia et al. e Anjos. A participante da pesquisa é uma professora que atua no Ensino Superior em instituição pública do município de Teresina-PI e que teve alunos com NEEs em sala de aula. A abordagem é qualitativa, com a utilização da entrevista narrativa para produção dos dados e análise a partir da proposta metodológica dos núcleos de significação, proposta por Aguiar e Ozella. A análise possibilitou a produção de três Núcleos de Significação, a saber: Ser professora inclusiva do Ensino Superior: singularidades como possibilidades da prática docente na “realidade que não podemos fugir”; Políticas públicas, bom senso e formação de professores: “a escola foi sacudida em suas bases”. Estratégias e desafios no desenvolvimento da prática docente inclusiva na universidade: “eu não tinha a quem recorrer”. Em síntese, analisamos que as zonas de sentido produzidas pela professora evidenciam que seus modos de ser profissional em condições objetivas e subjetivas da realidade da inclusão na universidade ela se transformae alarga o potencial para desenvolver uma prática docente inclusiva.

  • FRANCISCO WALDÍLIO DA SILVA SOUSA
  • VIDAS MATÁVEIS: JUVENTUDES E NARCOECONOMIA EM DEBATE NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES
  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 24/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • Os problemas relacionados à drogadição estão associados a diversos fatores, como as injustiças, as exclusões, os preconceitos e as desigualdades. Esta pesquisa de cunho quanti-qualitativo é antes de tudo uma denúncia do quadro de extermínio de juventudes empobrecidas no Brasil que vivem em situação de narcotráfico. Diversos jovens em situação de vulnerabilidades sofrem com uma “epidemia de indiferença” e muitos são seduzidos por uma complexa rede criminosa, a narcoeconomia. Nesta tese abordo o papel de docentes de escolas públicas como agentes de prevenção ao uso indevido de substâncias psicoativas. Como promotores dos Direitos Humanos e da cidadania, tais profissionais e outros atores/atrizes sociais são chamados/as a engajarem-se num ideal de transformação social, a partir da defesa de coletivos sócio-raciais historicamente negligenciados pelas políticas públicas e tornados/as, assim, subcidadãos e subcidadãs. Ensejo, pois, o fortalecimento da tríade escola-família-comunidade, a partir de um plano específico de formação continuada de docentes. Dessa forma, as investigações que por esta iniciativa foram realizadas, cujo tipo insere-se numa perspectiva interventiva, têm como objetivo reflexões que possam, posteriormente fomentar o desenvolvimento de práticas educativas com mães e pais de crianças, adolescentes e jovens, docentes no intuito de minimizar os fatores de risco e maximizar fatores de proteção no que se refere ao uso indevido de substâncias psicoativas. Foram utilizados como instrumentos de produção de dados, entrevistas, questionários, oficinas, observação, relatórios, levantamentos estatísticos entre outros. Foram utilizadas metodologias diversificadas, pautadas na perspectiva interventiva e na reflexividade. Como aporte teórico, este trabalho traz os seguintes autores: Souza (2009) e Liberali (2010) que auxiliaram nas discussões acerca da formação docente. Nas discussões mais gerais sobre Desigualdades, diversidades e exclusão social e ainda no que se refere ao narcotráfico o diálogo foi estabelecido, sobretudo com Cruz Neto et al (2013), Feffermann (2006) e Brito (2011), sobre as juventudes, estabeleço diálogos com Groppo (2004, 2010, 2015), Cassab (2011), Adad (2011, 2013), Olinda (2013, 2014), Bomfim (2006, 2014) e Melucci (1997, 2001, 2005), Agamben (2007) entre outros/as teóricos.


  • LUANA MARIA GOMES DE ALENCAR
  •  O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E AS APRENDIZAGENSDOCENTES NA FORMAÇÃO INICIAL EM PEDAGOGIA
  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 23/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação teve como objetivo geral investigar como o estágio supervisionado se constitui em espaço de aprendizagens docentes na formação inicial em pedagogia. Partiu-se da compreensão de que o processo de aprendizagem docente se efetiva em diferentes lugares e tempos, ao longo da trajetória profissional. Nesse sentido, considera-se o estágio supervisionado como importante espaço de aprendizagens docentes na formação inicial, dadas as suas especificidades e possibilidades formativas. As discussões sobre formação inicial fundamentam-se em autores como Almeida; Pimenta (2014), Garcia (2010) e Cunha (2013). No que se refere ao estágio supervisionado, ancoram-se em Lima; Pimenta e (2012), e Zabalza (2014). Especificamente quanto aos delineamentos dos estágios no curso de pedagogia, baseiam-se nos conceitos de Freitas (1996). No que concerne à aprendizagem docente, colaboram as ideias de Mizukami (2002), Furlanetto (2009) e Rey (2008). Quanto às definições teórico-metodológicas, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Campus Clóvis Moura, foi o campo empírico da pesquisa, e dez professoras em formação inicial em pedagogia, realizando estágio supervisionado, foram as interlocutoras. O estudo é de natureza qualitativa, tendo como método a pesquisa narrativa. A técnica de produção de dados utilizada foi uma entrevista narrativa e o instrumento, uma questão geradora, sendo os dados sistematizados e analisados com base na análise de conteúdo de Poirier; Raybaut; Valladon (1999). Dentre outros aspectos, a análise reiterou a importância do estágio supervisionado, ao promover contribuições ao futuro exercício docente, enquanto espaço de vivência nos contextos profissionais e de aprendizagem para professores experientes. Foi possível identificar aprendizagens docentes construídas pelas docentes em formação inicial, e como limitação dos estágios supervisionados os períodos a eles destinados, ao mesmo tempo desvelando outras possibilidades de configuração, reafirmando o seu valor.

  • LEYLLANE DHARC CARVALHO DOS SANTOS DIAS
  •    Educação Profissional de Jovens e Raízes Culturais: a experiência da Casa de Zabelê em Teresina-PI.
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 17/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • No presente estudo analisamos a Educação Profissional de jovens desenvolvida pela Casa de Zabelê em Teresina-PI. O foco de análise está na compreensão das Raízes Culturais (Indígena, Europeia, Africana, a Brasilidade) formadoras do povo brasileiro, como apoio metodológico na prática educacional dos cursos profissionalizantes de Moda e Serigrafia da instituição. Os/as jovens educandos/as encontram-se em situação de vulnerabilidade social, materializada pela violência, pauperização e exclusão social. Ao utilizar as raízes culturais brasileiras, a instituição objetiva promover uma Educação Profissional integral e alternativa que intenciona estimular a criatividade, recuperar a autoestima, educar para/na cidadania e enfatizar a dedicação aos projetos de vida de cada jovem. Estes elementos vão de contramão às propostas de educação profissional de cunho predominantemente industrial/neoliberal. A abordagem de pesquisa utilizada foi a qualitativa. A pesquisa qualitativa, segundo Bardin  (1977) busca caminhos que revelam fatos, fenômenos, considerando valores, emoções e visões de mundo, na análise da realidade. O acesso às informações se deu por meio de três estratégias: observação das atividades de culminância da raiz cultural de cada grupo, análise de documentos na Casa de Zabelê e entrevista semiestruturada. Contribuíram com a pesquisa três jovens educandas da quinta turma de Moda e Serigrafia e duas educadoras que trabalham as raízes culturais na instituição. A análise de dados foi fundamentada na procura de significados, onde implicações e contextos foram priorizados. Tinha-se a teoria geral do marxismo. No entanto, reflexões, leituras e análises da realidade não acontecem de forma isolada e as produções intelectualizadas elaboradas nos dias de hoje não resultam apenas de bibliografias e referências históricas, mas de relações e interações sociais cotidianas, materializadas em discussões no trabalho, na família, em rodas de conversas com amigos/as, anotações em diários, dentre outras situações e momentos. Para o suporte científico, foram utilizadas as contribuições de Pretto (2004), Antunes (2000), Frigotto (2013), Mészaros (2006), Abramo (2005), Gentili (2013), Boakari (1999) dentre outros/as. A organização das informações e análise dos dados permitiram identificar elementos que caracterizam as metodologias sendo usadas na Casa de Zabelê, são eles: pedagogia cultural; ênfase no protagonismo juvenil; recuperação da autoestima e reconhecimento identitário; incentivo aos projetos de vida. Esperamos que, a partir da experiência da Casa de Zabelê, ampliemos a discussão da Educação Profissional dominada atualmente pelas questões capitalista e mercadológica, e entendamos que o aspecto cultural pode se fazer presente nessa modalidade de educação com vistas a promover a cidadania, o respeito às diversidades e a superação de preconceitos e discriminações no ambiente do mercado de trabalho contemporâneo. Prevenir as discriminações no lugar de trabalho pode ter repercussões na família e escola, as duas instituições que mais ajudam manter as desigualdades porque desejando assim ou não, elas incentivam reprodução das ideias de que diferenças justificam desigualdades e exclusões.

     

     

     

     

     

  • CRISTIANE FEITOSA PINHEIRO
  • ENTRE O GIZ E A VIOLA: PRÁTICAS EDUCATIVAS DO MESTRE-ESCOLA MIGUEL GUARANI, NO VALE DO GUARIBAS/PI (1938-1971)
  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 09/01/2017
  • Mostrar Resumo
  •  A pesquisa trata da história da educação rural picoense, a partir da trajetória docente e das práticas educativas do mestre-escola piauiense Miguel Borges de Moura, conhecido como Miguel Guarani, entre os anos de 1938 a 1970, a partir de fontes escritas e orais. Trata-se de pesquisa de natureza histórica e bibliográfica que tem como problema “como se deu a prática educativa de Miguel Borges de Moura para a transformação da realidade educacional, no Vale do Guaribas, em Picos-PI, nos anos de 1938 a 1971?”. Como objetivo geral historiar a prática educativa de Miguel Borges de Moura para a transformação da realidade educacional rural, no Vale do Guaribas, em Picos-PI e, como objetivos específicos, descrever a realidade do ensino primário no Estado do Piauí e em Picos, especificamente, nas décadas de 1940 a 1960, favorecedora da ação docente dos mestres-escolas, analisar a importância dos mestres-escolas na escolarização de crianças, jovens e adultos, no sertão piauiense, na primeira metade do século XX; analisar o papel do mestre-escola Miguel Borges de Moura, no ensino das primeiras letras, na Vale do Guaribas; descrever a prática educativa do mestre-escola Miguel Borges de Moura capaz de engendrar uma transformação na realidade educacional, no contexto social rural picoense. Dentre as muitas justificativas para a escolha de um educador simples e sem formação acadêmica, que teve sua vida totalmente doada ao ofício, optou-se em eleger aquela que certamente o abraçou por completo: ter sido ele o responsável por ensinar crianças, jovens e adultos a ler, escrever e contar, em um município em que o acesso à escola primária era quase restrito à zona urbana, com poucas escolas públicas e poucos professores com o ensino normal. Afora isso, o mestre também foi violeiro, o que ampliava a sua prática educativa. Dessa forma, defende-se a tese que a prática educativa do mestre-escola engendrou uma transformação da realidade no interior do Piauí, levando saberes às mais distantes localidades e alfabetizando parte da população rural picoense, na primeira metade do século XX. Adotou-se como procedimentos metodológicos a pesquisa bibliográfica, documental e a história oral e elegeu-se como referencial teórico, os autores oriundos da Nova História Cultural, dentre eles, Certeau (2000), Bloch (2001), Le Goff (1998;2003), Levi (1992), Burke (1992) e Prost (2012), os estudos sobre memória de Halbwachs (1990) e Thompson (1992), em relação à formação em serviço, os estudos de Formosinho (2009), sobre saberes docentes as orientações de Tardif (2003), de Nóvoa (1989) traz-se a abordagem sobre os mestres-escolas, de Contreras (2002) as discussões sobre a profissionalidade docente, assim como os estudos de Bourdieu (2006), Arfuch (2012), Dosse (2009) e Lejeune (2008) sobre biografia e autobiografia.


2016
Descrição
  • ÁGATA LAISA LAREMBERG ALVES CAVALCANTI
  • O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONSTRUÇÃO DOS SABERES DOCENTES NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO CEAD/UFPI
  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 22/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O estágio, sob a forma supervisionada, consiste numa importante fase da vida acadêmica, sendo um momento de integração entre a universidade, a escola e a comunidade. Assim, o licenciando começa a inserir no campo de atuação profissional e a construir sua prática. Nesse contexto, o presente trabalho partiu da seguinte questão problema: Como ocorre o Estágio Supervisionado na formação do licenciando na modalidade a distância e suas implicações na construção dos saberes docentes? Nesse sentido, tem como objetivo geral compreender como ocorre o Estágio Supervisionado na formação do licenciando na modalidade a distância e suas implicações na construção dos saberes docentes. O aporte teórico da pesquisa esta estruturado sob a luz das concepções de Pimenta (2014), Lei n. 11.788/2008, Carvalho (2007), Pimenta e Lima (2004), Tardif (2002), Schön (2000), Nóvoa (1992), Piconez (1991), que abordam sobre o Estágio Supervisionado, os saberes e a formação docente. Acerca da Educação a Distância, utilizamos Moran (2007), Lévy (1999), Chaves (1999), além das legislações vigentes como a LDB n. 9.394/1996 e o Decreto n. 5.622/2005. O panorama metodológico da pesquisa tem como aporte as concepções de Gil (2010), Michel (2009) e Bogdan e Biklen (1994). A pesquisa é de natureza qualitativa, com abordagem etnometodológica (COULON, 1995). O lócus da pesquisa é o Centro de Educação Aberta e a Distância da UFPI (CEAD/UFPI), tendo como cursos investigados: Ciências Biológicas, Filosofia, Matemática e Pedagogia, ambos vinculados ao centro. Os participantes da pesquisa compreendem os coordenadores de estágio, os professores da disciplina de estágio, professores-tutores e alunos estagiários dos referidos cursos, totalizando 14 (quatorze) participantes. Para a coleta de dados, utilizamos entrevistas e questionários, aplicados com os participantes. Os dados foram ordenados, categorizados e analisados com base na análise de conteúdo proposto por Bardin (1977) e interpretados através do método hermenêutico-interpretativo proposto por Minayo (2006). Através da discussão e reflexões propostas, o presente estudo surge como contribuição para uma compreensão maior acerca do Estágio Supervisionado na Formação Docente no âmbito do CEAD/UFPI. Assim, os dados revelam a importância que o estágio possui para a formação do professor, sendo o momento de realização da prática, na construção dos saberes docente. Os participantes da pesquisa apontam que os saberes adquiridos ao longo do Estágio abrangem aqueles que permeiam o universo da sala de aula, ou seja, envolve o saber fazer, na dimensão dos saberes pedagógicos. Eles identificam, também, os saberes inerentes a sua área de atuação profissional, reconhecendo a existência de saberes relacionados aos conteúdos que ensinam – saberes disciplinares. Revelamos também, as dificuldades que os alunos e professores apontam para a realização dos estágios, que abrangem o afastamento entre professor e aluno, escassez de escolas nas cidades do interior do Estado, além de problemas de Internet. 

  • MARCIA RAIKA E SILVA LIMA
  • MEU MUNDO CAIU! AS SIGNIFICAÇÕES DE UMA PROFESSORA DE ENSINO MÉDIO SOBRE A ATIVIDADE DE ENSINO APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 20/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese de doutoramento tem como objeto de estudo as significações constituídos por professores do Ensino Médio acerca da atividade de ensino aprendizagem de alunos com necessidades educativas especiais-NEEs na escola regular. Embasada na tese de que os professores que têm alunos da educação especial em sala de aula comum, ao realizarem formação contínua em educação especial e inclusiva tem possibilidades de reflexão e construção de novos significados e sentidos sobre sua atividade de ensino aprendizagem para educação de alunos com NEEs. A pesquisa é de natureza crítica e tem como objetivos compreender os significados que os professores atribuem à educação especial na perspectiva da educação inclusiva; Especificar o que os professores compreendem por atividade de ensino aprendizagem; Interpretar o que os professores compreendem por atividade de ensino aprendizagem de alunos da educação especial em sala de aula comum; Analisar as motivações do professor para desenvolver a atividade de ensino aprendizagem diante do contexto da educação inclusiva. Participou da pesquisa uma professora com formação em História e que têm alunos da educação especial em sala de aula do Ensino Médio. As técnicas e os instrumentos metodológicos a serem utilizadas foram a entrevista narrativa e a entrevista reflexiva. A base teórico-metodológica de sustentação desta tese é o Materialismo Histórico Dialético e a Psicologia Sócio-Histórica. As análises desvelaram que a participante da pesquisa ao significar que “Meu mundo caiu”, desprende que superou os sentimentos de angústias ao descobrir alunos com NEEs em sala de aula e se propôs a transformação e ampliação de sua atividade profissional para o ensino aprendizagem destes alunos, quando realizou formação contínua para profissionalizar-se e nesta refletir criticamente sobre sua atividade profissional e propõem alternativas para ensinar os alunos com NEEs em sala regular, propiciando a sua inclusão escolar.

  • ANA CÉLIA FURTADO ORSANO
  • O BACHAREL PROFESSOR: ELEMENTOS INTRÍNSECOS À AQUISIÇÃO DA PROFISSIONALIDADE DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 14/12/2016
  • Mostrar Resumo
  •  

    Este estudo insere-se na discussão acerca da constituição da profissionalidade docente circunscrita à formação de bacharéis professores, nas questões relacionadas à formação contínua, concebida como uma tarefa coletiva que envolve diversos agentes escolares no processo de ser e estar professor de forma crítica-reflexiva na Educação Profissional e Tecnológica (EPT), no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), “lugar” no qual se materializam práticas educativas diversificadas há mais de cem anos. Registra como problematização a compreensão dos elementos definidores da aquisição da profissionalidade docente na EPT circunscritos à formação contínua de bacharéis professores, enquanto processo ininterrupto construído na trajetória profissional docente. Declara como problema de pesquisa: qual a relação entre os princípios definidores da aquisição da profissionalidade do bacharel professor na Educação Profissional e Tecnológicos no IFPI e a formação contínua desse docente? E define como objetivo geral: investigar os princípios definidores da aquisição da profissionalidade do bacharel professor que atua na EPT/IFPI no campus Teresina (PI) relacionando-os à formação contínua desse docente. Decorrente deste problema estabelece as questões norteadoras da pesquisa: Quais significados são construídos acerca da constituição do trabalho docente pelo bacharel professor na educação profissional? Que princípios são definidores do processo de aquisição da profissionalidade do bacharel professor na EPT? Quais significados representam, para o professor da EPT, a relação ensinar e aprender na aquisição de sua profissionalidade? No plano conceitual define trajetória profissional como percurso construído intencionalmente; prática pedagógica enquanto ação social sistemática e intencional mediatizada pelo professor no processo ensino e aprendizagem; e profissionalidade docente como construção social do trabalho do professor visando à autonomia profissional circunscrita aos componentes de formação e de desempenho pessoal no trabalho docente, em confronto com o referencial coletivo vinculado à profissão. Estabelece a tese de que a vivência colaborativa na escola e o investimento institucional em programas de formação contínua que promovam uma prática crítico-reflexiva constituem os princípios de aquisição da profissionalidade pelo bacharel professor na Educação Profissional e Tecnológica. Orienta-se pelos pressupostos teórico-metodológicos da pesquisa social/qualitativa, fundamentada em Denzin; Lincoln (2006); Flick (2004); Strauss; Corbin, (2008), Bauer; Gaskel (2013); em relação às narrativas (auto) biográfico/história de vida, apoia-se em Nóvoa e Finger (2010); Ferrarotti (2010); Dominicé (2010); Josso (2006), Bueno, Catani e Souza (1993; 1998; 2006), entre outros que tratam sobre a (auto)biografia como método investigativo na formação docente; quanto à profisionalidade, fundamenta-se em Ramalho, Nuñez e Gauthier (2003), Contreras (2002), Sacristán (1999). Roldão (2000, 2001), Formosinho (2006), Pacheco e Flores (1995, 1999), Imbernón (2006, 2009). Apresenta como interlocutores da pesquisa 6 (seis) bacharéis professores. Adota como dispositivos de produção de dados o questionário (via e-mail), a entrevista narrativa e grupos de discussão. Para processar a análise dos dados considera o propósito de promover a triangulação desses dados possibilitando transitar, descritiva e analiticamente, entre os conteúdos produzidos a partir do questionário, das narrativas e dos grupos de discussões, perspectivando efetivar e aprofundar a compreensão acerca do objeto de estudo.


  • CLEIDIANE DE CARVALHO PEREIRA
  • O ENSINO PRIMÁRIO NOTURNO NAS REFORMAS EDUCACIONAIS NO PIAUÍ (1871-1933)
  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente estudo tem como objetivo geral analisar o ensino primário noturno nas reformas educacionais no Piauí no período de 1871 a 1933. A escolha deste recorte deveu-se a compreensão de que em 1871 ocorreram às primeiras iniciativas do governo da Província Piauiense em instalar escolas noturnas , finalizando com a reforma de 1933, decorrente do Decreto nº 1.438 que trouxe mudanças no ensino primário do estado e consequentemente no ensino primário noturno. Com base no objetivo, o estudo foi desenvolvido a partir das seguintes questões norteadoras: Qual o espaço do ensino noturno na política educacional do período analisado? Essas escolas se diferenciavam das diurnas? O público que estas escolas atendiam se alterou ao longo do período analisado?  Quem frequentava a escola noturna? Por ser noturna, a escola sempre abrigou adultos? O estudo tem embasamento em Beisiegel (1974), Paiva (1987), Bastos (1870), Freitas (1988), Nogueira (2012), Paiva (2010), dentre outros. Quanto à metodologia, foi utilizada a pesquisa documental. As fontes utilizadas na pesquisa foram os Relatórios Provinciais, Mensagens Governamentais, as legislações educacionais; os documentos da Direção da Instrução Pública, os documentos do Centro Proletário e escola 14 de julho. Também foram utilizados os jornais de época, como A imprensa 1880, Diário do Piauí 1913, O Piauhy 1871, Oeiras 1910 e o Diário Oficial de 1932. Os resultados da pesquisa demonstram que a implantação de escolas primárias noturnas no Piauí foi se constituindo a partir do ano de 1871, tendo entre os anos de 1871 a 1873 um expressivo número de escolas primárias noturnas, no entanto, em 1873 ocorreu o fechamento destas escolas, sendo aberta novamente em anos posteriores, mas como ações de particulares ou associações operárias. Além disso, a partir da mudança de regime politico, uma das principais alterações que o ensino primário noturno passou foi à mudança da idade escolar para ingressar nas escolas noturnas, sendo que nas primeiras décadas da República o critério seria que os alunos fossem trabalhadores e não apenas jovens e adultos como na implantação dessas escolas. Os indícios apontam que os programas de ensino não eram específicos para as escolas noturnas, além disso, os professores recebiam uma gratificação pelo exercício da profissão em horário contrário do seu trabalho, no entanto, eram responsáveis por despesas básicas para manter a escola funcionando. Consideramos este estudo não como um trabalho definitivo, mas, sim como uma janela que se abre para o diálogo com outras leituras e interpretações esperando que esse debate abra um leque de novas interpretações.

     

  • MARIA RITA BARBOSA DE SOUSA
  • PRÁTICA DOCENTE EXITOSA COMO CONTEXTO SEMÂNTICO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INTERFACES ENTRE O SABER TÉCNICO E O SABER PEDAGÓGICO.
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 11/11/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo apresenta uma pesquisa sobre Prática docente exitosa na Educação profissional, saber técnico e saber pedagógico em um Colégio Técnico da Rede Federal de ensino. Vincula-se à Linha de Pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de profissionais da Educação da Universidade Federal do Piauí (UFPI). O interesse partiu da inquietação da pesquisadora enquanto pedagoga do lócus investigado, emergindo a questão/problema que norteou o estudo: Como o saber técnico e o saber pedagógico articulados contribuem para uma prática docente exitosa no contexto semântico da Educação Profissional, no curso técnico em Agropecuária? Essa questão deu origem ao objetivo geral: Analisar o saber técnico e o pedagógico, dos professores do Curso Técnico em Agropecuária visando à compreensão de prática docente exitosa na educação profissional. De forma mais específica buscou-se: Identificar as interfaces entre o saber técnico e o saber pedagógico; Compreender como se constitui praticas docente exitosa no Curso Técnico em Agropecuária e Refletir o contexto semântico da Educação Profissional no espaço do Curso Técnico em Agropecuária como indicativo de aprendizagem do jovem estudante. Está embasada metodologicamente na abordagem qualitativa do tipo Estudo de Caso. A opção pela abordagem qualitativa justifica-se porque se aplica ao objeto de estudo, visto que possibilita uma visão sistêmica, dos sujeitos implicados no processo. Fundamenta-se em: Azzi (2002), Azeredo (2010), Batistolli (2010), Branco (2010), Brasil (1909, 1946, 2004, 2007, 2012, 2013, 2014 e 2016), Cavalcante (2009), Gaskell (2002), Imbernón (2010), Lopes (2007), Minayo (1994), Moura (2003, 2012 e 2016), Nascimento (2007), Oliveira (2007), Otranto (2010), entre outros. O estudo tem como principal instrumento de coleta de dados a entrevista narrativa, segundo Bogdan e Bliklen (1994) e Flick (2009). Os dados empíricos foram organizados em categorias com base em Bardin (2011) e analisados à luz da análise do discurso, segundo Orlandi (2012 e 2015), Brandão (2004) dentre outros. Os resultados revelam que a prática docente exitosa no contexto semântico da Educação Profissional desenvolve-se em espaço favorável com instrumentos diversificados, ocasionando a unidade teoria-prática, despertando o interesse e a participação dos estudantes no curso investigado. Conclui-se então, que a prática aliada à teoria em contexto semântico favorável contribui para a realização de práticas docentes exitosas e consequentemente para a permanência e a aprendizagem dos estudantes no Curso Técnico em Agropecuária.

  • MARINA GLEIKA FELIPE SOARES
  • Remuneração e Carreira dos professores da educação básica: o impacto da lei do piso na rede estadual do Piauí no período de 2008 a 2014
  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 27/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • A dissertação apresenta os resultados da pesquisa que teve por objetivo analisar o impacto da Lei do Piso Salarial Profissional Nacional, na sua interface com a questão da remuneração dos profissionais do Magistério da rede pública estadual de ensino do Piauí que vem se expressando nos Planos de Cargos, Carreira e Remuneração Docente, no período de 2008 a 2014, visto a relevância desta política para muitos professores e o montante de recursos envolvidos. A metodologia do trabalho foi baseada na abordagem quali-quantitativa, uma vez que agregou dados qualitativos e quantitativos referentes à remuneração do magistério da rede estadual do PI, envolvendo momentos de estudo documental e bibliográfico, análise da legislação nacional e estadual que orientam as políticas educacionais, contemplando a CF/88,  LDB/96, Lei do Piso, as Leis Complementares que instituíram os Planos de Cargos Carreira e Remuneração (PCCR) do PI, Leis Ordinárias, Tabelas de vencimento anuais, Folha de pagamento do magistério (referência mês de outubro). A revisão bibliográfica contemplou produções relacionadas às temáticas: política educacional, financiamento da educação e remuneração docente, tendo como referências principais: Monlevade (2000, 208, 2014); Pinto (2002, 2007); Thiago Alves e Marcelino Pinto (2011); Camargo (2009); Souza e Gouveia (2011). O estudo revelou que, mesmo com a aprovação da Lei nº 11.738/2008, tomando por base as duas classes analisadas, Classe A, que representa início da carreira e Classe E/SL, classe com maior número de professores no período analisado, que a Classe E/SL foi a que sofreu as maiores perdas salariais na carreira ao longo dos anos, prejudicando, assim, especialmente os profissionais mais qualificados e com maior experiência, permanecendo de forma mais acentuada as perdas salariais em 2007. Dessa forma, no Estado do Piauí, já há uma aproximação da remuneração e do vencimento antes de 2008, ano da aprovação da Lei do PSPN, se acentuando mais ainda nos anos após a sua aprovação, portanto, o impacto observado com a implantação da Lei do Piso na Rede Estadual do Piauí foi a elevação do vencimento, através da incorporação dos itens da carreira, igualando-o do valor da remuneração do professor. E, mesmo que tenha tido uma melhora na remuneração da Classe A e na Classe SL a partir de 2012 com a linearidade, não contemplou o objetivo proposto nas políticas educacionais no que diz respeito a carreira, devido os governos adotarem, ao longo desses anos, políticas vinculadas à constituição de mecanismos que não permitem a valorização e o avanço na carreira.

  • DEYVIS DOS SANTOS COSTA DE CASTRO
  •  FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL: ENTRELACES COM A PRÁTICA PEDAGÓGICA
  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 29/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • As novas demandas legais, a exemplo da Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, entre outras, representam o marco que afirma este curso como lócus para a formação de professores da Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental. Discussões acadêmicas neste âmbito se apresentam como pontos positivos e fortalecedores da formação de professores da Educação Infantil, visto que remetem à formação inicial e à formação continuada, à ampliação de conhecimentos no campo geral, e, em particular, no campo da educação de crianças, sobretudo com a aproximação desses professores ao contexto acadêmico, aspectos que possibilitam o fortalecimento do trabalho docente, o que configura possibilidades de melhorias qualitativas para o cenário da Educação Infantil e para a construção da cultura profissional docente. Esta proposta de estudo parte da seguinte questão problema: Esta proposta de estudo parte da seguinte questão problema: De que forma se constitui a formação continuada de professores da educação infantil e sua inter-relação com as práticas pedagógicas? Subsidiariamente apresenta outros questionamentos norteadores do estudo: Como a formação continuada repercute na prática pedagógica do professor de educação infantil? Quais as contribuições da formação continuada na prática pedagógica de professores da educação infantil? Quais os constituintes formativos que integram a cultura profissional do professor da educação infantil? Registra como objetivo geral: Analisar a constituição da formação continuada de professores da educação infantil e sua inter-relação com as práticas pedagógicas. E apresenta os seguintes objetivos específicos: caracterizar como esse dispositivo cultural, no caso, a formação continuada se entrelaça na prática pedagógica do professor de educação infantil; descrever as contribuições da formação continuada na prática pedagógica de professores da educação infantil; analisar os constituintes formativos que integram a cultura profissional do professor da educação infantil; analisar os saberes docentes, sua produção e mobilização no entorno da educação infantil.Está ancorada no seguinte aporte teórico: Imbernón (2010), Gatti e Barreto (2009), Kuhlmann Jr. (2011), Didonet (2007), Oliveira (2010; 2011), Oliveira e Carlos (2011), Kishimoto (2010), Baptista (2010), Gobbi (2010); Kramer (2005). Possui caráter qualitativo, tendo como caminho metodológico a pesquisa etnográfica, por meio da técnica de observação participante, entrevista e carta etnográfica. Para discussão dos dados privilegia análise de conteúdo, fundamentada nos pressupostos teóricos de Bardin (2011), Franco (2008). Os resultados da análise, ainda provisórios, mostram que os projetos de formação continuada ofertados às interlocutoras/colaboradoras contribuem de certa maneira para o aprimoramento da prática pedagógica, mesmo que, ainda, se apresentem distantes das reais necessidades formativas das educadoras. Os dados evidenciam também que as professoras participam de outros tipos de formação continuada, muitas vezes utilizando recursos financeiros próprios, para demandarem esse empreendimento que na sua essência caracteriza a cultura profissional docente.

     

  • MÁRCIA RIBEIRO SILVA FERNANDES
  • PLANEJAMENTO DE ENSINO E SUA RELAÇÃO COM A PRÁTICA DOCENTE: NECESSIDADES PRODUZIDAS POR PROFESSORES NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE PARNAÍBA - PI

  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 30/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho investiga as necessidades que os docentes têm de relacionar o planejamento de ensino com a prática docente nos anos finais do ensino fundamental de uma escola da rede particular de Parnaíba-PI. Especificamente, caracteriza a prática de planejamento de ensino desenvolvida pelos docentes; identifica a relação do planejamento de ensino com a prática docente nos anos finais do ensino fundamental e analisa as necessidades docentes a partir dessa relação. A investigação foi desenvolvida com seis professores, adotando como referencial teórico e metodológico os pressupostos do Materialismo Histórico Dialético, fundamentados em Afanasiev (1968), Marx e Engels (2002) e Cheptulin (2004), bem como os princípios da Teoria Sócio-Histórica, apoiados em Vigotski (2009) e Holzman (1996) e da Pesquisa Colaborativa, baseados em Ibiapina (2016), Bandeira (2016). Utilizando como princípio a unidade pesquisa-formação, o estudo oportunizou, por meio da linguagem, a reflexão crítica do modo de agir e pensar dos partícipes. A produção dos dados se deu a partir dos encontros colaborativos, da videogravação e dos encontros colaborativos pós-videogravação, possibilitando analisar os discursos dos partícipes a partir dos fundamentos da Análise do Discurso Crítica em Ramalho e Resende (2011). No processo de análise, ao relacionar o planejamento de ensino com a prática docente, o estudo desvelou as necessidades produzidas nesta relação, explicitando as de natureza instrumental, experimental e desenvolvimental geradas, respectivamente, a partir da relação dos planejamentos de ensino utilitário, participativo e potencial com as práticas docentes normativa, imediata e cooperativa. O estudo evidenciou   a partir da colaboração a explicitação das necessidades geradas na relação existente entre planejamento de ensino e a prática docente produzidas no discurso por meio da reflexão crítica.

  • CLAUDIA MARIA LIMA DA COSTA
  • MODOS DE SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: NARRATIVAS DE VIDA

     

  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 30/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • A educação profissional insere-se no contexto socioeducacional como uma formação requerida no mundo do trabalho, pois não é possível conceber a ideia de sujeito inserido socialmente sem que este construa laços de pertencimento por meio da educação e do trabalho. O contexto de uma sociedade essencialmente desigual e contraditória influencia a educação profissional e, de modo especial, os modos de ser professor nessa modalidade educativa. O estudo tem como ponto de partida a seguinte questão-problema: Que modos de ser professor são produzidos nas trajetórias docentes na educação profissional na perspectiva de explicitar os conhecimentos da prática docente? Esta indagação ensejou o seguinte objetivo geral: Investigar os modos de ser professor na educação profissional explicitando os conhecimentos que subsidiam a prática docente. O objetivo geral teve como desdobramento as seguintes questões norteadoras: a) O que pensam os professores sobre ser professor na educação profissional? b) Que mudanças os professores efetivaram em seus  modos de ensinar e de ser professor na educação profissional? c) Que atribuições os professores da educação profissional assumem no desenvolvimento da prática docente? d) Como os conhecimentos da formação e da experiência profissional contribuem para a reelaboração dos modos de ser professor na educação profissional? e) Que conhecimentos são necessários para o desenvolvimento dos modos de ser professor na educação profissional? Construiu-se a tese de que entre os modos de ser professor na educação profissional enfatiza-se a formação técnica e os conhecimentos do conteúdo específicos desta formação, embora, seja possível ressaltar ações pontuais que visam influenciar uma relação autônoma entre mundo do trabalho e mundo produtivo. O estudo fundamenta-se na pesquisa narrativa e utiliza as contribuições teórica e metodológica de Bauman (2007, 2008, 2010), Mclaren (1997), Frigotto (1998, 2016), Saviani (2007), Kuenzer (1997, 1998), Tardif (2002), Montero (2005), Shulman (2005), Nóvoa (1992; 1995), Brito (2010, 2014), Schütz (2011), Jovchelovitch; Bauer (2014), Bardin (2011), Passegi (2008) entre outros. As fontes de produção de dados utilizadas foram os memoriais e as entrevistas narrativas de sete professores que atuam na educação profissional. O estudo constata que as percepções sobre ser professor na educação profissional, são diversas em razão das circunstâncias pessoais e profissionais. A reelaboração dos modos de ser professor e de ensinar reflete o ato dos professores de se movimentarem pessoal e profissionalmente para atender as exigências do vir a ser melhores professores. O desenvolvimento da prática docente na educação profissional deixa claro que a mesma não é um encadeamento linear, único, acabado, mas, é por meio dela que a aprendizagem da profissão é vivenciada em um transcurso muitas vezes de erros e acertos. Os conhecimentos considerados como importantes para o desenvolvimento da prática docente vinculam-se, de um modo geral, aos conhecimentos específicos da área de atuação de cada interlocutor. Os conhecimentos da formação e da experiência são diversos e estão relacionados com a: associação entre conhecimento pedagógico e técnico, a melhoria das estratégias de ensinar, a aprendizagem da pesquisa da própria prática, aprendizagem de estratégias de relacionamento interpessoal e o compromisso com o processo ensino-aprendizagem.

     

  • ANA MARIA GOMES DE SOUSA MARTINS
  • A formação de professores primários no Piauí (1947 - 1961):  entre as apropriações e mudanças decorrentes da Lei Orgânica do Ensino Normal 

  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 08/08/2016
  • Mostrar Resumo
  •  

     

    Ao analisar a apropriação da Lei Orgânica do Ensino Normal (LOEN) no processo formativo dos professores do ensino primário a partir do contexto social e da Escola Normal Oficial do Piauí inserimos a pesquisa na temática história da formação docente e construímos a tese de que a apropriação da referida Lei, enquanto expressão da política nacional a ser seguida pelos estados brasileiros durante os anos de 1947 a 1961, provocou mudanças no processo formativo dos professores primários piauienses, tendo os sujeitos envolvidos se apropriado das prescrições legais, direcionando-as de acordo com as expectativas sociais do momento e da categoria profissional, num embate entre as prescrições do estado, as especificidades local e o corpo profissional docente. A pesquisa foi fundamentada na Nova História Cultural, utilizamos os conceitos de representações, práticas e apropriações e a embasamos em Chartier (1990, 2010, 2014), Certeau (2005, 2008, 1992) Nóvoa (1991, 1991a, 1995), Catani (2000), Carvalho (2000), Villela (2000, 2006), Lopes (1996, 2001, 2006), Mendes Sobrinho (2002) entre outros. As fontes utilizadas foram a legislação educacional, mensagens governamentais, obras literárias e autobiográficas, diários de classe, livros de matrícula, atas de concursos da Escola pesquisada, além de depoimentos de quatro ex-alunas. Refletimos sobre a apropriação da LOEN  e as mudanças provocada na formação dos professores do ensino primário piauiense, considerando a legislação educacional, as mudanças na educação primária, no ensino normal, na profissão docente e na organização da Escola Normal Oficial do Piauí nos anos de 1947 a 1961; analisamos as representações em torno do professor primário piauiense e as mudanças na organização de sua formação, considerando o contexto social e a legislação educacional; analisamos a formação docente a partir das determinações estabelecidas na legislação Federal e Estadual durante o período em estudo; destacamos as formas de apropriação da referida lei através das práticas educativas e pedagógicas desenvolvidas pelos professores da Escola Normal Oficial do Piauí, os saberes pedagógicos que constituíam o modelo formativo  vigente na época em estudo. A LOEN disseminou representações e práticas, foi apropriada pela legislação educacional local e direcionou a formação dos professores primários piauienses, modificando a organização e funcionamento das escolas normais, a organização curricular, os saberes, as práticas educativas e pedagógicas dos professores, a carreira e o exercício da profissão docente. Contudo, sua apropriação não se deu de forma passiva, os sujeitos envolvidos, professores e alunas da Escola Normal Oficial do Piauí, as ressignificaram através de diferentes táticas reveladoras das resistências às determinações legais.

     

     

     

     

     

  • VÂNIA SEBASTIANA MACÊDO OLIVEIRA
  •  

     

     

    RELAÇÕES RACIAIS E DISCRIMINAÇÃO NA ESCOLA: UMA PRÁTICA EDUCATIVA EMANCIPATÓRIA EM CONSTRUÇÃO?

  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 04/08/2016
  • Mostrar Resumo
  •  

    O presente documento apresenta os resultados principais da investigação sobre a prática educativa de algumas professoras afrodescendentes em sala de aula. A análise centra-se em compreender como a prática educativa dessas professoras afrodescendentes em sala de aula se relaciona com suas experiências de alunas. Discute como temáticas centrais a prática educativa, a discriminação/preconceito, a emancipação e a formação fundamentadas nos estudos de Freire (2006, 2014), Libâneo (2000), Zaballa (1998), Boakari (1994, 2003, 2010, 2013), Adorno (1995), Jaehn (2005), Gomes (2006, 1995, 2010), Giroux; Mclaren (1997), dentre outros. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa do tipo etnográfico, como vertente de investigação, junto a professoras do ensino fundamental, anos iniciais (1º ao 5º ano) que atuam em uma escola pública municipal da cidade de Caxias-MA. Para o acesso as informações consideradas relevantes, empregamos métodos e técnicas da etnografia: observação participante, entrevista não estruturada e o diário de campo como instrumento de apoio utilizado para a realização dos registros das informações. Para a análise dos dados, utilizamos as orientações da análise de conteúdo. As constatações das análises apontam a existência de uma disposição das professoras para atuarem quanto aos comportamentos de discriminação manifestos em ações pontuais e emergenciais de acordo com o grau de sua ocorrência, e possíveis consequências físicas e emocionais. Entretanto, por força das práticas tradicionais, não questionadoras de ensino e aprendizagem, de um currículo ainda mais tecnicista, que adaptado às realidades das diversidades contemporâneas, as questões relacionadas às diferenças, no caso atual, à afrodescendência, ainda não são problematizadas como objetos de conhecimento crítico transformador. Nosso estudo, a partir das discussões acerca da formação de professor, da estruturação curricular para a real existência de um pensar/fazer escolar multicultural e dialógico sobre as vivências e experiências identitárias, nos permite vislumbrar o desenvolvimento de um processo de ensino-aprendizagem reflexivo, podendo contribuir para a construção de uma prática educativa emancipadora. Considerando as história do Brasil, país que ainda é racista e machista, cuja escola não incorporou as diversidades de seu cotidiano o que dizer sobre uma prática educativa emancipadora? É esta a questão que não se cala.

     

  • SILVIA MARIA OLIVEIRA DE SOUZA
  • Análise da implementação do Programa Mais Educação na Rede Pública Municipal de Ensino da Cidade de Aldeias Altas, estado do Maranhão

  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 03/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho apresenta a análise da implementação do Programa Mais Educação – PME na rede pública de ensino do município de Aldeias Altas, estado do Maranhão. Trata-se de uma pesquisa de campo de caráter qualitativo e quantitativo quede modo geral procurou analisar o contexto da implementação do Programa Mais Educação na rede pública municipal de ensino de Aldeias Altas - MA e especificamente buscou descrever o processo da implementação do Programa Mais Educação na rede pública municipal de ensino de Aldeias Altas-MA; conhecer as impressões dos sujeitos pesquisados quanto a proposta do Programa Mais Educação frente a melhoria da aprendizagem dos estudantes e confrontar a realidade prática do Programa Mais Educação no município de Aldeias Altas - MA com suas finalidades e objetivos expressos nos textos oficiais e orientadores. Como referencial metodológico o estudo adotou o modelo analítico do ciclo de política proposto por Stephen Ball, Richard Bowe e Jefferson Mainardes, por ser um referencial analítico que propicia a investigação dos processos pelos quais as políticas educacionais são formuladas e implementadas e por sua preocupação com as consequências das políticas em termos de justiça social. Para alcance dos objetivos propostos acerca da problemática estudada, adotamos no trabalho empírico instrumentos e técnicas como: a pesquisa bibliográfica e documental, a entrevista semiestruturada para captação das opiniões dos sujeitos investigados quanto a avaliação do Programa Mais Educação, o que eles tinham a dizer sobre o Programa enquanto política pública para melhoria da aprendizagem dos estudantes; a análise documental quanto aos diversos documentos referentes ao Programa e que contribuíram para esta pesquisa e sobretudo os seus textos oficiais e orientadores para conhecimento e análise de suas particularidades como os aspectos conceitos e legais, seus beneficiários, formuladores, financiamento, parceiros envolvidos, entre outras questões inerentes às políticas públicas e por fim o diário de campo como técnica de registros, no que se refere a comentários, reflexões, observações de fatos concretos, fenômenos sociais e experiências. Os sujeitos da pesquisa foram selecionados através de uma amostra não-probabilística do tipo por conveniência ou acidental que considerou 10 sujeitos da equipe gestora escolar, sendo 4 coordenadores e 6 diretores, mais 10 professores, 06 mães de alunos, totalizando um universo de 26 sujeitos. Após informações adquiridas e dados coletados seguiu-se com as análises e interpretações a partir da análise documental e análise de conteúdo e nesta última a análise categorial apoiando-se em Bardin (1977). O campo ou o locus desta pesquisa foi a rede pública municipal de ensino de Aldeias Altas, Estado do Maranhão, compreendida entre outras instituições, pelo seu universo de escolas onde tem implantado o Programa Mais Educação. A seleção ou escolha das escolas foi feita considerando um quantitativo de 06 escolas da rede onde tem implantado o Programa Mais Educação, sendo 05 da área urbana e 01 da área rural. Nos achados do estudo foi detectado que a implementação do Programa não vem acontecendo seguindo todas as orientações dos formuladores da política expressas nos documentos oficiais e orientadores do Programa e assim algumas limitações foram observadas como: o não atendimento pelo Programa de todos os alunos, o não atendimento de alunos com necessidades especiais, espaços físicos insuficientes e inadequados para o funcionamento das oficinas, grau de satisfação e insatisfação de alguns beneficiários e implementadores da política, entre outras observações.

  • ELISIENE BORGES LEAL
  • VOZES AFRODESCENDENTES: O QUE CONTAM ALGUNS(MAS) ESTUDANTES DA UFPI SOBRE SEUS ENCONTROS MEMORÁVEIS COM PROGRAMAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS?
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 03/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • Com a pesquisa que deu origem a esta dissertação, buscamos compreender a importância das ações afirmativas desenvolvidas no âmbito da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários (PRAEC) na Universidade Federal do Piauí (UFPI) a partir da concepção de seis estudantes afrodescendentes, cotistas, contempladas(os) com os benefícios das Bolsa de Apoio ao Estudante (BAE) e Residência Universitária (REU). Na pesquisa nos propusemos a identificar alguns aspectos do perfil das(os) estudantes envolvidas(os) e conhecer algumas de suas experiências com relação a estes dois benefícios; sondando quais as dificuldades que elas(es) enfrentam ao chegar ao ensino superior, o que esperam da assistência estudantil na UFPI e o que pensam a respeito dos serviços oferecidos pela PRAEC, e de quais são beneficiárias(os). A motivação para esta temática partiu da percepção da nossa história de vida como estudante afrodescendente, da nossa formação acadêmica e das vivências que a prática laboral como profissional atuante na assistência estudantil desta instituição nos traz. A problemática deste trabalho nos provocou a pensar em como a assistência estudantil da UFPI faz inclusão? Como os benefícios desta universidade federal pública através de sua Pró-Reitoria, contribuem para permanência da(o) estudante? Como podemos melhor entender a prática de trabalho com um segmento da população marginalizada de uma instituição pública de ensino? Como profissionais deste tipo de instituição são vistas(os) pelas(os) usuárias(os) destes benefícios? Para que chegássemos a algumas respostas recorremos a uma abordagem metodológica quali-quantitativa que nos aproximasse das(os) participantes e que ao mesmo tempo nos fizesse refletir sobre esta mesma temática de modo amplo. Assim, como instrumentos para acessar as informações, utilizamos a entrevista semiestruturada, narrativa através de diários, análise de documentos e releitura de pesquisas estatísticas. Nosso estudo teve sustentação em autoras(es) como: Boakari (1999, 2007, 2013); Cunha Júnior (2005); Gomes (2012); Olive (2002); Silvério (2003, 2007), Silva (2003); Santos (2011); Romanelli (2009) e outros(as). Os dados analisados nos apresentaram elementos para refletirmos sobre as implicações (e realidades?) de ser estudante universitária(o) afrodescendente, e sobretudo, a respeito das desigualdades sociais e raciais presentes em nossa sociedade brasileira. Os resultados deste trabalho, evidenciaram alguns dos anseios das(os) estudantes que colaboraram com a pesquisa, como também, possivelmente de outras(os) universitárias(os) em situações semelhantes. Vale mencionar que estes mesmos resultados apresentaram um novo modo possível de desenvolver projetos de apoio estudantil que valorizem a cidadania das(os) beneficiárias(os).

     

     

     

  • JOSIANE SOUSA COSTA DE OLIVEIRA
  • TRAVESSIA COLABORATIVA: OS SIGNIFICADOS E SENTIDOS DE DOCÊNCIA E SUA RELAÇÃO COM AS NECESSIDADES FORMATIVAS DOS PROFESSORES DO IFMA - CAMPUS CAXIAS
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 29/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo investiga os significados e sentidos de docência relacionando-os com as necessidades formativas produzidos por professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão-IFMA, campus Caxias. Especificamente, identifica os significados e os sentidos de docência produzidos pelos professores, relacionando-os às necessidades formativas; caracteriza as práticas docentes desenvolvidas, a fim de relacioná-las aos significados e sentidos de docência; analisa a relação das necessidades formativas dos professores com os sentidos e os significados de docência produzidos na perspectiva do desenvolvimento de práticas docentes críticas. A pesquisa foi desenvolvida com três professores do referido campus e uma professora da rede municipal de ensino de Teresina. O estudo adota os princípios do Materialismo Histórico Dialético. A compreensão de significado e sentido tem sua base em Vigotski (2009), aliada aos princípios da Pesquisa Colaborativa, embasadas em Liberali (2010) e Ibiapina (2014), entre outros. A produção dos dados foi desenvolvida por meio de entrevistas, encontros colaborativos e de sessões reflexivas e a análise utilizada foi realizada como base nos pressupostos da Análise do Discurso Crítica. No processo de análise, os significados e sentidos de docência são caracterizados por meio das categorias: técnica, tecnológica e crítico-reflexiva, relacionados com as práticas docentes disciplinadora, polivalente e crítica. A pesquisa oportunizou aos partícipes por meio da formação contínua, a compreensão das práticas docentes sob a perspectiva do devir assim como reconheceram a necessidade de novas formas de linguagem, planejamento e avaliação, considerando a dinamicidade da sociedade que vivemos e as implicações desta no contexto do campus que trabalham. A pesquisa concluiu que a relação dos significados e sentidos de docência com as necessidades formativas produzidas pelos partícipes apresenta-se de forma diversificada quanto às categorias delineadas para desenvolver este estudo, ou seja, por um lado indica a necessidade de expansão no que concerne aos significados e sentidos de docência técnica e tecnológica relacionados às necessidades formativas de aperfeiçoamento e capacitação, por outro lado, apontou situações em que foi evidenciada aproximação dos significados e sentidos de docência crítico-reflexivo permeados por uma formação contínua de professores em contexto colaborativo.

     

  • RAQUEL MARIA DA CONCEIÇÃO MARQUES DA SILVA
  • DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS JOVENS DE 15 A 17 ANOS: DESAFIOS DA PRÁTICA DOCENTE NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL
  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 28/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho dissertativo que ora se apresenta trata-se de uma investigação sobre os sentidos e significados da leitura e da escrita, para jovens de 15 a 17 anos retidos no ensino fundamental, objeto de estudo dessa investigação. Vincula-se à Linha de Pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de profissionais da Educação (NIPPC) da Universidade Federal do Piauí. Reflete as práticas pedagógicas relacionadas a leitura e a escrita, tendo como lócus a sala de aula, dialogando com sentidos e significados atribuídos pelos jovens e os profissionais da escola e sua influência para a aprendizagem. Foi desenvolvida com a participação de professores e estudantes do sistema de ensino municipal de Teresina/Piauí. O referencial teórico metodológico sustenta-se na Pesquisa Ação, tendo como abordagem a pesquisa qualitativa na perspectiva colaborativa. A opção pela abordagem qualitativa e colaborativa se justifica porque se aplica ao objeto de estudo, visto que analisa a realidade envolvendo simultaneamente estudantes, professores e pesquisador. O interesse pela problemática partiu de inquietações vivenciadas como docente da escola básica atuando no Ensino Fundamental no Componente Curricular Língua Portuguesa o que resultou na questão/problema, norte desse estudo: Como o desenvolvimento de estratégias de ensino, em Ciclos de Estudos Colaborativos, contribui para superação das dificuldades e promoção da aprendizagem dos jovens de 15 a 17 anos, na escola de tempo integral? Tem como objetivo geral: Analisar as dificuldades de aprendizagem dos jovens de 15 a 17 anos, em situação de multirrepetencia no ensino fundamental, como alternativa pedagógica para a promoção da aprendizagem e, como objetivos específicos: a) Identificar as dificuldades de leitura e de escrita, dos jovens de 15 a 17 anos em situação de multirrepetência, na escola de tempo integral; b) Elaborar estratégias de ensino que atendam às necessidades de aprendizagem da leitura e da escrita dos jovens de 15 a 17 anos retidos no ensino fundamental; c) Desenvolver ações de intervenção que motivem a capacidade de aprendizagem, visando a construção de competências leitora e escritora. No plano teórico, fundamenta-se, na LDB nº 9424/96, PNE/Lei nº 13.005/2014 e nos estudos de: Moll (2012, 2013),           Martins (2012), Freire (2011), Gadotti (2009), Moura (2007, 2004, 2003), entre outros. Os procedimentos metodológicos para produção das informações foram realizados em três momentos. No primeiro, aplicação do questionário com todos os alunos do turno da tarde que se encontram retidos no Ensino Fundamental, quando poderiam estar cursando o Ensino e Médio e, os professores do Componente Curricular Língua Portuguesa, a fim de traçar o perfil dos participantes e levantar as necessidades de formação e as dificuldades de leitura e de escrita. A entrevista segundo momento com os participantes, foi realizada com o propósito de consolidar informações acerca das necessidades de aprendizagens dos alunos. No terceiro momento, realizaram-se os Ciclos de Estudos Colaborativos com a participação dos estudantes. A organização das informações produzidas apoiam-se em Bardin (2011), Oliveira (2010), e a interpretação, nos princípios da Análise do Discurso, segundo Orlandi (2012), Pêcheux (2012), Malheiros (2011), Iñiguês (2004), Bauer; Gaskell (2002), entre outros. Os resultados apontam para a existência de um referencial teórico bastante restrito, acerca de pesquisas envolvendo essa problemática. Neste aspecto, chega-se à conclusão de que se abre para a Academia um campo de investigação fértil na educação básica.

     

  • EDILMA MENDES RODRIGUES GONÇALVES
  • PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOCENTES

  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 28/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • As relações entre o cuidar e o educar tem merecido constante atenção na história da Educação Infantil por estabelecerem, nas ações pedagógicas, uma visão integrada do desenvolvimento da criança com base em concepções que respeitem a diversidade e as singularidades da infância. Nessa perspectiva, as práticas pedagógicas na Educação Infantil são desafiadas no trabalho de cuidar e educar, considerando as diversas formas das crianças aprenderem e se desenvolverem. Tomando como referência essa compreensão a pesquisa foi desenvolvida com o objetivo geral de investigar a construção de saberes docente na prática pedagógica da Educação Infantil. Para alcance deste objetivo estabeleceu-se como objetivos específicos: Analisar as fontes dos saberes construídos na prática pedagógica de professores da Educação Infantil; Descrever os saberes mobilizados na prática pedagógica da Educação Infantil; Identificar as ações pedagógicas que contribuem para a consolidação dos saberes docentes. As reflexões teórico-metodológicas empreendidas no estudo apoiam-se nas contribuições de Aguiar (2010), Didonet (2001/2011), Kuhlman Junior (1999/2001/2007), Gauthier (1998), Pimenta (2014), Tardif (2014), Clandinin e Connelly (2000, 2011), Souza (2006), Bertaux (2010), Clapier-Valladon e Raybaut (1999) dentre outros. A pesquisa foi numa abordagem qualitativa e tem as narrativas como metodologia. Para a produção dos dados trabalhamos com o memorial de formação, as rodas de conversa e a entrevista semiestruturada. O estudo foi desenvolvido no Centro Municipal de Educação Infantil Francisco das Chagas Venâncio em Teresina-PI, e teve como interlocutores seis professoras que trabalham com crianças entre 3 a 5 anos de idade. A partir das narrativas das professoras, foi possível a analisar os dados da pesquisa por meio dos seguintes eixos: 1 - Prática pedagógica e a construção de saberes docente; 2 - Prática pedagógica e a mobilização de saberes docente; 3 - A consolidação de saberes docente na prática pedagógica na educação infantil. O estudo contatou, que na prática pedagógica da educação infantil os professores mobilizam os saberes teóricos e práticos na ação docente adequando-os as necessidades dos alunos e dos professores no processo de ensino-aprendizagem, exigindo a construção e mobilização de novos saberes, desenvolvendo habilidades, valores e atitudes pertinentes à prática docente. O estudo mostrou que os professores mobilizam, além dos saberes da formação profissional, os curriculares, os disciplinares, os saberes da experiência quando adequam os conteúdos e atividades as necessidades dos seus alunos e que o uso de diferentes técnicas de ensino-aprendizagem para que as crianças se desenvolvam, pressupõe o uso de saberes mobilizados e produzidos pelos professores na ação docente. Os saberes mobilizados e construídos pelos professores se consolidam, principalmente no ato de planejar e executar as atividades com as crianças.


     

  • LISIANY DANTAS LOPES TEIXEIRA
  •  

    O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E O  PROGRAMA NACIONAL DE ENSINO TÉCNICO E EMPREGO  EM TERESINA - PIAUÍ: CONTRIBUEM PARA A AUTONOMIA DE  MULHERES DO BAIRRO SANTO ANTÔNIO?

  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 12/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • O estudo da temática educação-gênero e suas contribuições na sociedade contemporânea ocupa lugar de destaque cada vez mais abrangente na vida política, histórica e social brasileira e piauiense, exigindo articulação mais profunda com os Direitos Humanos. Esta construção origina-se na história de lutas e avanços do movimento feminista na contemporaneidade, organizado em busca da visibilidade das mulheres e da igualdade de oportunidades entre o “ser  feminino” e o “ser masculino”, ao revelar resistências às desigualdades sexuais aprendidas historicamente com a ação do patriarcado. A autonomia feminina vem servindo de ferramenta analítica para rupturas nesse processo de opressão, desrespeito, preconceito, inferioridade e exclusão no exercício do poder em instâncias decisórias, fragmentando o bem estar humano. O território do Centro de Referência da Assistência Social – CRAS - Sul III de Teresina é a unidade de assistência social do Núcleo de Atenção Intergeracional KM 07, base dessa investigação, está localizado no bairro Santo Antônio, zona sul de Teresina, cujas protagonistas são mulheres beneficiárias do Programa Bolsa-Família (PBF) e egressas do Programa Nacional de Ensino Técnico e Emprego – PRONATEC.  Questões motivadoras: Qual o perfil das mulheres participantes deste estudo no contexto do bairro Santo Antônio?  Quais os motivos que as levaram a procurar inclusão nos Programas: PBF e PRONATEC? Da participação de mulheres nestes Programas, que significados resultaram para o alcance da autonomia em suas vidas? Objetivo geral: analisar indícios de autonomia da mulher assistida pelos Programas supracitados. Objetivos específicos: caracterizar o perfil das mulheres entrevistadas; compreender as motivações que as impulsionam a ingressar nos Programas Bolsa Família e PRONATEC; identificar indícios de autonomia das mulheres pesquisadas.  Teóricos orientadores: Abreu (2011), Barbier  (2004), Bardin (1977),  Bomfim e Gonçalves (2011), Bortoni-Ricardo (2008), Bourdieu(2003), Franco (2007), Freire(1996), Hooks (2013), Louro (1997), Meneghel (2005), Moreira (2012),  Richardson (1999), Saffioti (1987), Santos 2010; 2013). Metodologia: pesquisa qualitativa, autobiográfica, utilizando a entrevista narrativa semi-estruturada e rodas de conversa. Resultados alcançados com a participação nos Programas pesquisados: a renda das beneficiárias do PBF complementa o ganho de membros de suas respectivas famílias, a fim de garantir condições mínimas de sobrevivência; a admissão nos cursos do PRONATEC significa o alcance da realização de sonhos: “Voltar à escola!” “Aprender novos conhecimentos!” Aprimorar o currículo e melhorar a autoestima! Este conjunto de possibilidades representa uma oportunidade gratuita para se qualificarem na luta competitiva de inserção no mercado de trabalho.

     

     

     

     

  • ROSALINA DE SOUZA ROCHA DA SILVA
  • CAMINHO DAS PEDRAS EM ESPIRAL: MOSAICO DOS SIGNIFICADOS E SENTIDOS DE ENSINAR ARTES VISUAIS

  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 25/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • O estudo tem como objetivo investigar a relação dos significados e sentidos de ensinar Artes Visuais na educação profissional técnica de nível médio com as práticas docentes produzidas pelas professoras de duas escolas em Parnaíba-PI, colaborando para a produção de significados e sentidos sobre práticas docentes Ético-afetivas. Especificamente, objetiva caracterizar as práticas produzidas pelas professoras na educação profissional técnica de nível médio em contexto escolar; identificar os significados e os sentidos de ensinar Artes Visuais que as professoras relacionam com suas práticas docentes na educação profissional técnica de nível médio em contexto escolar e analisar os significados e os sentidos de ensinar Artes Visuais na educação profissional técnica de nível médio no desenvolvimento das práticas docentes. Para alcançar os objetivos, a pesquisa utilizada foi a Colaborativa, fundamentada em Ibiapina (2008, 2014), tendo como base teórico-metodológica o Materialismo Histórico Dialético, fundamentado em Marx e Engels (2002). Respaldamo-nos em Freire (1996, 2011) e Spinoza (2013), para definir a categoria Prática Docente Ético-afetiva. Utiliza como procedimentos metodológicos: Encontro Colaborativo, Messenger e Observação Colaborativa. A análise é baseada no tipo de pergunta formulada e nos estudos de Ninin (2013), Liberali (2012) e Silva (2015). Obtivemos como resultado a expansão dos conhecimentos iniciais das partícipes, quando apresentam significações ampliadas e indicadores de transformação das práticas, com possibilidade de realização de Práticas Docentes Ético-afetivas, conseguidas em compartilhamentos de significados e negociações de sentidos. A pesquisa favoreceu a colaboração, o desenvolvimento pessoal e profissional das partícipes que atuam no ensino de Arte Visuais na educação profissional técnica de nível médio.

     

     

  • SUELI MARIA DE SOUSA PIRES
  •  SIGNIFICADOS E SENTIDOS CONSTITUIDOS POR PROFESSORES SOBRE O APRENDER A ENSINAR E QUE MEDEIAM SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA
  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 24/06/2016
  • Mostrar Resumo
  •  O que significa ensinar para os professores? Como eles constroem o conhecimento acerca de como ensinar? A prática pedagógica é mediada pelo que o professor aprende no processo de formação ou no que ele vivencia na sala de aula? Essas questões ensejaram o seguinte problema de pesquisa: Que significados e sentidos são constituídos por professores do Ensino Médio sobre o aprender a ensinar e que medeiam sua prática pedagógica? Esse problema originou a pesquisa de mestrado que se desenvolveu a partir do seguinte objetivo geral: Investigar significados e sentidos constituídos por professores do Ensino Médio sobre o aprender a ensinar, e que medeiam a sua prática pedagógica. Os objetivos específicos da investigação foram: Compreender os significados e os sentidos constituídos por professores sobre o aprender a ensinar; Conhecer os processos formativos vivenciados pelos professores; Analisar as relações entre as significações produzidas no processo de aprender a ensinar e a prática pedagógica dos professores. A pesquisa de natureza qualitativa desdobrou-se em estudos teóricos e empíricos. Na produção dos elementos teórico-metodológicos, recorreu-se às categorias da Psicologia sócio-histórica com apoio em obras de autores como Leontiev (1978) Rubinstein (1977) Vigotski (1998; 2000) e seus apropriadores. O aprofundamento nas questões sobre o processo de formação de professores e o desenvolvimento da prática pedagógica foi possível a partir de autores como Nóvoa (1999) Pimenta (2005) Sacristán (2001), Tardif (2002) e outros. O instrumento de pesquisa e produção de informações utilizado na investigação foi a entrevista narrativa. As análises das narrativas foram orientadas pelo procedimento metodológico Núcleos de Significação. Participaram como sujeitos da investigação três professores de Ensino Médio. As análises das significações produzidas pelos sujeitos da pesquisa possibilitaram a constituição de três núcleos que foram assim identificados: A entrada na docência: motivações e dificuldades no percurso da constituição do ser professor; Os processos formativos no percurso de constituição do ser professor; A experiência pedagógica mediando a produção de sentidos e significados sobre o ensinar e aprender em sala de aula. Os resultados alcançados com a pesquisa revelam algumas das mediações que foram determinantes na vida dos professores e que explicam a significação sobre como eles aprenderam a ensinar e, consequentemente, explicam o modo como os professores desenvolvem suas práticas pedagógicas.

  • LUIZ CARLOS CARVALHO DE OLIVEIRA
  • As Representações Sociais de Diretores Escolares acerca da Formação de Professores

  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 22/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A temática desta tese trata da formação de professores, visando apreender as representações sociais de diretores de escolas públicas municipais de Teresina dos anos iniciais do ensino fundamental sobre o processo formativo de professores. Considerando que o diretor é um dos participantes do processo de formação e que as iniciativas neste campo pouco têm levado em conta as suas reflexões, este estudo propõe-se a buscar uma compreensão do processo de formação de professores a partir das análises dos diretores. Dessa forma, a presente tese tem como objetivo analisar as representações sociais de diretores escolares dos anos iniciais do Ensino Fundamental sobre formação de professores. E especificamente, objetiva identificar a importância da formação, para os diretores escolares, para se ter bons professores nos anos iniciais do ensino fundamental e investigar as características que os diretores mais valorizam nos professores. Para alcançar os objetivos, adota-se como base teórico-metodológica a Teoria das Representações Sociais, fundamentada em Moscovici (1978) e Jodelet (2001). Os achados desta pesquisa foram analisados à luz dos pressupostos teóricos que o fundamentam, especialmente a partir das contribuições de Demailly (1992), García (1999), Gatti (2002, 2008, 2009), Marin (1995), Maués (2003),  Nóvoa (1992); Perrenoud  (1993, 2002) , Imbernón (2010). A coleta de dados da pesquisa que originou esta tese deu-se por meio de entrevistas semi-estruturadas, realizadas, individualmente, com 30 diretores escolares. A análise de dados foi realizada a partir de procedimento qualiquantitativos e na análise categorial de Bardin (1977). Segundo os entrevistados, a formação de professores efetiva-se com a formação continuada. Os diretores quando sugeridos a falar sobre a Formação Continuada, afirmam que colaboram com o processo de Formação Continuada e a nomearam como Momento de Atualização. A característica principal do bom professor é o Compromisso e que o professor deve, na docência dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, ter Afetuosidade, Identidade com a Profissão e Habilidade para Planejar, desafios específicos da docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. A característica principal das respostas é a de que os diretores valorizam mais o Compromisso do professor que sua titulação. Ou seja, eles valorizam pouco o fato de o professor possuir pós-graduação. Do ponto de vista da gestão escolar, ter um professor corresponde a ter um professor que cumpre o planejamento acordado para sua escola. E ainda, os sujeitos afirmam uma conexão entre a promoção de uma formação de professores através do processo de Formação Continuada e a qualidade na Educação, notadamente de uma educação pública de qualidade.

  • JOSÉ FERREIRA DA SILVA JÚNIOR
  • Representações Sociais da Qualidade do Trabalho Docente no Ensino Superior Partilhadas por Alunos de Graduação da Universidade Federal do Piauí

     

  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 20/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A qualidade do trabalho docente no ensino superior no Brasil tem recebido maior atenção nos últimos anos, sobretudo a partir das primeiras avaliações educacionais, em larga escala, implementadas pelo Ministério da Educação, no final de 1980. A definição do termo qualidade não é consensual, incorporando um sentido complexo e abrangente. Com base neste entendimento, realizamos esta pesquisa de natureza qualitativa, tendo como objetivo analisar as representações sociais da qualidade do trabalho docente no ensino superior partilhadas por alunos de graduação da Universidade Federal do Piauí em Teresina. Recorremos, para tanto, à Teoria das Representações Sociais de Serge Moscovici (1978) para apreendermos os sentidos presentes no senso comum relacionados à qualidade do trabalho docente. Buscamos na História da Educação elementos que fundamentassem o processo de construção do objeto de estudo, bem como na Didática subsídios para relacionarmos as representações elaboradas pelos alunos à compreensão científica do que se traduz a prática docente. Foram sujeitos da pesquisa 30 alunos de graduação da Universidade Federal do Piauí em Teresina, investigados a partir de entrevista semiestruturada com roteiro de oito questões. Já para análise dos dados, utilizamos a Análise de Conteúdo por meio da técnica de Análise Categorial, conforme Bardin (1977). Os resultados alcançados revelam que as representações sociais da qualidade do trabalho docente no ensino superior para os sujeitos desta pesquisa estão associadas a fatores relacionados à metodologia, qualificação, domínio de conteúdo, compromisso, relacionamento, motivação e avaliação, dentre outros. Os resultados revelaram ainda, a partir das representações sociais apreendidas, que o trabalho docente de qualidade ruim gera um comprometimento no rendimento acadêmico dos sujeitos, ocasiona desmotivação e demanda maior esforço e mais estudo por parte dos sujeitos.

  • CLÁUDIO JOSÉ ARAÚJO SILVA
  • EXPERIÊNCIAS DE RACISMO VIVENCIADAS POR TRÊS PROFESSORES AFRODESCENDENTES.       
  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 27/04/2016
  • Mostrar Resumo
  •  

    RESUMO

     

    O racismo é um problema social caracterizado fundamentalmente pelo sentimento de superioridade de um grupo racial sobre outros. Deve ser combatido constantemente em função das suas consequências como a exclusão social, constrangimento, sentimento de inferioridade e desvalorização do grupo que sofre racismo. No Brasil, os afrodescendentes sofrem racismo, fazendo prevalecer os valores da cultura europeia desde a formação deste país. Atualmente, em muitas situações, ele vem se desenvolvendo de forma velada em função de discursos igualitários e dispositivos legais anti-racistas. Práticas e ideias como a falsa democracia racial e assimilação do  branqueamento têm contribuído  para os silêncios nos diversos espaços sociais sobre a  questão racial em nossa sociedade. Deste modo, é importante adiantar que as motivações básicas  para esta  pesquisa  foram  o  desenvolvimento do sentimento  de  pertencimento  racial e as experiências  de  racismo  vivenciadas  na  família.  Esta pesquisa tinha como objetivo geral “analisar as experiências de racismo vivenciadas  por professores considerados afrodescendentes”. E como objetivos específicos: caracterizar as experiências de racismo no universo social; identificar estas mesmas na  família;  investigar  as  experiências  de  racismo  no  processo  de  escolarização e    no contexto do trabalho docente; como também, descrever  perspectivas  de combate  ao  racismo. Os sujeitos da pesquisa foram três professores  graduados,  considerados   afrodescendentes  devido as suas características fenotípicas, que estavam desenvolvendo a docência como concursados em escolas públicas. Foi usada a abordagem  qualitativa  através das narrativas biográficas, entrevistas  semiestruturadas  e o diário de campo como instrumentos  de  pesquisa. Todas as entrevistas foram realizadas no local de trabalho de cada professor. As informações acessadas a partir das entrevistas foram transcritas, organizadas e depois da análise, foram agrupadas por categorias para a realização da interpretação e discussão. A pesquisa e esta dissertação estão fundamentadas em autores tais como: Moura (1988), Boakari (1997, 1999, 2003, 2010), Gomes (1995), Lopes (2007), Schwarcz (1993), Freyre (2000), Fanon (2008), Althusser (1985),  Santos;  Meneses (2010), Castro;  Abramovay (2006), Foucault (2007), Bertaux (2008), Richardson (2012), Moreira;  Caleffe (2008), Bogdan;  Biklen  (1994), Bardin (2001), dentre outros. Teve também, como colaboradores os membros do Núcleo de Estudos Roda Griô-GEAfro:gênero, educação e afrodescendência, do Centro de Ciências da Educação, CCE, da Universidade Federal do Piauí e as/os professoras/es Shara Jane Holanda Costa Adad, Maria do Carmo Alves do Bomfim, Elio Ferreira de Souza, Antônio Francisco Soares, Joaquim Monteiro e Renato José Rodrigues. Os resultados do estudo evidenciaram a existência continuada do racismo em nossa sociedade. O estudo também fornece evidências da necessidade de se dedicar mais esforços explícitos e adotar práticas concretas na sociedade brasileira, especialmente em todos os níveis da educação escolar, para desenvolver ações e atividades anti-racistas, e contra todas as formas de discriminação, desumanização.  

     

     


     

  • ANTONINA MENDES FEITOSA SOARES
  • A PRÁTICA DO PROFESSOR DE CIÊNCIAS NATURAIS E A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO MEDIANDO A APROPRIAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS

  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 22/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • O pressuposto deste estudo é de que as relações da prática do professor de Ciências Naturais com a organização do ensino produzem possibilidades de apropriação de conceitos científicos. Tem como objetivo geral investigar as relações que se estabelecem da prática do professor de Ciências Naturais com a organização do ensino, mediando possibilidades de apropriação de conceitos científicos. Especificamente, pretende caracterizar a prática do professor de Ciências Naturais nos anos finais do Ensino Fundamental, identificar as necessidades advindas da prática como tomada de consciência para a apropriação de conceitos científicos e analisar as implicações produzidas pela organização do ensino na prática do professor de Ciências Naturais para apropriação de conceitos científicos. Dado seu caráter investigativo formativo, recorre à pesquisa-ação (FRANCO, 2005, 2012; SMITH, 1992), uma vez que a intenção é desenvolver uma investigação-formação, tendo em vista criar possibilidades de reelaborar a prática e as ações de ensino a partir da elevação do nível de consciência. A pesquisa foi realizada em uma escola pública, no período de 2013 a 2016, na cidade de Teresina – PI, desenvolvida com cinco partícipes, professoras de Ciências Naturais dos anos finais do Ensino Fundamental. Este estudo está respaldado nos princípios do Materialismo Histórico Dialético, enquanto método de pesquisa e análise dos dados (MARX; ENGELS, 2007; VIGOTSKI, 2009; KOSIK, 2011; AFANASIEV, 1968). Justifica a escolha do tema, diante da compreensão de que a apropriação de conceitos científicos ocorre de forma desvinculada da experiência imediata, em momentos intencionalmente organizados com o fim explícito de ensinar e aprender. Esse processo acontece de forma mediada por signos e por instrumentos produzidos culturalmente de forma objetivada inerentes à função do professor e da escola. O processo de produção dos dados se deu por meio do questionário semiestruturado, da entrevista narrativa e dos encontros formativos por meio dos quais se desencadearam momentos de discussão do campo teórico, possibilitando uma tomada de consciência das práticas reais. Como suporte para análise dos dados, utiliza a análise do discurso (PONTECORVO, 2005; ORLANDI, 2005), considerando, para isso, o discurso das interlocutoras como realidade material para análise dos enunciados selecionados. Os dados empíricos apontam para elaboração de eixos temáticos que interelacionam o movimento lógico do pensamento, da prática e da organização do ensino como mediadores para apropriação de conceitos. Os resultados analisados apontam para resposta da questão problema. No levantamento dos conhecimentos prévios, bem como nos diversos momentos da pesquisa, foi constatado nos enunciados das partícipes a predominância da prática repetitiva, espontaneísta, limitada ao pragmatismo. A relação entre o lógico, a prática e as ações de ensino revela ser determinante para o tipo de conceito construído, sejam eles espontâneos ou científicos e que a inserção em contextos formativos cria as possibilidades de elevação do nível de consciência das partícipes e, por conseguinte, a reconstrução das práticas e das ações de ensino com vistas à apropriação de conceitos científicos. Na investigação, a tese de que as relações que se estabelecem da prática do professor de Ciências Naturais com a organização do ensino produzem possibilidades de apropriação de conceitos científicos foi confirmada.

     

     

     

  • CARLA DAIANE ALENCAR MENDES
  • O ensino de Filosofia para o desenvolvimento do pensar crítico: estudos com crianças no ensino fundamental.

  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa coloca em realce o ensino de Filosofia como componente disciplinar no ensino fundamental, de modo específico, evidencia o interesse pela prática do ensino de filosofia com crianças, o que tem se configurado como uma das temáticas menos trazidas à pauta de discussões no âmbito da educação escolar. O objetivo do presente estudo é analisar a contribuição do ensino de filosofia no desenvolvimento do pensar crítico das crianças no ensino fundamental. Em decorrência delineia os seguintes objetivos específicos: Identificar as formas do pensar da criança sobre a realidade e suas atitudes em relação ao senso-comum; observar a capacidade da criança de debater e confrontar ideias; e analisar o pensamento crítico das crianças no desenvolvimento de seu modo de pensar no seu dia-a-dia. O interesse pelo ensino de filosofia com crianças partiu de inquietações decorrentes da vivência como Pedagoga, atuando como professora no ensino fundamental e, também, por ser graduada em Filosofia, atuando como professora de Filosofia no ensino médio, ambos na rede estadual de ensino, aspectos que levam ao questionamento: por que as crianças não têm acesso à Filosofia desde as séries iniciais? Levando em consideração a importância desta disciplina para o desenvolvimento do pensar das crianças, o que conduz elaborar o seguinte problema de pesquisa: De que forma o ensino de filosofia no ensino fundamental contribui para o desenvolvimento do pensar crítico das crianças? Para construir os pressupostos teóricos que lhe sustentam, conta com as contribuições de autores que discutem o ensino de filosofia com crianças, entre eles: Cunha (2008), Kohan (1999; 2004), Lipman (1995; 1999; 2014), Oliveira (2004), Silveira (2001); além de autores que investigam sobre a construção do pensamento crítico-reflexivo, como Dewey (1959), Lipman (1995; 1999; 2014), dentre outros. No campo metodológico, baseia-se em Coulon (1995), Lüdke e André (1986), Macedo (2000), optando pela etnopesquisa crítica de natureza qualitativa, que tem na etnometodologia sua abordagem teórica, e, na etnografia, o método. Tem como colaboradores 20 (vinte) alunos do 2º ano do ensino fundamental, bem como a professora da referida turma de uma escola particular. Este estudo utiliza os seguintes instrumentos e/ou técnicas de obtenção de dados: a observação participante, que tem como recurso o diário de campo, a fim de observar e registrar a prática filosófica dos alunos e da professora da turma; a entrevista aberta, a fim de obter dados sobre a formação e os conhecimentos filosóficos da professora da turma; e oficina de desenhos e contação de história, com o intuito de identificar o desenvolvimento do pensamento das crianças nas aulas de filosofia. A análise dos dados consiste na descrição e interpretação do conteúdo das observações participantes, da entrevista aberta e das oficinas de desenhos e contação de história, considerando duas categorias de análise: Ensinando Filosofia com Crianças e Desenvolvendo a Habilidade do Pensar. O presente trabalho mostra-se relevante por evidenciar o ensino de filosofia como um instrumento importante para o desenvolvimento do pensar crítico das crianças.

  • MARIA CARMEM BEZERRA LIMA
  • QUEM SÃO OS PROFESSORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA?: Um estudo sobre o perfil formativo dos professores que atuam na Educação Infantil no estado do Piauí no contexto pós LDB 9.394/96

  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo investigar o perfil formativo dos professores que atuam na Educação Infantil do estado do Piauí com vistas a verificar o seu atendimento às exigências de formação e às finalidades previstas na LDB 9.394/96 para essa etapa da Educação Básica. Trata-se de um estudo de natureza quantitativa, tendo como fonte os Microdados do Censo Escolar da Educação Básica do ano de 2013 no que tange, especificamente, à formação dos professores que atuam na Educação Infantil, os quais são disponibilizados no portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Anísio Teixeira (INEP). Para a extração e sistematização dos dados, recorreu-se ao uso do software Startical Package for the Social Siences (SPSS) do qual utilizou-se as seguintes funções: seleção de casos, agregar, frequência e referência cruzada que permitiram a construção de um banco de dados contendo as seguintes variáveis: escolaridade, situação do curso, agências formadoras, dependência administrativa, tipo de contratação, etapas de ensino, formação continuada. A visualização dos dados se materializou a partir da organização de tabelas mediante a utilização do programa Excel. O estudo abrangeu todo o Piauí, compreendendo o universo de 8.156 professores que atuavam na Educação Infantil em 2013, razão pela qual optou-se pela organização territorial do Estado em Gerências Regionais de Educação (GREs), totalizando 18 gerências, cada uma com seus municípios, sendo um deles o município polo. Os procedimentos metodológicos evidenciam que, apesar dos avanços, o perfil de formação desses professores é multifacetado, em razão da significativa presença de outros cursos superiores atuando nas creches e pré-escolas do Piauí; da presença de professores com a formação em Nível Médio e Normal Magistério; professores com Ensino Fundamental completo e incompleto; a formação contínua é quase inexistente no universo de professores dessas instituições escolares; a política de formação atual, que tem o Parfor como maior representante, alcança minimamente os profissionais que carecem de formação em nível superior no curso de Pedagogia, principalmente como 2ª licenciatura; quase metade dos professores que necessitam de formação superior não é concursada; e a grande maioria dos professores que fizeram curso superior numa IES pública obtiveram sua graduação na UESPI. Os achados desta pesquisa foram analisados à luz dos pressupostos teóricos que o fundamentam, especialmente a partir das contribuições de Gatti (2004, 2009, 2011), Freitas (2007, 2012), Barreto (2009), Kramer (2006), Kishimoto (1999, 2002, 2005), Imbernón (2005) e Scheibe (2007). As conclusões deste estudo mostram que a Educação Infantil no estado do Piauí ainda é nivelada pela noção de mínimo e que o caráter multifacetado do professor, quantitativamente, nega que a docência na Educação Infantil é uma profissão que detém especificidades que precisam ser aprendidas e que a caracterizam e a diferenciam de outras profissões e até mesmo da própria docência em outros níveis de ensino, o que pode comprometer o alcance das finalidades previstas pela LDB 9.394/96.

  • LUCIVANDO RIBEIRO MARTINS
  • ENTRE OCÓS, TRUQUES E ATRAQUES: a produção de confetos sobre as experiências de educadoras sociais Trans do projeto TRANSFORMAÇÃO.

  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Tomando como disparador a relação entre educação e sexualidade, esta pesquisa direciona-se a analisar o pensamento das educadoras sociais Trans, por meio dos confetos produzidos sobre suas experiências educativas no projeto social TRANSFORMAÇÃO, na cidade de Teresina-PI. Neste sentido, este trabalho deu vazão às seguintes questões que o nortearam: o que se faz problema nas experiências educativas das Trans enquanto educadoras sociais? Quais dispositivos pedagógicos criam as educadoras sociais Trans ao produzirem pensamento sobre suas experiências educativas nos espaços onde atuam? Como possibilitar outras formas de pensar os processos sexopoliticos Trans no encontro com as formar instituídas de sexualidade?  Quais os saberes elaborados pelas Trans sobre suas experiências educativas de educadoras sociais? No processo, estas questões dialogaram com os seguintes autores/as: Foucault(2013; 2010; 1988), Leite Jr. (2008), Bento(2012), Le Goff (2006), Miskolci ( 2012) Delemeau (2009), Kant(1985), Preciado (2011) dentre outros. Fizemos uso do método de pesquisa da sociopoética permeado pelas leituras de Gauthier (2012;2003;1998), Adad (2014) e Petit (2014). Este método norteia-se por cinco princípios, quais sejam: pesquisar entre as pessoas de um grupo; pesquisar com as culturas de resistência, das categorias e dos conceitos que produzem; pesquisar com o corpo todo; pesquisar utilizando técnicas artísticas; importância da responsabilidade ética, noética e espiritual do grupo-pesquisador no momento do processo de pesquisa. Aprodução coletiva de dadosdeu vazão a confetos acerca do tema-gerador: O educar na relação com o gênero. As experiências estéticas deram-se por meio de duas técnicas artísticas:Estandarte do educar na relação com o gênero e o Corpo do Educar na Relação com o gênero.  Após as análises e de posse dos confetoscartografa-se a filosofia do grupo-pesquisador, a linha de pensamento Pedagogia Trans: tipos de educadora,táticas e dispositivos, lugares de atuação. Esta Pedagogia problematiza o educar na relação com o gênero. Esta linha de pensamento se expressa por meio dos seguintes confetos, Educadora corpo trans saia de chita, Educadora trans calçada de sorte,Corpo Educação Travesti, Educar saia de chita para a diversidade na relação de gênero, Educartravesti na relação com o gênero, Educar Dérika calçado de sortena relação com o gênero. Os confetos em questão mostram que as diferenças, as multiciplicidades trabalhadas pelas educadoras Trans em suas práticas problematizam as concepções instituídas de gênero para que se pense em outros formas de existir na educação. E também operam modos de educar que estão ligados às práticas cotidianas das Educadoras Trans frente à heteronormatividade. Portanto, as educadoras sociais Trans e seus saberes e experiências educativas atuam como disparadores/agenciadores que mobilizam pensar outros modos de educar na contemporaneidade ao inserir um aprendizado para/com/pelas diferenças. 

  • CLEIRE MARIA DO AMARAL RODRIGUES
  • O NÍVEL DE ESCOLARIDADE DOS PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E SUAS RELAÇÕES COM AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS, A PARTIR DOS DADOS DA PROVA BRASIL 2013


  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo estabelecer relação entre o perfil de escolaridade dos professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental de escolas públicas brasileiras e as práticas pedagógicas, por eles desenvolvidas em sala de aula, a partir de dados contextuais da Prova Brasil, edição 2013. Trata-se de estudo quantitativo, com base em dados secundários, originalmente produzidos e disponibilizados pelo INEP (Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), em forma de microdados. A população delimitada para o estudo foram os professores de 5º Ano do Ensino Fundamental, de escolas públicas do Brasil, que responderam ao questionário do professor – Prova Brasil (2013), totalizando 102.628 sujeitos. O processo fundamental para a análise de dados quantitativos foi a estatística; assim, utilizou-se, neste estudo, o programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 20.0, para a organização do banco de dados, distribuição de frequências e produção de tabelas de tabulação cruzada que permitiram encontrar relação ente as variáveis trabalhadas: perfil de escolaridade e práticas pedagógicas desenvolvidas. Assim, construiu-se o perfil do professor quanto à escolaridade, caracterizando o grupo quanto ao sexo, idade, experiência, nível de escolaridade, tipo de instituição em que cursou graduação e modalidade de ensino utilizada e, a partir deste perfil, foi possível estabelecer relações, com as práticas pedagógicas desenvolvidas por este mesmo grupo de professores. Inferiu-se, a partir dos procedimentos de análise, que há relação entre a escolaridade e as escolhas que os professores fazem no delineamento de sua ação pedagógica geral e por disciplinas. Os achados deste estudo foram analisados com base em estudos e fundamentos teóricos fornecidos por Gatti e Barreto (2009, 2011), André (2011), Zabalza (1994), Nóvoa (1992), Tardif e Raymond (2000), Penin (1992), entre outros. Também se utilizou os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) como referência para análise das práticas pedagógicas.  As conclusões do estudo revelaram quanto à escolaridade, que 94,3% dos professores atendem ao requisito mínimo legal para serem professores, mais de 80% tem curso superior e que a 57,8% fez curso superior em instituição privada. Quanto à pratica pedagógica, observou-se que os professores fazem escolhas incongruentes em relação aos procedimentos didáticos, tanto em Língua Portuguesa quanto em Matemática, desenvolvendo em mesma frequência práticas de matriz pedagógica opostas. Concluiu-se que há diferença expressiva entre as práticas pedagógicas de professores com curso superior e sem curso superior, bem como entre professores com licenciaturas específicas quando se trata de utilização do tempo escolar, efetivação do conteúdo ministrado e escolha dos procedimentos didáticos.

  • ANNE CAROLINE SOARES DOURADO
  • A RACIONALIDADE PEDAGÓGICA DO PROFESSOR, A ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL E SUA INTERFACE COM O CURRÍCULO

  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 27/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho discute sobre a racionalidade pedagógica da Escola de Tempo Integral. Resulta de uma pesquisa etnometodológica, que tem como aporte teórico Apple(2006), Carvalho (2011), Sacristan (2000), Gadotti (2000), Moll (2012), entre outros autores, e se inscreve no recente campo da epistemologia da prática docente e da Educação Integral enfatizando a perspectiva da racionalidade articulada ao currículo. O estudo analisou a Racionalidade Pedagógica do professor da escola de tempo integral e sua interface com o currículo tomando como referência o Projeto Político-pedagógico (PPP) do CETI. Neste sentido, faz uma contextualização sobre a Escola de Tempo Integral e seu Currículo. Em seguida discutimos a racionalidade pedagógica. Além disso, foram descritas as técnicas de investigação, pesquisa documental, os questionários e a roda de conversa, referenciado por Richardson (2012) e Brito (2013). O estudo nos permitiu diagnosticar que a escola de tempo integral mesmo partindo de princípios emancipatórios, ainda está imbuída da tradicional racionalidade técnico instrumental. Os resultados colaborando para legitimar e explicitar a epistemologia da prática que fundamenta a ação destes profissionais. Isso implica que este estudo, ainda, contribui para expandir o referencial teórico-metodológico deste relevante campo de saber para a profissão docente.

  • ROSIMEYRE VIEIRA DA SILVA
  • Articulação ensino e pesquisa na prática docente: experiências e sentidos dos professores nas licenciaturas do Instituto Federal do Piauí

  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • As produções teóricas apresentadas neste trabalho advêm de uma pesquisa sobre a articulação ensino e pesquisa na prática docente. Parte do princípio de que a pesquisa tem no ensino elemento indispensável para seu complemento, aperfeiçoamento e que ensinar para/com a pesquisa é exigência formativa do contexto contemporâneo. Adotamos a Entrevista Compreensiva (KAUFMAN, 2012; SILVA, 2006, 2012) como metodologia da pesquisa por ser capaz de evidenciar como os professores do IFPI, que atuam nas licenciaturas, compreendem a articulação ensino e pesquisa em sua prática docente. Mediatizado pelos princípios teóricos metodológicos da Multirreferencialidade (ARDOINO, 1998), Escuta Sensível (BARBIER, 1998, 2007) e Artesanato Intelectual (MILLS, 1982), tendo o discurso oral como unidade de análise, no desvelamento das concepções de ensino e de pesquisa para compreensão  sobre a articulação ensino e pesquisa de dez docentes que atuam nos cursos de Biologia, Física, Química e Matemática do IFPI, Campus Teresina Central. As discussões sobre pesquisa estão pautadas nos estudos de André (2012), Demo (2000; 2002; 2011), Ludke (2001) e Zeichner (1993; 2008). Sobre ensino buscamos Perrenoud (2002), Schön(2000) Zabala (2010), Pimenta; Anastasiou (2010), Freire (1981; 1996; 2001) e sobre prática docente discutimos em Franco (2005; 2006; 2008), Freire (1981; 1996; 2001) e Pimenta (2002; 2007). Ao suscitar análises sobre essa temática pretendemos destacar a relevância do tema na formação e prática docente, contribuir com melhores esclarecimentos ou novas olhares sobre o problema, a partir de diferentes ângulos, possibilitando atualização e divulgação do tema em estudo. A História profissional e experiências dos docentes foram essenciais para compreensão dos sentidos por eles atribuídos à articulação ensino e pesquisa. Assim, dentre os elementos necessários à implementação de ações que visem a articulação ensino e pesquisa estão o maior incentivo a pesquisa pela IES e as necessidades formativas sobre os saberes da pesquisa pelos docentes.

  • CARLA TERESA DA COSTA PEDROSA
  • LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS: DILEMAS VIVENCIADOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL E A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR

  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho dissertativo trata de uma investigação sobre os dilemas vivenciados no processo de formação inicial na constituição do ser professor para a atuação na Educação Básica, no contexto do Curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal Piauí (UFPI). A pesquisa está vinculada à linha Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de Profissionais da Educação (NIPPC), instâncias da UFPI. A problemática em questão surge das experiências da pesquisadora, como estudante e professora, do referido curso quando observou e vivenciou situações dilemáticas no processo de formação do professor de Arte que careciam estudos sistematizados acerca do professor a ser formado. Considerando o exposto, parte-se da questão-problema: como os dilemas vivenciados na formação inicial em Artes Visuais interferem na constituição do ser professor?  O objetivo geral do estudo foi analisar o processo de formação no curso de licenciatura em Artes Visuais da UFPI, os seus dilemas e as implicações na constituição do ser professor. E como objetivos específicos: descrever os dilemas presentes no processo de formação do licenciado em Artes Visuais da UFPI; refletir acerca das práticas educativas vivenciadas na formação do professor no Curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFPI; compreender o processo de formação inicial em Artes Visuais da UFPI e suas implicações na formação do licenciado para a Educação Básica. No plano teórico, o Ensino das Artes Visuais é fundamentado em Barbosa (1985, 1998, 2002, 2005, 2010, 2015), Coêlho (2003, 2008), Frange (2002, 2001), Hernandez (2000, 2007) dentre outros; os aspectos da Formação inicial e seus dilemas estão ancorados em Imbernón (2011), Garcia (1992, 1999), Nóvoa (1992, 2002), Pimenta (2002, 2012), Zabalza (1994, 2004) dentre outros. O estudo de cunho qualitativo baseia-se em Gatti e André (2013), Gonzalez Rey (2010) e Flick (2009), tendo como principal instrumento de coleta de dados a entrevista narrativa, segundo Flick (2009) e Schültze (2013) realizada no Curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFPI. Os participantes selecionados foram seis professores (as) formadores (as) do referido curso. A organização dos dados empíricos em categorias e a técnica de Análise do Conteúdo realizam-se com base em Bardin (2011). Com esta pesquisa, obteve-se maior compreensão do processo formativo no âmbito da Licenciatura em Artes Visuais da UFPI, a partir do olhar do professor formador. De acordo com a análise realizada a partir dos dados empíricos do estudo identificou-se dilemas de natureza identitária, formativa, prático-experiencial e conceitual, relativos à constituição do ser professor. Estes foram apontados pelos sujeitos, bem como as ações de superação destes, tais como, reforma curricular, adesão a programas de políticas públicas de formação inicial e continuada, abertura de espaços reflexivos, dentre outros, que visem à melhoria da formação e da constituição do ser professor para a Educação Básica.

     

  • CARLA TERESA DA COSTA PEDROSA
  • LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS: DILEMAS VIVENCIADOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL E A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR

  • Orientador : JOSANIA LIMA PORTELA CARVALHEDO
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho dissertativo trata de uma investigação sobre os dilemas vivenciados no processo de formação inicial na constituição do ser professor para a atuação na Educação Básica, no contexto do Curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal Piauí (UFPI). A pesquisa está vinculada à linha Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de Profissionais da Educação (NIPPC), instâncias da UFPI. A problemática em questão surge das experiências da pesquisadora, como estudante e professora, do referido curso quando observou e vivenciou situações dilemáticas no processo de formação do professor de Arte que careciam estudos sistematizados acerca do professor a ser formado. Considerando o exposto, parte-se da questão-problema: como os dilemas vivenciados na formação inicial em Artes Visuais interferem na constituição do ser professor?  O objetivo geral do estudo foi analisar o processo de formação no curso de licenciatura em Artes Visuais da UFPI, os seus dilemas e as implicações na constituição do ser professor. E como objetivos específicos: descrever os dilemas presentes no processo de formação do licenciado em Artes Visuais da UFPI; refletir acerca das práticas educativas vivenciadas na formação do professor no Curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFPI; compreender o processo de formação inicial em Artes Visuais da UFPI e suas implicações na formação do licenciado para a Educação Básica. No plano teórico, o Ensino das Artes Visuais é fundamentado em Barbosa (1985, 1998, 2002, 2005, 2010, 2015), Coêlho (2003, 2008), Frange (2002, 2001), Hernandez (2000, 2007) dentre outros; os aspectos da Formação inicial e seus dilemas estão ancorados em Imbernón (2011), Garcia (1992, 1999), Nóvoa (1992, 2002), Pimenta (2002, 2012), Zabalza (1994, 2004) dentre outros. O estudo de cunho qualitativo baseia-se em Gatti e André (2013), Gonzalez Rey (2010) e Flick (2009), tendo como principal instrumento de coleta de dados a entrevista narrativa, segundo Flick (2009) e Schültze (2013) realizada no Curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFPI. Os participantes selecionados foram seis professores (as) formadores (as) do referido curso. A organização dos dados empíricos em categorias e a técnica de Análise do Conteúdo realizam-se com base em Bardin (2011). Com esta pesquisa, obteve-se maior compreensão do processo formativo no âmbito da Licenciatura em Artes Visuais da UFPI, a partir do olhar do professor formador. De acordo com a análise realizada a partir dos dados empíricos do estudo identificou-se dilemas de natureza identitária, formativa, prático-experiencial e conceitual, relativos à constituição do ser professor. Estes foram apontados pelos sujeitos, bem como as ações de superação destes, tais como, reforma curricular, adesão a programas de políticas públicas de formação inicial e continuada, abertura de espaços reflexivos, dentre outros, que visem à melhoria da formação e da constituição do ser professor para a Educação Básica.

     

  • KELY-ANEE DE OLIVEIRA NASCIMENTO
  • OS SABERES E FAZERES DA PRÁTICA DO GESTOR: desafios para a construção da gestão democrática na escola pública

  • Orientador : NEIDE CAVALCANTE GUEDES
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo geral compreender como a relação entre os saberes e fazeres do Pedagogo gestor contribui para a construção da gestão democrática na escola pública da rede municipal da cidade de Teresina – Piauí. Partimos do seguinte questionamento: qual a relação entre os saberes e fazeres do Pedagogo gestor para a construção da gestão democrática na escola pública?  Buscamos compreender o processo de construção dos saberes e fazeres de duas gestoras, o entendimento delas acerca da gestão democrática e como este princípio é operacionalizado nas escolas. Partimos do pressuposto que tal gestor antes de assumir o compromisso de gerir uma escola passou por um processo de construção de saberes que foram sendo elaborados a partir das histórias de vida e ao longo formação profissional e pessoal.  Fundamenta-se nos princípios da Etnometodologia enquanto teoria do social e adota como método de investigação a Etnografia com base em autores como Garfinkel (2006), Coulon (1995a, 1995b, 1995c), Malinowski (1978), Angrosino (2009), Fritzen (2012), Macedo (2012), Bertaux (2010) além dos estudos desenvolvidos por Geertz (2013), Wagner (2010) e Berguer e Luckmann (2013) em relação à cultura, o trabalho de campo e a construção social da realidade. O campo empírico se constituiu de duas gestoras que atuam em escolas da rede pública municipal de Teresina-Piauí. Enquanto pesquisa qualitativa etnográfica fizemos uso da observação participante e da entrevista narrativa, associado ao diário de campo construído pelo pesquisador. Os dados foram analisados com base na Análise da Conversação de Marcuschi (1986). Como aportes teóricos nos baseamos em autores como Lück (2006, 2011, 2013, 2014), Leite (2006), Libâneo (2004, 2007, 2010), Paro (2012), Tardif (2002), Josso (2004), Arroyo (2000). Os resultados da pesquisa nos mostraram que as gestoras atribuem sentido ao processo de construção dos saberes e fazeres com base no saber da experiência. A análise ainda nos revelou que os saberes e fazeres foram sendo construídos a partir das vivências que as gestoras obtiveram ao longo de experiências anteriores que perpassam a vida profissional como docente, e que a valorização dos saberes construídos na formação inicial e continuada depende da forma como estes são operacionalizados no cotidiano da prática. Os dados expressam ainda, que as posições assumidas pelas interlocutoras divergem quanto às contribuições da formação – saberes – e da prática - fazeres - no cotidiano da escola, o que conduziu a nossa compreensão no sentido de que a construção de tais saberes e fazeres vai depender do modo como o gestor os operacionaliza. Em relação à gestão democrática, ambas as gestoras trabalham com este principio no limite que o sistema educacional permite, buscando desenvolver práticas que incentivem a participação o sentido de coletividade, descentralização e autonomia garantindo que todos os atores sociais que fazem parte da escola, compartilhem das decisões e trabalhem em conjunto. Portanto a formação inicial e continuada precisam ser repensadas sobre como estão organizando seus currículos tendo em vista a formação do gestor escolar.

  • LUIZ EDUARDO DAS NEVES SILVA
  • A CONSTITUIÇÃO DA PROFESSORALIDADE DO BACHAREL DOCENTE: o aprender a ensinar na Educação Superior

  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A atual dinâmica da conjuntura globalizada nos remete a uma reflexão sobre a atuação do Docente Bacharel do Ensino Superior, exigindo deste uma formação que atenda aos requisitos da contemporaneidade. Neste cenário, o Docente Bacharel, mais que um repertório técnico caracterizado pelo conhecimento comum a sua formação específica, necessita, a exemplo dos demais professores, de conhecimentos didáticos e pedagógicos que o habilitem para exercer o magistério em conformidade com as exigências formativas para exercer o oficio docente. Diante desta realidade, o presente estudo tem como foco analise acerca da constituição da profesoralidade do Docente Bacharel que atua no Centro de Ciências Humanas e Letras - UFPI. Tem como suporte os seguintes objetivos específicos: discutir as trajetórias formativas dos professores bacharéis, caracterizar tempos e espaços que proporcionam a construção da professoralidade, e analisar o processo de aprendizagens construídas na experiência. Seu desenvolvimento deu-se por meio da pesquisa qualitativa, na modalidade narrativa, viabilizada pelo método autobiográfico. Emprega como instrumentos de registro dos dados narrativos, o Memorial de Formação e a Entrevista Semiestruturada. Os dados foram organizado e analisados empregando as três fases elencadas por Bardin (2011): 1ª Fase – Pré-análise, objetiva um contato prévio com as informações contidas nos instrumentos de pesquisa; 2ª Fase – Exploração dos materiais compreendida como o momento de organização e categorização dos dados emergidos dos relatos e registros aubiográficos; 3ª Fase – Tratamento dos resultados, momento em que, pautado em referencial teórico, atribui validade e significado aos dados obtidos e analisados. O substrato teórico apoia-se nas concepções de Bittar (2006), Masetto (2003), Teixeira (2005), Nóvoa (1992, 2000), Schön (2000), Tardif (2002), dentre outros, que discutem a temática. No campo metodológico, segue as articulações de Bogdan e Biklen (1994); Josso (2010); Nóvoa e Finger (2010); Souza (2006), entre outros. Nas Considerações Conclusivas são apontadas as principais evidências que emergiram da sessão analítica, sendo destacado o saber experiencial produzido na prática pedagógica como um dos principais recursos utilizados pelos professores bacharéis como meios para constituição de sua professoralidade.

     

     

     

     

     

     


  • MARIA LUZIRENE OLIVEIRA DO NASCIMENTO
  • O PRONATEC NO ÂMBITO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: DA DUALIDADE ESTRUTURAL À MERCANTILIZAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O PRONATEC no âmbito das políticas públicas de Educação Profissional: da dualidade estrutural à mercantilização da qualificação profissional

     

    O presente estudo trata da política de Educação Profissional tendo por objetivo investigar as formas de organização e financiamento do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (PRONATEC), no que se refere à oferta, público-alvo e gestão.  A pesquisa problematiza o Programa no âmbito das políticas de educação profissional desenvolvidas durante os governos FHC, Lula e Dilma, revelando os avanços e retrocessos na perspectiva do trabalho como princípio educativo, visando à formação humana integral, o que remete à compreensão dialética da Educação, como processo de formação humana, que deve ser direcionada não apenas à preparação de mão de obra para o mercado de trabalho, mas, sobretudo, a uma educação que possibilite a emancipação humana. O materialismo histórico-dialético é a perspectiva teórico-metodológica adotada na construção da pesquisa, que envolveu a definição das seguintes categorias de análise: Trabalho e Educação; Educação Profissional; Políticas Públicas e Educação; Relação Público e Privado. O estudo dialoga com autores como Mèszáros, Saviani, Frigotto, Ponce, Gramsci, Antunes, Marx e Peroni. A pesquisa, de cunho exploratório, foi desenvolvida mediante estudo documental, baseado em fontes primárias e secundárias. A pesquisa revelou que o PRONATEC se constitui como um contraponto à política de educação profissional do governo Lula, que resgatou a possibilidade de integração do Ensino Médio ao Técnico, dissociado pela política do governo FHC, na qual o PRONATEC se aproxima devido à priorização de cursos de curta duração e cursos subsequentes e concomitantes ao ensino médio, sem a possibilidade de oferta integrada, portanto, reforçando a histórica dualidade estrutural que permeia a Educação Profissional. O público-alvo prioritário do Programa são estudantes da rede pública de ensino, trabalhadores desempregados e beneficiários dos Programas de Transferência de Renda, o que vincula o PRONATEC às políticas assistencialistas do Governo Federal destinadas ao público em situação de vulnerabilidade social. A relação público-privado na gestão do Programa é central, pois o Programa adota um padrão de financiamento com forte presença do setor privado, este como beneficiário de recursos para a execução do PRONATEC, contribuindo para o fortalecimento de um mercado educacional no qual a iniciativa privada se beneficia duplamente, seja pela formação de mão de obra, seja pelos recursos públicos recebidos para a gestão direta. Neste contexto, o direito à educação é remetido para a esfera do mercado, reiterando a dualidade estrutural e a mercantilização da qualificação profissional.

     

     

  • ERINEIDE CUNHA DE SOUSA
  •  

    REFLEXÃO NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE ALFABETIZADORES: dos desafios e das possibilidades

  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 25/02/2016
  • Mostrar Resumo
  •  

     

    O presente estudo tem como objetivo geral investigar o desenvolvimento da reflexão na formação continuada de alfabetizadores. O estudo vincula-se à  linha de pesquisa “Ensino, formação de professores e práticas pedagógicas”. Com base no objetivo o estudo foi desenvolvido a partir das seguintes questões norteadoras: Como se caracteriza o processo de formação continuada dos alfabetizadores? Que conhecimentos são privilegiados na formação continuada de alfabetizadores? Quais situações formativas possibilitam a reflexão na formação continuada de alfabetizadores? Que aspectos relativos à alfabetização e ao ser alfabetizador são considerados na reflexão desenvolvida na formação continuada? Que tipo de reflexão predomina na formação continuada de alfabetizadores? A fundamentação do estudo tem embasamento teórico-metodológico respaldado nas contribuições de Alarcão (2001), Candau (1997, 2007), Liberali (2010), Pimenta (2001), entre outros, que abordam o processo de reflexão. Sobre formação continuada tem como referência as pesquisas de Formosinho (2009), Imbernón (2009, 2010), Marin (1995).  A temática prática pedagógica alfabetizadora e alfabetização apoiam-se nas ideias de Brito (2007, 2011), Soares (2008, 2010), entre outros. Sobre narrativas trabalhamos com Passeggi (2008, 2010), Souza (2006, 2010), Josso (2006), por exemplo.   Trata-se de uma pesquisa narrativa na qual utilizou-se como técnica de produção de dados o memorial de formação, orientado por um roteiro norteador e a entrevista narrativa, partindo de uma questão geradora. A pesquisa contou com a participação de oito alfabetizadoras, selecionadas de acordo com os seguintes critérios: ser professor alfabetizador; ter formação em nível superior; ter no mínimo cinco anos de experiência na alfabetização e participar de formação continuada. Teve como contexto quatro escolas públicas da rede municipal de Teresina/PI. Para estruturação analítica optou-se pela análise de conteúdo das narrativas a partir do pensamento de Bertaux (2010). Os dados produzidos a partir das técnicas narrativas tornou viável a análise das escritas narrativas das alfabetizadoras e foram organizados nas seguintes unidades temáticas de análise: formação continuada de alfabetizadores; formação continuada e conhecimento profissional e reflexão como princípio da formação continuada. O estudo mostra que a formação continuada é importante na qualificação da prática docente. Mostra, também, a necessidade de ampliar a reflexão nos processos formativos como aspecto que favorece o autoconhecimento e o conhecimento da prática.

  • HAÊDE GOMES SILVA
  • FORMAÇÃO CONTINUADA: A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO ESPAÇO E TEMPO DE PRODUÇÃO DE SABERES E APRENDIZAGENS COMPARTILHADAS

  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 25/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A formação dos profissionais da educação constitui-se atualmente um dos temas debatidos no campo das pesquisas desenvolvidas no cenário nacional e internacional. Nesse contexto formativo, destacam-se estudos voltados para a implementação de novas políticas de formação inicial e continuada que atendam às necessidades formativas desses profissionais em tempos e espaços diferenciados, que revelam uma nova configuração nos modelos vigentes dos cursos de formação continuada em que práticas docentes participativas e reflexivas têm merecido expressivo destaque como resultado de mudanças significativas na prática pedagógica. Alinhada com esta perspectiva, a presente pesquisa tem como objeto de estudo a formação continuada no contexto da escola de ensino fundamental dos anos iniciais, compreendida como espaço e tempo de produção de saberes e aprendizagens compartilhadas. Diante do exposto, o estudo propõe o seguinte problema: em que aspectos a formação continuada de professores possibilita a produção de saberes e aprendizagens compartilhadas no contexto de suas práticas pedagógicas na escola de ensino fundamental dos anos iniciais? A pesquisa delineia como objetivo geral: investigar a formação continuada de professores e sua aplicabilidade nas práticas pedagógicas, tendo em vista a produção de saberes e aprendizagens compartilhadas no contexto da escola de ensino fundamental dos anos iniciais e como objetivos específicos define os seguintes: caracterizar ações de formação continuada de professores ofertadas pela rede municipal de ensino; descrever situações formativas que proporcionam aos professores a vivência de aprendizagens compartilhadas na escola de ensino fundamental; analisar os saberes produzidos e reelaborados pelos professores a partir da formação continuada na sua prática pedagógica na escola de ensino fundamental. Adota como campo teórico ideias de Alarcão (2001,2007); Imbernón (2006,2010); Macedo (2004); Nóvoa (1992), Warschauer (2001), dentre outros que vislumbram a escola como espaço possível de formação e aprendizagens compartilhadas. Tem como proposta metodológica a pesquisa qualitativa de abordagem narrativa, configurando-se como estudo de natureza descritiva e interpretativa, na perspectiva de compreensão contextual do fenômeno investigado, apoiada em Souza (2004), Nóvoa (1992), Bertaux (2010). Seus interlocutores são 06 (seis) professores do ensino fundamental e 01 (uma) pedagoga, que por meio de narrativas de formação, via Cartas Pedagógicas inspiradas em Freire (2014) e Camini (2012) e de Entrevista Narrativa, segundo Jovchelovich e Bauer (2015) efetivaram a produção de dados, que se encontram organizados em três tempos analíticos, segundo orientação de Souza (2006), assim denominados e explicitados: Tempo Analítico I – Pré-Análise/Leitura Cruzada, o qual traça o perfil (auto) biográfico dos interlocutores; Tempo Analítico II/Leitura Temática: que se ocupa da organização de unidades de análise descritiva, avalia e interpreta os dados e auxilia no estabelecimento de unidades de análise temática descritivas organizadas a partir dos relatos produzidos pelos interlocutores; e Tempo Analítico III: Leitura Interpretativa-Compreensiva, que integrando o agrupamento de elementos dos Tempos I e II, conforme citados, tendo em vista o desvelamento das singularidades implícitas e explícitas, possibilitando a compreensão do objeto de estudo, no caso, a escola do ensino fundamental dos anos iniciais como lócus de formação continuada e de aprendizagens compartilhadas. Expressa como principais resultados/ constatações: confirmação da escola como espaço de formação continuada; entendimento de que são produtores/mobilizadores de saberes para demandar sua formação continuada e fortalecer sua prática docente e que reconhecem a escola local de aprendizagens compartilhadas, tendo em vista as trocas de experiências, os estudos colegiados e a oportunização de momentos importantes que levam ao exercício reflexivo do professor na condição de um representativo exercício que empodera o circuito formativo e de crescimento do professor.

                   

     

     

     

                        

  • FRANCISCA JELMA DA CRUZ SOUSA
  •  

    FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL: INTERFACES COM A PRÁTICA DOCENTE

  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 25/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo propõe uma reflexão sobre a formação de professores da educação infantil no processo de formação continuada nessa etapa de ensino. Entendendo que esse processo se caracteriza na busca de uma proposta sólida de formação. A opção por discutir sobre formação partiu da necessidade de compreensão dos saberes e fazeres que os professores na educação infantil utilizam na sua prática docente. Nesse sentido o objeto de estudo é da formação continuada de professores na educação infantil, cujo objetivo geral é: investigar as relações da formação continuada na educação infantil com a prática docente. Para o detalhamento do objetivo geral foram levantadas algumas questões norteadoras: Como é organizada a Proposta de Formação? Quais os princípios que orientam a proposta de Formação? Como os professores relacionam saberes e fazeres na sua prática docente? Para compreensão do estudo foram referenciados autores sobre a educação infantil, tais como: Bassedas (1999), Diretrizes Curriculares do Município de Teresina (2008), Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação Infantil (2010), Hermida (2007) e o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1988) e, sobre a formação de professores forma citados: Alarcão (2001), Cunha (2009), Gatti (2013),  Gomes (2009), Liberalli (2010) e Nóvoa (2009).  A metodologia escolhida para o estudo foi a pesquisa narrativa, com técnica de produção de dados utilizamos o memorial de formação e na entrevista narrativa. Os autores que deram suporte aos procedimentos metodológicos foram: Bauer; Gaskell, (2008), Bertaux ( 2010), Conelly ; Clandinni (1995), Passegi (2008) e Pérez (2003). O estudo teve como cenário 2(dois) Centros Municipais de Educação Infantil e envolveu como interlocutoras 7 (sete) professoras que atuam nessa etapa de ensino. Diante do crescimento da educação infantil entendemos ser necessário discutir a temática da formação continuada, considerando os aspectos relativos à organização curricular, as políticas voltadas para a educação infantil e, principalmente, a formação continuada na condição de processo que possibilita a reflexão sobre o saber e o saber fazer. 

  • ANA LUIZA FLORIANO DE MOURA
  • O PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: NARRATIVIDADE DE CRIANÇAS

  • Orientador : MARIA DA GLORIA SOARES BARBOSA LIMA
  • Data: 24/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta proposta de trabalho fundamenta-se nos pressupostos da Educação Infantil, mais precisamente, focaliza o início da trajetória escolar, voltando-se para questões como habilidades de coordenação motora, de linguagens e socialização, intrínsecas a esse processo. Dentre essas questões, discussões e encaminhamentos sobressaem o processo de apropriação da leitura e da escrita na educação infantil. Apresenta como objeto de estudo a construção da alfabetização na educação infantil. Delineia os seguintes objetivos: analisar as concepções de crianças da educação infantil sobre alfabetização; identificar as funções da leitura e da escrita na alfabetização de crianças na educação infantil; caracterizar situações de leitura e escrita vivenciadas pelas crianças na educação infantil; descrever o ambiente alfabetizador construído na educação infantil. Tem como interlocutores 8 (oito) crianças que estão cursando o segundo período da educação infantil, de um C.M.E.I (Centro Municipal de Educação Infantil Tia Erinelda Veiga).Apoia-se na vertente metodológica da pesquisa qualitativa com abordagem narrativa, conforme Brito (2010), Connelly e Clandinin (2004). Apresenta como vertente teórica estudos sobre a educação infantil, alfabetização e infância, em articulação com a narratividade de crianças, dialogando, dentre outros, com os seguintes autores: Oliveira (2011), Vasques (2009), Leite (2008), Moll (2008), Vasconcellos (2005). Emprega para a produção de dados a observação sistemática, fundamentada nos estudos de Gil (2008) e as rodas de conversa, na perspectiva de Brito (2014), Warschauer (1993) e como orientação para analisar os dados segue a técnica da análise de conteúdo, fundamentada em Bardin (2009) e que se delineou em três eixos categoriais, assim nomeados: Eixo 1: Caracterização da prática pedagógica na educação infantil; Eixo 2: Alfabetização na educação infantil; Eixo 3: Apropriação da leitura e da escrita na educação infantil. Os resultados apontam, mediante o conteúdo das narrativas das crianças, que o ambiente alfabetizador construído na educação infantil contribui para o desenvolvimento de seus processos de leitura e da escrita. Concomitantemente, o estudo revela que o ambiente profissional proporciona aos professores auferirem e, também, viabilizar aprendizagens significativas, nas quais mobilizam saberes, com o objetivo de cumprir a intencionalidade de sua ação pedagógica, no cenário da alfabetização na educação infantil. Dessa maneira, todas as crianças narradoras demarcaram em seus depoimentos sobre a apropriação da leitura e da escrita, de letramentos diferenciados, pelos saberes externados por cada criança,como atestam o conteúdo dos dados analisados à luz da técnica da análise de conteúdo.

  • VILMARA DA SILVA
  • O ensino primário piauiense nos anos de 1930 a1940: o currículo como fonte de renovação da instrução pública.

  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 24/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa investiga por meio dos fatos históricos referentes à educação piauiense e o processo de renovação da escola primária piauiense, situando em relação à modernização educacional que ocorria em nível nacional. Selecionamos como fonte de pesquisa, as Leis e os Decretos do legislativo piauiense. Tem como objetivo geral: Analisar a constituição do currículo do ensino primário piauiense nos anos 1930 a 1940 à lus da legislação educacional; como objetivos específicos: 1) levantar fontes documentais sobre a instrução primária do Piauí entre os anos de 1930 a 1940; 2) caracterizar o currículo do ensino primário no período referido; 3) investigar o currículo ancorado nos ideias da Escola Nova, com essa finalidade pretende-se no campo empirico encontrar respotas para a seguinte perguntanorteadora desta pesquisa: como se constituiu o currículo do ensino primário do Piauí entre os anos de 1930 a 1940? O aporte teórico da pesquisa está ancorado em autores da Nova História  como: Burke (1992,2008); Le Goff (2001), na historiografia regional a fundamentação foi feita a partir de Brito (1996), Ferro (1996) Lopes (1996, 2001, 2005) Martins (2009), na Escola Nova com: Azevedo (2010), Nagle (1976), entre outros, que contribuíram significativamente para a elaboração do trabalho. As fontes utilizadas para a pesquisa foram: documentos oficiais disponíveis no Arquivo Público de Teresina (Casa Anísio Brito). Estas fontes permitiram evidenciar o pensamento educacional que estava veiculado através da legislação de ensino, em especial nas escolas primárias. Os resultados obtidos foi possível observar várias reformas de ensino sendo prescritas em documentos legais e administrativos, onde a renovação escolar foi constituída por um projeto político de cunho social civilizador, que pretendia conduzir a nação, a modernização e a educação do povo.

  • MARIA GORETI DA SILVA SOUSA
  • ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO E A CONSTRUÇÃO E (RE) CONSTRUÇÃO DE SABERES DOCENTES: trajetórias narradas no contexto da formação inicial de professores

  • Orientador : CARMEN LUCIA DE OLIVEIRA CABRAL
  • Data: 24/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa de doutorado tem como objeto de estudo o estágio curricular supervisionado como espaço de construção e (re)construção dos saberes docentes. Investigado a partir do problema: O estagio curricular supervisionado oportuniza a construção e reconstrução de saberes docentes no contexto da formação inicial de professores no curso de Pedagogia? Com essa indagação se supõe que esse contexto de formação constitui-se em espaço de saberes profissionais, realizado pelo discente, por meio de sua atuação em situações reais de trabalho realizado nas escolas públicas sob a responsabilidade e a coordenação dos diferentes sujeitos das instituições de ensino. Defende-se a tese de que: O estágio curricular supervisionado na formação inicial de professores, aliado/articulado a diferentes situações formativas que envolvem as relações com os saberes, com os pares e com a realidade das práticas de ensinar, oportuniza a construção e (re)construção de saberes da profissão docente. Para o desenvolvimento da pesquisa, estabelece como objetivo geral: Analisar o estágio curricular supervisionado como espaço de construção e (re)construção de saberes docentes no contexto da formação inicial de professores no curso de Pedagogia, seguido dos específicos: Descrever aspectos legais do estágio curricular supervisionado enfatizando o estágio do curso de Pedagogia da UFPI; Construir o perfil biográfico e formativo das interlocutoras da pesquisa; identificar saberes da profissão docente construídos no decorrer da formação inicial de professores; Compreender a construção dos saberes docentes a partir do estágio curricular supervisionado no curso de Pedagogia. O referencial teórico e metodológico seguem as abordagens de Benjamin (1993), Fairclough (2001), Gauthier (2006), Garcia (1999), Josso (1988, 2004), Nóvoa (1995, 1998), Passeggi (2012), Pimenta (2001), Pimenta e Lima (2004) Pimenta; Anastasiou (2002), Tardif (2002), Ricouer (2007, 2010), entre outros. A abordagem metodológica pauta-se nos fundamentos da pesquisa narrativa analisada à luz da análise de discurso. O memorial de formação e o questionário foram os instrumentos utilizados no contato com as oito interlocutoras da pesquisa, discentes do curso de Pedagogia do CCE – Campus Ministro Petrônio/UFPI. Nos eventos singulares das histórias narradas pelas interlocutoras, ficou claro a vinculação do eu singular ao eu social, até mesmo na escolha do curso de Pedagogia. A desvalorização social da profissão docente pesa na decisão de quem vai escolher essa profissão. Há também uma forte influência de familiares e de amigos nessas escolhas, bem como o leque de oportunidades que o curso de Pedagogia está oferecendo nos espaços não escolares que, na concepção de algumas interlocutoras, oferece mais status. Os resultados confirmam a tese e evidenciam que o estágio curricular supervisionado como espaço de construção e (re)construção de saberes docentes no curso de formação inicial de professores insere-se em um importante espaço de formação profissional quando articulado com diferentes situações formativas. As constatações enunciam ainda que se repensem as relações que se estabelecem nos diferentes espaços educativos de atuação desse futuro profissional, haja vista que o pedagogo tem no contexto atual um leque de opções para desenvolver uma prática educativa e o curso de pedagogia ainda não consegue abarcar concretamente essas dimensões formativas quer sejam por questões administrativas e/ou pedagógicas.

  • AMANDA RIBEIRO DA SILVA
  • ENTRE VERSOS E VIOLAS: história e  memória do projeto cordel nas escolas (1990-2007)

  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 23/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Neste estudo de natureza historiográfica investigamos a história e a memória do projeto cordel nas escolas (1990-2007). O objetivo geral é analisar a contribuição do projeto Cordel nas Escolas para o desenvolvimento da cultura cordelista no espaço escolar. E como objetivos específicos; 1) Identificar os motivos que levaram à idealização do Projeto Cordel nas Escolas; 2) Conhecer as expectativas geradas em torno do projeto pelos cordelistas colaboradores; 3) Descrever o projeto cordel nas escolas, desenvolvido na rede pública de ensino na cidade de Teresina; 4)Caracterizar a cultura cordelista no espaço escolar; 5)Traçar o perfil do aluno/autor dos cordéis. A nossa preocupação principal está ancorada no seguinte questionamento: Qual a contribuição do projeto Cordel nas Escolas para o desenvolvimento da cultura cordelista no espaço escolar? O aporte teórico da pesquisa está baseado em autores da Nova História Cultural como: Burke (1989); Le Goff (2001) e Chartier (1992 e 1989) em Memória com: Félix (1998); Halbwachs (1990), Bosi (1994);na História Oral: Alberti (2004), Delgado ( 2010), Freitas (2002) e Meihy(1998)na literaturaFerro (2010) e Queiroz (2008) e na Literatura de Cordel: Costa (2010), Galvão (2006), Luyten (2007), Megale (2003) entre outros. Quanto à metodologia os depoimentos serão o ponto central das análises, uma vez que utilizamos a história oral como método, maisespecificamente a história oral temática que diferente da história oral de vida interessa-se apenas por eventos específicos. As fontes utilizadas na pesquisa foram hemerográficas: jornais disponíveis no Arquivo Público de Teresina e orais: entrevistas com alunos e cordelistas que participaram do projeto cordel nas escolas e um vendendor de cordel. Os resultados da pesquisa demonstram que o projeto cordel nas escolas foi um importante aliado na revitalização da literatura oral além da possibilidade de ser incorporado na sala de aula como facilitador do processo de ensino/aprendizagem. Os motivos da idealização do projeto consistiram em aproximar a cultura cordelista do espaço escolar e manter viva a tradição cultural da literatura de cordel. Por fim, constatamos que a representação coletiva se faz presente no discurso dos alunos/autores dos folhetos.

  • DEBORAH LAURIANE DA SILVA SOUSA
  • "O DIAGNÓSTICO E A ESCOLARIZAÇÃO: OS SENTIDOS SUBJETIVOS CONSTITUÍDOS POR MÃES DE ALUNOS COM AUTISMO."

  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 22/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve por objetivo investigar os sentidos subjetivos constituídos por mães de crianças com autismo acerca do diagnóstico e como este impacta no processo de escolarização das crianças. Para tanto, se fez necessário identificar quais os sentidos subjetivos constituídos pelas mães acerca do diagnóstico de alunos com autismo incluídos, analisar o impacto do diagnóstico do aluno com autismo na subjetividade das mães, bem como conhecer, na perspectiva das mães, as implicações do diagnóstico para o processo de escolarização da criança. Os principais autores que possibilitaram o diálogo a partir de seus trabalhos foram Moysés e Collares (1992; 1994), Orrú (2010; 2012; 2013), Raad e Tunes (2011; 2006), Tunes (2003; 2010), Mitjáns Martínez (2005; 2008; 2009; 2014), Anache (2005), Silva (2014), Semensato e Bosa (2014), dentre outros. O desenvolvimento desta pesquisa terá como base teórica e metodológica a Epistemologia Qualitativa de González Rey (1997; 1998). Os instrumentos utilizados para construção das informações foram o completamento de frases, as entrevistas em processo, as dinâmicas conversacionais, conversas informais, composição e conflito de diálogo. No que se refere a análise de dados estas foram empreendidas a partir do método construtivo-interpretativo, conforme proposta desse mesmo autor. A pesquisa foi realizada com três mães de alunos com autismo matriculados e frequentando o ensino regular na cidade de Teresina-PI.

     

  • KRICIA DE SOUSA SILVA
  • "MANOBRAS" EDUCATIVAS: SOCIOPOETIZANDO O APRENDER EM MOVIMENTO COM SKATISTAS DO LITORAL DO PIAUÍ

  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 19/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa investigou sete jovens da cidade de Luís Correia – PI, envolvidos com o esporte radical do Skate enquanto prática de sociabilidade. A escolha de trabalhar com esse coletivo deveu-se, em particular, pelo entendimento de que os jovens skatistas praticam e vivem a cidade, aprendendo com o corpo em movimento, permitindo a desconstrução de ideias prontas sobre o que é aprender, rompendo com fórmulas clichês e conteúdos pré-estabelecidos, permitindo problematizar os formatos usuais da formação em pedagogia de reprodução dos saberes, usuais no ensino e aprendizagem institucionais. Os skatistas escapam a este aprender ao se concentrarem nas ruas das cidades, saindo de salas de aulas, resistindo ao aprender formalizado e disciplinante existente na maioria das escolas. A problemática abordada foi: Quais os conceitos produzidos pelos jovens skatistas de Luís Correia – PI acerca do aprender na relação com movimento? Em meio a esta problemática surgiram as questões norteadoras, tais como: O que pensam os jovens que andam de skate em Luís Correa – PI sobre o aprender na relação com o movimento? O que estes jovens aprendem com o corpo em movimento, andando de skate? Quais seus saberes? Que problemas os mobilizam em relação ao aprender? Quais as linhas de resistência que estes jovens skatistas produzem frente às concepções instituídas de aprender? Que potencialidades corporais são desenvolvidas pelos skatistas enquanto prática desse esporte frente aos problemas que os mobilizam no contemporâneo acerca do aprender na relação com o movimento? Foram referências para a construção dessa pesquisa Carrano (2003), Adad (2011, 2013), Brandão (2011), Silva (2013), Spósito (1996), Diórgenes (1998), Pais (2006, 2008), Sales (2010, 2013), entre outros, no que trata das juventudes e do Skate. Na produção dos dados, foi utilizada a abordagem Sociopoética, com as leituras de Deleuze e Guattari (1992), Gauthier (1999, 2003, 2012), Adad (2014), Petit (2014), Ronilk (2014) dentre outros. A Sociopoética é um método de pesquisa que reconhece o corpo como produtor de conhecimento e que valoriza os diferentes saberes e culturas dos sujeitos, possibilitando a construção coletiva de conceitos sobre o tema gerador, que neste caso é o aprender na relação com o movimento. A produção dos dados foi realizada com as técnicas “Lugar do aprender em movimento” e “Tarô do aprender”. As análises destacaram duas linhas ou dimensões do pensamento do grupo-pesquisador: Lugares do aprender em movimento e tipos de aprender: dificuldades e superações. Em relação à primeira linha os skatistas criaram confetos como Cidade-pista-de-skate Paraíso do Aprender, paraíso do aprender na espiritualidade e Lugar-caminho do aprender “dia de skate” que tratam sobre diferentes locais onde se pode aprender com a espiritualidade, as sociabilidades e a persistência. Na segunda linha os confetos Aprender-manobra, Aprender com o movimento, Fogo-aprender que deforma, Aprender paciência, Aprender acontece, Aprender-prazer, água-ar do aprender problematizam sobre o aprender na incerteza, sem controle, no fluxo da cidade, apontando o skate como dispositivo que contagia e potencializa as aprendizagens por meio do prazer, do movimento e da flexibilidade frente à rigidez e ao automatismo da maioria das escolas. Como dificuldades para esses modos de aprender os jovens produziram os confetos Preconceito-abutre do aprender, Obstáculo-muro do aprender e mãe-obstáculo-rio referentes ao preconceito da família e da sociedade com este esporte radical, sendo o Aprender-pulando o rio, o modo como os jovens resistem a estes empecilhos, persistindo em andar de skate. A análise dos confetos trouxeram resultados heterogêneos e desterritorializados marcados pelas subjetividades e expressividades juvenis apontando para um aprender cheio de intensidade, desejo e alegria que acontece em meio a pratica do skate, possibilitando uma abertura para se pensar novas possibilidades de ensinar e de aprender, de modo a criar experiências inovadoras que potencializem os espaços educativos

  • AIDA TERESA DOS SANTOS BRITO
  • Prática educativa no AEE: os efeitos do manejo comportamental no uso de comunicação alternativa e ampliada para o favorecimento da comunicação em alunos com autismo 

  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 17/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho investigou a prática educativa de professores do Atendimento Educacional Especializado (AEE), a partir dos efeitos do manejo comportamental no uso de sistemas de Comunicação Alternativos e Ampliados (CAA) em alunos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O objeto de estudo foi a prática educativa de professores de AEE ao usar sistemas de comunicação alternativos para favorecer a comunicação funcional destes alunos. Insere-se na Área da Educação, na linha de pesquisa Formação Docente e Prática Educativa – à luz da Educação Especial na perspectiva Inclusiva – sob o enfoque da Análise Aplicada do Comportamento e, mais especificamente, no campo da Tecnologia Assistiva, tendo as Práticas Educativas e a Comunicação Ampliada e Alternativa como variáveis independentes e, operantes verbais, como variável dependente. Os estudos foram realizados em 4 escolas da rede pública municipal de ensino da cidade de Teresina – PI. A pesquisa possui um delineamento quase experimental (do tipo A-B-A), desenvolvida em três estudos (durante o período de Abril a Dezembro de 2014) e abrangeu oito professoras da sala de Atendimento Educacional Especializado e seus respectivos alunos com TEA. A pergunta principal do estudo foi: “Como e quais práticas educativas em sala de AEE através do manejo comportamental no uso de sistemas de comunicação alternativos e ampliado – favorecem a comunicação em alunos com TEA?”. Para esse fim foi necessário conhecer a fundo os professores e alunos. Outro elemento fundamental foi a capacitação desses professores nos procedimentos de ensino para o manejo comportamental. Os procedimentos iniciais adotados foram: aplicação de questionários para os profissionais e os responsáveis pelas crianças, observação in loco, aplicação de um inventário (Partington e Sundberg, 1998) para investigar e classificar o nível de linguagem das crianças, observação e filmagens das interações entre as professoras e alunos e anotações de campo. Com base nos questionários,  observações e filmagens foram levantadas as principais práticas (manejo comportamental) necessárias para utilização da CAA e construído um protocolo para o registro e mensuração das dimensões comportamentais envolvidas nas práticas dessas professoras. As filmagens serviram para modelagem dos manejos das professoras ao usar a comunicação alternativa ou mesmo interagir com o aluno - bem como produzidos materiais e recursos da CAA. Fundamentam o estudo Skinner (1953, 1988), Catania (1999, 2006) e Nunes (2010), dentre outros autores que discutem a temática. Ao fim dos estudos ocorreu a ampliação do manejo comportamental das professoras e um aumento na capacidade de interação com os alunos e pode indicar o favorecimento da comunicação das crianças desta pesquisa.

2015
Descrição
  • CLAUDIA FIGUEIREDO DUARTE VIEIRA



  • Formação Continuada de Professores no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - PNAIC: do texto ao contexto.

  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 18/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • O  estudo contemplou a discussão sobre a Formação Continuada de Professores no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa,  desenvolvido com docentes que atuam como  alfabetizadores em  escolas municipais de Bom Jesus –  PI.  Trata-se de um estudo de natureza qualitativa narrativa, como método e técnica de investigação. A pesquisa teve como objetivo geral investigar como ocorre a formação continuada de alfabetizadores no PNAIC desdobrando-se nas seguintes questões norteadoras: quais são os princípios teóricos e metodológicos que orientam a formação no PNAIC? que articulações ocorrem entre a formação continuada e a prática docente? quais são os conteúdos da formação continuada no âmbito do PNAIC que concorrem para a reelaboração dos saberes e das práticas docentes dos alfabetizadores? quais os desafios da prática docente alfabetizadora? O desenvolvimento da investigação sobre a formação continuada de professores alfabetizadores, por meio de suas histórias de vida, contribui para o entendimento de como está sendo desenvolvida a prática docente alfabetizadora, bem como perceber as contribuições da formação continuada no repensar da ação docente enquanto alfabetizadora. As reflexões teórico-metodológicas empreendidas no estudo apoiam-se nas contribuições de Ferreiro e Teberosky (1999), Imbernón (2011), Nóvoa (1995), Poirier, Clapier-Valladon, Raybaut (1999), Tardif (2002), entre outros. Os sujeitos da pesquisa foram seis professoras alfabetizadoras pertencentes a duas escolas públicas municipais da cidade de Bom Jesus-PI. O processo de produção de dados da pesquisa ocorreu por meio de questionário,  da escrita do memorial docente e das rodas de conversas,  técnicas que possibilitaram as professoras evocar sobre o percurso de sua formação continuada e  sobre sua prática docente alfabetizadora. A partir das narrativas das professoras, foi possível a análise de aspectos tais como: os princípios teórico- metodológicos da formação, as articulações que ocorrem entre a formação e a prática docente e os conteúdos da formação que concorrem para reelaboração dos saberes e das práticas docente.  Portanto, a investigação possibilitou compreender o processo de formação continuada das professoras, em sua dinâmica e complexidade e se essa formação promove ou promoveu a reinvenção do saber, do saber-fazer e do saber-ser.

     

  • NÁLDIA PAULA COSTA DOS SANTOS
  • A Mobilização e a Aquisição de Saberes por Professores de Matemática ao Vivenciarem Experiências com Materiais Manipuláveis

  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 16/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • O objeto do presente estudo compreende a mobilização e aquisição de saberes por professores de Matemática ao vivenciarem experiências com materiais manipuláveis. O objetivo geral é compreender de que forma os saberes são adquiridos e mobilizados na prática pedagógica dos professores de Matemática do 6° ao 9º ano do Ensino Fundamental, ao vivenciarem experiências com materiais manipuláveis. Especificamente pretendemos: contextualizar aspectos históricos da Matemática, dando ênfase aos materiais manipuláveis enquanto tendência pedagógica; caracterizar a prática pedagógica dos professores de Matemática que exercem a docência no Ensino Fundamental; descrever formas de aquisição e de mobilização de saberes docentes no que tange à prática do professor de Matemática do 6º ao 9º ano ao utilizar os materiais manipuláveis em atividades propostas nas aulas de Matemática e identificar a importância da utilização dos materiais manipuláveis como subsídio para o fazer pedagógico do professor de Matemática. Considerando a abordagem teórica conceitual, a pesquisa foi desenvolvida a partir de bases das tendências no ensino da Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental referenciadas em autores como: Reys (1971), Nacarato (2005), Valente (2007), Fiorentini e Miorim (1990), Mendes (2006), dentre outros e Tardif (2008), no que diz respeito aos saberes docentes. Utilizamos também como aporte teórico, os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1997), que mostram as contribuições do uso dos materiais manipuláveis para um trabalho de formação de atitudes, enfrentando desafios na busca de soluções, na criação de estratégias e da possibilidade de alterá-las quando o resultado não é satisfatório e necessário para a aprendizagem da Matemática. A pesquisa é qualitativa e descritiva, para a qual os dados foram coletados utilizando um questionário misto, para identificarmos o perfil dos sujeitos e entrevista semiestruturada, para conhecer aspectos relativos à prática pedagógica e, em especial, à utilização de materiais manipuláveis. O referencial metodológico está embasado em Minayo (1994), Richardson et al (1999), Bardin (2006), dentre outros. Os sujeitos da pesquisa são professores de Matemática que atuam do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Teresina-PI. Com base na análise dos dados, evidenciamos que os Professores investigados na pesquisa mobilizam e adquirem saberes a partir da utilização dos materiais manipuláveis, tais como: tangram, material dourado, sólidos geométricos, fichas numeradas, barras, ábaco, com os quais estabelecem atividades diferenciadas e aplicações dos temas de estudo em Matemática, a partir de uma ruptura do modelo de ensino tradicional. Dessa forma, contemplamos um novo delineamento ao Ensino de Matemática, a partir das reflexões e iniciativas em novas estratégias metodológicas e no compromisso do trabalho evidenciado em cada sujeito deste estudo.

     

  • TERESA CHRISTINA TORRES SILVA HONORIO
  • A FORMAÇÃO INICIAL E O LETRAMENTO DE PROFESSORES: EVOCAÇÕES NARRATIVAS

     

  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 24/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como objetivo investigar na perspectiva dos formadores como se constitui o letramento de futuros professores na formação inicial. Apresenta uma análise acerca da formação inicial de professores a partir dos pressupostos da teoria crítica, fundamentando-se em autores, tais como McLaren (1997), Giroux (1997), Freire (1999), dentre outros. Para Freire (1999), a formação de professores requer a articulação de diferentes saberes que envolvem as diferentes dimensões da prática educativa, entendida como prática político-social. No que se refere a essa temática, McLaren (1997, p. 202), indica que o conhecimento "[...] nunca é neutro ou objetivo, mas é ordenado e estruturado de maneiras particulares; suas ênfases e exclusões partilham uma lógica silenciosa [...].” O estudo apresenta, ainda, reflexões sobre o letramento de professores tendo como referência central os estudos de Street (1984). Para esse autor o letramento não é uma técnica desenvolvida por repetições esvaziadas de sentido social crítico, reconhecendo que o sujeito participa efetivamente de práticas sociais de utilização da leitura e da escrita. De modo específico o estudo aborda o que pensam os professores formadores sobre letramento na formação inicial; as situações de letramento propostas aos futuros professores na formação inicial; como os formadores analisam as práticas de leitura e de escrita propostas na formação de professores e o que os formadores vislumbram para redimensionar o letramento na formação inicial. A pesquisa apoia-se na tese de que a formação inicial possibilita aos professores a vivência de múltiplos letramentos, na perspectiva de formá-los como agentes letradores. Como orientação metodológica o desenvolvimento da investigação tem como suporte o método (auto) biográfico, a partir da pesquisa narrativa. A narrativa biográfica permite dar forma à experiência vivida, interpretá-la e dar-lhe coerência e sentido, possibilita ao narrador situar-se como sujeito de sua própria história, bem como possibilita a reconstituição de processos históricos e socioculturais vivenciadas nos diferentes contextos da formação e do exercício da profissão docente. Os dados da pesquisa foram produzidos com a utilização do ateliê biográfico de projeto e da entrevista narrativa, tendo como base as contribuições de Delory-Momberger (2012) e Jovchelovitch e Bauer (2010). Os sujeitos do estudo correspondem 09 professores do Curso de Pedagogia do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal do Piauí. Para análise de dados utilizaremos a técnica de análise de conteúdo segundo Bardin (2011).

  • EMANOELA MOREIRA MACIEL
  • APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES SUPERVISORES DE ESTÁGIO: 

    desvendando horizontes formativos

  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 24/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • Pensar a formação de professores, na atualidade, requer considerar um contexto social que passa por incessantes transformações no que se refere aos valores morais, à tecnologia, às concepções de sociedade, à cultura, à escola e, ainda, às relações intra e interpessoais. O viés formativo do professor precisa ir em direção a ações que visem à reflexão crítica e à construção do conhecimento sobre o ensino, alicerçada na ‘teorização prática’. Por este termo, admite-se a aprendizagem da teoria na e pela prática, por parte do professor, através de processos investigativos, da participação efetiva em situações típicas da docência, da disponibilidade de se reconhecer em constante formação e da autopermissão de aprender sempre. Nesse contexto, o olhar se volta para a ação formativa do estágio supervisionado, notadamente um espaço fecundo de aprendizagens para o futuro professor, tomando-o como possibilidade de aprendizagens docentes para os professores supervisores, a partir da experiência vivida por estes com os alunos-estagiários. O estudo adota o método autobiográfico e a pesquisa narrativa, por meio do memorial e das rodas de conversa, como técnicas de produção dos dados e orienta-se pelo seguinte problema de pesquisa: De que forma a experiência supervisiva no estágio se constitui em fonte de aprendizagem docente para o professor supervisor? No intuito de responder ao problema interposto, estabelece o seguinte objetivo geral: Investigar a experiência supervisiva no estágio supervisionado como fonte de aprendizagem docente para o professor supervisor. Em decorrência, determina os seguintes objetivos específicos: a) Caracterizar o percurso formativo do professor supervisor de estágio; b) Identificar as aprendizagens docentes produzidas pelo professor supervisor em sua experiência profissional; c) Descrever a experiência supervisiva como fonte de aprendizagem docente do professor supervisor; d) Analisar ressignificações na prática do professor supervisor a partir das reflexões empreendidas e aprendizagens construídas na experiência supervisiva. Estabelece um diálogo teórico com Alarcão (1996; 2010); Benjamin (1994); Dewey (2007); Freire (1996); García (1992); Lima (2012); Nóvoa (1992); Pérez Gómez (1992); Pimenta e Lima (2011); Zeichner (1992), entre outros. Tem como interlocutores quatro professores de uma escola da rede estadual que recebem alunos do Instituto Federal do Piauí - IFPI para a vivência do estágio supervisionado. A análise de dados desenvolve-se a partir do método de análise de conteúdo das narrativas, proposta por Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999), mediante o apoio de quatro eixos temáticos: 1) Professor supervisor e seu trajeto formativo; 2) Aprendizagens docentes produzidas na experiência profissional; 3) A experiência supervisiva como fonte de aprendizagem docente; e 4) A supervisão de estágio como experiência de reflexão e redirecionamento da prática. Aponta, entre suas conclusões, que o estágio supervisionado permite ao professor supervisor refletir sobre sua prática, admitindo-a como objeto de análise, desconstruir certezas que engessam sua ação, reavaliar e ressignificar sua prática a partir da experiência supervisiva. As constatações dão conta ainda que a atuação supervisiva admite o desenvolvimento de aprendizagens que afetam e ampliam as experiências docentes de supervisores, realçando o potencial formativo da supervisão de estágio. Ademais, revelou a pesquisa narrativa como importante estratégia de investigação da realidade, formação e autoformação para os interlocutores do estudo. 

  • MARCOELIS PESSOA DE CARVALHO MOURA
  • FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO MÉDIO E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO INTEGRAL: CURRÍCULO E PRÁTICA PEDAGÓGICA

  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 07/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

     

    O presente estudo apresenta uma pesquisa sobre a formação continuada de professionais do ensino médio e sua articulação com o currículo e as práticas pedagógicas. Vincula-se à Linha de Pesquisa: Ensino, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas, do Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Práticas Curriculares e Formação de profissionais da Educação (NIPPC), da Universidade Federal do Piauí. Analisa a contribuição da formação continuada dos profissionais do ensino médio, face aos desafios da educação integral, integrada, para as práticas curriculares e pedagógicas. Para ser desenvolvida contou com a participação de professores e coordenadores pedagógicos da rede de ensino do Estado do Piauí. O referencial teórico metodológico configura-se como Qualitativa do tipo Estudo de Caso. A opção pela abordagem qualitativa justifica-se porque se aplica ao objeto de estudo, visto que possibilita uma visão sistêmica, dos sujeitos implicados no processo. O interesse da pesquisadora deriva do ingresso no magistério público, quando se deparou pela primeira vez com dificuldades em relação ao currículo do ensino médio, acentuando-se quando compôs a equipe da Gerência de Ensino Médio na sede da Secretaria Estadual de Educação. Essas inquietações deram origem à questão norteadora do estudo: Como a formação continuada dos profissionais do ensino médio tem contribuído para consolidação das práticas curriculares e pedagógicas diante dos desafios da educação integral, integrada? Tendo como objetivo geral analisar a contribuição da formação continuada dos profissionais do ensino médio, face aos desafios da educação integral, integrada, para o desenvolvimento das práticas curriculares e pedagógicas. E para garantir o estudo das diferentes variáveis que implicam na compreensão de um ambiente educativo, definiu-se como objetivos específicos: a) identificar a percepção dos professores sobre a formação continuada na escola e a educação integral, integrada; b) refletir sobre as práticas curriculares e pedagógicas desenvolvidas pelos professores do Ensino Médio em escolas de tempo integral; c) estabelecer interfaces entre a formação continuada, as práticas pedagógicas e o desempenho da escola. Teoricamente fundamentam-se além de documentos disponibilizados nos sites do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Ministério da Educação e Secretaria Estadual da Educação, em estudiosos que debatem a educação na perspectiva da formação integral, tais como, Coelho (2009), Giroux(1997), Macedo (2007), Morin(2003, 2009, 2011), Perrenoud (1997), Sacristán(2000), Veiga (2010), dentre outros. Para produção das informações os procedimentos metodológicos adotados foram o questionário e a entrevista realizada nas escolas. Para a organização das informações e sua análise, utilizou-se como orientação teórica a categorização e Análise de Discurso, pautadas na leitura das obras de Bardim (2011), Oliveira (2007) Orlandi (2012), Pêcheux (2012), entre outros. Os resultados apontam para a compreensão de que as iniciativas de formação continuada desenvolvidas no período 2009-2015, da implantação e implementação dos CEMTI, foram executadas de forma fragmentada. Outro aspecto observado é rotatividade de professores em escolas, ocasionando a descontinuidade de projetos pedagógicos e de formação, dificultando a integração da equipe nas escolas, visto que, o percentual de professores substituídos é elevado. Conclui-se que a formação continuada dos profissionais do ensino médio, frente aos desafios da educação integral, integrada, ampliando as possibilidades de reflexão sobre a formação dos profissionais que atuam no ensino médio e, contribuindo para mudanças significativas na prática pedagógica desenvolvidas na escola e na organização curricular.

  • CAIO VELOSO
  • A Formação Continuada do Professor de Ciências Naturais em Interface com a Prática Docente.

  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 30/09/2015
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo do presente estudo é analisar a formação continuada ofertada pelo Centro de Formação Odilon Nunes ao professor de Ciências Naturais e suas inter-relações com a prática docente. Especificamente, buscamos descrever as contribuições e as estratégias de ensinar/aprender da formação continuada no âmbito das Ciências Naturais; identificar os aspectos da formação continuada que favorecem o redirecionamento da prática docente; e caracterizar a prática docente em Ciências Naturais para os anos finais do Ensino Fundamental. O nosso interesse pela formação continuada resultou de inquietações enquanto professor de Ciências e Biologia em Teresina, ao nos depararmos com um ensino memorístico e de metodologias mecanizadas, o que nos levou a elaborar o seguinte problema de pesquisa: quais as inter-relações existentes entre a formação continuada e a prática docente em Ciências Naturais? Para a construção dos pressupostos teóricos que dão sustentação a este estudo, contamos com as contribuições de autores que discutem a formação continuada de professores, entre eles: Imbernón (2006, 2010), Mendes Sobrinho (2006), Moreira (2002), Nóvoa (1991, 1995), Schön (1995, 2000); além de autores que investigam a prática docente em Ciências Naturais, como Carvalho e Gil-Pérez (2011), Delizoicov, Angotti e Pernambuco (2009), Krasilchik (1987, 2000, 2009), Mendes Sobrinho (2002, 2011), Souza (2009), dentre outros. Utilizaremos também como aporte teórico, os Parâmetros Curriculares Nacionais, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, as Diretrizes Curriculares do município de Teresina, os Fundamentos do Programa Qualiescola de Formação Continuada e planos de curso e de encontro da formação continuada em análise. No campo metodológico, trata-se de uma pesquisa descritiva de cunho qualitativo. Os interlocutores e o contexto do estudo envolvemdez professores de Ciências Naturais que atuam nos anos finais do Ensino Fundamental, em cinco escolas públicasde Teresina-PI e que tenham participado, no período de 2010 a 2012, das atividades de Formação Continuada ofertadas pelo Centro de Formação Odilon Nunes. Os dados da pesquisa foram coletados a partir da aplicação de questionário misto, a fim de identificar o perfil acadêmico-profissional dos interlocutores; pela realização de entrevista semiestruturada, visando obter informações acerca da formação continuada em análise e suas inter-relações com a prática docente no âmbito das Ciências Naturais; e por análise documental, de modo a propiciar uma análise mais completa da temática em foco. A análise dos dados consistiu em descrever e interpretar o conteúdo dos questionários, entrevistas e documentos, considerando duas categorias de análise: Formação Continuada do professor de Ciências Naturais e Prática Docente e o ensino de Ciências Naturais. O presente trabalho mostra-se relevante por evidenciar os anseios dos interlocutores no que tange à formação continuada de professores. Ademais, os resultados obtidos, de modo geral, mostram que as atividades de formação continuada propiciam aos professores de Ciências o conhecimento sobre novas teorias e estratégias de ensino, facilitam discussões e trocas de experiências por meio do trabalho colaborativo e levam os professores à reflexão crítica, possibilitando a análise e reorientação da prática docente em um movimento constante de ação-reflexão-ação.

     

  • NILDA MASCIEL NEIVA GONCALVES
  • A Prática Docente dos Alunos Mestres de Biologia: Saberes Mobilizados no Estágio Supervisionado.

  • Orientador : JOSE AUGUSTO DE CARVALHO MENDES SOBRINHO
  • Data: 29/09/2015
  • Mostrar Resumo
  • O Estágio Supervisionado é etapa fundamental da formação inicial de professores, por oportunizar aos discentes momentos de observação, participação e intervenção no seu futuro campo de atuação. Neste contexto, o presente estudo objetivou analisar a prática docente dos alunos-mestres de Biologia e as formas de construção e mobilização de saberes durante o Estágio Supervisionado.  Especificamente, pretende: contextualizar o Estágio Supervisionado na formação do professor de Biologia; identificar os saberes mobilizados na prática docente dos alunos-mestres de Biologia no Estágio Supervisionado; relacionar as práticas docentes com os saberes mobilizados no Estágio Supervisionado. No campo metodológico adota a pesquisa qualitativa, com a utilização da técnica: entrevista semi-estruturada. Os sujeitos e o contexto do estudo compreendem professores supervisores e alunos-mestres do Curso de Biologia da Universidade Federal do Piauí, Campus Senador Helvídio Nunes de Barros, localizado no município de Picos - PI. Após a coleta dos dados, sua análise foi realizada em dois eixos categoriais: Estágio Supervisionado e Prática Docente tendo como suporte teórico a produção de diversos autores, dentre eles: Krasilchick (1987, 1983), Brito (2007), Delizeicov e Angotti (1990), Imbernón (2007, 2010), Mendes Sobrinho (2002, 2007, 2011), Nóvoa (1992, 1995, 2000), Carvalho (2001), Marandino, Selles e Ferreira (2009); Pimenta (2011), dentre outros. Os resultados indicam que saberes disciplinares, curriculares, pedagógicos e experienciais foram mobilizados por alunos-mestres durante a realização do Estágio Supervisionado. Que a relação entre a prática docente de alunos-mestres e a mobilização de saberes evidencia-se em vários momentos do Estágio Supervisionado, especificamente durante a escolha de recursos didáticos para o ensino, diagnostico do nível de conhecimento dos alunos, elaboração de planos de aula, confecção de jogos didáticos, elaboração de atividades escolares, relacionamento com alunos e professor supervisor e durante a reflexão sobre sua prática. A mobilização dos saberes ocorre em momentos de tomada de decisão para superação dos desafios cotidianos e próprios da profissão docente. Nesse contexto, o Estágio Supervisionado ofertado pelo Curso de Ciências Biológicas da UFPI, Campus Senador Helvídio Nunes de Barros, está preparando os alunos-mestres para o exercício da profissão que escolheram para exercer, pois, a prática dos alunos-mestres está firmada na mobilização de saberes que são próprios da profissão docente e na reflexão sobre sua prática na ação e sobre a ação. Finalizando ressaltamos a importância do presente trabalho por permitir que se desvele um novo olhar sobre os profissionais que atuarão no ensino da disciplina Biologia, nas escolas públicas do país, através de uma ampla reflexão sobre suas práticas durante a realização do Estágio Supervisionado, permitindo a superação de obstáculos que possam inviabilizar as práticas docentes inovadoras. A expectativa é que o trabalho contribua para o aprimoramento dos cursos de formação de professores em Ciências Biológicas, a fim de superar as dificuldades presentes durante a construção e mobilização de saberes próprios da prática docente durante o Estágio Supervisionado e também sirva de estímulo para novos estudos na área em questão.

  • MARIA DO LIVRAMENTO DA SILVA MACHADO
  • JOVENS BAILARINAS DE VAZANTINHA: CONCEITOS DE CORPO NOS ENTRELACES AFROANCESTRAIS DA DANÇA NA EDUCAÇÃO.
  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 31/08/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

    RESUMO

     

    Este trabalho traz os resultados de uma pesquisa de mestrado que tem como objetivo analisar os conceitos de corpo na relação com o movimento, produzidos pelas jovens bailarinas do coletivo de dança Raízes do Nordeste, da comunidade de Vazantinha, do bairro Ilha Grande de Santa Izabel, em Parnaíba/PI. As questões norteadoras da pesquisa foram: O que pensam as jovens deste coletivo sobre o corpo na relação com o movimento? O que estas jovens aprendem com o corpo em movimento, dançando? Quais seus saberes? Que problemas as mobilizam em relação ao corpo? Quais as linhas de fuga que estas jovens produzem frente às concepções instituídas de corpo? Os estudos sobre corpo, arte, juventude e educação pautam-se em concepções teóricas de autores como: Deleuze (2002), Larrosa (2002, 2010, 2011), Gauthier (1999, 2009), Schopke (2004), Rancière (2005), Rusche (2008), Rancière (2011), Marques (2010), Dayrell, (2005), Corazza (2013), Sposito (1999), Benjamin (1994), Diógenes (2008) e Abramo (2008), dentre outros. E como referencial teórico-metodológico, a Sociopoética – abordagem filosófica de pesquisa que utiliza a arte como potencializadora da criação de confetos (conceitos + afetos) e que reconhece o corpo como fonte de conhecimento, conforme Gauthier (1995, 1999, 2012), Adad (2008, 2011, 2012) e Petit (2012, 2013), Santos (2013), Souza (2011), Santos (2014). A produção de dados da pesquisa ocorreu por meio de oficinas com vivências sociopoéticas a partir de duas técnicas artísticas intituladas “Mutante em mar de lama” e a “Renda do Corpo” que funcionaram como dispositivos de (des)construção de ideias naturalizadas sobre o corpo na relação com o movimento, possibilitando outras formas de pensar a educação. Estas técnicas foram inspiradas em jogos e performances artísticas; em teses e dissertações sociopoéticas. As análises dos dados destacaram confetos e problemas que mobilizam e atravessam o pensamento das jovens pesquisadas, e demonstraram um turbilhão de ideias e de conceitos desterritorializados e heterogêneos, marcados pelas multifaces juvenis das bailarinas. A análise dos confetos apresentaram elementos para se pensar os problemas do corpo que dança, o que pode este corpo frente aos problemas e o que ele é capaz de aprender ao se mobilizar.

     

     

  • MARLI CLEMENTINO GONCALVES
  •  “Eu era professora, era catequista, era enfermeira, eu era tudo!”: a profissão docente no meio rural piauiense (1971 – 1989).

  • Orientador : ANTONIO DE PADUA CARVALHO LOPES
  • Data: 31/08/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

    Este estudo, em História da Educação piauiense, analisa o processo de configuração da profissão docente no meio rural piauiense no período de 1971 a 1989, tendo como focos a formação do professor e sua ação educativa na escola e na comunidade. Em levantamento dos estudos sobre a educação no meio rural piauiense constatamos que considerando os trabalhos que discutem a escola e o professor leigo no meio rural tais como o de Sousa Sobrinho (1983), Rodrigues (1999, 2001), Franco (1999), Cortez (2006) e Araújo (2007), não havia estudos que discutissem a profissão docente em suas diferentes interfaces, sua configuração, na interconexão com as ações estatais e os aspectos pessoais. O recorte temporal inicial considerou a implantação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB Nº 5692 de 11 de agosto de 1971 que determinou a formação inicial básica para a docência e passou a exigir esta formação para o exercício do magistério. O recorte final considerou a extinção do Departamento de Educação Rural - DERU em 1989 na SEDUC, período também em que o rural e a educação no meio rural saem das prioridades da agenda pública como estabelecida até então. O recorte espacial é o Piauí. Como fontes foram utilizados documentos oficiais, jornais e a história oral temática. Os documentos analisados, diários oficiais, artigos de jornais, decretos, mensagens, dentre outros, estão preservados nos arquivo público de Teresina – Casa Anísio Brito, nos arquivos de secretais municipais de educação e em arquivos particulares de professoras e professores rurais. Para a produção da história oral selecionamos 5 municípios com maior e menor número de professores e escolas rurais no período de 1971 a 1989, como uma estratégia para aprofundar as discussões sobre a ação dos programas e projetos de educação no meio rural, e da ação educativa desenvolvida pelos professores rurais. Para isto, dialogamos com 4 professores rurais em cada um dos municípios, tendo como critérios o período em que eles trabalharam em escolas rurais e a inserção ou não em programas de formação. A análise procurou responder a questão central desta pesquisa: Qual a configuração da profissão docente no meio rural piauiense no período e 1971 a 1989? Tendo como categoria a profissão docente e como subcategorias a ela vinculadas a formação e ação educativa do professor. Para a análise utilizamos o conceito de  configuração social e de teias de interdependências em Norbert Elias (1991, 1994, 2001) e o de estratégia e tática de Michel de Certeau (1994). Do estudo empreendido constatamos que no período de 1971 e 1989 um conjunto de fatores constituíram a profissão docente no meio rural piauiense, desde as exigências e possibilidades de formação para atuação na escola rural, as formas de acessar a profissão a partir da produção de estatutos, a estruturação dos órgãos municipais de educação e o debate em torno de salários, influenciando no exercício docente e construindo a profissão. Configuraram também a profissão, neste período, as ações educativas produzidas pelos próprios professores rurais nas teias de interdependências em que situavam-se na escola e na comunidade, e nas táticas utilizadas em relação as estratégias do estado brasileiro para o desenvolvimento do meio rural.

  • ELIEIDE DO NASCIMENTO SILVA
  • MOVIMENTO DE COLABORAÇÃO COM UM PROFESSOR DE MATEMÁTICA: PRÁTICA EDUCATIVA PROBLEMATIZADORA E SUA RELAÇÃO COM AS PRÁTICAS CRIATIVAS

  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 29/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A tese fundante deste trabalho investigativo é a de que, em colaboração, a problematização possibilita o desenvolvimento de práticas criativas na resolução de problemas matemáticos no Ensino Fundamental por parte do professor. Desta proposição parte a questão norteadora: Qual a relação da prática educativa problematizadora com as práticas criativas na resolução de problemas matemáticos realizadas pelo professor do sexto ano do Ensino Fundamental? O trabalho investigativo foi desenvolvido com um professor de matemática do Ensino Fundamental de uma escola pública do município de Parnaíba-PI e a pesquisadora que mediou a problematização. A pesquisa utiliza os princípios do Materialismo Histórico Dialético, da Teoria Sócio-Histórica, da Pesquisa Colaborativa e está fundamentada em Marx e Engels (2002), Afanasiev (1968), Prado Jr (2002), Vigotski (1989, 2001, 2007), Ibiapina (2003, 2008, 2011), Ferreira (2002, 2007), Vázquez (2007), Freire (2005, 2010), Liberali (2010), Moran e John-Stein (2003), Magalhães (2004, 2009), entre outros. Os procedimentos da pesquisa foram a entrevista diagnóstica e a observação colaborativa. A análise de dados utiliza a Interação Discursiva como conceito teórico e a discussão como conceito-chave e tem como base Pontecorvo (2005). A investigação discute a possibilidade de desenvolvimento de práticas criativas na resolução de problemas matemáticos no Ensino Fundamental por meio da problematização. O estudo caracterizou as práticas predominantes de resolução de problemas matemáticos, tais como: práticas reiterativas, práticas técnicas e práticas criativas, bem como, analisou e interpretou o potencial das práticas educativas problematizadoras para o desenvolvimento de práticas criativas na resolução de problemas.

     

  • ROSIMAR DA SILVA FEITOSA SOARES COSTA
  • Alfabetização de crianças do e no campo em classes multisseriadas: registros sobre práticas

  • Orientador : ANTONIA EDNA BRITO
  • Data: 21/08/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

     

     

    O presente estudo tem como objetivo principal investigar que alfabetização acontece no âmbito da educação do campo, em classes multisseriadas. Ao longo dessa pesquisa foi possível conhecer e analisar metodologias e práticas de alfabetização vivenciadas no cotidiano das classes multisseriadas existentes na zona rural de Teresina, bem como os prejuízos provocados na vida das crianças durante seu processo de escolarização quando esta aprendizagem não ocorre. Para alcançar os objetivos propostos para essa pesquisa, foi investigado o seguinte problema: Que práticas de alfabetização acontece nas classes multisseriadas, no contexto da educação do campo? E para orientar o estudo em foco foram propostas as seguintes questões norteadoras: Quais concepções de leitura e de escrita fundamentam as práticas de alfabetização em classes multisseriadas, nas escolas do campo? Como os professores do campo trabalham o ciclo de alfabetização nas classes multisseriadas? Como o contexto do campo é explorado na sala de aula no processo de alfabetização?Qual a formação necessária aos alfabetizadores que atuam no campo em escolas multisseriadas? Os estudos realizados fundamentam-se em Molina (2002), Ghedin(2012), Freire (1979, 1996, 2012), Freitas (2010), Vygotsky (1988), Hage (2005), Caldart (2002), Arroyo (2010,2012), Soares(2010), Ferreiro (1995, 2001), Wanderley (2000) as Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e demais legislações que dispõe sobre a Educação do Campo, dentre outros. Para alcançar os objetivos propostos, foi realizado um estudo teórico aprofundado sobre educação do campo no que se refere aos princípios e  concepções que devem nortear  o desenvolvimento das práticas pedagógicas em relação processos de alfabetização nas turmas multisseriadas, seguido de uma investigação empírica, com objetivo de confrontar a teoria e a prática, a partir da análise do conteúdo registrado nas narrativas das professoras partícipes da pesquisa. A pesquisa narrativa foi utilizada como meio de conhecer as práticas pedagógicas desenvolvidas no cotidiano das escolas cujos instrumentos de coleta de dados foram as cartas pedagógicas. Para traçar o processo de análise e interpretação dos dados a partir dos registros e das observações embasa-se em Moreira (2006) e nos pressupostos teóricos que fundamentam a análise de conteúdoapresentado por Bardin (2010). O resultado desta pesquisa deverá subsidiar o repensar das práticas pedagógicas desenvolvidas nas classes multisseriadas, bem como na definição de políticas públicas de atendimento aos povos do campo em especial às classes multisseriadas.

  • ADRIANA FERREIRA DE SOUSA
  • O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DE ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL A PARTIR DA COMUNICAÇÃO AUMENTATIVA E ALTERNATIVA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO EM TERESINA - PI.

  • Orientador : ANA VALERIA MARQUES FORTES LUSTOSA
  • Data: 10/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • Cada vez mais o paradigma da inclusão se apresenta como capaz de aproximar a escola das demandas sociais, onde a marca das diferenças se torna mais perceptível. Quando se trata da inclusão da pessoa com deficiência no contexto educacional, o desafio a ser vencido não é mais a deficiência e sim, apontar instrumentos ou estratégias que possibilitem a esse alunado o acesso ao conhecimento que circula nesse espaço social. Esse novo olhar é recente, mas vigoroso, uma vez que ao longo da  história  predominaram as ações assistencialistas   e educacionais limitantes e segregadoras, pois  a crença  na incapacidade desses indivíduos era preponderante e dominava os debates acerca do tema. Esta pesquisa teve como objetivo geral investigar o processo de comunicação dos alunos com paralisia cerebral (PC) a partir da comunicação aumentativa e alternativa (CAA) desenvolvida no atendimento educacional especializado (AEE). A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo descritiva. Participaram do estudo 5 professoras e 5 alunos com PC. As professoras atuam em Salas de Recursos Multifuncionais e os alunos recebem respectivamente o atendimento destas, em escolas da rede municipal de ensino de Teresina.  Utilizamos como bases teóricas para este trabalho, autores como Mendes (2006), Nunes (2003, 2007, 2011), Schirmer (2007,2013), entre outros. Entre os resultados encontrados foi possível verificar que A CAA traz resultados positivos para o aluno com paralisia cerebral, no entanto, e o trabalho realizado no AEE ainda encontra-se em fase inicial, especialmente pelas condições de trabalho e o tempo reduzido para estruturar sistemas de CAA junto aos alunos. Discutimos nesta pesquisa, os entraves para a construção da CAA, assim como tecemos considerações a respeito de possíveis condições para avançar no sentido de efetivar a CAA como instrumento real de comunicação para alunos com PC.

     

     

  • RAIMUNDA NONATA DA SILVA MACHADO
  • GÊNERO E RAÇA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: há outras epistemologias na prática educativa de formação docente? 

  • Orientador : FRANCIS MUSA BOAKARI
  • Data: 19/06/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese investiga quais significados foram produzidos sobre as noções de gênero e raça no Curso de Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça (GPP-GeR), desenvolvido pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), na modalidade de educação à distância, no período de 2011 a 2013, destacando suas implicações na formação ou não de uma nova cultura de práticas educativas de formação docente. Tem sustentação em autores/as como: Bernardo (2003), Boakari (1994, 2012), Bourdieu (1989, 1996, 2004a, 2004b), Butler (2012), Cardoso (2012), Carneiro (1994, 2001), Foucault (1988, 1996, 2002, 2005, 2012), Geertz (2008), Gomes, A. (2002, 2010), Gomes, N. (1995, 2010), Ibiapina (2013), Lauretis (1994), Louro (2000, 2004), Morin (2007), Motta (2002, 2003), Quijano (2010), Santos (2006, 2008, 2010), Scott (1995, 1999) e Werneck (2010). Analisa os significados de gênero e raça em três redes: a) A primeira trata da ontologia histórica do século XXI e de nós mesmos. É uma visão retrospectiva de experiências individuais em diálogo com as pressões políticas e sociais; b) A segunda aborda o recorte epistemológico e metodológico qualitativo na lógica dialética. Usa a etnografia (interpretação da interpretação), aplicada à ambientes virtuais, a interdisciplinaridade e produz dispositivos analíticos de processos e produto, visando à análise dos significados de gênero e raça de dez (10) cursistas/docentes dos polos de Caxias, Codó e Humberto de Campos, e por fim, c) A rede de ruptura e continuidade, caracteriza o curso GPP-GeR em suas dimensões institucional, pedagógica, sociopolítica, cultural e tecnológica e argumenta sobre as implicações dos significados de gênero e raça na produção de intervenções políticas e epistemológicas na prática educativa de formação docente. Sinaliza ruptura com os pensamentos “substancialistas” e “abissais”, mediante atitudes próprias de “intelectuais engajados”. Destaca a atuação destes intelectuais na região mediana marcada por condições de invisibilidades e silenciamentos quanto à produção de conhecimentos de gênero e raça, já que não se integra na lógica da ciência moderna. Essas implicações consistem na ampliação de acesso, participação e intervenções, produzindo uma “nova cultura”, cujos significados estimulam e fortalecem os docentes a abandonarem seu isolamento quase absoluto na epistémê europeia, aprofundando os tensionamentos entre continuidades e rupturas ou vice-versa, cujas experiências podem incentivar novos questionamentos para saberes renovados, sendo imprescindível o cuidado com a sua publicidade.

     

     

  • MARIA OZITA DE ARAUJO ALBUQUERQUE
  • UM VOO EMANCIPATÓRIO DE FORMAÇÃO: O PROCESSO COLABORATIVO-CRÍTICO E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS DOCENTES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

  • Orientador : IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA
  • Data: 30/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • O estudo consiste em compreender a explicitação da unidade teoria e prática em contexto de colaboração e de reflexão crítica no desenvolvimento da prática pedagógica dos professores da Educação Superior. Foi desenvolvido com cinco professores do curso de Pedagogia e uma do curso de Direito de uma Instituição de Ensino Superior de Parnaíba-PI. O referencial teórico-metodológico está embasado na Abordagem Sócio-Histórica e no Materialismo Histórico e Dialético. A opção pela Pesquisa Colaborativa decorre por se tratar de uma modalidade de investigação que proporciona condições para que os docentes possam refletir sobre sua ação, questionar a prática docente automatizada, a fim de melhor compreendê-la. O interesse nesta temática surgiu a partir do estudo desenvolvido em nível de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPI no ano de 2008, em que foi constatado que as professoras atuantes na Educação Infantil e nos Anos Iniciais da Educação Básica da rede municipal da cidade de Parnaíba-PI, colaboradoras da pesquisa não costumam refletir criticamente de forma coletiva e colaborativa sobre a prática docente, o que gerou a indagação: Qual a relação da reflexão crítica com a explicitação da unidade teoria e prática no desenvolvimento da prática pedagógica? O estudo fundamenta-se em Afanasiev (1968), Marx e Engels (2002), Vigotski (2004, 2007), Vasquez (2007), Ibiapina (2004, 2008), Liberali (2008), Veiga (2009), Pimenta e Anastasiou (2010), Freire (2011), Almeida (2012), Franco (2012), entre outros. Os procedimentos metodológicos foram à observação, à observação colaborativa e as sessões reflexivas, com o apoio da videogravação. A investigação está organizada em quatro sessões interligadas entre si. A primeira é a introdução, que apresenta a justificativa, o objeto de estudo e o mapeamento das produções relacionadas à temática investigada – unidade teoria e prática na docência superior. à Educação, a segunda discute os aspectos teórico-metodológicos, os procedimentos da pesquisa e o plano de análise, a terceira discute a formação, a prática e a reflexão como instrumentos que explicitam a unidade teoria e prática e na quarta é apresentado o resultado da pesquisa. O estudo revela que a perspectiva de formação que o professor vivenciou no processo formativo pode exercer significativa influencia na forma de pensar, sentir e agir na docência. O processo investigativo desenvolvido possibilitou a compreensão da explicitação da unidade teoria e prática e sua relação com o contexto de colaboração e a apropriação da reflexão no desenvolvimento da prática pedagógica dos professores da Educação Superior.

     

  • MAGNA JOVITA GOMES DE SALES E SILVA
  • Formação inicial de professores e oferta educacional: os desafios para garantir docentes para as diversas áreas do conhecimento da educação básica do Piauí

  • Orientador : LUIS CARLOS SALES
  • Data: 23/03/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo analisou a relação entre oferta e demanda de docentes no Estado do Piauí, tendo como objetivo geral analisar a relação entre oferta e demanda de docentes na rede pública estadual de ensino do Piauí, com vistas a investigar possíveis déficits de professores com formação inicial específica para atuar no ensino médio e apontar possíveis causas. Para o alcance deste objetivo, foram sistematizados os dados sobre formação acadêmica e área de atuação dos profissionais do magistério público da Educação Básica na rede estadual de ensino do Piauí do ano de 2012 e elaboradas séries históricas sobre a oferta e a demanda de profissionais formados em 12 cursos de licenciatura, de graduação plena, para a educação básica no Estado, no período de onze anos (2001-2011), correspondendo à vigência do Plano Nacional de Educação, Lei n° 10.172/01. Os procedimentos metodológicos se basearam em análise documental (legislação, editais de concurso, diário oficial e outros) e nas informações estatísticas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Anísio Teixeira (INEP), especificamente, os microdados do Censo Escolar de 2012, mediante uso do software SPSS (Startical Package for the Social Siences) para a extração e organização de dados para fins da pesquisa. Para a organização dessa série histórica, utilizaram-se dados do Censo da Educação Superior, que foram disponibilizados pela equipe técnica do INEP, em planilha do Excel. Os procedimentos metodológicos contribuíram para elucidar a questão do déficit de professores, assunto que vem provocando discussões no meio acadêmico e demais setores da sociedade civil organizada, movendo políticas públicas voltadas à formação de professores no Brasil. Constituíram-se referências para a construção do presente trabalho estudiosos que discutem a condição docente na educação básica sob a ótica da valorização, tanto sob a perspectiva da formação, contemplada mediante a implementação de políticas de formação de professores para a educação básica Gatti (1997; 2009; 2011), Freitas (2004, 2007, 2012) e Barreto (2009), quanto no âmbito das políticas de gestão e financiamento da educação brasileira financiamento dentre eles, Pinto (2004; 2007; 2009; 2014), Jacomini (2012; et al., 2014) Camargo et al. (2009). A pesquisa permitiu concluir que a demanda de professores para a atuar nas disciplinas do currículo do ensino médio nas redes de ensino do Piauí e de modo específico na Rede Estadual de ensino desse estado  está diretamente relacionada à falta de valorização da carreira docente para a educação básica. As fortes evidências de déficit de professores para atuar em componentes do currículo com histórico de baixa oferta de profissionais com a formação legalmente exigida para atuar no ensino médio se justificam mais por fatores relacionados à desvalorização da carreira docente e de seus profissionais, tendo em vista os dados apontarem para um grande número de profissionais formados em cursos de licenciatura em quase todas as áreas de conhecimento que compreende a grade curricular da educação básica. Embora seja evidente a ampliação de cursos e vagas nas licenciaturas, a relação entre ingressantes e diplomados pelas Instituições de Ensino Superior denota alto grau de evasão, cujas causas podem estar relacionadas à desvalorização da carreira do magistério no Estado. Especificamente em relação à Rede Estadual, a série histórica construída sobre a oferta de novos postos de trabalho para docentes, permitiu-se inferir que ocorreu baixa ocupação das vagas disponibilizadas nos concursos públicos realizados entre 2000 a 2001, o que pode estar relacionada a fatores diversos, entre eles à mudança do perfil dos aspirantes ao exercício da profissão docente para a educação básica no Brasil. Nesse aspecto, o estudo conclui que o déficit de docentes para atender a demanda em alguns componentes curriculares do ensino médio no Piauí  não tem como fator determinante a oferta insuficiente de profissionais qualificados, mas da pouca efetividade de políticas de valorização dos profissionais, cujos reflexos podem ser percebidos na baixa atratividade da carreira docente.

  • FRANCISCO ANTONIO MACHADO ARAUJO
  • EDUCAÇÃO.COM TECNOLOGIA: CONECTANDO A DIMENSÃO SUBJETIVA DO TRABALHO DOCENTE MEDIADO PELAS TIC's

  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 28/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho é resultado de uma investigação que tem o objetivo geral de investigar os significados e os sentidos que o professor constitui sobre o trabalho docente mediado pelas tecnologias educacionais. Os objetivos específicos estão organizados da seguinte forma: a) Identificar as tecnologias educacionais que têm mediado o desenvolvimento do trabalho docente; b) Apreender as transformações provocadas pelas tecnologias educacionais no processo de trabalho do professor; c) Compreender as motivações do professor que utiliza as tecnologias educacionais no seu trabalho docente para além das exigências escolares. Essa investigação está fundamentada nos pressupostos teórico-metodológicos da Psicologia Sócio-Histórica, especialmente em Vigotski (1999; 2000; 2010a; 2010b), Leontiev (2006), Luria (1986; 1999), no conceito de Tecnologia Educacional de Litwin (1997) e Sancho (1998); de Trabalho em Marx (1975; 1983; 1985; 2002), Engels (1986), Marx e Engels (1993) e de Trabalho Docente em Saviani (1994). Os procedimentos metodológicos empregados foram a Entrevista Reflexiva (SZYMANSKI 2000) com um professor de História do ensino médio da rede privada para produzir os dados e a proposta dos Núcleos de Significação (AGUIAR; OZELLA, 2013) para analisá-los. Os resultados da investigação apontam que o professor não apenas faz uso, mas também constitui tecnologias educacionais para mediar o seu trabalho docente. As principais tecnologias educacionais que têm mediado o trabalho docente foram a produção de roteiros de atividades, softwares para produção de provas, jogos e envio de trabalhos, e-mail, o blog, dentre outros. Para o professor investigado, além do estreitamento das relações com seus alunos, as tecnologias educacionais permitiram melhorias no seu desenvolvimento cognitivo a partir da atividade de pesquisa pela internet, proporcionaram novas possibilidades de situações de ensino e aprendizagem, mas também a sobrecarga do trabalho docente. Neste aspecto, o aumento do trabalho docente é entendido pelo professor investigado, como fator de resistência que orienta muitos professores a não fazerem uso das tecnologias educacionais para além das exigências escolares. Sobre as motivações do professor para fazer uso das tecnologias educacionais no seu trabalho docente, o mesmo ressalta sua identificação e a dos alunos e com o uso das ferramentas, a constituição do blog como tecnologia educacional que auxilia nas suas atividades de sala de aula, dá maior visibilidade ao seu trabalho docente, o que lhe permite uma renda extra. O professor revela também que sua formação para o uso das tecnologias educacionais foi permeada pelo autodidatismo, o que, segundo ele, ocorre com a maioria dos professores que usa as tecnologias educacionais, em virtude de muitas escolas não oferecerem esse tipo de formação, e quando oferecem é caracterizada apenas pelo instrumentalismo. A discussão das zonas de sentido produzidas pelo professor sobre o uso das tecnologias educacionais, em especial, no seu trabalho de professor tem revelado que o mesmo não diferencia o trabalho docente da prática de ensino e que a tecnologia educacional ainda é compreendida por professores e escolas apenas pelo seu caráter instrumental, a despeito dele informar que o uso das tecnologias tem mediado o seu desenvolvimento cognitivo.

  • ADRIANA TOLENTINO SOUSA
  •  

    CONSTITUIÇÕES DE FEMINILIDADES DE PROFESSORAS
    AFRODESCENDENTES “ENTRE CONTEXTOS” DE SÃO JOÃO DO PIAUÍ

  • Orientador : MARIA DO CARMO ALVES DO BOMFIM
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

     

    RESUMO

    A identidade racial e a construção da feminilidade, em determinadas culturas e contextos sociais, podem ser visibilizadas ou invisibilizadas. De que forma? Como ocorre o processo de constituição da dimensão feminina na identidade de mulheres afrodescendentes? Quais elementos compõem as dimensões da feminilidade e da afrodescendencia parte da identidade de mulheres professoras? Existem articulações entre as dimensões da identidade feminina afrodescendente e a chegada à carreira docente? Como ocorrem estas articulações? Com o intuito de responder estas questões, a pesquisa realizada analisou trajetórias educativas de dez professoras afrodescendentes que atuam no município de São João do Piauí. As contribuições de Ferreira (2010), Hall (2006), Castels (2008) que norteiam a compreensão dos processos de constituição da identidade entrelaçada a atributos culturais; Kehl (2010), Beauvoir (1975), Louro (2008), Bomfim (2010), fundamentam a “construção social da feminilidade” e suas implicações entre as relações de gênero e o mercado de trabalho; Crénshaw (2013), Carneiro (2014),Boakari (2003; 2010) e Motta (2008) alicerçam as análises sobre a interseccionalidade entre raça, classe e gênero da história de  mulheres afrodescendentes e a importância de investigações sobre suas trajetórias. Trata-se de pesquisa com base nos procedimentos do método (auto)biográfico (CHIZZOTTI, 2006; SCHÜTZE, 1977; BERTAUX, 2010). As análises apontam que a constituição das feminilidades da maioria das interlocutoras, embora atravessadas por valores patriarcais, vem sendo influenciadas por valores de mulheres com perfil aguerrido no âmbito da família, da profissão docente e de organizações sociais. Os processos de constituição da identidade afrodescendente das interlocutoras tiveram forte influência de valores do contexto social de São João do Piauí, contribuindo para que o processo de cada uma seja singular e plural ao mesmo tempo. Assim, os saberes oriundos de diferentes espaços e da astúcia de cada professora abordada, foram mobilizados para constituição da sua identidade feminina afrodescendente.

     

  • ANTONIA FLÁVIA MORAES DA COSTA
  • A  prática do Coordenador pedagógico no contexto da Escola de Tempo Integral: desafios da   Educação Integral e integrada.

  • Orientador : ANTONIA DALVA FRANCA CARVALHO
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

    Desde a instituição do curso de Pedagogia no Brasil, ou seja, em 1939, existe uma variedade de questionamentos sobre o papel do pedagogo na escola que culminaram em várias alterações legais e curriculares realizadas no âmbito da profissão. Quase um século depois, estes questionamentos persistem tornando imprescindível indagarmos acerca do papel do pedagogo, focalizando-o nos lócus da Escola de Tempo Integral, uma vez que a mesma se constitui na atualidade como uma política de educação para todos e com todos. A escolha desse tema partiu das inquietações geradas a partir de visitas feitas enquanto membro do OBEDUC (Observatório da Educação) a Escolas de Tempo Integral, onde percebemos as variadas tarefas desenvolvidas pelas coordenadoras pedagógicas dessas escolas. O estudo objetiva analisar a prática do pedagogo que atua na escola pública de tempo integral, identificando suas atribuições para uma educação integral e integradora, situando a função específica deste profissional no contexto escolar. Para nos aprofundarmos sobre o pedagogo e seu papel nos fundamentamos em Brzezinski (2012), Libaneo (2013), Silva (2006), entre outros. Para tratarmos da Escola de Tempo Integral definimos como aporte teórico autores como Freire (1996), Teixeira (1999), Gadotti (2009), Azevedo (2010), Moll (2012), dentre outros. Diante da complexidade do objeto de estudo a pesquisa é de natureza qualitativa com abordagem etnonometodologica tomando como base os estudos de Coullon (1995) sobre a concepção de membro, e ator social para compreendermos o papel do coordenador pedagógico como alguém desenvolve seu fazer objetivando a construção social de todos que fazem parte da Escola de Tempo Integral. Assim, as técnicas de coleta de dados serão a observação e a entrevista.  As colaboradoras de nossa pesquisa serão duas coordenadoras pedagógicas que trabalham em Escola de Tempo Integral da rede estadual de ensino de Teresina- PI. Para análise dos dados tomaremos como subsidio teóricos os ensinamentos Bardin (2009) sobre a analise de discurso. Os resultados contribuirão para ampliar as reflexões acerca do pedagogo e sua atuação no âmbito escolar na perspectiva da educação integral, assim como desvelar a realidade da escola de tempo integral em Teresina.

  • MARIA NORANEIDE RODRIGUES DO NASCIMENTO
  • ENSINO DE GEOGRAFIA NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CURRÍCULO E PRÁTICA PEDAGÓGICA

  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

    Este estudo apresenta como objeto de investigação situações que envolvem o currículo, o ensino de geografia e a prática pedagógica, na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA). O interesse partiu da inquietação da pesquisadora enquanto coordenadora pedagógica de EJA nas escolas municipais de Teresina-PI, emergindo o seguinte questionamento que norteou o estudo: Como as discussões sobre o currículo e o ensino de geografia contribuem para ressignificação da prática pedagógica do professor, na modalidade Educação de Jovens e Adultos? Essa questão deu origem de forma geral ao seguinte objetivo: Analisar o currículo do ensino de geografia, na modalidade Educação de Jovens e Adultos, visando a ressignificação da prática pedagógica. Especificamente buscamos: identificar a concepção do professor sobre o ensino de geografia e sua influência na prática pedagógica; entender a relação entre o currículo e a prática pedagógica do professor de geografia; refletir a prática pedagógica do professor de geografia, do Ensino Fundamental. Está embasada teórica e metodologicamente na abordagem qualitativa do tipo descritiva à luz dos estudos de Flick (2009), Maanem (1979), Gatti (2005). A opção pela pesquisa qualitativa se justifica por ser apropriada para a realização da investigação em discussão, pois, permite ao pesquisador o contato com o real lócus e sujeitos do objeto de estudo ao tempo em que obtém maiores informações na coleta e produção dos dados. Fundamenta-se em Arroyo (2011), Macedo (2010, 2012), Silva (2002, 2013), Sacristán (2000, 2001), Moreira (2002, 2010), Candau (2000, 2005, 2010), Forquin (2000), Hernandéz (1998), Soares (2002), Pierro (2010), Moraes (1984, 2001), Santos (2001, 2008, 2012), Vesentini (1992, 2000, 2013), Mendonça (2007), Freire (1985, 2005, 2007), entre outros. Os procedimentos metodológicos para coleta de dados será realizado por meio de questionário, objetivando traçar o perfil dos interlocutores e a entrevista semiestruturada no grupo focal seguida da transcrição, e categorização segundo Bardin (2011), Oliveira (2010).  Produzidos as informações serão interpretadas a partir da técnica da Análise de Discurso, baseada nas concepções de Martins (2008), Maingueneau (1997), Orlandi (2012), entre outros. Os resultados apontam que é preciso ter clareza que um currículo para alicerçar o ensino de geografia na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) deverã fundamentar-se em prática curriculares e pedagógicas que considere o jovem e o adulto um sujeito em formação que traz para a escola uma rica experiência de vida. Então, são pessoas com rosto e histórias de vida que fazem, isto é, são jovens e adultos trabalhadores. Conclui-se que os desafios apresentados na modalidade Educação Jovens e Adultos, assumem particularidades, que nem sempre são contemplados nos cursos de formação dos professores, fator determinante para um ensino de qualidade para esse público. Assim, o currículo tem implicações no desenvolvimento da prática pedagógica no ensino de geografia na modalidade EJA, influenciando nos modos de pensar e agir dos docentes no exercício de sua profissão.


     

     

  • ANA PAULA MONTEIRO DE MOURA
  • A POLÍTICA DO TRANSPORTE ESCOLAR NA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA

  • Orientador : ROSANA EVANGELISTA DA CRUZ
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • A dissertação apresenta os resultados da pesquisa que teve por objetivo investigar a política de financiamento e de atendimento do transporte escolar dos estudantes das escolas públicas municipais de Teresina (PI), no período de 2012 e 2013. Considerando a relevância da política de transporte para muitos estudantes teresinenses, o montante de recursos envolvidos e a qualidade dos serviços prestados, a investigação foi direcionada pela seguinte questão de pesquisa: quais os condicionantes da política do transporte escolar no que concerne ao financiamento e ao atendimento realizado aos estudantes das escolas da Rede Pública Municipal de Educação de Teresina. A metodologia do trabalho foi baseada na abordagem quali-quantitativa, uma vez que agregou dados qualitativos e quantitativos referentes à política do transporte escolar, envolvendo momento de estudo documental e bibliográfico, além da observação das reuniões da Câmara do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) do Município de Teresina (PI) e da realização de vistoria de veículos que realizam o transporte escolar na zona rural e urbana da cidade. As fontes documentais privilegiadas no estudo foram: a legislação nacional e local que trata do transporte escolar; as atas e relatórios emitidos pela Câmara do Fundeb; as prestações de contas da Secretaria Municipal de Educação referentes ao transporte escolar e os dados de Censo Escolar. No âmbito das produções bibliográficas, as temáticas política educacional, financiamento da educação e transporte escolar foram analisadas, tendo como referências principais Melchior; Pinto; Cruz; Souza; Paz e Hochuli. O estudo revelou que, nos anos de 2012 e 2013, do total de alunos matriculados na rede municipal, 12% e 20%, respectivamente, utilizaram o transporte escolar. A análise da prestação de contas das despesas efetivadas com o transporte escolar terceirizado no município, principal forma de oferta, demonstrou o dispêndio de 91% do total de recursos com esta modalidade de oferta. As fontes para tais despesas decorreram do Programa Nacional Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate) e dos recursos oriundos do Fundeb e de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE). A pesquisa demonstrou que a participação federal na política, por intermédio do Pnate, apresenta limitações quanto ao montante de recursos envolvidos, de apenas 6%, e quanto à restrição de uso dos recursos apenas para o transporte escolar rural. Embora os custos com transporte escolar no município de Teresina tenham sido representativos, a maioria dos veículos é inadequada ao transporte dos alunos, pois está fora das especificações para esta política no Brasil, o que sinaliza para a necessidade de um maior acompanhamento e controle realizado pela Câmara do Fundeb e demais órgãos de fiscalização. A pesquisa evidenciou como condicionantes da política financiamento e atendimento ao transporte escolar os seguintes elementos: disponibilidade de recursos municipais e federais; demanda de alunos pelo transporte; distribuição geográfica das escolas; priorização da oferta mediante a contratação de serviço terceirizado e disputa de interesses econômicos no processo de escolha das empresas.

  • SIDCLAY FERREIRA MAIA



  • Aprendizagens docentes no ensino superior: narrativas de professoras de Língua Inglesa

  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos e a discussão acerca da formação e, principalmente, da prática educativa do professor, em especial os relacionados ao ensino superior, apontam para a necessidade de seu redirecionamento na perspectiva de superação da racionalidade técnica bem como no sentido de articular teoria e prática, compreendendo que a prática educativa docente requer articulação entre as dimensões humana, técnica, social e ética. Convicto da importância desta temática, considerando a vivência como professor, o objeto de estudo eleito configura-se nas aprendizagens docentes de professoras do Curso de Licenciatura em Letras Inglês da Universidade Federal do Piauí. O estudo é orientado pela questão problema: que aprendizagens docentes são construídas por professores de Inglês da Universidade Federal do Piauí na perspectiva do redimensionamento da prática educativa? Para responder à questão de pesquisa, estabelece-se como objetivo geral: Investigar a construção das aprendizagens docentes de professoras do Curso de Letras Inglês da UFPI, na perspectiva de redimensionamento da prática educativa. A partir deste objetivo delineamos como objetivos específicos: 1) Identificar aprendizagens docentes construídas por professoras do Curso de Licenciatura em Letras Inglês no contexto da prática educativa; 2) Caracterizar o redimensionamento da prática educativa a partir das aprendizagens docentes; 3) Analisar as aprendizagens docentes como fonte de autoformação e de reflexão sobre a prática educativa. Para embasamento teórico, a pesquisa fundamenta-se em autores como: Brito (2011), Celani (2004), Clandinin e Connely (2000) (2004), Garcia (1999), Josso (2004), Leffa (2007), Mizukami (2002), Nóvoa (1992) (2002), Paiva (2003), Pimenta e Anastasiuou (2005), Souza (2001), dentre outros. Adotou-se como opção metodológica a pesquisa narrativa, com utilização de Entrevistas Narrativas e Cartas Pedagógicas como técnicas de produção de dados. As interlocutoras do estudo são três professoras efetivas do Curso de Licenciatura em Letras Inglês da Universidade Federal do Piauí, campus Ministro Petrônio Portela, na cidade de Teresina-PI. Os eixos temáticos de análise são: 1) Professor de inglês no ensino superior; 2) Aprendizagens docentes construídas na prática educativa; 3) Aprendizagens docentes e o redimensionamento da prática educativa; 4) Aprendizagens docentes como fonte de autoformação e reflexão sobre a prática educativa. Cada um dos eixos temáticos possui dois indicadores de análise. No plano de análise dos dados, recorre-se à análise do conteúdo proposta por Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). A análise das narrativas evidencia que a prática educativa das professoras está marcada pela reflexão e que as aprendizagens docentes oscilam em movimentos de criação e de reprodução, indicando que o aprender a docência acontece na relação entre o fazer cotidiano e as relações que as professoras buscam estabelecer com seus pares.

  • SIDCLAY FERREIRA MAIA



  • Aprendizagens docentes no ensino superior: narrativas de professores de língua inglesa

  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos e a discussão acerca da formação e, principalmente, da prática educativa do professor, em especial os relacionados ao ensino superior, apontam para a necessidade de seu redirecionamento na perspectiva de superação da racionalidade técnica bem como no sentido de articular teoria e prática, compreendendo que a prática educativa docente requer articulação entre as dimensões humana, técnica, social e ética. Convicto da importância desta temática, considerando a vivência como professor, o objeto de estudo eleito configura-se nas aprendizagens docentes de professoras do Curso de Licenciatura em Letras Inglês da Universidade Federal do Piauí. O estudo é orientado pela questão problema: que aprendizagens docentes são construídas por professores de Inglês da Universidade Federal do Piauí na perspectiva do redimensionamento da prática educativa? Para responder à questão de pesquisa, estabelece-se como objetivo geral: Investigar a construção das aprendizagens docentes de professoras do Curso de Letras Inglês da UFPI, na perspectiva de redimensionamento da prática educativa. A partir deste objetivo delineamos como objetivos específicos: 1) Identificar aprendizagens docentes construídas por professoras do Curso de Licenciatura em Letras Inglês no contexto da prática educativa; 2) Caracterizar o redimensionamento da prática educativa a partir das aprendizagens docentes; 3) Analisar as aprendizagens docentes como fonte de autoformação e de reflexão sobre a prática educativa. Para embasamento teórico, a pesquisa fundamenta-se em autores como: Brito (2011), Celani (2004), Clandinin e Connely (2000) (2004), Garcia (1999), Josso (2004), Leffa (2007), Mizukami (2002), Nóvoa (1992) (2002), Paiva (2003), Pimenta e Anastasiuou (2005), Souza (2001), dentre outros. Adotou-se como opção metodológica a pesquisa narrativa, com utilização de Entrevistas Narrativas e Cartas Pedagógicas como técnicas de produção de dados. As interlocutoras do estudo são três professoras efetivas do Curso de Licenciatura em Letras Inglês da Universidade Federal do Piauí, campus Ministro Petrônio Portela, na cidade de Teresina-PI. Os eixos temáticos de análise são: 1) Professor de inglês no ensino superior; 2) Aprendizagens docentes construídas na prática educativa; 3) Aprendizagens docentes e o redimensionamento da prática educativa; 4) Aprendizagens docentes como fonte de autoformação e reflexão sobre a prática educativa. Cada um dos eixos temáticos possui dois indicadores de análise. No plano de análise dos dados, recorre-se à análise do conteúdo proposta por Poirier, Clapier-Valladon e Raybaut (1999). A análise das narrativas evidencia que a prática educativa das professoras está marcada pela reflexão e que as aprendizagens docentes oscilam em movimentos de criação e de reprodução, indicando que o aprender a docência acontece na relação entre o fazer cotidiano e as relações que as professoras buscam estabelecer com seus pares.

  • FRANCISCO DAS CHAGAS ALVES RODRIGUES
  • AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: REVENDO MITOS, RITOS, REALIDADES

  • Orientador : MARIA DA GLORIA CARVALHO MOURA
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo apresenta o desenho de uma investigação sobre as possibilidades de análise crítica do processo de avaliação da aprendizagem, objeto de estudo dessa investigação. Busca uma reflexão das práticas avaliativas tendo como lócus a sala de aula, dialogando com sentidos e significados da avaliação e da aprendizagem para os profissionais da escola. Está sendo desenvolvida com a participação de gestores, professores e coordenadores pedagógicos do sistema de ensino municipal de Teresina/Piauí. O referencial teórico metodológico se sustenta na abordagem qualitativa do tipo descritiva. A opção pela pesquisa qualitativa se justifica porque se aplica ao nosso objeto de estudo, visto que, trata-se de um processo de reflexão que envolve a análise da realidade, fazendo uso de métodos e técnicas para sua compreensão envolvendo simultaneamente sujeitos investigados e pesquisadores. O interesse por essa problemática partiu de inquietações originadas de vivências profissionais desempenhando funções técnicas na Secretaria Municipal de Educação e como professor da escola básica atuando no ensino fundamental na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), o que resultou na questão que norteou a pesquisa: Como as concepções dos educadores, sobre avaliação e as práticas avaliativas desenvolvidas no cotidiano das escolas de Educação de Jovens e Adultos contribuem para a efetiva avaliação da aprendizagem?  Define como objetivo geral analisar as concepções de avaliação e práticas avaliativas utilizadas no cotidiano escolar, na perspectiva da avaliação da aprendizagem. De forma específica busca identificar as concepções sobre a avaliação e avaliação da aprendizagem visando o processo avaliativo; avaliar os instrumentos utilizados na sala de aula para verificação do conhecimento apreendido; descrever as práticas avaliativas, comumente desenvolvidas nas escolas a luz das teorias da avaliação da aprendizagem. No plano teórico, fundamenta-se, nos estudos de Moura, (2012, 2003), Hadji (2011), Luckesi (2011), Romão (2011), Arredondo; diago (2009), Arroyo (2005), Afonso (2005), Esteban (2003), Hoffman (2001), Morin (2000), Perrenoud (1999), Saul (1999), Zabala (1998), Vasconcellos (1998) Freire (1976), Demo (1996),  dentre outros. Utiliza como procedimentos metodológicos para produção de dados o questionário, a entrevistas e o grupo focal. A organização e a interpretação dos dados se apoiam em Bardin (1979), Oliveira (2010) e nos princípios da Análise do Discurso. Os resultados revelam a existência de um referencial teórico amplo, refletindo a avaliação e avaliação da aprendizagem, numa perspectiva emancipatória e democrática, com ênfase nos equívocos conceituais que ainda persistem em valorizar os termos testar, medir e avaliar, não levando em consideração a aprendizagem dos estudantes, concebendo a avaliação, ainda nos dias atuais, como um ritual para cumprir as exigências institucionais, um mito, algo ainda incompreendido, desconsiderando a realidade de aprendizagem dos estudantes. Conclui-se que a avaliação vai além de selecionar e verificar o rendimento escolar para classificar a instituição ou o aluno dentro de uma escala desejável. Pois, o ato de avaliar é um meio para diagnosticar o progresso do estudante subsidiando intervenções que possibilite a aprendizagem e consequentemente a elevação dos índices culminando com a melhoria da qualidade do ensino. contribuindo para a superação da situação de exclusão e para elevação da autoestima das pessoas jovens e adultas.

  • MARIA DO SOCORRO BRITO DE OLIVEIRA
  • O DESENVOLVIMENTO DA PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE: HISTÓRIAS DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

  • Orientador : BARBARA MARIA MACEDO MENDES
  • Data: 27/02/2015
  • Mostrar Resumo
  •  

    O profissional professor tem vivenciado uma série de desafios e de exigências que colocam em questionamento a profissão docente em todas as suas dimensões, cultural, social e profissional. Dentre os diferentes aspectos questionados, sobressaem-se: a formação, as práticas professorais e a profissionalização docente, que implica, por um lado, a obtenção de um espaço autônomo, um espaço que é seu, onde possa transitar com certa liberdade e, por outro, que a sociedade reconheça seu valor e a necessidade de seu trabalho (RAMALHO, NUNEZ e GAUTHIER, 2003). O presente estudo insere-se e desenvolve-se no âmbito desta temática, mediante a compreensão de que o desenvolvimento da profissionalização docente configura-se como processo contínuo não linear, de aperfeiçoamento profissional. Apresenta como objeto de estudo a profissionalização docente, e para sua compreensão e desenvolvimento da investigação delineia como objetivo geral: investigar o processo de desenvolvimento da profissionalização do professor que atua nos anos iniciais do Ensino Fundamental; e como objetivos específicos: identificar como os professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental concebem a profissão,identificar aspectos da formação que concorrem para a profissionalização docente e descrever as condições de exercício da profissão docente de professores que atuam nos anos iniciais do Ensino Fundamental . Questiona como se efetiva o desenvolvimento da profissionalização de professores que atuam nos anos iniciais do Ensino Fundamental? Insere-se na abordagem qualitativa, caracterizando-se como pesquisa narrativa, modalidade metodológica que investe na rememoração das histórias de vida dos narradores na perspectiva de despertar a autorreflexão sobre diferentes dimensões da profissionalização docente, possibilitando as interlocutoras vivenciar momentos de  autoformação e de autoconhecimento. Como dispositivos de produção dos dados, utiliza o memorial de formação e as rodas de conversa, ambos possibilitadores do exercício reflexão crítica sobre trajetórias professorais. Tem como contexto empírico uma escola pública da rede municipal de ensino, localizada em Teresina/Pi, que atua no campo da educação básica de primeiro ao quinto ano do ensino fundamental. Conta com a colaboração de seis professoras alfabetizadoras que exercem a docência dos anos iniciais em diferentes fases de atuação na profissão. Adota como fundamento para construção de sua base epistêmica e metodológica com estudos: Nóvoa (1992); Ramalho, Nuñez e Gauthier (2003); Romanowski (2007); Brzezinski (1993); Veiga (1998); Penin (2009); Perrenoud (1999); Passeggi (2008); Souza (2006); Poirier, Valladon e Raybaut (1999); Bertaux (2010), dentre outros. Os dados foram obtidos através das narrativas das seis interlocutoras, que apontam para a compreensão de que a profissionalização dos professores que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental, nos processos formativos contínuos e no desenvolvimento das práticas docentes, envolvendo a busca de melhores condições de trabalho na expectativa de construção da autonomia e emancipação, como reconhecimento e valorização profissional e social da carreira de professor. Os dados revelam  narrativas que explicam como as professoras concebem a profissão, quais aspectos da formação concorrem para a profissionalização docente e em que condições as professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental exercem

  • ANA MARIA CORTEZ DE CASTRO
  • Confetos de barro sobre educar pelos socioeducadores do Centro Educacional de Internação Provisória de Teresina-PI

  • Orientador : SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD
  • Data: 26/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa propõe-se a investigar o que é "educar" para educadores sociais do Centro de Internação Provisória - CEIP. Estudar esse processo educativo a partir dos socioeducadores tem se mostrado de suma importância, pois vem crescendo o número de adolescentes dentro das instituições socioeducativas, assim como o número de socioeducadores. Ademais, a sociedade vem depositando esperança no trabalho realizado pelos programas socioassistenciais voltados para os adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Outro importante fator é que educar tornou-se ao longo da história o objetivo maior a ser alcançado para resolver diversos problemas sociais e individuais e os educadores sociais entraram nas instituições sócio-educativas com a responsabilidade de resocializar os adolescentes inseridos nestes espaços, esperando que eduquem e tornem esses adolescentes capazes de retornar ao social. Realizou-s esta investigação a partir de uma compreensão filosófica do "educar" utilizando-se de autores como: Kant (1999), Foucault (1979, 2007, 2008) , Gilles Deleuze (2004; 2010), entre outros.     A metodologia utilizada foi a sociopoética que se fundamenta nos seguintes princípios, de acordo com Adad (2014): o grupo pesquisador como dispositivo; a importância do corpo como fonte de conhecimento; o papel da criatividade de tipo artística no aprender, no conhecer e no pesquisar; a ênfase no sentido ético no processo de construção dos saberes e pesquisar com as culturas de resistência das categorias e dos conceitos que produzem. Na pesquisa sociopoética, todos estes princípios permeiam o processo de produção do conhecimento. Assim, a pesquisa teve como problema: "O que é educar" para os socioeducadores do CEIP. A partir das seguintes questões norteadoras: Quais os conceitos de educar para os socioeducadores do CEIP? Quais os problemas que os mobilizam? Que outras formas de educar existem em suas práticas? Que pode os socioeducadores no ato de educar durante a permanência dos adolescentes no CEIP? Com o suporte da sociopoética, criaram-se dispositivos que proporcionaram aos copesquisadores o estranhamento necessário para a produção dos dados sobre a referida temática. Ao transversalizar as idéias e os conceitos produzidos pelos copesquisadores, chegou-se à formulação das linhas do pensamento do grupo-pesquisador que, combinadas com a teoria, traçam os confetos desses socioeducadores, mapeadas e costuradas por intermédio de linhas de fuga, que são uma desterritorialização do pensamento, como bem fala Deleuze (1998, p. 49): “Fugir é traçar uma linha, linhas, toda uma cartografia. Só se descobre mundos por intermédio de uma longa fuga quebrada”. Essas duas linhas do pensamento do grupo-pesquisador são: O Corpo Biopolítico do educar e o Educar como possibilidade de um cuidado de si. Ao final da pesquisa, percebo que cada socioeducador tenta realizar um trabalho grandioso que é educar, porém, esse corpo do educar precisa ser cuidado para que possa cuidar do outro. Educar nesse devir apresenta-se nesse momento como cuidar. Esse estudo proporcionou uma maior compreensão de como o socioeducador entende a realização do seu trabalho. Abrimos brechas para perceber as possíveis causas do constante fracasso das instituições socioeducativas. E, esperamos ainda contribuir com novos campos de pesquisa que proporcione às políticas públicas um aperfeiçoamento de suas ações.  

  • MARIA SOLANGE ROCHA DA SILVA
  • HISTÓRIA E MEMÓRIA DO COTIDIANO ESCOLAR: LEMBRANÇAS LITERÁRIAS DE ESCOLA (1867-1920)

  • Orientador : MARIA DO AMPARO BORGES FERRO
  • Data: 26/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo é uma pesquisa de natureza historiográfica utilizando a literatura como fonte de pesquisa para a história da educação. Nesta pesquisa buscamos estudar a história e memória da educação piauiense a partir de obras literárias no período de 1867 a 1920. O estudo tem embasamento teórico-metodológico na nova História Cultural. Adotamos como aporte teórico, Burke (2011); Chartier (1998); Carvalho (1998); Félix (1998); Ferro (2010); Galvão e Lopes (2010); Oliveira (2001); Halbwachs (1990), dentre outros. Partimos da seguinte questão: como as memórias de escola se apresentam nas abras de literatura selecionadas: Memórias e memórias inacabadas (Humberto de Campos); As mamoranas estão florindo (Moura Rêgo); A alma Universal (Amélia Beviláqua); Trechos do meu caminho (Leônidas de Mello)? O trabalho tem como objetivo geral analisar as memórias de escola presentes nas obras selecionadas. Para tanto, delineamos alguns objetivos específicos: Compreender a partir das obras as memórias de escola dos autores; Perceber através das memórias dos autores, as representações sobre os alunos, a escola, o professor e o cotidiano escolar; Contextualizar o período em que as obras se inserem; Relacionar as narrativas contidas nas obras literárias com a história da educação. A periodização deste trabalho compreende o período de 1867 e estende-se até, 1920. Quanto a metodologia, trabalhamos basicamente como o cruzamento de dois tipos de fonte: as obras literárias e a bibliografia que discorre a respeito da história da educação. Assim, tendo em vista o caráter da pesquisa, inicialmente nos detivemos na definição das obras a serem analisadas, o passo seguinte consistiu em uma leitura sistemática das obras com o intuito de identificar e compreender os aspectos históricos educacionais. Após a exploração e interpretação dos textos selecionados, buscamos relacionar os aspectos históricos presentes nas obras com a história da educação a partir da bibliografia que discorre a esse respeito, feito isso, nos detivemos na montagem do trabalho. Deste modo, foi possível perceber, que através destas obras podemos conhecer um fragmento do cenário educacional piauiense no período em que as obras se situam. Esperamos com esse trabalho contribuir com os estudos históricos do cotidiano escolar.

     

  • MARIA DE NAZARETH FERNANDES MARTINS
  • O ANTES E O DEPOIS DA ATIVIDADE DE ENSINO APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTICULAÇÕES ENTRE CUIDAR E EDUCAR


  • Orientador : MARIA VILANI COSME DE CARVALHO
  • Data: 25/02/2015
  • Mostrar Resumo
  • Ensinar é uma atividade que identifica a profissão de professor em todos os níveis e modalidades de ensino, embora cada um tenha sua especificidade. Na Educação Infantil a especificidade da atividade de ensino aprendizagem está na articulação dialética do educar e cuidar de crianças de 0 a 5 anos, período de pleno desenvolvimento e aprendizado sobre a cultura humana.  Partindo da ideia de que nem todos os professores entendem dessa forma, o que é específico da Educação Infantil, questiona-se: de que forma a professora da Educação Infantil relaciona os significados e os sentidos constituído