Notícias

Banca de DEFESA: ORLEANE CRISTINE MARQUES OZORIO PEIXOTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ORLEANE CRISTINE MARQUES OZORIO PEIXOTO
DATA: 03/05/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Defesa realizada de forma híbrida: alguns membros presencialmente no CAFS, outros de forma remota.
TÍTULO: Conhecimento, uso e estratégias de manejo acerca da regeneração de casca do caule de duas espécies arbóreas úteis do semiárido
PALAVRAS-CHAVES: Regeneração de casca; Etnobotânica; Terminalia glabrescens Mart.; Copaifera langsdorffii (Desf).
PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Botânica
SUBÁREA: Botânica Aplicada
RESUMO:

A exploração de plantas são práticas comuns para o ser humano, se usada de maneira insustentável pode gerar morte de espécies importantes e assim uma perda na biodiversidade. O objetivo desse estudo foi avaliar a taxa de regeneração de casca do caule das espécies de Terminalia glabrescens Mart. e da espécie de Copaifera langsdorffii (Desf.), bem como relacionar esses dados de rebrota de casca com a precipitação média, diâmetro acima do peito e altura dos indivíduos do estudo e ainda, com as informações de uso, identificação de estímulos, conhecimento e estratégias de manejo realizadas na Comunidade Casulo. Na Fazenda do Colégio Técnico de Floriano escolheu-se 10 indivíduos, e estes foram marcados utilizando critérios de tamanhos do diâmetro na altura do peito, altura e sem sinal de predação. Neles realizaram-se extrações de casca correspondentes a 20 cm² e 30 cm², esses foram visitados mensalmente e recolheram-se seus pontos de regeneração com a utilização de papel milimétrico, para coleta etnobotânica foi realizada uma entrevista semiestruturada para conhecer as estratégias de manejo por parte da Comunidade para com as espécies estudadas. Após dezoito meses de observação da regeneração dos indivíduos marcados no campo a maioria não havia regenerado sua área extraída, tendo apenas 1 indivíduo de C. langsdorffii e 4 indivíduos de T. glabrescens apresentando rebrota total de sua área extraída. Um teste de Kruskal-Wallis determinou que as diferenças na regeneração da casca do caule são significativas em relação ao tratamento de 20 cm² de extração (T. glabrescens – p: 0,0163; C. langsdorffii – p: 0,0090) e ainda demonstrou uma diferença significativa interespecífica no qual a regeneração na T. glabrescens é mais rápida do que na C. langsdorffii (p: 0,0163). E não houve relação significativa entre a regeneração e a precipitação, altura dos indivíduos e o DAP. Na correlação de Spearman nenhuma significância entre foi encontrada. No levantamento etnobotânico trinta entrevistas foram realizadas, sendo treze informantes do sexo masculino e dezessete do gênero feminino, encontrando-se que os moradores da Comunidade não fazem uso da C. langsdorffii e em contra partida utilizam com frequência a espécie T. glabrescens extraindo dos caules desses indivíduos áreas superiores aos achados no estudo na área ecológica e estes levam mais de dezoito meses para rebrotar. Em busca da influência dos dados socioculturais e o uso das espécies do estudo a partir de um Modelo Linear Generalizado, encontrou-se que os fatores socioculturais não apresentam relação ou interferem na utilização medicinal da casca de T. glabrescens ou C. langsdorffii para testar a relação entre os dados socioculturais e o reconhecimento dos estímulos visuais da casca ou foto das espécies o teste de Fisher foi aplicado e não houve relação significativa entre as variáveis. E assim, constatou-se que o tamanho extraído dos caules das árvores influencia na taxa de regeneração, sendo necessárias extrações menores para as espécies do estudo recuperarem-se mais rápido, a ausência de significância com a precipitação demonstra que outros fatores abióticos interferem na taxa de regeneração de T. glabrescens e C. langsdorffii podendo ser luminosidade e/ou nutrientes disponíveis no solo. Embora a altura dos indivíduos e seu DAP não tenham apresentado serem importantes para regeneração, sugere-se que as cascas sejam extraídas de plantas maiores e mais grossas para que possam suportar o ferimento em seu tronco. Com os dados etnobotânicos observa-se que os usos das plantas não estão relacionados aos fatores socioculturais e sim associados a disponibilidade do recurso, pois a espécie mais utilizada (T. glabrescens) é a espécie mais encontrada próximo da comunidade. O maior reconhecimento de estímulo visual ocorreu com a T. glabrescens que fortalece a hipótese da aparência ecológica. Estudos posteriores e com maior amostragem serão importantes para clarificar as questões vinculadas a esta pesquisa.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANDRÉ DOS SANTOS SOUZA - UFPB
Externo à Instituição - CLARISSA GOMES REIS LOPES - UFPI
Presidente - 1638554 - JULIO MARCELINO MONTEIRO
Externo à Instituição - LAUANA PEREIRA DE OLIVEIRA - USP
Notícia cadastrada em: 18/04/2023 10:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 21/02/2024 16:24