Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA GRACELIA PAIVA NASCIMENTO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA GRACELIA PAIVA NASCIMENTO
DATA: 03/09/2020
HORA: 08:30
LOCAL: Sala Virtual
TÍTULO: ECOLOGIA, SISTEMÁTICA E SEQUESTRO DE CARBONO EM ÁREAS DE MANGUEZAL DO DELTA DO PARNAIBA, MARANHÃO, BRASIL
PALAVRAS-CHAVES: Avicennia germinans, Avicennia schaueriana, morfometria, Delta do Parnaíba, Sequestro de CO2
PÁGINAS: 258
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O ambiente dos manguezais é um ecossistema caracterizado por solos alagados, inconsolidados e com variações de salinidade que influenciam na magnitude e periodicidade das marés. As diversas estratégias morfológicas de comunidades arbóreas exclusivas são primordiais para sua sobrevivência neste nicho ecológico limitante. Os mangues compõem um ecossistema complexo e heterogêneo detentor de relevância ecológica, social e econômica. No entanto, estudos acerca das espécies e a estrutura ecológica para a região da APA do Delta do rio Parnaíba são incipientes. Assim, objetiva-se com esse estudo caracterizar a estrutura ecológica de manguezal, comparando a estrutura ecológica e a composição de espécies vegetais arbóreas de quatro áreas, relacionando os resultados às perspectivas para o uso sustentável deste bioma pertencentes ao APA Delta do Parnaíba e para a investigação destas hipóteses. Localizou-se áreas dentro dos municípios de Araioses e Água Doce do Maranhão com variação na sua posição geográfica relativa ao continente, e no seu estado de conservação. Realizou-se um estudo em sete populações localizadas em quatro áreas distintas de na APA Delta do Rio Parnaíba, Maranhão, Brasil, perfazendo 1,2 ha entre fevereiro de 2017 e setembro de 2019. Os dados foram obtidos através de coletas de material botânico para estudos taxonômicos, dados fitossociológicos e estudos morfométricos, posteriormente depósitos em coleção botânica. Para classificação botânica usou-se a APG IV. Para as análises utilizou-se os softwares: R através de pacotes diversos, Past e Fitopac, além de coleta de dados para estudos prospectivos relacionados a temática. Registrou-se 2.636 indivíduos arbóreos pertencentes a três famílias, quatro gêneros e cinco espécies: Laguncularia racemosa (1276 indivíduos, Combretaceae); Rhizophora mangle (925), Rhizophoraceae; Avicennia schaueriana (264 indivíduos, Acanthaceae), Avicennia germinans (161), Acanthaceae) e Conocarpus erectus (10 indivíduos, Combretaceae). A frequência de indivíduos pertencentes à categoria DAP de 1 a 10 cm foi a mais alta, à medida que o DAP aumenta. Rhizophora mangle foi a espécie com maior altura e DAP. Os parâmetros estruturais e a distribuição das espécies variaram entre as áreas analisadas, ocorrendo maior desenvolvimento estrutural nas áreas conservadas. Registrou-se um novo táxon para a região deltaica. A climatologia e nível de antropização são fatores que influenciam a ocorrência de espécies e diferenças estruturais entre as quatro áreas bosques de mangue. Quanto aos dados morfométricos, a forma da folha é considerada diagnóstico para determinar espécies em Avicennia, tanto para taxonomistas quanto para especialistas locais. A análise elíptica de Fourier de 627 folhas forneceu dados para o tamanho do centroide e sete variáveis de forma, representando 99% da variação total. A forma das folhas nas duas espécies foi estatisticamente diferente, sendo a forma das folhas de A. germinans foi maior, tendendo de elíptica a ovada, com base aguda e ápice variando de agudo a acuminado, enquanto em A. schaueriana apresentam-se obovadas com base atenuada e ápice arredondado. Há variação na largura relativa e na forma da base predominaram entre as espécies. A variação de ovada/ovoide predominou nas espécies, especialmente entre populações conservadas e em regeneração. As folhas foram significativamente menores em A. schaueriana. Em A. germinans, as folhas tornaram-se mais ovadas com o aumento do tamanho na floresta conservada, enquanto em A. schaueriana não foi observada alteração consistente quanto ao tamanho. Somados a estes dados, verificou-se ainda que as duas espécies apresentam um número considerável de estudos e em termos prospectivos, os EUA seguido do Brasil, possuem os maiores números de estudos relacionados, iniciadas na década de 1980, sendo estes em maior número pertencentes a área de Ciências Ambientais, o que corrobora com os dados aqui apresentados. Visto a importância do ecossistema manguezal, a divulgação dos resultados constituirá em uma alternativa para que a população e os órgãos ambientais possam utilizá-los como parâmetros, visto a necessidade de dados de natureza ecológica para a região.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CLEMENTE COELHO JÚNIOR - UPM
Externo à Instituição - EDSON VICENTE DA SILVA - UFC
Externo ao Programa - 8423681 - GARDENE MARIA DE SOUSA
Interno - 423289 - JOAO BATISTA LOPES
Externo ao Programa - 2212135 - MARIA DO SOCORRO MEIRELES DE DEUS
Externo à Instituição - RUCELINE PAIVA MELO LINS - UEPB
Presidente - 007.425.784-61 - SIMON JOSEPH MAYO - RBGK
Notícia cadastrada em: 27/08/2020 12:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 22/10/2020 03:46