Notícias

Banca de DEFESA: ETHYENNE MORAES BASTOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ETHYENNE MORAES BASTOS
DATA: 25/09/2020
HORA: 08:30
LOCAL: Sala virtual indicada após o Resumo
TÍTULO: Produtos da Sociobiodiversidade: uma abordagem Etnobotânica em mercados públicos Teresina, Piauí, Nordeste do Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Etnobiologia urbana. Saber local. Recursos biológicos. Mercados públicos.
PÁGINAS: 156
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

Os mercados constituem um espaço privilegiado no que se refere ao patrimônio etnobiológico, sendo possível conhecer os produtos da sociobiodiversidade e da diversidade biológica, de uma região em suas diferentes formas de apropriação. Como questão norteadora da pesquisa buscou-se responder como é construído o etnoconhecimento sobre os produtos da sociobiodiversidade nos mercados públicos de Teresina, Piauí. Partindo-se do pressuposto de que há trocas de informações no processo de comercialização e consequentemente, os permissionários disseminam conhecimento e saber nesses locais. Diante da necessidade em trazer informações sobre os usos de produtos da sociobiodiversidade, por meio da valorização do conhecimento local sobre os recursos biológicos disponíveis nos mercados Laurindo Veloso, Dirceu Arcoverde I, Tersando Paz, Piçarra e São José, objetivou-se verificar o aspecto etnobotânico das espécies que constituem os produtos da sociobiodiversidade. Os dados foram analisados quali-quantitativamente, por meio de diferentes métodos de investigação etnobiológicas, como rapport, lista livre, entrevistas com emprego de formulários semiestruturados, índices de Diversidade de Shannon-Wiener, Consenso do Informante, Diagrama de Venn e análise da rede de interação. Um total de 48 permissionários (as) participaram da pesquisa (39 mulheres e 9 homens), com predominância nas faixas etárias de 50 a 59 anos (20,8%), 60 a 69 (18,7%) e acima de 69 anos (31,3%). A atividade nos mercados não foi mencionada como a principal renda, é complementação da maioria dos entrevistados nos proventos recebidos, especialmente do Governo Federal (87,2%). Registraram-se 115 espécies, distribuídas em 48 famílias, sendo Fabaceae (15), Lamiaceae e Solanaceae (8) e Malvaceae (06) as mais representativas, com predomínio para espécies nativas (51,2%). Estratificou-se em 05 categorias úteis: medicinal; alimentícia, cosmético, construção e artesanal, na qual sobressaiu-se a medicinal (70,17%). Em relação a essa categoria, as partes das plantas mais citadas foram as folhas (37,5%), e as principais formas de comercialização são plantas secas, in natura, ou produtos beneficiados. Dentre as principais afecções tratadas por meio do uso de plantas medicinais, as mais expressivas apresentaram para doenças infecciosas, virais e do aparelho respiratório. Registraram-se as 10 espécies que, possuem maior importância mercadológica: Dysphania ambrosioides (L.) Mosyakin & Clemants, Ximenia americana L., Myracrodruon urundeuva Allemão, Zingiber officinale Roscoe., Allium cepa L., Eucaluptus globulus Labill., Mentha villosa Huds., Punica granatum L., Pneumus boldus Molina e Amburana cearenses (Allemão) A. C. Sm. O Índice de Diversidade de Shannon-Wiener variou (H’=0,99 a 1,25) entre os mercados. Para a similaridade botânica foi constatada nos mercados do Mafuá e da Vermelha a maior presença (9spp) e na rede de interação o Mercado da Piçarra concentrou-se o maior número de espécies de uso alimentício (61,6%). A atividade de comercialização dos produtos da sociobiodiversidade envolve uma rede que engloba uma cadeia com os atores bem definidos. Nenhum dos investigados cultiva as espécies comercializadas, ou atua como coletor destas espécies, limitam-se a venda dos produtos. Os comerciantes de plantas medicinais desempenham um importante papel socioeconômico no município, pois a utilização destas reduz e, muitas vezes chegam a eliminar gastos com medicamentos farmacêuticos, por outro lado não há um padrão mínimo de qualidade e nem uma fiscalização sanitária e ambiental, sendo necessária a implantação de políticas públicas para a capacitação destes profissionais, agregando valor ao saber popular sobre plantas medicinais. O aprendizado sobre o uso das plantas veio do seio familiar, caracterizando o conhecimento horizontal, descartando a hipótese levantada.

LOCAL: https://conferenciaweb.rnp.br/conference/rooms/ethyenne-moraes-bastos/invite


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANTONIO JOAQUIM DA SILVA - IFPI
Externo à Instituição - EDSON VICENTE DA SILVA - UFC
Interno - 423405 - JAIRA MARIA ALCOBACA GOMES
Interno - 423289 - JOAO BATISTA LOPES
Externo à Instituição - LUCIANO SILVA FIGUEIREDO - UESPI
Externo à Instituição - MAURICIO EDUARDO CHAVES E SILVA - IFMA
Presidente - 1167785 - ROSELI FARIAS MELO DE BARROS
Notícia cadastrada em: 08/09/2020 15:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 22/10/2020 03:10