Notícias

Banca de DEFESA: ANA BEATRIZ DE CARVALHO SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA BEATRIZ DE CARVALHO SOUZA
DATA: 27/02/2023
HORA: 08:00
LOCAL: Online/Remoto - Google Meet
TÍTULO: Segurança do trabalho, qualidade de vida e comportamentos preventivos relacionados a COVID-19
PALAVRAS-CHAVES: COVID-19; Qualidade de vida; Clima de Segurança; Comportamento Preventivo; Teste Psicológicos.
PÁGINAS: 79
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

A pesquisa tem como principal objetivo verificar a influência da percepção de segurança do trabalho e impacto na qualidade de vida nos comportamentos preventivos relacionados a COVID-19. Especificamente, propõe-se reunir evidências psicométricas de escalas que mensurem o impacto da pandemia na qualidade de vida, clima de segurança no trabalho e comportamentos preventivos na COVID-19; identificar a relação entre o impacto na qualidade de vida durante a COVID-19 e comportamentos preventivos na população geral, além de verificar a relação entre o impacto da COVID-19 na qualidade de vida, clima de segurança e comportamentos preventivos, em trabalhadores inseridos regularmente no mercado de trabalho. A fim de alcançar os objetivos, foram realizados dois artigos empíricos. O artigo 1 foi dividido em dois estudos, o primeiro contou com 203 participantes oriundos de cidades nordestinas (Midade = 26,98; DP = 10,51), variando de 18 até 74 anos. A maioria do sexo feminino (67%), os quais responderam a Escala de Impacto da COVID-19 na Qualidade de Vida (COV19-QoL), a Escala do Comportamento Preventivo de infecção por COVID-19 (ECPI19) e questionário sociodemográfico. Por meio de análises fatoriais exploratórias reuniram evidências de validade interna das escalas COV19-QoL e ECPI19, ambas resultaram em um único que explicam 59% e 53% da variância total, respectivamente. Ademais, via TRI foram atestados o poder de discriminação, dificuldade e quantidade de informação adequadas. Com cargas fatoriais e índices de consistência internas (alfa de Cronbach e Ômega de McDonald) igualmente satisfatórios. No segundo estudo, estes modelos foram testados em amostra independente, composta por 233 participantes oriundos de cidades nordestinas (Midade =26,88; DP = 9,87), variando de 18 até 74 anos. A maioria foi do sexo feminino (62,2%), os quais responderam aos mesmos instrumentos do primeiro estudo. Por meio de análises fatoriais confirmatórias categórica WLSMV foi possível avaliar o bom ajuste dos modelos unifatoriais da COV19-QoL (CFI = 0,99, TLI = 0,99, RMSEA = 0,02 e Pclose = 0,74) e ECPI19 (CFI = 0,98, TLI = 0,96, RMSEA = 0,09 e Pclose = 0,06), que apresentam boas evidências de consistência internas (alfa de Cronbach e Ômega de McDonald). O segundo artigo, contou-se com uma amostra composta por 376 participantes oriundos de cidades nordestinas (Midade = 27,19 anos; DP = 9,96), variando de 18 até 74 anos. A maioria foi do sexo feminino (64,1%). Quanto ao contexto da pandemia, 88,8% afirmaram não fazer parte da linha de frente. Responderam aos mesmos instrumentos do artigo 1, acrescidos da Escala Curta de Clima de Segurança (ECS). Em um primeiro momento, com análise fatorial exploratória robusta reuniu-se evidências de validade interna da ECS, que resultou em um único fator que explicou 71% da variância total, via TRI foram atestados poder de discriminação, dificuldade e quantidade de informação adequadas. Com cargas fatoriais e índices de consistência internas (alfa de Cronbach e Ômega de McDonald) igualmente aceitáveis. Na sequência, correlações r de Pearson, seguidas de regressão múltipla hierárquica sugerem que impacto na qualidade de vida explica de maneira positiva o comportamento preventivo, para além disso, após inserir clima de segurança no modelo, este permaneceu estatisticamente significativo [F(2;373) = 20,42; p < 0,001; R² = 10%], explicando na mesma direção, sugerindo que quanto mais os profissionais se percebem seguros no ambiente de trabalho, para além de uma afetação na sua qualidade de vida, mais comportamentos preventivos irão adotar. A presente pesquisa apresenta contribuição importante para o estudo das temáticas, com evidências animadoras de três instrumentos que tiveram asseguradas as suas qualidades métricas. Com contribuições empíricas e práticas, sugerindo alinhar esforços para combater as dificuldades, o medo de algo novo, da incerteza de protocolos de avaliação e intervenção, com rastreio ajuda para manter um saudável status.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CARLOS EDUARDO PIMENTEL - UFPB
Presidente - 2730053 - EMERSON DIÓGENES DE MEDEIROS
Interno - 2441003 - RAQUEL PEREIRA BELO
Notícia cadastrada em: 16/02/2023 17:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 20/04/2024 13:07