Notícias

Banca de DEFESA: KELLY POLYANA PEREIRA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KELLY POLYANA PEREIRA DOS SANTOS
DATA: 29/04/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do TROPEN
TÍTULO:

ETNOBOTÂNICA E ETNOZOOLOGIA DOS PESCADORES ARTESANAIS DO MUNICÍPIODE UNIÃO/ PI, BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

Etnobotânica. Etnozoologia. Pescadores Artesanais. Canoas. Conhecimento Tradicional.


PÁGINAS: 129
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

 

 

A Etnobiologia trata das percepções, usos e classificação dos homens em relação ao meio ambiente. Nas comunidades tradicionais de pescadores artesanais evidencia-se uma importância cultural de sobrevivência através do uso sustentável dos recursos naturais. Assim, investigou-se o conhecimento etnobotânico e etnozoológico dos pescadores artesanais da colônia Z- 18 do município de União/PI, e registrou-se a realidade socioeconômica e cultural da mesma. A comunidade de pescadores artesanais de União/PI, localiza-se entre as coordenadas: “04º 35' 09" S e 42º 51' 51 W. Foram realizadas entrevistas semiestrururadas, observação direta, registro fotográfico, conversas informais registradas em diário de campo e tabulação e análise quantitativa dos dados. Entrevistou-se 150 pescadores e detectou-se que homens e mulheres participam diretamente da pesca, os quais utilizam oito artefatos de pesca: engancho, vara de pesca, tarrafa, currú, peneira, groseira, garrafa e jiqui que são fabricados artesanalmente por 13,3% dos pescadores da colônia. Foram apontadas 10 espécies de peixes raras: matrinchãn (Ageneiosus valenciennesi Bleeker, 1864) obteve o maior número de citações (20,70%). Como espécies comuns foram mencionadas 15, sendo  curimatá (Prochilodus lacustris Steindachner, 1907) o mais citado com 13,08%. Com relação à diversidade de citações entre gêneros foi observado valor semelhante entre homens e mulheres. Quanto à distribuição do conhecimento etnozoológico por faixa etária, adultos e idosos não diferiram entre si significativamente, porém os jovens apresentaram menos conhecimento quando comparado às outras duas classes. Quatro espécies vegetais são utilizadas na fabricação e reparo das canoas, com funções específicas na sua construção: pau-d`arco (Tabebuia spp), cedro (Cedrella odorata L.), imbiratanha (Pseudobombax marginatum A.St-Hil. A. Robin) e breu (Protium spp). Quanto ao perfil socioeconômico e cultural dos pescadores, observou-se que eles residem em média 31,27 anos na comunidade, 40% são casados, 52,67% possuem apenas o ensino fundamental incompleto, 78% residem em casa própria, a coleta de lixo é realizada em 62,67% das residências, a renda mensal dos pescadores é de R$300,00, a principal atividade secundária realizada na comunidade é a agricultura, 88% dos pescadores estão satisfeitos com a profissão, a maioria dos entrevistados são católicos (87%), a comunidade possui oito rezadores, sendo seis do sexo feminino e dois do sexo masculino, que utilizam plantas nos rituais de reza, sendo as principais: manjericão (Ocimum gratissimum L.), vassourinha (Scoparia dulcis L.) e peão-roxo (Jatropha gossypiifolia L.). Os pescadores artesanais demonstraram vasto conhecimento em relação à atividade pesqueira, devido provavelmente ser esta atividade exercida prioritariamente, sendo esta transmitida de geração a geração pela oralidade e prática diária. Os entrevistados possuem um conhecimento detalhado acerca da dinâmica dos peixes, bem como a relação artefato de pesca e produto pescado. Observa-se uma situação de fragilidade, quando se refere à estrutura orçamentária e educacional, o que exige providências imediatas a fim de que lhes sejam assegurados o mínimo de conforto e qualidade de vida. A cultura e a religiosidade da comunidade são valorizadas e seus princípios são transmitidos pelos pescadores mais experientes.

 

 

 

 


 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - EDSON VICENTE DA SILVA - UFC
Interno - 1167476 - JOSE LUIS LOPES ARAUJO
Presidente - 1167785 - ROSELI FARIAS MELO DE BARROS
Notícia cadastrada em: 14/03/2013 09:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 27/09/2020 07:10