Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANTONIA ALIKAENE DE SÁ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTONIA ALIKAENE DE SÁ
DATA: 27/05/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Sala Virtual
TÍTULO: REVISITA AO CAMINHO DA EXPEDIÇÃO DE SPIX & MARTIUS NO PIAUÍ: FLORA E ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DA REGIÃO 200 ANOS DEPOIS
PALAVRAS-CHAVES: Flora Brasiliensis; Indígenas; Naturalistas; Socioeconomia
PÁGINAS: 113
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O Brasil abriga a maior biodiversidade do Planeta. A diversidade biológica, endemismo, patrimônio genético das espécies, formam uma grande variedade de ecossistemas. Desde o século XVIII essa variedade de paisagens e formas de vida do país atrai naturalistas europeus, dentre eles Spix e Martius que a partir de uma expedição cientifica de três anos (1817 a 1820) percorreram o Brasil de sudeste a noroeste. Em 2019 completaram 200 anos que Spix e Martius passaram pelo Piauí. Percorreram cerca de 500 km entre abril e maio de 1819. Diante do legado deixado por estes cientistas o estudo objetivou fazer uma revisita às áreas de coleta na região por onde passou a Expedição no Piauí comparando a florística registrada na Flora Brasiliensis com dados atuais obtidos por uma revisita ao trajeto de Spix e Martius: comparar dados socioeconômicos das populações da área do período da expedição e dos dias atuais e fazer uma discussão da desterritorialização a territorialização dos índios Gueguê e Acaroás descritos por Martius em São Gonçalo do Amarante no período da expedição, além de divulgar a epopeia dos naturalistas bávaros. A seleção dos municípios para realização de nova excursão se deu respeitando a rota descrita por Spix e Martius, comparando com a atual divisão político-geográfica do Piauí. A revisita aconteceu em uma expedição ao campo, maio/2019. O material botânico da expedição foi processado segundo técnicas usuais em botânica, identificado seguindo bibliografia especializada, comparação com acervos TEPB, HAF e envio para especialistas. A listagem dos táxons seguiu a classificação APG IV. Foram coletadas 173 espécies pertencentes a 39 famílias. As mais representativas  foram: Fabaceae (42), Poaceae (17), Malvaceae (16) e Euphorbiaceae (10), tendo como hábito predominante herbaceas e arbustivas. Foi realizado um levantamento das especies do Piauí citadas na Flora Brasiliensis, compreendendo 664 espécies distribuídas em 85 famílias e mais de 300 gêneros. As famílias mais representativas neste levantamento bibliográfico foram Fabaceae, Poaceae e Asteraceae. As duas primeiras continuam sendo as mesmas para as coletadas na expedição de 2019. O caminho da expedição apresenta variedade fisionômica e florística e manteve-se semelhante, a princípio, quando comparado em nível de família, com a flora citada por Martius. No que se refere as mudanças do perfil socioeconômico do da região da expedição, destaca-se que em 1819, era pouco habitada (71.370) e baixa densidade demográfica - 0,28 hab/km2. Passados 200 anos, a população alcançou 3.118.360 e densidade demográfica de 12,4 hab/km2, considerada baixa. Dos atuais municípios Oeiras e Paulistana apresentam maior contingente populacional. Toda população hoje tem acesso à educação. Os municípios com maior IDEB são Oeiras e Santo Inácio do Piauí. As potencialidades desses territórios são principalmente agronegócio, apicultura, bovinocultura. Apesar dos avanços nos indicadores socioeconômicos, atualmente a região continua subdesenvolvida e o principal desafio é a descentralização do desenvolvimento. No que se refere a desterritorialização e territorialização dos índios Gueguê e Acaroás, a comunidade passou por um processo de organização existencial e territorialização em uma região marcada pela desterritorialização e dizimação de grupos indígenas. Essas mudanças foram marcadas pelo trabalho escravo e resistência dos grupos indígenas e negros, que por sua vez ainda na contemporaneidade são representados por perspectivas historiográficas que não contemplam seus diversos modos de se relacionar e se organizar existencialmente e merecem serem revisadas. Além destes resultados, espera-se divulgar através de um livro ilustrado a epopeia dos naturalistas no sertão Piauiense com um relato da viagem a ser utilizado nas escolas das redes públicas dos municípios contemplados pela pesquisa


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1670535 - CLARISSA GOMES REIS LOPES
Presidente - 302.181.523-53 - FRANCISCO SOARES SANTOS FILHO - UESPI
Externo à Instituição - GUSTAVO HENRIQUE RAMOS DE VILHENA - UESPI
Externo à Instituição - MAURA REJANE DE ARAÚJO MENDES - UESPI
Interno - 1167785 - ROSELI FARIAS MELO DE BARROS
Notícia cadastrada em: 08/05/2020 18:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 20/10/2021 03:17