Notícias

Banca de DEFESA: POLYANA SOUZA PEREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: POLYANA SOUZA PEREIRA
DATA: 26/06/2014
HORA: 14:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO TROPEN
TÍTULO: A CONTRIBUIÇÃO DAS MARISQUEIRAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO MUNICÍPIO DE LUÍS CORREIA/PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Pesca, Associação, Marisqueiras, Conservação.
PÁGINAS: 69
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO: A grande maioria das comunidades litorâneas do Brasil tem como principal atividade socioeconômica a pesca artesanal que representa o modo de vida de pessoas que vivem nas áreas costeiras. A pesquisa foi realizada no município de Luís Correia, devido à forte presença das mulheres da comunidade Beira Mar, na atividade. As pescadoras fundaram a Associação de Marisqueiras e Filetadeiras de Luís Correia e se reúnem toda semana para a cata de mariscos no litoral do Piauí. Possuem uma maneira racional de coleta, que respeita o ciclo biológico dos mariscos, a conservação e renovação deste recurso na natureza. Utilizando apenas as mãos, escolhem os mariscos maiores e fazem ainda um rodízio das áreas de coleta. Receberam e recebem apóio de órgãos como a Prefeitura Municipal de Luís Correia, a Universidade Federal de Piauí, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, CODEVASF, MPA, entre outros. Alguns programas também colaboram para que possam desenvolver a mariscagem como (Pronaf) Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Este auxiliou o fornecimento de crédito para que algumas mulheres pudessem comprar canoas. Esse estudo tem como objetivo fundamental analisar a importância da atividade marisqueira para o desenvolvimento sustentável do município de Luís Correia, a partir da catação realizada pelo grupo de mulheres que formam a Associação das Marisqueiras. Os procedimentos metodológicos utilizados para a coleta de dados foram, a aplicação de formulários com perguntas estruturadas e semi-estruturadas, observação direta e diário. Alguns aspectos socioeconômicos foram destacados, como o baixo nível de escolaridade que impede as mulheres de conseguirem uma atividade remunerada e resolvem se associar para pescar e receber os benefícios dos pescadores. Apresentaram idade variando entre 24 e 34 anos em 36,6% das entrevistadas, 53,4% afirmaram ser apenas donas de casa, as moradias em 90% dos casos são de alvenaria, todas cobertas por telha cerâmica e mais da metade dos domicílios tem disponível abastecimento de água e energia. Os resultados apresentados contribuirão para gerar subsídios teóricos voltados para a pesquisa sobre pescadoras no Estado. Dessa forma o estuda demonstra, a partir do conceito de desenvolvimento sustentável, que as pescadoras garantem com a coleta de mariscos uma simplória renda além de outros benefícios, que lhes garantem melhorias na qualidade de vida e por realizarem a atividade de maneira consciente, conseguem manter a diversidade biológica e a conservação do ecossistema em que trabalham. PÁGINAS: 69
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - GEMA GALGANI SILVEIRA LEITE ESMERALDO - UFC
Interno - 423289 - JOAO BATISTA LOPES
Presidente - 1167476 - JOSE LUIS LOPES ARAUJO
Notícia cadastrada em: 10/06/2014 09:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 18/01/2020 11:13