Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JOSÉ RODRIGUES DE ALMEIDA NETO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSÉ RODRIGUES DE ALMEIDA NETO
DATA: 24/10/2014
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE REUNIÃO DO TROPEN
TÍTULO:

 

ETNOBOTÂNICA E ETNOENTOMOLOGIA EM COMUNIDADES RURAIS DA SERRA DO PASSA-TEMPO, CAMPO MAIOR-PI


PALAVRAS-CHAVES:

 

Conhecimento Popular. Domínio Cultural. Vegetação. Repelente.

Medicinal


PÁGINAS: 107
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O uso diverso das plantas é muito difundido no Brasil, dadas as suas características

culturais e riqueza vegetal, especialmente nos espaços rurais. Objetivou-se levantar as

plantas conhecidas e utilizadas para usos medicinal, inseticida e repelente nas

comunidades rurais Nova Vida e Passa Tempo, Serra do Passa-Tempo, em uma área de

transição cerrado/caatinga, na qual predomina o cerrado rupestre, no município de

Campo Maior, estado do Piauí. O estudo aconteceu entre julho de 2013 e agosto de

2014, através de entrevistas nas 31 residências das duas comunidades, havendo pelo

menos um entrevistado em cada uma, perfazendo 61 entrevistados através de

formulários semiestruturados e lista livre, sendo quatro dessas entrevistas com surdos-
mudos, com auxilio de uma intérprete local. Realizaram-se turnês-guiadas para as

coletas botânicas que foram depositadas no Herbário Graziela Barroso da Universidade

Federal do Piauí. Para as plantas medicinais usaram-se os índices de importância

relativa (IR) e fator de consenso de nformantes (FCI) e para as repelentes os índices de

saliência de Smith (IS), análise de consenso cultural (CC) e escalonamento

multidimensional (MDS). Como resultado, 74 espécies de plantas medicinais e 18

espécies repelentes e inseticidas foram citadas. As plantas medicinais são usadas por

meio de 14 preparações como: azeite, banho, cataplasma, decocto, garrafada, inalação,

infusão, in natura, lambedor, maceração, pó, suco, tintura e vinho-medicinal. Dentre as

partes das plantas, a que apresentou mais citações reportadas foram as folhas, seguida

das cascas. A espécie Chenopodium ambrosioides L. (Mastruz), apresentou o valor

máximo de IR=2, e as categorias relativas a doenças da pele e do tecido subcutâneo

obteveram o maior FCI= 0,67. O IS apontou quatro rupturas no conhecimento de

plantas repelentes e tal domínio é definido nas comunidades pelo critério de uso. A

análise do CC permitiu verificar que houve consenso e o MDS correspondente ao

agrupamento dos entrevistados, mostrou a formação de dois grupos, um com 29

informantes e outro com apenas um e sobre as plantas mostrou quatro agrupamentos.

Os entrevistados possuem conexões afetivas, simbólicas e comportamentais com as

plantas. Os vegetais usados na repelência ou inseticida, e os preparados para curar

algum mal, necessitam ser testados fitoquimicamente para dar segurança a esse uso às

comunidades rurais. Novos estudos que testem esses usos em laboratório são

importantes também para a produção de novos produtos a base de plantas que possam

ser menos agressivo ao ambiente e ao homem, bem como economicamente viáveis.



MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FÁBIO JOSÉ VIEIRA - UESPI
Interno - 423426 - JOSE DE RIBAMAR DE SOUSA ROCHA
Presidente - 1167867 - PAULO ROBERTO RAMALHO SILVA
Notícia cadastrada em: 07/10/2014 08:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 27/09/2020 12:03