Notícias

Banca de DEFESA: LARISSA MARIA FEITOSA GONCALVES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LARISSA MARIA FEITOSA GONCALVES
DATA: 26/03/2013
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Agrárias
TÍTULO:

Imunopatogenia da lesão renal em suínos naturalmente infectados por leptospiras


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Suíno, Leptospiroses, Rim, Imunopatogenia.


PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
SUBÁREA: Patologia Animal
ESPECIALIDADE: Anatomia Patologia Animal
RESUMO:

As leptospiroses são doenças zoonóticas que provocam lesões, principalmente, nos rins, caracterizada como nefrite túbulointersticial. O mecanismo de lesão é complexo e pouco compreendido, estudos apontam para ação direta da bactéria sobre células do hospedeiro com produção de toxinas e enzimas proteolíticas, mas, também é observada a participação do sistema imune inato e adquirido. Este estudo pretende determinar a imunopatogenia das leptospiroses em suínos infectados naturalmente. Para este estudo foram colhidos os soros de 143 suínos e os seus respectivos rins. Pela técnica de soroaglutinação microscópica obteve-se oito amostras positivas para um ou mais sorovares de Leptospira interrogans. A técnica de PCR foi realizada em 138 amostras de tecido renal e apenas sete animais foram positivos. Dentre as alterações histopatológicas observadas, nefrite intersticial foi a mais encontrada, sendo que o infiltrado era mononuclear, localizando-se principalmente na região cortical, de distribuição focal, peritubular e perivascular, com intensidade variando de mínima a moderada. A avaliação semi-quantitativa das marcações de antígeno de Leptospira spp., revelou que o antígeno estava presente em maior quantidade nas células epiteliais tubulares, seguido pelas células glomerulares, células intersticiais, células epiteliais parietais da cápsula de Bowman e células inflamatórias. Foi realizada a padronização dos marcadores da resposta imune humoral (IgG, IgA, IgM) e celular (células T CD4+, MHC classe II). A marcação de IgM foi observada no endotélio de vasos intersticiais, endotélio de capilares glomerulares, apresentando uma marcação focal; a marcação de IgG foi observada no endotélio dos vasos intersticiais, na cápsula de Bowman e no endotélio dos capilares glomerulares; Já a marcação de IgA foi observada em células epiteliais tubulares, cápsula de Bowman, capilares glomerulares e vasos intersticiais. Para o marcador CD4+ a marcação foi focal e observada em células epiteliais tubulares, células glomerulares (células mesangiais) e em células intersticiais. Já para o marcador MHC II, a marcação foi observada em células epiteliais tubulares, células intersticiais, células glomerulares (mesangiais), cápsula de Bowman.

 

 



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423172 - FRANCISCO ASSIS LIMA COSTA
Externo ao Programa - 2482066 - ANA LYS BEZERRA BARRADAS MINEIRO
Externo ao Programa - 1654493 - MARCIA DOS SANTOS RIZZO
Externo à Instituição - ANA LUCIA ABREU SILVA - UEMA
Externo à Instituição - MARIA DAS GRAÇAS PRIANTI - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 15/04/2016 10:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 15/06/2024 12:10