Notícias

Banca de DEFESA: NHIRNEYLA MARQUES RODRIGUES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NHIRNEYLA MARQUES RODRIGUES
DATA: 21/02/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório da Pós Graduação em Ciência Animal
TÍTULO:

 

Risco anestésico em cães e gatos submetidos a procedimentos cirúrgicos



PALAVRAS-CHAVES:

Avaliação pré-anestésica. Canino. Felino. Emergência. Óbito.


PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
RESUMO:

 

Em Medicina Veterinária, insere-se na avaliação pré-anestésica uma série de abordagens ao paciente como exame físico e exames laboratoriais que permitem qualificar o risco anestésico. Nesse contexto, a classificação proposta pela Sociedade Americana de Anestesiologistas (ASA) é uma das ferramentas mais importantes para este fim. Neste estudo, objetivou-se analisar e obter a classificação ASA de risco anestésico em caninos e felinos submetidos a procedimentos cirúrgicos no Hospital Veterinário da Universidade Federal do Piauí (HVU). Foram avaliados 342 animais (249 cães e 93 gatos) encaminhados ao centro cirúrgico para cirurgias eletivas e patológicas, assim como as de caráter emergencial (E). Todos os pacientes foram classificados quanto à categoria de risco anestésico ASA e obteve-se para os cães: ASA I (38; 15,26%), ASA II (55; 22,08%), ASA II E (2; 0,80%), ASA III (75; 30,12%), ASA III E (24; 9,63%), ASA IV (12; 4,81%), ASA IV E (40; 16,06%), ASA V (2; 0,80%). Observou-se que a classificação mais obtida entre os cães foi ASA III (98; 39,35%), seguida de ASA II (57; 22,89%), demonstrando que a maior parte dos caninos submetidos à cirurgia no HVU não se encontram hígidos. Nestes casos, seria importante que os pacientes fossem tratados previamente antes de serem cirurgiados. Além disso, alguns procedimentos poderiam ser adiados até melhora clínica dos pacientes. Os óbitos na espécie canina totalizaram 14 (5,6%), mortalidade considerada alta em relação ao registrado na literatura, isto se deve provavelmente ao fato de que muitos pacientes são considerados emergenciais, daí a necessidade de encaminhamento rápido a cirurgia mesmo não estando em condições clínicas ideais. Para os felinos, os resultados foram: ASA I (31; 33,33%), ASA II (8; 8,66%), ASA II E (12; 12,90%), ASA III (2; 2,15%), ASA III E (23; 24,73%), ASA IV (3; 3,22%), ASA IV E (14; 15,05%). Nos gatos, o grupo de maior número de pacientes foi ASA I (31; 33,33%), seguido do ASA III (25; 26,88%), observando-se que diferentemente dos caninos, a maioria dos pacientes felinos foram considerados hígidos. Este resultado provavelmente está relacionado ao grande número de fêmeas submetidas à esterilização cirúrgica nesta espécie. Entre os gatos ocorreram quatro óbitos (4,3%), mortalidade menor que na espécie canina, mas também alta em relação aos óbitos de outros serviços. Concluiu-se que a mortalidade no HVU referente aos procedimentos cirúrgicos é alta e indica a necessidade de uma avaliação anestésica mais criteriosa, a fim de que ocorra uma diminuição da mortalidade cirúrgica.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423282 - ANA MARIA QUESSADA
Externo ao Programa - 423369 - ROSELI PIZZIGATTI KLEIN
Externo à Instituição - HELCYA MIME ISHIY HULSE - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 17/01/2013 16:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 20/06/2024 07:17