Notícias

Banca de DEFESA: EMANUELLE KARINE FROTA BATISTA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EMANUELLE KARINE FROTA BATISTA
DATA: 21/02/2013
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do PPGCA
TÍTULO:

Abordagem farmacológica da planta Luehea divaricata: avalação de suas atividades antinociceptiva e antiinflamatória


PALAVRAS-CHAVES:

açoita-cavalo; dor; nocicepção.


PÁGINAS: 67
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
RESUMO:

Considerando-se a importância da dor para a sobrevivência do homem e dos animais, as pesquisas envolvendo a busca de novas substâncias que possam controlar a dor e a inflamação são incentivadas em todo o mundo. Em face da vastíssima biodiversidade vegetal no Brasil, a comprovação de propriedades medicinais de plantas reveste-se de importância. A Luehea divaricata é uma planta comum em vários estados brasileiros, inclusive no Piauí e o seu uso popular é difundido como agente dotado de várias propriedades, incluindo a analgésica. Portanto, o objetivo desse estudo foi avaliar as atividades antinociceptiva e antiinflamatória do extrato etanólico da Luehea divaricata (EEtOH-Ld) nas doses de 20, 40, 80 e 160 mg/Kg, por via intraperitoneal, em modelo animal.  Realizou-se análises fitoquímicas empregando-se os testes preconizados por Matos (2009), Sousa et al. (2007), Folin-Ciocalteu (1927), com modificações; e para a avaliação antinociceptiva e antiinflamatória, foram utilizados  os seguintes testes: contorções abdominais induzidas pelo acido acético, placa quente (hot plate), formalina e edema de pata induzido por carragenina. Foram utilizados camundongos Swiss (20-25 g) para os dois primeiros testes e ratos Wistar (180-250 g), para o último, divididos em seis grupos de oito animais, totalizando 48 animais em cada parâmetro de avaliação. Os resultados foram expressos como média ± desvio padrão e analisados estatisticamente pelo teste de variância a 5% de probabilidade (ANOVA) e o teste de Kruskall-Wallis e Student-Newman-Keuls, também com 5% de probabilidade, para verificar quais os tratamentos que diferiram entre si. Os resultados do estudo fotoquímico mostraram a presença de fenóis e flavonóides totais, assim como boa atividade antioxidante. O EEtOH-Ld, nas diferentes doses estudadas,  apresentou alta atividade antinociceptiva em modelo de dor induzida quimicamente por acido acético e formalina. O EEtOH-Ld 160 mg/Kg apresentou ação analgésica central, aos 120 minutos de observação no teste de paca quente. Essa mesma dose foi capaz de reduzir o edema de pata uma hora após a administração da carragenina, semelhante ao efeito produzido pelo fármaco padrão, a Indometacina.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 423282 - ANA MARIA QUESSADA
Externo ao Programa - 1167603 - MARIA DO CARMO DE SOUZA BATISTA
Notícia cadastrada em: 30/01/2013 09:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 15/06/2024 12:10