Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LEOPOLDO FABRICIO MARCAL DO NASCIMENTO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LEOPOLDO FABRICIO MARCAL DO NASCIMENTO
DATA: 14/12/2018
HORA: 14:30
LOCAL: NUPCelt
TÍTULO: Imunoquimioterapia na leishmaniose visceral canina
PALAVRAS-CHAVES: Leishmaniose, cão, tratamento
PÁGINAS: 92
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
RESUMO:

A leishmaniose é uma doença de curso crônico, causada por protozoários do gênero Leishmania e que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma das sete doenças tropicais mais importantes do mundo. O cão é considerado o principal reservatório urbano da enfermidade e os programas de controle da leishmaniose do Brasil, recomendam a eutanásia de animais soropositivos. Recentemente foi aprovado o uso do Miltefosine (MilteforanTM, Virbac)para o tratamento de cães com LVC, sem entanto, avaliar a sua eficácia e a resistência do parasita. Devido à falta de tratamentos eficazes e de baixo custo, esforços consideráveis foram dedicados ao desenvolvimento de vacinas e, embora estudos iniciais tenham sofrido com efeitos colaterais desagradáveis, resultando em complicações clínicas, vários antígenos de leishmania foram explorados como candidatos promissores para a vacina. Nesse contexto, considerando que a LV é uma doença fatal e que atualmente não existe uma cura para a doença no cão, o presente trabalho avaliou o uso de duas vacinas de proteína recombinante de segunda geração associada com dois adjuvantes de receptores do tipo Toll, sendo uma um agonista TLR4 e outra com os agonista TRL4 e TRL7, associadas ao alopurinol no tratamento de cães naturalmente infectados por L. infantum,afim de avaliar sua eficácia quanto a uma cura parasitológica ou melhoria dos sinais clínicos da doença. 30 cães naturalmente infectados por L. infantumforma incluídos no estudo e divididos em 4 grupos experimentais.Grupo I: composto de 7 cães que não receberam medicação; Grupo II: composto de 8 cães que receberam o alopurinol em monoterapia por via oral na dose 20 mg/Kg, 1x ao dia, durante 90 dias; Grupo III: composto de 9 cães que foram imunizados por injeções subcutâneas com a formulação Leish-F2 + SLA-SE (20 µg cada), 6 doses, com intervalo de 3 semanas mais o alopurinol na dose de 20 mg/Kg, 1x ao dia, durante 90 dias e o Grupo IV: composto de 6 cães que foram imunizados por injeções subcutâneas da proteína recombinante Leish-F2 + SLA-IMQ-SE (20 µg cada), 6 doses, com intervalo de 3 semanas mais o alopurinol na dose de 20 mg/Kg, 1x ao dia, durante 90 dias. Esses cães foram acompanhados durante 1 ano e submetidos a avaliações clinica e quantificação de carga parasitária de medula óssea em tempos determinados: antes do inicio do tratamento, 63, 180 e 360 dias.Os animais que receberam os tratamentos com o alopurinol em monoterapia ou em combinação com as formulações vacinas Leish-F2 + SLA-SE ou Leish-F2 + SLA-IMQ-SE, tiveram uma melhora clínica, mesmo após a suspensão do tratamento, mantendo um baixo escore durante todo o acompanhamento clinico. O alopurinol em monoterpia mostrou-se eficiente em reduzir a carga parasitária durante o tratamento, mas após a suspensão do mesmo a carga parasitária dos animais voltou a subir. Já os animais submetidos as formulações vacinas Leish-F2 + SLA-SE e Leish-F2 + SLA-IMQ-SE conseguiram reduzir a carga parasitárias com apenas 63 dias de tratamento e manter essa carga em níveis indetectáveis mesmo após a suspensão do tratamento e durante todo o tempo de acompanhamento. Em conclusão, o presente estudo apresenta resultados promissores, e a combinação do alopurinol com a proteina recombinante Leish-F2 + SLA-SE no tratamento de cães naturalmente infectados por L. infantum representa um grande avanço para terapeutica da doença, por conseguir manter em níveis indetectaveis a carga parasitária nesses animais mesmo após a suspensão da terapia. Estudos posteriores devem ser realizados para elucidar os mecanismos da resposta imune responsável pelo sucesso desse estudo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2221697 - MARIA DO SOCORRO PIRES E CRUZ
Interno - 2572995 - AIRTON MENDES CONDE JUNIOR
Externo à Instituição - CLARISSA ROMERO TEIXEIRA - FIOCRUZ
Notícia cadastrada em: 22/11/2018 15:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 17/06/2024 20:10