Notícias

Banca de DEFESA: FRANCISCO DAS CHAGAS RIBEIRO MAGALHÃES NETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO DAS CHAGAS RIBEIRO MAGALHÃES NETO
DATA: 22/04/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditorio do NUPcelt
TÍTULO: Carga parasitária por qPCR de Leishmania infantum de gatos (Feliscatus) naturalmente infectados em área endêmica para Leishmaniose visceral.
PALAVRAS-CHAVES: Leishmania infantum; gatos; PCR quantitativa; carga parasitária
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
SUBÁREA: Medicina Veterinária Preventiva
ESPECIALIDADE: Doenças Parasitárias de Animais
RESUMO:

Foram examinados 307 gatos domésticos, os quais foram submetidos a anamnese para verificar a ocorrência de sinais clínicos relacionados à leishmaniose, aspirado de linfonodo poplíteo e medula óssea (MO) e raspado de pele quando havia lesão para confirmar a infecção pela pesquisa direta de Leishmania.  Os animais são provenientes de estudo paralelo randomizado que iniciou previamente e executou-se conjuntamente a este, foram encontrados em todas as zonas demográficas das áreas urbanas da cidade de Teresina. As amostras de medula óssea dos gatos infectados foram submetidas ao método molecular de PCR para quantificação da carga parasitária absoluta nos animais e ainda foram submetidos a xenodiagnóstico para verificar a infecção do vetor. Os resultados deste estudo mostram que a maioria dos felinos naturalmente infectados por L. infantum apresentam uma carga parasitária alta na MO, foi observada a prevalência de 6,51% no exame parasitológico e 5,53% no qPCR em amostras de MO. Ademais, os sinais clínicos observados nos animais com LVF na maioria dos gatos positivos variaram em quantidade de (0-7), os quais predominavam em ordem decrescente de frequência: linfonodo aumentado, emagrecimento, alopecia na orelha, alopecia generalizada, lesões perioculares, lesões de pele e nódulos na pele, lesões na orelha, uveíte, cegueira, blefarite, secreção ocular. Dentre as comorbidades presentes foram identificadas Anaplasmose, Malasseziose, sarna demodécica, sarna sarcóptica e otite. Foram estudados 20 animais infectados, amostras 18 destes foram quantificadas para L. infantum pelaqPCR, 12 foram submetidos ao xenodiagnóstico e 8 infectaram o vetor (67%). A frequência de insetos alimentados por animal variou de 87% a 100% e de insetos infectados variou de 22% a 94%. Este estudo destaca o comportamento da carga parasitária em gatos infectados com Leishmania infantum em região endêmica para LV e sua correlação com os aspectos clínicos da leishmaniose visceral (LV) em felinos no Nordeste brasileiro, onde foi detectada carga parasitária por qPCR elevada na MO da maior parte dos gatos infectados. Observou-se ainda correlação negativa entre a carga parasitária e os sinais clínicos presentes nos gatos infectados, correlação negativa entre carga parasitária de L. infantum e a infectividade do vetor biológico (Lu. Longipalpis), porém foi aferido correlação positiva entre os sinais clínicos presentes nos gatos infectados e o grau de infectividade do vetor.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423281 - IVETE LOPES DE MENDONCA
Externo ao Programa - 1167750 - FERNANDO AECIO DE AMORIM CARVALHO
Externo ao Programa - 714.494.263-87 - VLADIMIR COSTA SILVA - UFPI
Notícia cadastrada em: 02/04/2019 15:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 16/06/2024 16:15