• O sistema entrará em processo de atualização de funcionalidades às 22:30. Pedimos a todos que salvem seus trabalhos para que não haja transtornos.
    Agradecemos a compreensão, em 15 minutos o sistema estará de volta.
Notícias

Banca de DEFESA: ELIS ROSELIA DUTRA FREITAS SIQUEIRA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ELIS ROSELIA DUTRA FREITAS SIQUEIRA SILVA
DATA: 10/06/2019
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do Núcleo Integrado de Morfologia e Pesquisa com Células-Tronco (NUPCelt)
TÍTULO: ESTRESSE OXIDATIVO E INTEGRIDADE GENÔMICA IN SITU E IN VITRO DE CÉLULAS-TRONCO MESENQUIMAIS E PROGENITORAS RENAIS NA REGENERAÇÃO DA ISQUEMIA/REPERFUSÃO EM RIM SUÍNO
PALAVRAS-CHAVES: Nefropatia, Células-tronco, Estresse oxidativo, Danos de DNA, Regeneração
PÁGINAS: 76
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
SUBÁREA: Clínica e Cirurgia Animal
ESPECIALIDADE: Farmacologia e Terapêutica Animal
RESUMO:

A terapia com células-tronco mesenquimais (CTM) e células progenitoras renais tem demonstrado interesse nas pesquisas devido a sua possível capacidade regenerativa e imunossupressora em diversas nefropatias, incluindo a lesão de isquemia-reperfusão renal (IRR). Contudo, para a aplicação clínica dessas células deve haver uma extensa segurança com estudos direcionados a manutenção das condições de cultivo durante sua expansão e com observância em ensaios clínicos experimentais. O objetivo deste estudo foi avaliar o estresse oxidativo e os danos de DNA in situ e in vitro, a proliferação e apoptose celular, e a angiogênese, no tratamento da lesão renal em suínos. Foram utilizadas células-tronco mesenquimais (CTM) da medula óssea e células progenitoras (CPR) do córtex renal de suínos utilizando passagens precoce, terapêutica e tardia para análise do cultivo durante a expansão. Para avaliação in situ 15 suínos foram submetidos à IRR por indução cirúrgica e receberam a terapia celular, os quais foram divididos em três grupos: Controle (GC), tratamento com CTM (GE1) e com CPR (GE2). Foram coletados fragmentos de tecido renal mediante biópsias seriadas para análise da proliferação celular, apoptose e a angiogênese por imuno-histoquímica, avaliação do dano de DNA pelo ensaio de cometa, e o estresse oxidativo pela mensuração dos níveis de peroxidação lipídica (TBARS), nitrito e atividade de enzimas antioxidantes (glutadiona reduzida-GSH e catalase). A estatística dos dados obtidos foi realizada por meio da Análise de Variância (ANOVA) seguida do teste de Tuckey e Neuman-Keuls. Na caracterização imunofenotípica de CTM observou-se marcação CD14-, CD24-, CD133-, CD105+, CD90+, CD106+ e CD140b+ e para CPR obteve-se marcação CD14-, CD24-, CD133+, CD155+, CD90+, CD106+ e CD140b+. A curva por MTT demonstrou viabilidade celular até o dia 15 para CTM e dia 21 para CPR. As duas linhagens apresentaram a passagem inicial com alto nível de apoptose e baixo de necrose, bons resultados na instabilidade genômica. As passagens de CPR demonstraram melhores resultados na análise de TBARS e nitrito, quando comparadas às CTM com atividade de enzimas antioxidantes preservadas durante o cultivo para as duas linhagens. No ensaio in situ, foi verificado que animais do GC, GE1 e GE2 apresentaram marcação semelhante para proliferação celular nos túbulos renais, diferindo, apenas em relação às células glomerulares no dia 4 e intersticiais (p<0,05) no GE1. Já, quanto à mensuração de células apoptóticas o GC obteve maiores níveis que o GE1 e o GE2, exceto no dia 8 do GE1. A expressão da angiogênese não demonstrou diferença estatística significativa entre os grupos, no interstício e túbulos renais, no entanto, nos glomérulos e nos vasos peritubulares, a expressão do marcador, prevaleceu no GE2. Na análise do estresse oxidativo, o G1 se destacou, com altos níveis de TBARS e nitrito com baixa atividade das enzimas antioxidantes (p<0,05). Ainda, quanto aos danos de DNA, nos animais do GE1 apresentaram maior frequência e índice comparados aos do GC negativo e GE2, com uma redução durante os dias no GE2. Com base nos achados dessa pesquisa, as células-tronco mesequimais e progenitoras renais apresentaram-se satisfatórias na passagem precoce in vitro e com melhores resultados na regeneração renal in situ quando comparadas aos suínos não tratados. Ademais, referentemente, ao estresse oxidativo e ao dano de DNA, os ensaios com células progenitoras renais, demonstraram maior eficácia.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 422578 - MARIA ACELINA MARTINS DE CARVALHO
Interno - 1691866 - NAPOLEAO MARTINS ARGOLO NETO
Externo ao Programa - 2714919 - DANIEL DIAS RUFINO ARCANJO
Externo à Instituição - DAYSEANNY DE OLIVEIRA BEZERRA - IFPI
Externo à Instituição - MIRNA LUCIANO DE GOIS DA SILVA - VINC-CEAD
Notícia cadastrada em: 27/05/2019 09:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 14/06/2024 22:28