Notícias

Banca de DEFESA: WANDERSON FIARES DE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: WANDERSON FIARES DE CARVALHO
DATA: 02/09/2019
HORA: 08:30
LOCAL: Sala de Reuniões do Prédio da Pesquisa da Embrapa Caprinos e Ovinos
TÍTULO: QUALIDADE DA DIETA E DESEMPENHO DE OVELHAS NA CAATINGA SUPLEMENTADAS COM DIFERENTES QUANTIDADES DE CONCENTRADO
PALAVRAS-CHAVES: Semiárido. Suplementação. Valor nutritivo. Consumo. Deslocamento.
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Nutrição e Alimentação Animal
ESPECIALIDADE: Avaliação de Alimentos para Animais
RESUMO:

Objetivou-se com esse estudo avaliar a disponibilidade, qualidade da forragem selecionada, comportamento, desempenho, consumo e digestibilidade dos nutrientes por ovelhas, em vegetação nativa da Caatinga, recebendo diferentes quantidades de concentrado (0; 200; 350 e 500 g de concentrado por dia) em diferentes períodos do ano (águas, transição água-seca e seca). O experimento foi realizado de fevereiro do de 2015 a agosto de 2017 e foi conduzido na Fazenda Lagoa Seca, em Cariré, Ceará. Foram utilizadas 40 fêmeas multíparas sem padrão racial definido (SPRD) com peso médio de 34,84±1,75 que tiveram à disposição quatro piquetes de áreas de Caatinga. Os tratamentos foram os três períodos fisiológicos das fêmeas (terço final de gestação; início de lactação e desmame das ovelhas), que coincidirão com a período chuvoso, transição chuvoso-seco e seco (março, maio e agosto) e os níveis crescentes de fornecimento de concentrado (0, 200, 350 e 500 g/animal-1/dia-1, respectivamente). Para verificar a existência de diferenças na composição das plantas selecionadas pelas ovelhas, foi realizada análise multivariada por meio da análise de componentes principais. O delineamento adotado para o comportamento, consumo e digestibilidade foi o inteiramente casualizado, em parcelas subdivididas, tendo nas parcelas os tratamentos (0, 200, 350 e 500 g cab-1 dia-1), e nas subparcelas, os três períodos do ano (chuvoso, transição chuvoso-seco e seco), para os dados relativos ao desempenho das ovelhas e dos cordeiros, foi adotado o delineamento inteiramente casualizado. Não foi observado efeito da suplementação e nem efeito de interação (p>0,05) entre a suplementação e os períodos do ano para a composição química da forragem selecionada pelas ovelhas. O período do ano foi o fator que mais influenciou na composição química da dieta das ovelhas. Baseado na composição química, principalmente dos teores proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN) e ácido (FDA), nutrientes digestíveis totais (NDT) e digestibilidade in vitro (DIVMS), as ovelhas selecionaram dieta de melhor qualidade no período chuvoso do ano. As ovelhas selecionaram no total 22 espécies de plantas diferentes, sendo que tiveram preferência em selecionar 12 espécies diferentes. Ao se agrupar todas as espécies foi observado que a composição química, o fracionamento dos carboidratos, compostos nitrogenados e disponibilidade energética variou conforme o estrato pastejado, período do ano e família das plantas pastejadas. As plantas dicotiledôneas no período chuvoso promoveram maior aporte energético para a dieta selecionada pelas ovelhas. Por meio da análise dos componentes principais verificou-se que, com base na composição química das plantas preferencialmente selecionadas, foi possível formar grupos homogêneos e que as principais variáveis que influenciaram foram FDA, FDN e PB e as frações A+B1 e C dos carboidratos e C dos compostos nitrogenados, sendo essas variáveis apresentam os maiores escores para qualificar as plantas selecionadas por ovelhas na Caatinga. Foram observadas interações entre as quantidades de concentrado fornecida e os períodos produtivos para o consumo de matéria seca, consumo de matéria orgânica (CMO), proteína bruta (CPB), fibra em detergente neutro (CFDN), fibra em detergente ácido (CFDA), nutrientes digestíveis totais (CNDT), o maior nível de suplementação (500 g cab-1 dia-1) no período chuvoso proporcionou maiores consumos e foi observado efeito linear ascendente da suplementação para os consumos de CMS, CMO, CPB, CFDN, CFDA, CNDT . Não foi observada interação para o consumo de carboidratos não fibrosos (CCNF), consumo de proteína digestível (CPDig) e consumo de energia metabolizável (CEM), sendo que o consumo de CNF sofreu efeito linear ascendente da suplementação em todos os períodos do ano. Não foram observadas interações entre as quantidades de concentrado fornecida e os períodos produtivos para a digestibilidade da MS, PB, FDN e FDA. A digestibilidade da MS, MO e PB foram superiores quando os animais receberam o maior nível de concentrado. A digestibilidade da MS, PB, FDN e FDA foram superiores no período da gestação (chuvoso). A suplementação melhorou o desempenho das ovelhas, mas não teve efeito sobre o desempenho das ovelhas e cordeiros. Não foi observado efeito de interação entre a suplementação das ovelhas e os períodos produtivos para o comportamento e gasto energético das ovelhas em período produtivo. O período do ano em associação com o estágio fisiológico foi o fator que mais influenciou o comportamento das ovelhas. As ovelhas passaram mais tempo em pastejo e ócio no período da gestação (chuvoso). E percorreram maiores distâncias, gastando mais tempo com deslocamento e consequentemente mais energia no período do desmame (seco). A suplementação aumento o tempo de ócio das ovelhas. O estágio fisiológico das ovelhas em associação com o período do ano modifica a seleção dos nutrientes do pasto, o comportamento das ovelhas, o consumo e a digestibilidade dos nutrientes de nutrientes. A suplementação proporcionou maior consumo de nutrientes no período chuvoso e terço-final de gestação no chuvoso e melhorou a digestibilidade dos nutrientes, mas teve pouco efeito sobre o desempenho das ovelhas e das crias, apesar da notável melhor recuperação pós-parto nos animais que receberam mais suplemento.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167667 - ARNAUD AZEVEDO ALVES
Externo ao Programa - 722.072.053-04 - MARCOS CLAUDIO PINHEIRO ROGERIO - EMBRAPA
Externo à Instituição - ALEXANDRE RIBEIRO ARAÚJO - UVA
Externo à Instituição - FRANCISCO ÉDEN PAIVA FERNANDES - EMBRAPA
Externo à Instituição - LUCIANA FREITAS GUEDES - EMBRAPA
Externo à Instituição - ROBERTO CLÁUDIO FERNANDES FRANCO POMPEU - EMBRAPA
Notícia cadastrada em: 14/08/2019 08:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 23/06/2024 20:48