Notícias

Banca de DEFESA: IVONE RODRIGUES DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IVONE RODRIGUES DA SILVA
DATA: 27/08/2021
HORA: 08:30
LOCAL: https://meet.google.com/gna-aogz-gpk
TÍTULO: Características produtivas e cinética de degradação ruminal “in situ” do capim-Tanzânia e Jureminha em consórcio
PALAVRAS-CHAVES: Desmanthus virgatus, fração solúvel, monocultura, proteína bruta
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Pastagem e Forragicultura
ESPECIALIDADE: Avaliação, Produção e Conservação de Forragens
RESUMO:

O objetivo no presente trabalho foi avaliar a produção de forragem e a degradabilidade “in situ” do capim-Tanzânia com a leguminosa Jureminha em consórcio com diferentes proporções. O experimento foi desenvolvido na Universidade Federal do Piauí, em Teresina-PI. O delineamento utilizado foi em blocos casualizados em parcelas subdivididas no tempo, nas parcelas estava contido os 5 tratamentos, distribuídos em quatro blocos, compostos por monocultura de Jureminha (Desmanthus virgatus) , monocultura de capim-Tanzânia (Panicum maximum cv.) e as diferentes proporções de consórcio (50, 25 e 75% de Jureminha), enquanto nas subparcelas, os anos de avaliação (2017, 2018 e 2019). Para a degradabilidade “in situ” da matéria seca, proteína bruta e fibra em detergente neutro, avaliou-se diferentes combinações de capim (C) com leguminosas (L): 100% C, 100% L, 80% C e 20% L, 70% C e 30% L, 60% C e 40% L e 50% C e 50% L. A massa de forragem variou entre anos,  2306,30 a 3351,86 kg MS ha-1. menor valor em 2018. A produção de forragem do capim-Tanzânia na monocultura  e em consórcio, foi semelhante, com média de 2847,67 e 2933,29 kg MS ha-1 no consórcio e solteiro, respectivamente. A leguminosa em monocultura produziu 1853,59 kg MS ha-1, enquanto que no consórcio a média foi de 424,42 kg MS ha-1. A fixação biológica de N (FBN) () da Jureminha no consórcio foi  maior que na monocultura, 120,11 mg planta-1 . e 104,80 mg planta-1 , respectivamente. No N presente no capim 19,13% de foi oriundo da FBN da leguminosa. Os maiores valores de proteína bruta foram verificados no capim em consórcio, com 96,70 g kg MS-1 no consórcio com 20% de leguminosa. Com relação aos parâmetros de degradação da MS para as misturas de leguminosa e capim, na proporção de 80% C + 20% L, houve resultados semelhantes para a fração a quando comparada a 100% capim. A partir dessa proporção, houve redução na fração a e b. A degradação efetiva foi superior para o capim, com 53,11, 41,56 e 35,68% para as taxas de 2, 5 e 8%/h, respectivamente. A inclusão da leguminosa nas diferentes proporções influenciaram positivamente na degradação da PB. A fração solúvel da PB foi superior na proporção de 70:30, com 32,43%. A cinética de degradação da FDN do capim-Tanzânia com jureminha apresentou superioridade na fração potencialmente degradável na proporção de 70:30% e menor fração indegradável. O consórcio do capim-Tanzânia com 20% de Jureminha proporciona estabilidade na produção de forragem e melhorias no valor nutritivo do capim e a substituição de 20 a 30% de capim-Tanzânia por jureminha proporcionam melhoria na degradabilidade da PB e FDN das misturas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167667 - ARNAUD AZEVEDO ALVES
Interno - 1550698 - DANIEL LOUCANA DA COSTA ARAUJO
Interno - 423364 - MARIA ELIZABETE DE OLIVEIRA
Interno - 2011596 - RICARDO LOIOLA EDVAN
Externo à Instituição - ROSANE CLAUDIA RODRIGUES - UFMA
Notícia cadastrada em: 16/08/2021 17:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 13/06/2024 12:11