Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: SÂMIA CLARA RODRIGUES DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SÂMIA CLARA RODRIGUES DE OLIVEIRA
DATA: 17/12/2013
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Agrárias
TÍTULO:

Morfogênese Testicular “De Novo” e Avaliação das Células de Leydig na Modulação da Citoarquitetura Testicular em Xenoenxerto de Células de Catetos (Tayassu Tajacu) e Suínos Jovens, em modelos de Camundongos Imunodeficientes


PALAVRAS-CHAVES:

Testículo. Espermatogênese. Cateto. Xenoenxerto. células de Leydig

 


PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
RESUMO:

O xenoenxerto de células testiculares isoladas trata-se de uma abordagem estabelecida recentemente e que recapitula o desenvolvimento dos testículos sob a pele de camundongos imunodeficientes. Esta técnica permite manusear diferentes tipos de células testiculares, a fim de investigar as suas interações durante a organização do testículo. Além disso, esta técnica revela-se útil para a conservação e armazenamento de material genético de diferentes espécies de mamíferos ameaçados ou de alto valor zootécnico. O cateto (Tayassu tajacu) apresenta uma citoarquitetura testicular única, no qual as células de Leydig estão localizadas em torno dos túbulos seminíferos formando lobos. Esta característica particular poderia representar um indício importante relacionado com os mecanismos que regulam o desenvolvimento dos testículos em mamíferos. Desta forma, este trabalho teve o intuito de investigar a capacidade de interação funcional das células dos testículos de cateto e de suíno em retomar o desenvolvimento testicular após a dissociação enzimática. Para isto, foram utilizados testículos de 6 catetos de três meses e seis suínos de 30 dias. As suspensões celulares obtidas a partir de cada uma das espécies foram misturadas e sedimentadas formando os seguintes grupos: células de Leydig de suíno com túbulos seminíferos de catetos; células de Leydig de cateto com túbulos seminíferos de suíno, e os controles (suspensões de cateto e de suíno). Os pelets foram enxertados sob a pele de camundongos CB-17/SCID castrados e avaliados de 10/16 dias até 6 meses após o enxerto. Assim, observamos, até o presente momento, que nos camundongos castrados a vesícula seminal aumentou seu peso após 1mês. As análises histológicas dos enxertos revelaram que aos 10/16dias nenhuma estrutura testicular reconhecível foi observada, mas uma rede testicular central foi bem desenvolvida. Os cordões seminíferos e o lúmen tubular foram respectivamente observados em entre 1 a 4meses e aos 4 meses os enxertos da mistura de células de Leydig de suíno com túbulos seminíferos de catetos revelaram organização bem definida semelhante ao observado no grupo controle de suspensão de suíno. Aos 6 meses os grupos supracitados apresentaram espermatozoides no lúmen tubular e declínio do número de células de Leydig por enxerto e por grama de enxerto. Estes resultados indicam que misturas celulares são capazes de interagir e formar o testículo de novo, porém nossas perspectivas apontam mais estudos a cerca do papel das células de Leydig e Sertoli na organização testicular.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 422578 - MARIA ACELINA MARTINS DE CARVALHO
Externo ao Programa - 1550696 - ANTONIO AUGUSTO NASCIMENTO MACHADO JUNIOR
Externo à Instituição - DANILO JOSÉ AYRES DE MENESES - UFCG
Externo à Instituição - GLEIDE FERNANDES DE AVELAR - UFMG
Notícia cadastrada em: 13/11/2013 10:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 14/06/2024 22:08