Notícias

Banca de DEFESA: BRUNO LEANDRO MARANHAO DINIZ

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BRUNO LEANDRO MARANHAO DINIZ
DATA: 25/04/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Agrárias
TÍTULO:

ESTUDO ZOOSANITÁRIO DA CAPRINOCULTURA E DA OVINOCULTURA E
SOROPREVALÊNCIA DAS LENTIVIROSES DE PEQUENOS RUMINANTES NA
MICRORREGIÃO DO ALTO MÉDIO GURGUÉIA, NA REGIÃO SUL DO PIAUÍ


PALAVRAS-CHAVES:

Epidemiologia. Artrite encefalite caprina. Maedi-Visna


PÁGINAS: 179
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
RESUMO:

Com o objetivo de caracterizar a produção da caprinocultura e ovinocultura e estimar a
soroprevalência das LVPR em caprinos e ovinos na Microrregião do Alto Médio
Gurguéia (MRAMG), sul do Piauí, Brasil, foram analisadas 723 amostras de soro
sanguíneo de caprinos e 965 de ovinos, oriundas de 30 e 37 propriedades produtoras
de caprinos e ovinos, respectivamente, e aplicados questionários investigativos entre
os criadores. O teste de Imunodifusão em Gel de Agarose (IDGA) foi utilizado para a
detecção de anticorpos anti-lentivírus. Foi calculada a prevalência total com seus
respectivos intervalos de confiança (95%), pelo teste Exato de Fisher. A prevalência
geral da infecção por Lentivírus de Pequenos Ruminantes (LV) em caprinos foi de
0,97% (07/723), e de 0,52% (05/965) para LV em ovinos. Em nível de propriedade,
apenas 02 dos 30 rebanhos caprinos e 04 dos 37 rebanhos ovinos avaliados
apresentaram animais infectados. Dos fatores de risco avaliados para a infecção pelos
LV em caprinos, a categoria, a raça e o tipo de produção registraram uma associação
significativa com a soropositividade à infecção (p<0,05). Caprinos com dupla aptidão
produtiva (4,32%), da raça Nambí (12,5%) e reprodutores (3,23%) destacaram-se na
infecção por LV caprino. Nenhum fator de risco analisado registrou associação
significativa com a soropositividade da infecção por LV em ovinos (p>0,05). Constatouse
que: 92% dos rebanhos pesquisados eram submetidos ao sistema extensivo de
criação; inexistiam tecnologias reprodutivas; e as práticas de manejo básicas eram
subutilizadas pelos produtores, sobretudo de manejo sanitário, ligado diretamente à
disseminação dos LV. Diante dos resultados desta pesquisa concluiu-se que as LVPR
estão presentes em baixa prevalência nos rebanhos ovinos e caprinos da MRAMG e
que a ovinocultura e a caprinocultura são praticadas quase exclusivamente de forma
extensiva, com baixo investimento tecnológico, com produção voltada principalmente
para a produção de carne; e que o manejo sanitário, quando empregado, é realizado
de forma deficiente, dificultado a prevenção e o controle das enfermidades.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCISCO SELMO FERNANDES ALVES - EMBRAPA
Externo ao Programa - 1739707 - JANAINA DE FATIMA SARAIVA CARDOSO
Presidente - 1167603 - MARIA DO CARMO DE SOUZA BATISTA
Interno - 2221697 - MARIA DO SOCORRO PIRES E CRUZ
Interno - 1643184 - NEY ROMULO DE OLIVEIRA PAULA
Externo à Instituição - RAYMUNDO RIZALDO PINHEIRO - EMBRAPA
Notícia cadastrada em: 07/04/2014 15:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 17/06/2024 21:26