• O sistema entrará em processo de atualização de funcionalidades às 22:30. Pedimos a todos que salvem seus trabalhos para que não haja transtornos.
    Agradecemos a compreensão, em 15 minutos o sistema estará de volta.
Notícias

Banca de DEFESA: LUCIANO SANTOS DA FONSECA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCIANO SANTOS DA FONSECA
DATA: 15/09/2014
HORA: 08:00
LOCAL: AUDITÓRIO DA PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL
TÍTULO:

Erliquiose e Anaplasmose canina e humana em Teresina, Piauí


PALAVRAS-CHAVES:

cao, carrapato, homem


PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Medicina Veterinária
SUBÁREA: Patologia Animal
RESUMO:

A erliquiose é uma enfermidade que tem merecido destaque no cenário mundial devido ao seu potencial zoonótico em áreas onde a presença de carrapatos é considerada uma das principais enfermidades infecciosas nos cães. A Ehrlichia canis é a principal responsável pela infecção nestes animais sendo denominada Erliquiose Monocítica Canina e o principal vetor é o carrapato Rhipicephalus sanguineus. Esta infecção encontra-se globalmente distribuída e ocorre em vários países do mundo e no Brasil é considerada endêmica nas áreas urbanas nas regiões nordeste, sudeste, sul e centro-oeste. No presente trabalho foram coletados sangue total de 270 cães na área urbana e 400 cães na zona rural de Teresina, Piauí totalizando 670 animais. Em todos eles foram realizados hemograma completo, confecção de esfregaço sanguíneo para exame parasitológico direto e extração do DNA para Reação em Cadeia pela Polimerase (PCR) para identificação do DNA do parasito de E. canis, Ehrlichia sp e A. phagocytophilum. As alterações hematológicas mais comuns nos animais positivos da zona urbana foram a anemia não regenerativa severa compreendo 48,57% e 65%% na zona rural. A plaquetometria revelou uma significante trombocitopenia tanto em animais da animais da zona urbana como na zona rural, 67,14% e 90%, respectivamente. O exame direto do esfregaço mostrou-se com baixa sensibilidade e especificidade em todos os animais com positividade de 2,5% e 2,7% na área urbana e rural, respectivamente. Os parasitos visualizados às microscopia foram Leishmania sp., Babesia sp., Anaplasma platys e Hepatozoon sp., no entanto, nenhuma mórula de Ehrlichia foi encontrada. Na PCR obteve-se 49,7% de positividade para E. canis na zona rural e 25,9% na área urbana. Já para A. phagocytiphilum todas as amostras apresentaram-se negativa tantos para o animais da área urbana como rural. Estes resultados reafirmam a endemia da doença e despertam a necessidade de maiores avaliações epidemiológicas nas infecções erliquiais em cães e principalmente em humanos, que poderão servir de maior importância para a Saúde Pública nos próximos anos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - KARINA NEOOB DE CARVALHO CASTRO - EMBRAPA
Interno - 1641908 - KARINA RODRIGUES DOS SANTOS
Interno - 1656653 - LUCIANA PEREIRA MACHADO
Externo ao Programa - 053.615.748-05 - MARIA DAS GRAÇAS PRIANTI - USP
Presidente - 423624 - SILVANA MARIA MEDEIROS DE SOUSA SILVA
Notícia cadastrada em: 26/08/2014 16:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 14/06/2024 22:21