Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: HENRIQUE BARROS CAMINHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: HENRIQUE BARROS CAMINHA
DATA: 18/11/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 752 - Sala do Mestrado em Ciencias Biomédicas
TÍTULO: EFEITO DO MÉTODO DE DESCONTAMINAÇÃO DO ÁCIDO OXÁLICO MODIFICADO SOBRE Mycobacterium tuberculosis E EM MICRORGANISMOS CONTAMINANTES DE AMOSTRAS CLÍNICAS
PALAVRAS-CHAVES: Contaminação; Cultura; Ogawa-Kudoh; Tuberculose
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

A tuberculose é uma doença causada pela bactéria álcool-ácido resistente Mycobacterium tuberculosis, sendo um problema de saúde pública. A contaminação da amostra clínica utilizada para o diagnóstico dessa infecção resulta em um maior tempo para o correto diagnóstico do paciente. O crescimento de contaminantes é mais rápido que o do patógeno de interesse, gerando competitividade nutricional e modificações nos meios utilizados. Os diferentes métodos descontaminantes possuem efeitos diversos sobre a micobactéria, podendo, inclusive, reduzir sua viabilidade. O ácido oxálico é preconizado no Brasil apenas para amostras de escarro contaminadas por Pseudomonas sp. advindas de pacientes com fibrose cística e para as de urina e outros fluidos persistentemente contaminados quando utilizados métodos de descontaminação alcalina. Além disso, apenas o meio Lowestein-Jensen é preconizado para posterior cultivo das amostras tratadas com o primeiro agente descontaminante. Poucos estudos visam traçar estratégias para a redução da contaminação nas culturas de tuberculose. Deste modo, o presente estudo visa avaliar o efeito do ácido oxálico na viabilidade de M. tuberculosis, bem como sua ação sobre microrganismos contaminantes de amostras clínicas, utilizando como meio de semeadura o Ogawa-Kudoh. Para avaliar o efeito de diferentes concentrações do ácido sobre M. tuberculosis, a cepa H37Rv ATCC 27294 foi utilizada. Uma suspensão da mesma foi padronizada de acordo com a escala 0,5 de McFarland. Em flaconetes contendo as soluções com diferentes concentrações de ácido oxálico (6%, 10% e 18%), foi adicionada uma alíquota do inóculo padronizado na proporção 1:1 (v/v), os quais foram agitados por 1 minuto, o que resultou em concentrações finais de 3%, 5% e 9%. Cada concentração de ácido oxálico foi testada em diferentes tempos de descontaminação: 2, 5 e 10 minutos. Após incubação, 0,1 mL de cada solução foi inoculada em ágar Ogawa-Kudoh. A fim de verificar o crescimento dos contaminantes neste último meio, uma suspensão de cada microrganismo foi padronizada de acordo com a escala 0,5 de McFarland e 0,1 mL foi semeado no meio. Para avaliar o efeito das diferentes concentrações de ácido sobre bactérias e fungos contaminantes, 0,5 mL do inóculo padronizado de M.tuberculosis e 0,5 mL da suspensão de cada cepa contaminante foram misturados em um tubo. Após, foi colocado 0,5 mL dessa suspensão em flaconetes contendo as diferentes concentrações do ácido e incubados nos diferentes tempos. Por fim, 0,1 mL foi inoculado em ágar Ogawa- Kudoh. Como controle, 0,1 mL dessa suspensão sem tratamento foi inoculada em ágar Ogawa-Kudoh. Todos experimentos foram realizados em triplicata. O ácido oxálico não interferiu nas características físico-químicas do meio de cultura empregado. Além disso, nenhuma das concentrações do agente descontaminante avaliadas, nos diferentes tempos de incubação, interferiu nos aspectos morfotintoriais de M. tuberculosis quando corada pelo método de Ziehl-Neelsen, bem como não a inviabilizou, tendo crescimento semelhante ao controle. Todos os contaminantes cresceram no meio Ogawa-Kudoh. O ácido oxálico nas concentrações de 5% e 9% demonstrou atividade microbicida para todos os contaminantes, mas não interferiu no crescimento em cultura de M. tuberculosis quando comparada com o controle. Os resultados do presente estudo embasam a utilização do ácido oxálico no meio Ogawa-Kudoh para uma posterior aplicação em amostras extrapulmonares e paucibacilares.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1640496 - ANNA CAROLINA TOLEDO DA CUNHA PEREIRA
Externo ao Programa - 2266284 - FRANCIELE BASSO FERNANDES SILVA
Presidente - 2147346 - TATIANE CAROLINE DABOIT
Notícia cadastrada em: 12/11/2019 07:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 15/12/2019 12:24