Notícias

Banca de DEFESA: FRANCISCO DAS CHAGAS M DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO DAS CHAGAS M DA SILVA
DATA: 10/03/2015
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do Departamento de Física
TÍTULO:

EFEITO DA NATUREZA DOS SÍTIOS ÁCIDOS DO CATALISADOR E DA INSATURAÇÃO DA CADEIA CARBÔNICA SOBRE O PROCESSO DE DESOXIGENAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS


PALAVRAS-CHAVES:

Desoxigenação; ácidos graxos; hidrocarbonetos; catálise ácida.


PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Físico-Química
ESPECIALIDADE: Cinética Química e Catálise
RESUMO:

A grande demanda por energia combinada com razões ecológicas, econômicas e sociais incentivaram os estudos para obter fontes alternativas de combustíveis. Os ácidos carboxílicos estão disponíveis em recursos naturais e são promissores como matérias primas renováveis para a produção de produtos químicos valiosos e componentes de biocombustíveis. Dessa forma, o craqueamento de óleos e ácidos graxos livres tem potencial na obtenção de combustíveis. Nesse contexto, o craqueamento dos ácidos oléico e esteárico foi executado em sistema de destilação simples e modificado à temperatura de 450 ºC sobre as peneiras moleculares MCM-41, AlMCM-41 e HAlMCM-41. Estas foram sintetizadas por síntese direta pelo método hidrotermal e caracterizadas por difração de raios X (DRX), espectroscopia na região do infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), espectroscopia na região do infravermelho (FTIR) com piridina adsorvida, adsorção e dessorção de N2 e microscopia eletrônica de varredura (MEV). Os produtos dos testes catalíticos foram analisados por cromatografia gasosa (CG) e titulação ácido-base. O ácido esteárico produz principalmente hidrocarbonetos saturados com 15 e 17 carbonos; enquanto, o oléico produz principalmente 8-heptadecenos. A partir dos produtos formados em maior concentração, um esquema reacional foi proposto para desoxigenação dos ácidos, o qual mostrou que no esteárico a desoxigenação precede o craqueamento; enquanto, no oléico devido a presença da dupla ligação, o craqueamento e a desoxigenação ocorrem simultaneamente. Os resultados mostraram que o ácido esteárico desoxigenou mais que o oléico, e que o desempenho da HAlMCM-41 foi superior ao da AlMCM-41, indicando que a acidez total influenciou positivamente o processo, mas não foi possível distinguir a influência  da natureza do sítios (Bronsted ou Lewis) na desoxigenação dos ácidos, que  ocorreu principalmente via descarboxilação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 756.483.183-91 - GERALDO EDUARDO DA LUZ JUNIOR - UESPI
Interno - 778.751.253-91 - FRANCISCO DAS CHAGAS ALVES LIMA - UESPI
Externo à Instituição - ANNE GABRIELLA DIAS SANTOS - UERN
Notícia cadastrada em: 23/02/2015 16:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 20/01/2020 14:22