Notícias

Banca de DEFESA: MAURICIO ALVES DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAURICIO ALVES DE SOUSA
DATA: 22/02/2017
HORA: 14:30
LOCAL: AUDITÓRIO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS
TÍTULO: CONTROLE DO PULGÃO Aphis craccivora KOCH EM FEIJÃO-CAUPI COM ÓLEOS VEGETAIS FIXOS E ESSENCIAIS
PALAVRAS-CHAVES: Concentração Letal, Pulgão preto, Verbenaceae.
PÁGINAS: 49
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

O pulgão preto do feijão-caupi (Aphis craccivora KHOC, 1854) está entre as pragas de maior importância para o cultivo desta leguminosa, atacando a partir do desenvolvimento do primeiro trifólio até a fase reprodutiva. É transmissor de várias espécies de vírus, favorece o desenvolvimento de fungos saprófitas e promovem encarquilhamento de folhas e brotos da planta interferindo na produtividade. Como alternativa de controle desta praga objetivou-se avaliar o potencial controlador dos óleos essenciais de três espécies de Verbenaceae (Lippia sidoides, L. lasiocalycina e L. origanoides), óleos fixos de soja e de fritura, emulsificados em Detergente Neutro (DTN) a 1% em diferentes concentrações: 2%; 1,5%; 1% e 0,5%. Em condições de laboratório, foram pulverizadas 0,2mL de cada solução e concentração sobre adultos de A. craccivora, em placas de petri (D=8,5cm) e posteriormente condicionados em B.O.D. Em campo foi pulverizado a concentração de 1% de cada óleo sobre os pulgões e envolvidos com tecido “Voil”. Em ambos os tratamentos foram feitas leituras após 24h da aplicação. Os experimentos foram realizado em Delineamento Inteiramente Casualizado com seis tratamentos e cinco repetições para ambos os bioensaios. Os dados foram analisados pelo Teste F e as médias comparadas pelo Teste Tukey (p<0,05). Foi calculada a regressão por meio do software estatístico Assistat e os gráficos pelo Excel. Para a obtenção da CL50 foi utilizado o programa StatPlus e a eficiência calculada através da fórmula de Abbott (1925). As concentrações Letais (CL50) obtidas foram: 0,0251; 0,0357; 0,0642; 0,1403 e 0,1686 para L. lasiocalycina, Óleo de fritura, L. origanoides, L. sidoides e Óleo vegetal respectivamente. Dos tratamentos e concentrações avaliadas, a exceção do DTN (1%), ambos os óleos podem ser utilizados para o controle de pulgão-preto no feijão-caupi e das concentrações testadas, o óleo essencial de L. lasiocalycina e o óleo fixo de fritura são os mais tóxicos para A. craccivora e todas mataram mais de 50% destes afídeos a partir de 0,5% de concentração.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - DOUGLAS RAFAEL E SILVA BARBOSA - IFMA
Presidente - 422661 - LUIZ EVALDO DE MOURA PADUA
Externo à Instituição - MARIA DE JESUS PASSOS DE CASTRO - UESPI
Externo à Instituição - PAULO HENRIQUE SOARES DA SILVA - EMBRAPA
Notícia cadastrada em: 03/02/2017 23:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 18/06/2021 08:22