Notícias

Banca de DEFESA: AURELIO RIBEIRO MENESES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AURELIO RIBEIRO MENESES
DATA: 24/03/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Agrárias/CCA
TÍTULO:

Dinâmica populacional de Dalbulus maidis (DeLong & Wolcott) (Hemiptera: Cicadellidae) e seus parasitoides em cultivos de milho no Nordeste brasileiro


PALAVRAS-CHAVES:

Zea mays, Cigarrinha-do-milho, enfezamentos, Mymaridae, Trichogrammatide.


PÁGINAS: 87
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

O objetivo do presente trabalho foi estudar a dinâmica populacional de D.maidis e seus parasitoides em cultivos de milho no Nordeste brasileiro; avaliar o efeito de armadilhas amarelas em diferentes alturas na captura do inseto e avaliar o efeito de variáveis climáticas sobre sua população. Além de identificar os parasitoides que atacam naturalmente a cigarrinha-do-milho, descrever a flutuação populacional desses parasitoides    e avaliar a influência de variáveis climáticas sobre esses inimigos naturais. Obteve-se que para as duas alturas de amostragem houve influência do tipo de armadilha sobre a densidade de D.maidis, sendo a armadilha do tipo cartão mais eficiente em ambos os casos. Nos cartões, em sequeiro, a altura de 0,5m, obteve incrementos de densidade de 8,8 e a altura de 1,5m obteve incrementos de 12. Já no período irrigado, os incrementos de densidade foram de 80,0 e 292,4 insetos por armadilha para as alturas 0,5 e 1,5m, respectivamente. Portanto a altura de 1,5m foi, no geral, mais eficiente. A distribuição vertical do inseto acompanhou o crescimento do milho, na fase vegetativa foram coletados mais insetos a 0,5m e nas demais fases a 1,5m.  Para D. maidis, em sequeiro, a maior abundância foi obtida no mês de maio, no início da fase de maturação do milho a 77 DAE (Dias após a emergência). Já no milho irrigado ocorreu um pico populacional em setembro, época que também correspondeu à fase de maturação a 77 DAE, nessa lavoura foi obtido 93% do total de D.maidis coletadas. Observando-se que o aumento da população de D.maidis esteve relacionado à queda da umidade relativa do ar. Quanto aos parasitoides, esse foi o primeiro registro de Paracentobia subflava no Brasil e o primeiro registro de sua associação com D. maidis no país. Foi o primeiro registro da associação entre Pseudoligosita longifrangiata e a cigarrinha-do-milho no Brasil. E o primeiro registro do parasitismo de Anagrus breviphragma sobre D. maidis no Nordeste brasileiro. A. breviphragma, P. subflava e P. longifrangiata ocorreram predominantemente durante a estação chuvosa. Sendo que A. breviphragma e P. longifrangiata tem maior capacidade de adaptação à estação seca que P. subflava. O aumento do índice pluviométrico foi seguido por incrementos sobre a média de parasitoides coletados e o maior índice pluviométrico coincidiu com o pico populacional dos parasitoides obtido em abril de 2013.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 386.694.123-49 - MARIA TERESA DO RÊGO LOPES - USP ESALQ
Externo à Instituição - PAULO HENRIQUE SOARES DA SILVA - EMBRAPA
Presidente - 1167867 - PAULO ROBERTO RAMALHO SILVA
Externo à Instituição - RANYSE BARBOSA QUERINO DA SILVA - EMBRAPA
Notícia cadastrada em: 23/03/2015 17:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 22/06/2021 07:39