Notícias

Banca de DEFESA: MARCELA FLAVIA LOPES BARBOSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCELA FLAVIA LOPES BARBOSA
DATA: 30/08/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Sala do Conselho Departamental, no Centro de Ciências da Saúde, situado na Avenida Frei Serafim, Nº
TÍTULO: Associação entre Baixa Estatura com Fatores de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes Matriculados no Ensino Médio.
PALAVRAS-CHAVES: : Estatura. Hipertensão Arterial. Adolescentes. Fatores de risco. Doenças cardiovasculares.
PÁGINAS: 87
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

INTRODUÇÃO: As doenças cardiovasculares (DCV) constituem causa importante de morbidade e mortalidade e são consideradas um dos problemas de saúde de maior magnitude no Brasil, em que a Baixa estatura vem sendo estudada devido sua associação entre as doenças cardiovasculares. OBJETIVO: Analisar a associação da baixa estatura com os fatores de riscos cardiovasculares em adolescentes. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa descritiva, transversal de abordagem quantitativa, realizada em escolas técnicas federais da cidade de Teresina-PI, com 267 adolescentes, selecionados a partir de amostragem aleatória simples. O estudo recebeu aprovação do comitê de ética por meio do número de parecer: 2.528.663. Os dados foram coletados por meio de preenchimento de questionário que buscou as variáveis independentes: dados socioeconômicos, fatores cardiovasculares, pressão arterial, índice de massa corporal, medidas antropométricas (peso, altura, circunferência abdominal, circunferência do pescoço) em ambos os sexos. Utilizou-se a análise inferencial, para a avaliação de diferenças nas frequências observadas e esperadas entre duas variáveis categóricas, utilizou-se o Teste Qui-Quadrado de Pearson e Teste de Verossimilhança. O teste de ANOVA foi realizado com o intuito de verificar as diferenças de médias dos dados numéricos entre os grupos ou dados categóricos. RESULTADOS: Revelaram que a amostra foi constituída predominantemente de adolescentes do sexo feminino, com média de idade de 16,43 anos (mínima 14 e máxima 19 anos), de cor parda, com renda familiar de até um salário mínimo e estudavam no IFPI sul. Não foi possível identificar associação com a estatura e as variáveis socioeconômicas, medidas antropométricas e fatores de riscos cardiovasculares em ambos os sexos, porém houve significância em relação ao peso e a circunferência abdominal. Identificou-se fatores de risco cardiovasculares em relação aos hábitos alimentares, pois destacaram os adolescentes que acrescentam sal na comida quando não está salgada o suficiente. A amostra apresentou como fator de proteção para as DCV a prática de atividade física regular, pois realizam caminhadas no mínimo três vezes por semana. Além disso, a maioria deles não fuma, não consomem bebidas alcoólicas, apesar de já terem experimentado esse último com média de idade de 14 anos. CONCLUSÃO: Portanto, torna-se fundamental a formulação de estratégias de prevenção para os adolescentes visando à promoção de estilos de vida saudáveis como dietas com baixa densidade energética, incremento na atividade física, avaliação de saúde de forma regular e mudanças de comportamento quanto ao controle do peso corporal.

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2730060 - LUISA HELENA DE OLIVEIRA LIMA
Presidente - 2365867 - MAURICIO BATISTA PAES LANDIM
Externo ao Programa - 2364966 - ROSILANE DE LIMA BRITO MAGALHAES
Interno - 423325 - VIRIATO CAMPELO
Notícia cadastrada em: 20/08/2018 10:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 25/06/2024 19:22