Notícias

Banca de DEFESA: ROBERTA DUARTE BEZERRA PINTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROBERTA DUARTE BEZERRA PINTO
DATA: 25/06/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO: AVALIAÇÃO DERMATOSCÓPICA PRÉ-OPERATÓRIA PARA DEFINIÇÃO DE MARGENS CIRÚRGICAS LATERAIS DE CARCINOMAS BASOCELULARES
PALAVRAS-CHAVES: Carcinoma Basocelular, Dermatoscopia, Cirurgia, Margem lateral.
PÁGINAS: 73
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

O carcinoma basocelular (CBC) é a neoplasia mais frequente nos seres humanos e o câncer de pele mais  comum. Se não tratado, possui capacidade invasora local, levando a significante destruição tecidual adjacente. A excisão cirúrgica completa da neoplasia corresponde a uma das formas de tratamento, entretanto é comum ocorrer excisão incompleta. Para se realizar a excisão cirúrgica de uma lesão tumoral, demarcamos a lesão clínica e a margem lateral de segurança. Caso essa margem ainda contenha componente tumoral, tal fato pode levar a recorrência (risco de 17%). Existem diretrizes que indicam que margens laterais de segurança adequadas devem variar de 3 a 10 mm de área. Em casos selecionados, como em tumores na face e pescoço associados a bordas bem definidas, margens laterais de 2mm bastam para excisão completa do tumor em 95% dos casos. A dermatoscopia ou microscopia de epiluminescência corresponde a um exame de imagem não invasivo, de baixo custo e com a capacidade de mostrar estruturas que podem corresponder a remanescentes tumorais. Uma vez aplicado nas margens laterais dos carcinomas basocelulares a serem excisados, pode ser que sejam vistas estruturas extras além das que foram vistas durante o exame clínico, o que confere benefício ao se ampliar essas margens e promover a retirada completa da neoplasia. Assim, objetivou-se investigar os benefícios da aplicação da dermatoscopia nas margens lateriais tumorais antes do procedimento cirúrgico e avaliar quais estruturas dermatoscópicas mais aparecem nessas margens. Trata-se de uma pesquisa do tipo caso-controle, observacional, de abordagem qualitativa e quantitativa, dividida entre grupo com exame clínico e dermatoscópico (teste) e outro com exame clínico (controle) para a marcação das margens tumorais. Foi realizado no período de junho de 2019 a março de 2020 no Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí. Os sujeitos incluídos na pesquisa foram 45 pacientes com CBC, sendo 23 para o grupo teste e 22 para o grupo controle. Não poderiam ser incluídos portadores de CBCs morfeiformes, recorrentes, superficiais multifocais; de síndrome de Gorlin-Goltz e aqueles CBCs presentes em áreas corporais onde o exame dermatoscópico não fosse acessível. Os dados foram avaliados por meio de análise descritiva e inferencial, considerando a variável com associação quando p<0,05 e intervalo de confiança de 95%. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí em 20 de maio de 2019, com o número de parecer 3334987. A prevalência foi do sexo feminino (64,44%), média de idade de 72 anos, maioria das lesões estava na face (no grupo controle índice foi de 86.36 % e no teste, 78.26 %), tamanho médio da área das lesões do grupo controle foi de 1.45 cm 2 e no grupo teste 1.34 cm 2 . A margem lateral da lesão no grupo teste foi livre em 100% dos casos e no controle em 95,45%, com p= 0,48. O subtipo histológico mais frequente foi o Nodular (53,3%) em toda amostra. A estrutura dermatoscópica mais comum foi o ninho ovóide (37,5%). Mesmo com as limitações de amostra, pode-se verificar que a dermatoscopia possui benefício na sua aplicação pré- cirúrgica, embora não tenha se obtido variação estatística significante para esta variável do estudo. Quanto às estruturas dermatoscópicas, este estudo mostra-se pioneiro e salienta que a existência destas nas bordas tumorais serve como um importante marcador para que a margem lateral tumoral seja expandida. Portanto, os resultados desta pesquisa são de suma importância, pois comprovaram a necessidade e a relevância de se avaliar com futuros estudos a aplicação da dermatoscopia pré operatória e quais estruturas dermatoscópicas devem ser avaliadas criteriosamente nas margens laterais dos carcinomas basocelulares.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423072 - LAURO LOURIVAL LOPES FILHO
Interno - 423584 - IONE MARIA RIBEIRO SOARES LOPES
Interno - 423325 - VIRIATO CAMPELO
Externo ao Programa - 2476629 - ANA LUCIA FRANCA DA COSTA
Notícia cadastrada em: 16/06/2020 16:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 21/06/2024 08:38