Notícias

Banca de DEFESA: ROBSON ALMEIDA FERRAZ

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROBSON ALMEIDA FERRAZ
DATA: 31/08/2022
HORA: 14:00
LOCAL: PPG em Sociologia
TÍTULO: CLASSE TRABALHADORA E SOCIEDADE: PRESSÕES E DISPUTAS PELA POLÍTICA DE SALÁRIO MÍNIMO NOS GOVERNOS LULA (2003-2010).
PALAVRAS-CHAVES: Direitos sociais; Desigualdade de renda; Movimento sindical; Disputa política
PÁGINAS: 77
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O Brasil, desde os anos de 1930, busca estabelecer uma política de salário mínimo que respeite os acordos internacionais e atenda às demandas da classe trabalhadora interna. Os movimentos políticos que se estabeleceram com o fim da ditadura (1964-1985), vão se fortalecer cada vez mais, e acabar elegendo o primeiro presidente vindo dos quadros sindicais. Em nossa investigação observaremos que as pressões políticas que se deram em torno da política de salário mínimo no Brasil contemporâneo são reflexos de disputas políticas mais profundas no campo democrático. Identificamos três processos ao longo desta pesquisa que nos ajudaram a delimitar nossa pesquisa em torno da política de salário mínimo, que foram: os movimento da classe trabalhadora organizada, como as marchas do salário mínimo, as marchas das margaridas e outras manifestações públicas; as pressões de lideranças políticas e sociais no CDES, como as intervenções de conselheiros dos diversos segmentos, como empresários, acadêmicas e sindicalistas; e os resultados das pressões e disputas sobre a política de salário mínimo ao longo dos governos Lula. Em nossa hipótese, consideramos que os movimentos da classe trabalhadora, assim como outros segmentos sociais no CDES, foram essenciais para uma mudança no plano da política de salário mínimo construída ao longo dos dois governos Lula. Além dos elementos que destacamos, é possível que o crescimento econômico, as crises políticas e os processos eleitorais também tenham contribuído para as mudanças sobre a política de salário mínimo. Este trabalho teve como fontes de análise, as documentações do CDES, isto é, as atas de reuniões plenárias ordinárias, as cartas de concertação, a Agenda Nacional de Desenvolvimento e os 24 enunciados para o desenvolvimento, todos documentos de domínio público. Além dessa documentação, também utilizamos os dados produzidos pelo IBGE, análises produzidas pelo DIEESE e IPEA, e a literatura econômica, política, histórica e sociológica disponível sobre o tema.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1167736 - ANA BEATRIZ MARTINS DOS SANTOS SERAINE
Presidente - 1167770 - FRANCISCO PEREIRA DE FARIAS
Externo ao Programa - 1167585 - RICARDO ALAGGIO RIBEIRO
Notícia cadastrada em: 29/08/2022 12:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 20/07/2024 01:06