Notícias

Banca de DEFESA: FRANCISCA NATALIA ALVES PINHEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCA NATALIA ALVES PINHEIRO
DATA: 30/09/2022
HORA: 08:00
LOCAL: Sala 1 do Prédio da Pós-Graduação em Enfermagem
TÍTULO: (IN)SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL E DISPONIBILIDADE INTRAFAMILIAR DE ALIMENTOS EM TEMPOS DE COVID-19
PALAVRAS-CHAVES: Segurança Alimentar e Nutricional. Covid-19. Pandemias. Estratégia Saúde da Família
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Saúde Pública
RESUMO:

No Brasil, Segurança Alimentar e Nutricional é definida como acesso
regular e permanente de todos a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente,
sem que isso comprometa o acesso a outras necessidades essenciais. Os índices de
insegurança alimentar no Brasil vêm crescendo desde 2016, apenas dois anos após
a saída do país do mapa da fome. A crise sanitária gerada pela pandemia da COVID-
19 repercutiu nos índices de insegurança alimentar, afetando a disponibilidade
intrafamiliar de alimentos. OBJETIVO: Conhecer os impactos da pandemia pela
COVID-19 na (in)segurança alimentar e nutricional e na disponibilidade intrafamiliar
de alimentos no Brasil. MÉTODO: Trata-se de websurvey, de abrangência nacional,
realizado por meio de formulário on-line, com questões sobre aspectos
sociodemográficos, econômicos e nutricionais. A coleta de dados foi realizada de
outubro de 2021 a abril de 2022. Para avaliação da situação de insegurança alimentar,
utilizou-se da Escala Brasileira de Segurança Alimentar e Nutricional e do questionário
de disponibilidade de alimentos. Realizaram-se estatísticas descritivas simples e, por
se tratar de dados não paramétricos, aplicou-se o teste Mann-Whitney para avaliar a
diferença entre os valores quantitativos. Para verificar associação entre as variáveis
qualitativas, aplicou-se o teste exato de Fisher, sendo que para valores ao nível de
5% foi selecionado para o cálculo de razão de chance Odds ratio bruta, por meio da
regressão logística. A força das associações foi aferida pelo OR e pelos intervalos de
confiança (IC 95%). Para as demais análises realizadas, adotou-se o nível de
significância de 0,05. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da
Universidade Federal do Piauí, conforme parecer nº 5.118.612. RESULTADOS:
Entrevistaram-se 671 pessoas, destas, 53,4% apresentaram situação de segurança
alimentar, enquanto 46,6% vivenciaram algum grau de insegurança alimentar durante
a pandemia. Neste estudo, a insegurança alimentar foi associada às condições
socioeconômicas, como escolaridade, densidade familiar, empregabilidade e perda de
renda, durante a pandemia, assim como menor disponibilidade de alimentos,
principalmente os considerados saudáveis. CONCLUSÃO: Os resultados
encontrados neste estudo alertam para necessidade de políticas efetivas de combate
à insegurança alimentar e nutricional, durante e após a pandemia da COVID-19, que
considerem as dimensões que compõem o conceito de segurança alimentar,
principalmente na garantia da disponibilidade intrafamiliar de alimentos em quantidade
e qualidade suficientes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2499589 - CHRYSTIANY PLÁCIDO DE BRITO VIEIRA
Interno - 2340544 - EMIDIO MARQUES DE MATOS NETO
Interno - 2073270 - FERNANDO JOSÉ GUEDES DA SILVA JÚNIOR
Externo à Instituição - AMANDA MARREIRO BARBOSA - UFSC
Notícia cadastrada em: 06/09/2022 09:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 03/02/2023 04:29