Notícias

Banca de DEFESA: EDENILSON DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EDENILSON DE SOUSA
DATA: 09/02/2024
HORA: 09:00
LOCAL: Transmissão on-line, via Google Meet: https://meet.google.com/wnc-wqro-ibb
TÍTULO: Novos registros de Semionotiformes Woodward, 1890 da Formação Pastos Bons (Jurássico Superior, Bacia do Parnaíba), Piauí, Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Folhelho Muzinho; Floriano; Ginglymodi; Ontogenia; Sistemática.
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
RESUMO:

O Clado Gynglimodi se destaca pela diversidade que apresentava durante a Era Mesozóica, com as primeiras linhagens surgindo no Período Triássico, que se dividiu posteriormente em duas ordens: †Lepisosteiformes e †Semionotiformes. Os ginglimodianos ocuparam diversos ambientes aquáticos ao redor do mundo, com paleoiciofaunas endêmicas se estabelecendo nas bacias interiores e marginais do Nordeste Brasileiro, a exemplo da Bacia do Parnaíba. A Formação Pastos Bons corresponde a seção de idade jurássica dos extratos mesozoicos dessa bacia, cuja unidade fossilífera, denominada Folhelho Muzinho, abriga principalmente peixes fósseis (†Coelacanthiformes (†Mawsoniidae): Parnaibaia maranhaoensis; †Lepisosteiformes incertae sedis, †Semionotiformes (†Macrosemiidae; †Semionotidae: Quasimodichthys piauhyensis e Lophionotus parnaibensis) e Teleostei (†Pleuropholidae: Gondwanapleuropholis longimaxillaris), além do crocodiliano, Batrachomimus pastosbonensis. e invertebrados, como conchostráceos (Macrolimnadiopsis paloi, Cyzicus (Lioestheria) florianensis, Pseudoestheria sp. e Asmussia sp.), e palinomorfos. Dentro do contexto de ampliar o conhecimento da paleoicitiofauna local, o presente trabalho propôs estudar taxonomicamente novos fósseis de peixes semionotiformes provenientes dessa unidade, situada na cidade de Floriano, no Estado do Piauí. A metodologia consistiu na coleta, preparação e descrição de quatro semionotiformes semi-articulados (LGP-2046, LGP-2050, LGP-2051, LGP-2052), atualmente depositados no Acervo Técnico do Laboratório de Geociências e Paleontologia (LGP), no Campus Amílcar Ferreira Sobral da Universidade Federal do Piauí, em Floriano. Os resultados indicaram que o LGP-2046 e LGP-2052 possuem similaridade com as formas juvenis de Q. piauhyensis, apresentando pouca elevação pré-dorsal, escamas de ganoína lisas e não ornamentadas, corpos fusiformes, divergindo de indivíduos adultos, mais robustos; indicativos de série circum-orbital fechada e opérculo mais avantajado que o subopérculo. A identificação de LGP-2050 é incerta devido a má preservação dos ossos da região cefálica, embora o pós-crânio seja avaliado como característico de Q. piauhyensis. O pós-crânio de LGP-2051 está próximo de L. parnaibensis, com nadadeira dorsal a nadadeira pélvica (ausente) e anal, composta por fulcras basais pareadas, seguidas por raios ramificados e segmentados; e nadadeira caudal heterocerca abreviada. A análise dos espécimes endossa a presença de outras formas ontogenéticas além das adultas pertencentes à espécie-tipo da unidade, como a distribuição de outros táxons, diversificando †Semionotiformes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1814200 - DANIEL COSTA FORTIER
Externo à Instituição - HANNA CAROLINA LINS DE PAIVA - UERJ
Interno - 3058497 - JULIO FERNANDO VILELA
Externo à Instituição - MARCO AURÉLIO GALLO DE FRANÇA - UNIVASF
Notícia cadastrada em: 18/01/2024 11:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 17/04/2024 13:07