Notícias

Banca de DEFESA: FRANCILENE CUNHA DE MORAIS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCILENE CUNHA DE MORAIS
DATA: 31/08/2017
HORA: 10:00
LOCAL: sala de aula do PPGHB
TÍTULO: SOCIEDADE E FAMÍLIA: Um estudo dos casamentos em Barras (PI) de 1889 a 1930.
PALAVRAS-CHAVES: Casamento. Família. Barras. Piauí.
PÁGINAS: 134
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
RESUMO:

O estudo avalia o casamento no Piauí, através da análise de documentos cartoriais do município de Barras, evidenciando a formação familiar na região, entre os anos de 1889 e 1930. Período caracterizado por várias transformações que envolveram aspectos da vida cotidiana, como a que atingiu diretamente o vínculo matrimonial, devido a processos como laicização do Estado e secularização do casamento, que transferiram a incumbência dos enlaces do domínio religioso para o civil. A pesquisa apresenta desde a formação da sociedade piauiense, o seu povoamento, a formação das vilas, especialmente a região Norte do Piauí e Barras até algumas alterações de normas que regiam o casamento e informações sobre o modo como o matrimônio foi vivenciado no final do século XIX na cidade de Barras. Destacam-se vários aspectos como: a escolha dos noivos, em que se considera o tipo de extração social, a faixa etária, o estado civil, os índices de escolarização e orfandade, a profissão e o local de origem ou de residência; os impedimentos de consanguinidade apresentando os documentos necessários e os tipos de impasses legais à realização do casamento, por consanguinidade ou afinidade. Consta a passagem do casamento religioso ao casamento civil, salientando temas como o local, os meses, os dias e horários e por fim informação sobre as testemunhas, faixa etária e profissões exercidas. Dessa forma, foi necessário investigar sobre a instituição do casamento num período em que este passa do domínio religioso para o civil, comprovando que, apesar da adequação ao novo sistema matrimonial regido pelo Estado, a fim de assegurar legitimidade ao enlace, o casamento religioso ainda preserva forte relevância junto à população, marca da sua presença como cerimônia legítima nas leis dos homens e de Deus no Brasil, desde o século XVII até o século XIX.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANTONIA MOTA DA SILVA - UFMA
Interno - 2174309 - PEDRO VILARINHO CASTELO BRANCO
Presidente - 2167352 - TERESINHA DE JESUS MESQUITA QUEIROZ
Notícia cadastrada em: 14/08/2017 14:50
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 02/06/2020 05:20